Preview do GP da Espanha de 2019 – Formula 1

A Cena mais bonita dos últimos anos na Formula 1

Review da Prova de 2018:

Dados do Circuito:

Circuito da Catalunha
Localização: Montmeló, Espanha
Voltas: 66
Percurso: 4.655km ou 2.892 milhas
Total: 307.104 km ou 190.825 milhas
Curvas:16
Recorde (Pole) Lewis Hamilton 1:16.173 em 2018
Volta mais rápida em Prova: Daniel Ricciardo: 1:18.441 em 2018

Vencedores:

Na CatalunhaPilotoEquipe
2018Lewis HamiltonMercedes
2017Lewis HamiltonMercedes
2016Max VerstappenRed Bull
2015Nico RosbergMercedes
2014Lewis HamiltonMercedes
2013Fernando AlonsoFerrari
2012Pastor MaldonadoWilliams
2011Sebastian VettelRed Bull
2010Mark WebberRed Bull
2009Jenson ButtonBrawn
2008Kimi RäikkönenFerrari
2007Felipe MassaFerrari
2006Fernando AlonsoRenault
2005Kimi RäikkönenMclaren
2004Michael SchumacherFerrari
2003Michael SchumacherFerrari
2002Michael SchumacherFerrari
2001Michael SchumacherFerrari
2000Mika HäkkinenMclaren
1999Mika HäkkinenMclaren
1998Mika HäkkinenMclaren
1997Jacques VilleneuveWilliams
1996Michael SchumacherFerrari
1995Michael SchumacherBenetton
1994Damon HillWilliams
1993Alain ProstWilliams
1992Nigel MansellWilliams
1991Nigel MansellWilliams
Em Jerez
1990Alain ProstFerrari
1989Ayrton SennaMclaren
1988Alain ProstMclaren
1987Nigel MansellWilliams
1986Ayrton SennaLotus
Em Jarama
1981Gilles VilleneuveFerrari
1980Alan JonesWilliams
1979Patrick DepaillerLigier
1978Mario AndrettiLotus
1977Mario AndrettiLotus
1976James HuntMclaren
1974Niki LaudaFerrari
1972Emerson FittipaldiLotus
1970Jackie StewartMarch
1968Graham HillLotus
1967Jim ClarkLotus
Em Montjuïc
1975Jochen MassMclaren
1973Emerson FittipaldiLotus
1971Jackie StewartTyrrell
1969Jackie StewartMatra
Em Pedralbes
1954Mike HawthornFerrari
1951Juan Manuel FangioAlfa Romeo

Corridas Históricas:

GP da Espanha de 1986

Previsão do Tempo

Sexta

Sábado

Domingo

Escolha dos pneus

Desgaste dos Pneus:

Asphalt Grip 4/5
Downforce 4/5
Asphalt Abrasion 3/5
Tyre Stress 4/5
Lateral 4/5
Desgaste dos Pneus:Alto

2014

2015

2016

2017

2018

Quais perguntas ficam no ar para a etapa da Espanha?

Mercedes:
Hamilton e Bottas em busca da 5ªdobradinha em 5 corridas!

Ferrari:
Vettel e Leclerc em disputa feroz pela preferência da equipe.

Red Bull:
Esperar que o Chassis possa diminuir a diferença entre a equipe Austríaca das 2 principais equipes

Mclaren:
Após um bom resultado em Baku. Mclaren quer fazer boa corrida em Barcelona e se consolidar na 4ªposição dos Construtores.

Racing Point:
Será que Perez e Stroll terão um bom carro para lutar pelos pontos?

Alfa Romeo:
Será que Raikkonen vai continuar carregando o time nas costas ou a equipe vai dar um bom carro para os pilotos e Giovinazzi vai finalmente marcar os primeiros pontos da carreira.

Renault:
Em Crise, Equipe Francesa esta pressionada por bom resultado. Será que vão conseguir se sair bem na Espanha?


Toro Rosso:
Motor Honda vai ajudar ou atrapalhar Kvyat e Albon na busca por pontos?

Williams:
Desenvolvimento da equipe para essa prova vai tornar o FW42 um carro minimamente competitivo para Russell e Kubica?

