Dakar 2024 – Especial 12 – Yanbu

O Dakar de 2024 teve seu final nessa sexta-feira que se pode ser considerada histórica em vários aspectos e em várias categorias. Tivemos títulos inéditos, pódios inéditos, favoritismos confirmados e viradas impressionantes no último estágio que teve 175 pela cidade de Yanbu.

Nas motos, a vitória no estágio foi do argentino Kevin Benavides com Toby Price na segunda posição, dobradinha da KTM, mas sem nenhum motivo para comemorar. Pela primeira vez desde de 2000 que não teremos motos da marca austríaca no pódio das motos. O pódio da especial foi completado pelo Argentino Luciano Benavides da Husqvarna.

O francês Adrien van Beveren da Honda completou a especial na 4ªposição e acabou conquistando o seu primeiro pódio na classificação geral. Van Beveren vinha de 2 classificações na 4ªposição em 2017 e 2022 pela equipe Yamaha. Em seu segundo ano pela Honda acaba finalmente entre os 3 melhores pilotos do Dakar.

Ross Branch tinha a dura missão de tentar tirar os 10 minutos que Ricky Brabec tinha na frente para dá a Hero a primeira vitória no Dakar, mas não conseguiu esse feito, isso porque Ricky Brabec melhorou seu desempenho no final da sessão e ajudado pelo bônus que teve nessa especial acabou fazendo o suficiente para ficar 31 segundos a frente de Ross Branch Na 7ªposição da especial) para levar o título do Rally Dakar pela segunda vez a carreira e devolver o topo do pódio para a Honda que leva o 3ºcampeonato dessa Década (Década de 2020).

Ricky Brabec tem 32 anos e participa do seu 9º Dakar, todos eles disputando pela equipe oficial da Honda. Essa é seu segundo título do Dakar e o seu 3ºpódio na classificação geral (Campeão em 2020, vice-campeão em 2021 e campeão em 2024).

Mesmo sem o título, Ross Branch conquistou um brilhante 2ªposição conquistando o primeiro pódio da Botsuana na classificação geral no Dakar e levou a moto Indiana Hero ao seu primeiro pódio de sua história no Dakar. Branch de 37 anos vive hoje seu melhor momento da sua carreira. Entre Brabec e Branch ficou o francês Mathieu Doveze da BAS World KTM, 3ºcolocado na especial entre os pilotos da Moto Rally 2 (8ºcolocado na classificação geral).

A vitória na etapa final na Moto Rally 2 ficou com o Argentino Diego Gamaliel Llanos da XRaids que chegou na 5ªposição na classificação geral numa grande exibição, colocando 3 Argentinos entre os 5 primeiros colocados. Porém, as atenções pelo título da categoria ficaram voltadas para Harith Noah, Romain Dumontier e Bradley Cox. Nessa disputa, o sul-africano Cox da Bas World Rally foi bem rápido no primeiro terço de sessão, mas acabou perdendo tempo no começo do segundo terço da especial e ai suas esperanças de título praticamente desapareceram.

Romain Dumontier chegou na segunda posição ficando 9 segundos atrás de Llanos. Mas não foi suficiente para tirar a vantagem de Harith Noah tinha de frente para o piloto francês, o piloto da Sherco conseguiu a 10ªposição na classificação geral (empatado com Bradley Cox) e a 5ªposição na classificação da sua categoria, ficando a 4 minutos e 19 segundos do vencedor e 56 segundos atrás de Dumontier.

Com esses resultados, Harith Noah se torna o primeiro indiano campeão do Dakar e a Sherco conquista o primeiro título da sua história no Dakar, o piloto de 30 anos de idade disputa o Dakar pela 5ªvez e só tinha completado 1 vez o evento na 20ªposição, o melhor resultado de um indiano no evento. Agora em 2024, Harith Noah escreve mais um capitulo na sua história, na história do esporte a motor indiano e para a Sherco que comemoraram um título inédito. Noah ficou a soma dos tempos 4 minutos e 57 segundos a frente de Romain Dumontier (vice-campeão da categoria Rally 2) e 6 minutos e 28 segundos a frente de Bradley Cox (3ºcolocado da categoria Rally 2).

