Mundial de Motovelocidade 2024 – GP do Qatar – Treinos de Sexta-feira

Treinos de sexta-feira foram prejudicados pela chuva que caiu no finalzinho da sessão da Moto 3 e que comprometeu os treinos da Moto 2 e da MotoGP.

Na sessão que teve pista seca, o espanhol Daniel Holgado foi o mais rápido da sessão seguido de Adrián Fernández da Leopard Racing e Matteo Bertelle da Snipers. Na moto 2, somente 5 pilotos entraram na pista e 4 pilotos marcaram tempos. Jaume Masia foi o mais rápido com Bo Bendsneyder completando a dobradinha da SAG.

Na sessão de treinos livres da MotoGP, Marc Marquez em sua estreia na Gresini foi o mais rápido seguido dos dois pilotos da Tech 3 com Augusto Fernandez na segunda posição e Pedro Acosta na 3ªposição, o campeão da Moto 2 do ano passado já mostra que vai dar muito trabalho.

A Moto 3 foi disputada com a pista seca, mas por duas vezes a sessão foi interrompida problemas técnicos. Uma foi logo no começo a sessão, quando ela teve seu começo adiado em minutos e a segunda foi a 7 minutos e 53 segundos do final quando a sessão demorou um pouco mais para a conclusão da sessão.

Nos 35 minutos de sessão tivemos 6 quedas de pilotos, o primeiro a cair foi o japonês Tairo Furusato. Outro que caiu foi Collin Veijer que foi lançado da sua moto para o chão na curva 14. Os dois acidentes foram violentos, mas só prejuízos matérias, os pilotos nada sofreram .

Com quase 8 minutos de sessão, Jose Antonio Rueda passou a liderança com 2:05.778 e quebrou o recorde do circuito que pertencia a Darryn Binder desde de 2021.

Rueda liderou a sessão até o finalzinho quando foi superado primeiro por Adrián Fernández e Matteo Bertelle e segundos depois por Daniel Holgado que superou todo mundo com o tempo de 2:03.606 conquistando a primeira posição da sessão. Jose Antonio Rueda tentou recuperar a ponta, mas acabou indo para o chão, o mesmo aconteceu com Vicente Perez, companheiro de equipe de Rueda.

Holgado é o primeiro colocado seguido de Adrián Fernandez, Bertelle, Rueda, Ortolá, Rossi, Alonso, Nepa, Muñoz, Kelso, Roulstone (que se destacou no primeiro dia de seu final de semana de estreia no Mundial), Yamanaka, Farioli e Almansa que estarão classificados para o Q2 se as posições se mantiverem no Treino na manhã do Sábado.

Moto 2. A chuva inibiu os pilotos que em sua maioria preferiam nem ir para a pista. Aron Canet foi o primeiro a entrar na pista, mas logo voltou para os boxes. Os únicos pilotos que marcaram tempos foram os pilotos da SAG e da Forward, logo as duas piores equipes da temporada passada na classificação das equipes.

Xavier Artigas liderou a sessão em grande parte da sessão, mas no finalzinho, Jaume Masia acabou tomando a liderança e ficou na frente com 2:14.891, um pouco mais de 1 segundo a frente do holandês Bo Bendsneyder, ambos pilotos da equipe SAG. Xavier Artigas e Alex Escrig da Forward ficam na 3ª e 4ªposições respectivamente. O treino da manhã de sábado vai decidir quem são os 14 classificados para o Q2 e a repescagem.

Na motoGP, a decisão de quem vai para o Q1 e para o Q2 foi adiada para a manhã de Sábado. Portanto os pilotos teriam 45 minutos para testarem e aprimorarem suas novas motos.

Jorge Martin que foi o mais rápido na sessão da manhã de sexta começou na frente, mas logo foi superado por Augusto Fernandez da Tech 3 Gas Gas e depois foi superado por Marco Bezzecchi que foi superado por Joan Mir e Fabio Quartararo. Ou seja, todo mundo estava melhorando tempo naqueles primeiros minutos.

Os dois pilotos da Tech 3 mostraram grande desempenho, Tanto é que Augusto Fernandez voltou a liderar a sessão com 2:08.040. Aos 13 minutos de sessão, Pedro Acosta demorou o tempo do companheiro de equipe (2:07.441) e passou a liderar a sessão. Com quase 16 minutos de sessão,

Marc Marquez com a Ducati de 2023 pula para a terceira posição e minutos depois pulou para a ponta com 2:06.544 deixando Adrian Fernandez em 2º e Pedro Acosta em 3º.

A chuva volta a cair no final e Marc Marquez termina o dia na frente com a Ducati 2023 da equipe Gresini. Completado os Três primeiros colocados vem os 2 pilotos da Tech 3 com Augusto Fernandez em 2º e Pedro Acosta em 3º. Jack Miller e Brad Binder da KTM ficaram na 4ª e 5ªposições, seguidos de Raúl Fernández da Trackhouse (equipe estreante na MotoGP), Enea Bastianini da Ducati, Fabio di Giannantonio da VR46, Alex Marquez da Gresini e Johann Zarco da LCR Honda.

Amanhã acontecem os treinos livres da manhã que definem os classificados para o Q2 de forma direta e os pilotos que disputam a repescagem, as classificações das três categorias e da corrida Sprint no final da programação do sábado.