Programação:

Evento – Horário ESHorário BR
Practice 11ºTreino Livre11:00 as 12:3006:00 as 07:30
Practice 22ºTreino Livre15:00 as 16:3010:00 as 11:30
Practice 33ºTreino Livre12:00 as 13:0007:00 as 08:00
QualifyingClassificação15:00 as 16:0010:00 as 11:00
RaceCorrida15:10 – 66 Voltas10:10 – 66 Voltas

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Informações: F1-Gears / Formula 1
Previsão do Tempo: Clima
Fotos: Mercedes/Ferrari/Red Bull/Renault/Haas/Mclaren/Racing Point/Alfa Romeo/Toro Rosso/Williams
Vídeo: Formula 1

Especial: O dia 31 que durou 21 anos – Parte 1

Devido aos lamentáveis acontecimentos das eleições de 2018, O Portal Sportszone resolveu fazer um especial com 3 Partes que serão colocadas no nosso site nesses 3 dias de evento do GP do Brasil de Formula 1. Esse especial vai falar sobre a Ditadura Militar. Desde da Origem do Golpe até a derrubada do Golpe com a implantação do Regime Democrático que nós vivemos hoje e que esta ameaçado com o novo governo que foi eleito.

Se vocês observarem e lerem direitinho, Poderão observar que muitas características do que aconteceu no período do Golpe acabaram acontecendo nas eleições de 2018 no Brasil.

A matéria do GP do Brasil só vai ser postada na Terça-Feira. É uma forma de protesto que fazemos pela vitória do fascismo nas eleições desse ano.

Então vamos para o primeiro Capitulo desse especial:

O Dia 31 que durou 21 anos – Parte 1

O Golpe Militar de 1964 foi dado no dia primeiro de Abril de 1964. Porém, ele começou a 10 anos atrás, Os golpistas quiseram tirar Getúlio Vargas do Poder. Com o suicídio de Vargas acabou por colocar por terra por um tempo a tentativa de Golpe.

Nos anos 60, Com a entrada de Jango o fantasma do Golpe Ressurge, Sobre o motivo do “Espectro do Comunismo” que nunca chegou de existir de verdade. Por esse motivo, Os Militares golpistas tiraram Jango do poder. Começaria a partir dai 21 anos de um regime que se caracterizou por cercear liberdades, Perseguição aos opositores, Tortura aos presos políticos que lutavam para libertar o país da Ditadura Militar, Censura previa nos veículos de comunicação. Economicamente esse regime cobrou o preço no seu final: Com uma mega infração de mais de 200% ao ano. (O que fez dos anos 80 a “Década Perdida” segundos os economistas)

No dia 19 de Março de 1964 ocorreu em São Paulo a Marcha para Família com deus pela Liberdade. Organizado pela União Cívica Feminina e pela campanha da Mulher pela Democracia. Foram patrocinados pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais – O IPES foi fundado por empresários Cariocas e Paulistas. Em um espaço de 2 anos, O Instituto investiu 500 mil dólares, obtidos através de colaboração de 300 empresas Norte-Americanas, Ocupava 13 salas do 27ºandar do edifício Av.Central na cidade do Rio de Janeiro. Isso possibilitou que se grampeasse a mais de 3.000 telefonemas  de colaboradores e simpatizantes de Jango.

A Marcha pela Família reuniu 500.000 pessoas que clamavam pela derrubada o presidente João Goulart. Em uma das  faixas dizia o seguinte: “Nossa Senhora Aparecida, Iluminai os Reacionários

O Golpe teve o apoio dos governadores Ney Braga (Paraná), Ildo Meneghetti (Rio Grande do Sul), Ademar de Barros (São Paulo) e Magalhães Pinto (Minas Gerais) O Jornalista Carlos Lacerda foi um conspirador Civil que teve um Grande papel para o sucesso do Golpe. Ele conspirou para impedir a posso de Juscelino Kubitschek em 1955. Em 1960 ele acabou sendo eleito Governador da Guanabara. A Partir dai, Lacerda conspira de todas as formas para derrubar João Goulart. Inclusive com notícias falsas (Era a Fake News da época) e censura dos jornais. O Clero conservador também ajudou no Golpe, Liderado pelo Cardeal D. Jaime Barros e pelo Padre Americano Partick Peyton.