Completando o Top 6 da categoria vieram: Jeanloup Lepan da Duust, Toni Mulec da BAS World Dakar e Mathieu Doveze também da BAS World Dakar, todos eles separados por apenas 31 minutos e 54 segundos entre os 6 primeiros dessa categoria. Curiosidade é que os 6 primeiros colocados no moto Rally 2 ficaram entre 11ª até a 16ªposições. Os 10 primeiros colocados na soma dos tempos ficaram com pilotos da Moto Rally GP.

Stefan Svitko acabou ficando na 13ªposição na especial, logo atrás de Daniel Sanders da GasGas e acabou conquistando o título de melhor piloto privado, com seus 41 anos e com um desempenho consistente levando seu 6ºresultado entre o Top 10 entre todas as motos. Jeanloup Lepan e Tommaso Montanari completaram o Top 10. Destaque para Montanari que levou a Fantic ao seu melhor resultado desde da sua entrada no Dakar, mesmo sendo em uma especial curta e no final da competição já dá mostras de um equipamento mais promissor em relação a edições anteriores do Dakar.

Toni Mulec da BAS World Rally terminou a especial em decente 16ªposição, 1 minuto e 25 segundos a frente do tcheco Dusan Drdaj da Orion MRG que ficou 1 minuto e 1 segundo a frente de Martin Michek que acabou salvando a 10ªposição na classificação geral, a menos de 6 minutos de vantagem para Harith Noah. O tcheco conseguiu seu segundo Top 10 na sua carreira no Dakar.

Tobias Ebster chegou na 19ªposição e conquistou o título na categoria original e de quebra  conquistou o título de novato do ano, pilotando uma KTM pela equipe Kini Rally é um piloto que deve se abrir olho para as próximas edições do Dakar.

Já Nacho Cornejo teve uma final de Dakar para esquecer, sua última especial não foi muito boa e acabou levando o piloto chileno para a 20ªposição. Esse resultado foi fatal para que o piloto da Honda perdesse posições para Kevin Benavides e Toby Price na soma dos tempos. Para quem tinha chances de até vencer o Dakar, terminar na 6ªposição após problemas nas 2 etapas finais é de doer para qualquer piloto. Pablo Quintanilla foi punido em 18 minutos caindo para a 36ªposição.

Na categoria quadriciclos, a vitória da especial ficou com Alexandre Giroud da Drag’on, mas o título ficou mesmo com o Argentino Manuel Andujar da 7240 Team que terminou o Dakar 7 minutos e 59 segundos a frente do piloto francês. Esse é o segundo título do piloto Argentino nos quadriciclos, o primeiro deles foi em 2021 e na sua 7ªparticipação no Dakar e acaba se tornando um dos maiores campeões da categoria. O pódio foi completado pelo eslovaco Juraj Varga da Varga Motorsport Team.

Nos Carros, a disputa pelo título já estava decidida para a dupla espanhola Carlos Sainz e Lucas Cruz que não tiveram nenhum grande problema para levar o carro ao final da 12ªespecial para comemorarem o título da categoria. Esse é o seu 4ºtítulo dos carros e pela 4ª marca diferente, Sainz foi campeão pela Wolkswagen em 2010, Pegueot em 2018, Mini de 2020 e agora pela Audi que acaba sendo o primeiro carro elétrico da história do Dakar.