Texto: Deivison da Conceição da Silva

Marc Marquez sai da Honda e vai para a Gresini, quais os desafios do Formiga Atômica e quem vai substituir Marquez na Honda

A notícia que agitou e ainda agita o Mundo do Mundial de Motovelocidade é a saída de Marc Marquez da Honda após 11 temporadas de uma parceria que rendeu 6 títulos mundiais para o piloto e para a montadora para correr pela Gresini na temporada de 2024. O Formiga Atômica fez um momento que raramente um piloto campeão faria. Um caso que aconteceu foi na Formula 1, quando Damon Hill que ganhou o Título Mundial de 1996 não teve seu contrato renovado e acabou indo para a Arrows em um audacioso projeto de Tom Walkinshaw que acabou não dando certo já que o carro daquele ano tinha muitos problemas de confiabilidade apesar de certo potencial do campeão do Mundo e do investimento feito pela equipe nessa temporada.

Apesar disso, Hill não era um dos gigantes da categoria e nem mesmo era considerado um gênio do esporte como é hoje Marc Marquez.

Todos se perguntam do porque um piloto 6 vezes campeão do Mundo trocar uma equipe de fábrica como a Honda para uma equipe privada e com poucas condições financeiras como é a Gresini Racing?

Existem algumas respostas para essa pergunta…

A primeira delas é para provar que ainda é capaz de conquistar vitórias e de lutar pelo título do Mundial de Motovelocidade. Marc Marquez terá a disposição a Ducati Desmosedici GP23 (Moto dessa temporada) a provável moto campeã da temporada. Portanto, terá as informações e os acertos de uma moto que já disputou um campeonato inteiro. Com todas essas informações, Marc Marquez tem uma grande vantagem em relação aos seus adversários, mesmo com uma Moto que será teoricamente defasada em relação as motos da temporada de 2024.

Além disso, a Ducati tem 8 motos no grid, nada impede que em determinado momento, um acerto que venha da Ducati de 2024 não possa ser usada na Ducati que Marc Marquez vai pilotar no ano que vem.

Outra resposta é que o Formiga Atômica não tem mais como tirar no braço todas as deficiências da Honda com sua pilotagem, principalmente depois dos acidentes que ele sofreu nos últimos anos. A moto da Ducati é super dócil, muito fácil de guiar enquanto que a Honda é uma moto nervosa, bem difícil de ser guiado por qualquer piloto, mesmo para Marc Marquez.

Uma terceira resposta é finalmente formar dupla com Alex Marquez, seu irmão que saiu da Honda e foi para a Gresini. Com certeza, Marc ouviu seu irmão sobre a Gresini e sobre a Ducati e sem dúvida essas conversas tiveram um peso decisivo para a definição da vida de Marc Marquez para 2024.

Uma 4ª e última resposta é que Marc Marquez saiu da Honda para a Gresini, com um contrato de 1 ano de duração. Após 2024, vários contratos vão se encerrar na categoria principal e provavelmente teremos uma nova rearrumação do plantel da MotoGP a partir de 2025 e Marc Marquez quer estar disponível para conseguir um lugar em uma equipe de fábrica. KTM, Aprilla, a própria Ducati e até mesmo voltar a Honda não esta descartada.

Mas existe também a chance de Marquez continuar na Gresini e de até mesmo de comprar a Gresini em um futuro próximo.

Marc Marquez já esta com seu futuro traçado, mas ele ainda tem 6 etapas para correr pela Honda e tentar arranjar alguma coisa com essa moto que já lhe deu muitos resultados positivos, mas que agora esta lhe dando mais dor de cabeça nesse momento.

Já a Honda tem uma questão a ser resolvida: Quem vai ser o substituto de Marc Marquez na Honda? Existem candidatos que a Honda esta em busca. Na minha opinião, o principal candidato é o português Miguel Oliveira que hoje corre pela RNF com a moto da Aprilla da temporada de 2022.

Apesar de uma moto defasada e de ter perdido algumas corridas por causa de lesão,  Oliveira tem fazendo uma boa temporada, mostrando seu valor como piloto, um valor que a equipe oficial da KTM não parece ter lhe dado. O que pode facilitar a transferência de Miguel Oliveira da RNF, time satélite da Aprilla para a equipe de fabrica da Honda é que o contrato do piloto Português deve ter uma multa rescisória mais acessível para a contratação.

Outro piloto que esta na mira é o espanhol Marevick Viñales, piloto oficial da Aprilla desde 2021, o piloto espanhol tem fez um bom trabalho, mas longe de ser brilhante. Só que contratar Viñales é mais difícil, é provável que a multa rescisória seja mais cara do que a rescisão de Oliveira.

Se nenhum deles acetar com a Honda, então existe algumas alternativas para a Fábrica. Uma delas é promover Zarco para a equipe oficial e contratar um piloto menos badalado para a LCR Honda. Existe a chance de colocar Iker Lecuona, piloto espanhol que correu algumas corridas em substituição a Joan Mir, Alex Rins e Marc Marquez. Iker esta correndo na SuperBike pela equipe oficial da própria Honda.

Outro que pode entrar nessa vaga é Stefan Bradl, piloto de testes da Honda que teve alguns resultados razoáveis nessa temporada,  em substituição a pilotos titulares ausentes e como wild card.

Uma outra possibilidade é contratar Fabio di Giannantonio, ele poderia passar alguma informação importante sobre as motos da Ducati, alguma informação que faça a Honda fabricar uma moto melhor para o futuro. Ou em uma última e improvável possibilidade é contratar um piloto da Superbike ou da Moto 2.

Vamos ver o que a Honda vai decidir nas próximas semanas.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Honda HRC/Gresini/RNF/Aprilla