Na parte Militar, Os três Ministros Militares: General Odílio Denys (Guerra), Brigadeiro Grün Moss (Aeronáutica) e Almirante Sílvio Heck (Marinha) eram contra o retorno de Goulart ao Brasil por razões de “Segurança Nacional” Jango voltou de uma viagem da China para a sua posse, A partir dai começou a trama do Golpe que tinha sido abortado depois do Suicídio de Getúlio Vargas.

Essa guerra contra Jango começou quando ainda como ministro do trabalho de Getúlio Vargas, Propôs um aumento de 100% do Salário Mínimo. Com isso foi lançado “O Manifesto dos Coronéis” Que contou com a assinatura de 42 Coronéis. Amauri Kruel, Antônio Carlos Murici, Os Tenentes-coronéis Sílvio Frota, Eduardo Melo e Golbery de Couto e Silva foram os que assinaram esse Manifesto. Liderados por Odílio Denys e o General Cordeiro de Farias (O revolucionário de 30) Essa propaganda reacendeu e se junto ao líder do Exercito de Minas Gerais, O General Olímpio Mourão que lutava contra o herdeiro de Getúlio Vargas. (Jango)

O Grupo dos modernizadores não compartilhava com as ideias de Jango, Que eram considerados como ideias Sindicalistas ou Comunistas e estavam se articulando com o empresariado (Através do IPES) que defendia o Binômio “Segurança e Desenvolvimento” Que na verdade era uma defesa a concentração de Renda e arrocho Salarial. Para os empresários, Essa era a forma mais ajustada para as necessidades desenvolvimentistas da nação. Já o Grupo dos linhas Duras queria defender a nação a qualquer custo do Chamado “Espectro Comunista”.

O Grupo dos Modernizadores que era compostos por Ernesto Orlando Geisel, Antônio Carlos Murici e Cordeiro de Farias e Golbery tinham mais representação nos veículos de Comunicação e da Sociedade Civil.

O Grupo dos tradicionalistas que era composto por Artur da Costa e Silva, Olímpio Mourão, Odílio Denys e Muniz de Aragão tinha o poder das armas e da estratégia Militar. Desde do final de 1963 eles articularam o plano formal para tomar o poder, Esse plano foi concebido pelo General Ulhoa Cintra. Esse plano seria executado no dia 31 de Março de 1964.

Para que o Golpe tivesse êxito, Era necessário encontrar um personagem que unisse os dois seguimentos. Essa figura acabou sendo o General Castelo Branco, que era um legalista e hesitou a se unir aos golpistas. Em Janeiro de 1963 Castelo Branco se reuniu com o Cordeiro de Farias. A partir dai começava a aproximação com os Golpistas, Em Março de 1963, Surge o Documento que diminuiu dentro da Lei o poder de Obediência dos militares ao presidente em Nome da “Lealdade ao Exercito”.

Um ano depois, Devido a presença de João Goulart ao encontro dos Sargentos. E pelos acontecimentos do comício das Reformas e a Revolta dos Marinheiros, O General Castelo Branco aderiu fortemente ao Golpe. Ainda havia seguimentos leais ao presidente Jango: Os Generais Assis Brasil, Ladário Telles e Morais Âncora. Já o General Amaury Kruel (Amigo de Jango) tinha uma posição desconhecida até o dia 31 de Agosto quando ele aderiu ao Golpe.

A Trama do Golpe foi desenlaçada no dia 31 de Março de 1964. As 3 da manhã, Olímpio Mourão partiu para o Rio de Janeiro com as tropas saindo da cidade de Juiz de Fora (Cerca de 6 mil homens). Castelo Branco acabou telefonando para o Governador Magalhães Pinto pedindo para que as Tropas voltassem para os Quarteis. O Governador disse que era tarde demais, Uma vez que as tropas estavam na fronteira com o Rio de Janeiro.