Na última especial do evento, a vitória ficou com Sebastien Loeb e o copiloto Fabian Lurquin com o tempo de 1 hora, 39 minutos e 41 segundos acabou chegando 5 minutos e 9 segundos a frente do belga Guillaume de Mevius e do francês Xavier Panseri. O multicampeão do Mundial de WRC, mordido pelos problemas no dia anterior acabou fazendo uma excelente especial e acabou com esse resultado salvando a 3ªposição na soma dos tempos, um pouco atrás de De Mevius e Panseri que acabaram com o vice-campeonato do Dakar. O pódio da especial foi do lituânio Vaidotas Zala e do Português Paulo Fiuza com o melhor resultado da Mini nesse Dakar.

Guerlain Chicherit e Alex Winocq acabaram a especial na 4ªposição e ficou perto de ter conquistando o pódio na soma dos tempos. Nesse último estágio tivemos pilotos que estiveram apagados na competição e conseguindo terminar nas primeiras posições como foi o caso dos poloneses Krzysztof Holowczyc e o copiloto Lukasz Kurzeja da Mini na 5ªposição e dos sul-africanos Gareth Woolridge e do copiloto Boyd Dreyer da Ford que chegaram na 7ªposição, entre eles vieram os franceses Mathieu Serradori e Loic Minaudier da Century Racing.

As duplas formadas por Denis Krotov e Konstantin Zhiltsov da Overdrive, por Benediktas Vanagas e Kuldar Sikk da Toyota e  por Juan Cruz Yacopini e Daniel Oliveras Carreras da Overdrive fecharam o top 10 do dia. O brasileiro Lucas Moraes e o copiloto espanhol Armand Monleon chegaram na 11ªposição nessa última especial e terminaram na 9ªposição na soma dos tempos. Um resultado frustrante para um piloto a segunda posição em suas mãos até ter uma quebra suspensão no final da penúltima especial do Dakar.

Martin Prokop e Viktor Chytka ficaram na 16ªposição na especial e acabaram o evento na 5ªposição. Foi o melhor desempenho do piloto que sempre representou a equipe Ford e que está faz muito tempo no projeto dessa marca e fizeram por merecer esse importante resultado. Os campeões Carlos Sainz e Lucas Cruz fecharam a especial na 17ªposição.

Nani Roma e Alex Haro Bravo ficaram na 20ªposição. O Piloto espanhol campeão dos carros e das motos e seu copiloto conseguiram completar o Dakar, é uma vitória para Nani Roma voltar ao evento após uma dura batalha contra um câncer que foi descoberto em 2022. É uma vitória para Roma voltar ao Dakar e disputar de forma competitiva o evento.

Para Stephane Peterhansel, sua passagem pela Audi é para esquecer, o piloto francês acabou sua última corrida pela equipe oficial da Audi com problemas em seu carro e não conseguiu lutar pelo seu 15ºtítulo da sua carreira.

Nos Challenger, a categoria teve uma enorme reviravolta no resultado final da soma dos tempos, os norte-americanos Mitchell Guthrie e seu copiloto Kellon Watch vinham mais de 25 minutos a frente de Cristina Gutierrez e Pablo Moreno Huete e com o título do Dakar na mão. Porém, no decorrer da última especial, a dupla norte-americana tiveram problemas de transmissão que atrasaram a dupla em 1 hora. Com isso, Cristina Gutierrez e Pablo Moreno Huete que chegou na 3ªposição nessa última especial se tornaram os campeões da categoria.

Cristina Gutierrez se torna a segunda mulher a vencer no Dakar, a primeira foi Jutta Kleinschmidt no Dakar de 2021. A piloto espanhola escreve seu nome na história do evento. Ano que vem vai disputar a categoria dos carros.

Com relação a especial, a vitória ficou com os brasileiros Marcelo Gastaldi e Carlos Sachs da Team BBR após 1 hora, 55 minutos e 22 segundos, eles ficaram 23 segundos a frente da Saleh Alsaif e do copiloto Nasser Alkuwari da Dark House Team e os campeões do Dakar Cristina Gutierrez e Pablo Moreno Huete completaram o pódio. Na classificação geral, o pódio foi completado por Rokas Baciuska da Lituânia e o copiloto Oriol Vidal da Espanha ao bordo de um carro da Can-Am.

Nos SSV, a luta pelo título foi super equilibrada entre os franceses Xavier de Soultrait com seu copiloto Martin Bonnet da Sebastien Loeb contra a dupla franco-suíça formada por Jerome de Sadeleer (Suíça) e o copiloto Michael Metge (França) da MMP. Em um duelo entre os carros da Polaris e da Can-Am. Os dois estavam separados por apenas 2 minutos e 49 segundos

O duelo durou durante toda a especial que teve a vitória dos franceses Florent Vayssade e de Nicolass Rey da equipe de Sebastien Loeb, 1 minuto a frente dos portugueses João Ferreira e Filipe Palmeiro da equipe Can-Am. Em relação ao título, Jerome de Sadeleer e o copiloto Michael Metge chegaram em 3ºlugar com 2 horas, 2 minutos e 8 segundos. Ele teriam de torcer para os seus adversários ficaram 3 minutos atrás deles. Porém, Xavier de Soultrait e seu copiloto Martin Bonnet acabou ficando apenas 24 segundos atrás da dupla Franco-suíça e levaram o título da categoria.

O francês Xavier de Soultrait que disputou o Dakar nas Motos de 2014 até 2022 esta na categoria SSV desde do ano passado e na sua segunda participação na categoria acabou por conseguir o campeonato do Dakar junto do seu copiloto que conseguiu o primeiro título da carreira. Já Jerome de Sadeleer e Michael Metge ficaram frustrados com a segunda posição, mas também em uma excelente participação dessa dupla.

O pódio da categoria ficou com o Saudita Yasir Seaidan e o copiloto francês Adrien Metge da MMP que faz dobradinha no pódio na segunda e terceira posição. A dupla norte-americana formada por Sara Price e Jeremy Gray e a dupla portuguesa formada por João Ferreira e Filipe Palmeiro fecharam o Top 5 da especial.

Nos caminhões, sem nenhuma surpresa com relação ao título dos tchecos Martin Macik, Frantisek Tomasek e David Svanda conquistaram o título da categoria com muita facilidade. Nessa última especial, ficaram na 5ªposição, 6 minutos e 22 segundos atrás dos tchecos Ales Loprais, Jaroslav Valtr Jr. e Jiri Stross da Praga, os vencedores da especial e os vice-campeões do Dakar desse ano. O pódio da especial foi completado pelos tchecos Jaroslav Valtr, Rene Kilian e David Kilian da Tatra na segunda posição (1 minuto e 30 segundos do vencedor) e os campeões de 2023, Janus van Kasteren (Holanda), Darek Rodewald (Polônia) e Marcel Snijders (Holanda) com o caminhão da Iveco na terceira posição. Ainda teve na frente dos campeões do Dakar o trio holandês formado por Gertt Huzink, Rob Buursen e Martin Roesink com o caminhão da Renault.

Martin Macik, Frantisek Tomasek e David Svanda conquistaram o primeiro título no Dakar, eles estão em trio desde do Dakar de 2020 e vem colecionando bons resultados em todas as edições que estiveram disputando. No ano passado, Macik/Tomasek/Svanda alcançaram o vice-campeonato do Dakar, mas esse ano acabou que eles conquistaram a vitória. Na segunda posição da soma dos tempos, Ales Loprais, Jaroslav Valtr Jr. e Jiri Stross da Praga, um grande resultado para a Rep.Tcheca que teve dobradinha de trios no pódio dos caminhões, que foi completado por Mitchell van den Brink (Holanda), Moises Torrallardona (Espanha) e Jarno van de Pol (Holanda) da Eurol Rallysport.

O Portal Sportszone parabeniza a todos os campeões do Dakar 2024 e a todos os competidores que disputaram esse evento. Semana que vem teremos uma avaliação do Dakar e todos os resultados de todas as especiais com todos os pilotos que disputaram a 46ªedição do Dakar.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar

Deixe um comentário