Esses momentos poderiam ter levado o Brasil a ter até uma guerra civil, Caso Jango tivesse articulado com os seguimentos do Exercito que ainda eram leais o presidente. A Marcha Golpista teve momentos de tensão. Os 3 mil homens chefiados pelo General Médici poderiam ter tido um confronto com o poderosos destacamento Sampaio, No Vale do Paraíba.

Só que esse confronto não ocorreu, Pelo contraio. Os Oficiais cariocas acabaram aderindo ao movimento Golpista. As 17 horas do dia 31, O Golpe estava a um passo para o seu êxito. Amauri Kruel, depois de um telefonema a Jango que recusou acabar com a CGT acabou aderindo ao Golpe junto com as tropas Paulistas, que partiram para a Via Dutra e se juntaram aos cadetes da Academia das Agulhas negras (Que eram Chefiadas por Médici) Em Resende (Rio de Janeiro) O legalista Morais Âncora acabou não se opondo ao Golpe após uma reunião com Kruel.

No Nordeste, Os Golpistas ainda precisavam executar a prisão dos Governadores Miguel Arraes (Pernambuco) e João Seixas Dória (Sergipe). Com isso, O General Justino Bastos já tinha o controle da situação.

Só existia um possível problema, Que poderia vim do Sul do País. João Goulart buscou refuljo no Rio Grande do Sul, Deixou a missão de comunicar a sua permanência do Brasil com o Chefe de Gabinete Darcy Ribeiro. O Comunicado acabou sendo ignorado pelo presidente do congresso, O senador Auro de Moura Andrade, As 3 horas e 45 minutos da madrugada do dia 2 de Abril, O Congressista declarou vaga a presidência da República. De uma Forma apressada, Empossaram o Deputado Raineiri Mazzili como novo presidente do Brasil. Estava consolidado o Golpe. Jango teve de fugir para o Uruguai no dia 4 de Abril. As ruas de Porto Alegre já estavam tomadas pelas tropas do novo regime.

A Operação Brother Sam

O Governo Norte-Americano ajudou os militares a tomar o poder, Além de reconhecer o novo governo. Eles chegaram a colocar em prática “A Operação Brother Sam” O Embaixador Lincoln Gordon tinha contrato com os Golpistas e acabou solicitando apoio logístico de Washington para os Militares. No dia 31 de Março, Os Norte-Americanos enviaram 6 Destroieres, 1 porta-Aviões, 1 navio para transporte de Helicópteros, Uma esquadrilha de aviões, 4 Petroleiros para abastecimento de tropas e 100 Toneladas de  Armas de Munições, Mas essa operação se mostrou desnecessária e foi suspensa já que não teve resistência.

O Brasil se alinhou aos Estados Unidos no ano de 1946 após o encontro entre o presidente dos Estados Unidos Harry Truman e o presidente do Brasil Eurico Gaspar Dutra. (O Presidente Dutra fundou a escola superior de Guerra, aonde a elite Militar brasileira passou a estudar)

Com a entrada do presidente Juscelino Kubitschek em 1956, Começou a se ensaiar uma independência externa política do país. Isso começou a desagradar os norte-americanos.

Depois da Revolução Cubana, JK e Jango homenagearam Fidel Castro e Che Guevara. Em Janeiro de 1962, O Brasil acabou recusando a adotar as sanções a Cuba. Enquanto isso Leonel Brizola estatizou a Companhia Telefônica do Rio Grande do Sul que pertencia a ITT Americana. Em Setembro do mesmo ano, O Congresso aprovou a Lei de Remessa de Lucros. Isso era prejudicial para os Estados Unidos  que eram Donos de U$ 1,17 Bilhões. (33% do investimento no país) e com 31 das 55 maiores empresas de operação no Brasil)

O Embaixador norte-Americano, O Democrata Lincoln Gordon chegou ao Brasil em Setembro de 1961. No começo ele tratou com diplomacia e se recusou a se aliar aos Golpistas, Mas depois dos acontecimentos do ano seguinte, Gordon mudou sua postura e não só passou a financiar os golpistas como colocou o Coronel Vernon Walters como o adido Militar da embaixada Norte-Americana. Walters era amigo pessoal de Castelo Branco e Cordeiro de Farias. Além de também trabalhar posteriormente para os presidentes Nixon e Reagan.

O Coronel Norte-Americano pediu para o assessor militar Dan Mitrione para ajudar o Governador Magalhães Pinto no treinamento de 10 mil homens da PM. Após a morte de John Kennedy e a posse de Lyndon Johnson, Foi dado o sinal verde para a preparação ao Golpe.

No dia 17 de Janeiro de 1964, João Goulart sancionou a Lei de Remessa de Lucros. A Partir dai se deu o marco para que o Governo de Jango acabasse. No dia 3 de Março, Em um editorial do “The New York Times” Anunciava que os Estados Unidos não puniria mais Juntas Militares que Derrubassem Governos Democráticos. Era tudo que se precisava para o Golpe Militar.

A Partir dai ocorreu num espaço de 1 mês, A Marcha da Família até o dia 31 de Março quando tudo se desenrolou no Brasil com o movimento dos Golpistas até darem o Golpe em Jango para se colocarem no poder. O Governo de Raineiri Mazzili (Governou pela segunda vez o Brasil de forma provisória) durou 13 dias, Até que no dia 15 de Abril foi empossado Castelo Branco como o primeiro presidente Militar da Ditadura Militar.

Amanhã você terá a segunda parte do Texto: O Dia 31 que durou 21 anos

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fonte: História do Brasil – Zero Hora/RBS Jornal

A Trajetória das premiações na Formula Indy

Um dos maiores atrativos da categoria norte-americana eram as premiações que os pilotos ganhavam por corrida. Algo que não era possível em outras categorias. A não ser pela Nascar que fica dando premiações fora do comum, Até ao ponto dos pilotos que disputam regulamente na Nascar ganham mais do que um piloto de equipe média na Formula 1.

Pegamos as premiações de algumas temporadas para analisamos o como as premiações foram aumentando durante os anos, Pelos anos da separação das categorias, Falar o que a crise afetou a categoria e como esta a premiação hoje na IndyCar.

Em 1985, A Formula Indy tinha a sua premiação no total de mais de 9 milhões de Dólares. As 500 milhas davam mais de 3 milhões e 200 mil dólares. O Vencedor de 1985 foi Danny Sullivan que faturou U$ 517.662. O Campeão do ano, Al Unser ganhou 503.011 Dólares. Sendo aproximadamente 320 mil dólares a menos do que a premiação total de Sullivan.

Premiação dos pilotos em 1985:

piloto Premiação U$
   Danny Sullivan 851.532
   Mario Andretti 638.288
   Emerson Fittipaldi 523.543
   Al Unser Jr. 519.322
   Al Unser 503.011
   Bobby Rahal 442.031
   Johnny Rutherford 366.194
   Roberto Guerrero 347.760
   Michael Andretti 325.034
   Geoff Brabham 322.736
   Kevin Cogan 290.436
   Josele Garza 282.222
   Arie Luyendyk 274.793
   Ed Pimm 271.157
   Tom Sneva 269.533
   Pancho Carter 249.563

Premiação total de cada corrida e a premiação do vencedor de cada prova.

Prova Vencedor Total em Prêmiação
Long Beach 92.634 674.462
Indianapolis 517.662 3.252.010
Milwaukee 38.274 328.902
Portland 59.894 497.812
Meadowlands 89.694 664.462
Cleveland 50.094 424.498
Michigan 115.639 611.759
Elkhart Lake 44.640 429.904
Pocono 86.294 471.236
Mid-Ohio 53.484 416.904
Sanair 68.338 521.166
Michigan 41.700 357.100
Laguna Seca 53.484 414.178
Phoenix 37.094 316.142
Miami 57.634 439.994
Total 9.820.529

A dai avançamos para o ano de 1991. Nessa época a categoria estava se projetando mais e começando a se rivalizar com a Formula 1. Era uma disputa dura, Aonde a Formula 1 ainda tinha uma bela vantagem tanto em competição como em Tecnologia do seus carros.

Porém as equipes da Formula Indy eram corriam no mais variáveis tipos de circuito. Desdes dos mais travados circuitos de rua até os mais rápidos circuitos ovais do Mundo.

Nesse ano a premiação do campeonato inteiro foi bem maior. Mais de 20 milhões de Dólares. O Dobro do que era a 6 anos (1985) Sendo que a premiação das 500 milhas era superior aos 7 milhões de Dólares. (7.029.150)

Prova Vencedor Total em Premiação
Austrália 118.625 992.157
Long Beach 133.134 978.381
Phoenix 64.000 595.500
Indy 500 1.219.704 7.029.150
Milwaukee 63.476 583.270
Detroit 147.700 1.411.100
Portland 79.398 688.558
Cleveland 79.154 693.588
Meadowlands 77.922 686.744
Toronto 138.154 984.361
Michigan 173.182 900.514
Denver 135.700 1.005.500
Vancouver 138.920 981.100
Mid-Ohio 83.700 702.500
Road America 78.700 713.150
Nazareth 63.452 599.016
Laguna Seca 83.700 714.700
Total 20.259.289

Os pilotos que mais ganharam premiação naquele ano foram: Rick Mears, com U$ 2.036.856 ganhando mais de 360 mil dólares a mais que o campeão da Formula Indy. Michael Andretti ganhou 1.663.225 Dólares em 17 eventos que foram disputados no ano. Esse dinheiro dava para comprar 4 carros completos ou daria para comprar mais de 25 motores da Formula Indy. (Chevrolet, Cosworth, Judd, Alfa Romeo e Buick)

Al Unser jr., Bobby Rahal e Arie Luyendyk foram os outros 3 pilotos que passavam dos 1 milhão de Dólares. Emerson Fittipaldi ganhou U$ 965.964 nessa temporada.

Piloto Premiação U$
   Rick Mears 2.036.856
   Michael Andretti 1.663.225
   Al Unser. Jr. 1.183.993
   Bobby Rahal 1.165.714
   Arie Luyendyk 1.015.455
   Emerson Fittipaldi 965.964
   Mario Andretti 896.708
   John Andretti 768.271
   Scott Pruett 720.455
   Eddie Cheever. Jr. 686.893
   Danny Sullivan 686.149
   Scott Brayton 685.475
   Jeff Andretti 633.226
   Tony Bettenhausen Jr 605.048
   Scott Goodyear 602.351
   Hiro Matsushita 535.860

A Formula Indy cresceu e se internacionalizou. Nesse meio tempo houve a Cisão entre a CART (Antiga Indy Car) e a IRL (Comandada pelo Tony George, Dono do Autódromo de Indianápolis) Em 1998, a CART continuava fortíssima enquanto que a IRL ainda estava engatinhando. Porém a IRL tinha premiações melhores do que as premiações da CART.

Premiações da IRL em 1998:

Prova Vencedor Total em Prêmiação
Disney 121.250 1.061.100
Phoenix 106.750 1.108.600
Indianapolis 1.433.000 8.709.150
Fort Worth 130.250 1.108.550
Loudon 122.950 1.078.600
Dover 128.550 1.083.600
Charlotte 139.850 1.093.600
Pikes Peak 112.950 1.083.600
Atlanta 160.950 1.143.600
Fort Worth 122.550 1.245.600
Las Vegas 120.200 1.121.100

Já a CART tinha uma premiação que iria do primeiro lugar que ganhava 100 mil dólares até o 20ºlugar que ganhava um pouco mais de 10 mil dólares. Apesar dos melhores carros, dos melhores patrocinadores, e dos melhores pilotos (Não que na IRL não tinha bons pilotos. Exemplo disso: Eddie Cheever, Tony Stewart, Buddy Lazier, Scott Goodyear, Scott Sharp, Kenny Brack) Não dava a grana que a categoria do Tony George dava. As 500 milhas de Indianapolis deu ao vencedor (Eddie Cheever) U$ 1.433.000. E as 500 milhas da Califónia deram ao vencedor (Jimmy Vasser) U$ 1.000.000.

Premiações da CART em 1998 a 2002:

Prova Vencedor Total em Premiação
Homestead 100.000 510.000
Motegi 100.000 510.000
Long Beach 100.000 510.000
Nazareth 100.000 510.000
Jacarepagua 100.000 510.000
Gateway 100.000 510.000
Milwaukee 100.000 510.000
Belle Isle 100.000 510.000
Portland 100.000 510.000
Cleveland 100.000 510.000
Toronto 100.000 510.000
Michigan 100.000 510.000
Mid-Ohio 100.000 510.000
Elkhart Lake 100.000 510.000
Vancouver 100.000 510.000
Laguna Seca 100.000 510.000
Houston 100.000 510.000
Queensland 100.000 510.000
Fontana 1.000.000 1.410.000

Acredite, Muita gente da IRL ganhou mais dinheiro do que o Michael Andretti em 1998.

Porém, a CART tinha a premiação do campeonato para os 10 primeiros lugares, Aonde o campeão levava 1 milhão de Dólares.

CART Final
Posição 1998-2002
1 1.000.000
2 500.000
3 300.000
4 200.000
5 150.000
6 140.000
7 130.000
8 120.000
9 110.000
10 100.000

Visto isso vejamos a IRL dava premiações melhores eram apenas 11 provas. Na CART, eram 19 provas. Vejam a lista dos 20 pilotos que mais ganharam dinheiro juntando a CART com a IRL

Classificação dos mais premiados de 1998
Piloto Premiação Categoria
   Alex Zanardi 2.219.250 CART
   Jimmy Vasser 2.084.250 CART
   Eddie Cheever Jr. 1.811.200 IRL
   Dario Franchitti 1.314.250 CART
   Kenny Brack 1.096.700 IRL
   Billy Boat 1.004.150 IRL
   Tony Stewart 1.002.850 IRL
   Buddy Lazier 984.850 IRL
   Davey Hamilton 856.850 IRL
   Scott Sharp 808.900 IRL
   Adrian Fernandez 805.750 CART
   Jeff Ward 801.650 IRL
   Scott Goodyear 771.750 IRL
   Greg Moore 749.250 CART
   Arie Luyendyk 747.100 IRL
   John Paul Jr. 693.900 IRL
   Stephan Gregoire 686.550 IRL
   Sam Schmidt 662.800 IRL
   Michael Andretti 620.250 CART
   Scott Pruett 617.500 CART

Mesmo com 3 pilotos da CART entre os 4 pilotos mais bem premiados em 1998. Quando se coloca os 20 primeiros pilotos em premiação. Da para ver que os pilotos da IRL com menos corridas que os pilotos da CART tiveram 13 pilotos premiados. Até mesmo pilotos mais modestos como Stephan Gregoire ganharam mais dinheiro do que o consagrado Michael Andretti.

Nos anos 2000 se viu a decadência da CART que acabou se transformando em Champ Car e a ascensão da IRL fez com que a categoria de Tony George desse premiações melhores. Com mais audiência e com mais visibilidade a IRL acabava por reunir os melhores patrocinadores e as melhores premiações.

Em 2007 a IRL premiou os pilotos com o total de 27.550.815 Dólares sendo 10.642.815 nas 500 milhas. (que terminaram 35 voltas antes do final, devido as condições ruins do tempo) Era o auge da IRL que parecia consolidada apesar do precário grid, Que chegou a ter apenas 18 carros no Grid em algumas corridas. A Champ Car não tinha premiação para os pilotos.

Premiação dada no total para os pilotos em 2007:

Prova Vencedor Total em Prêmiação
Homestead 129.800 1.024.000
St. Petersburg 140.400 1.024.000
Motegi 180.400 1.524.000
Kansas 115.000 1.024.000
Indianapolis 1.645.233 10.642.815
Milwaukee 121.400 1.026.000
Fort Worth 110.800 1.026.000
Iowa 115.800 1.026.000
Richmond 135.800 1.026.000
Watkins Glen 131.400 1.026.000
Nashville 141.400 1.026.000
Mid-Ohio 123.400 1.026.000
Michigan 110.800 1.026.000
Kentucky 141.400 1.026.000
Sonoma 131.400 1.026.000
Belle Isle 131.400 1.026.000
Chicago 111.400 1.026.000
Total 27.550.815

Premiação dos Pilotos em 2007 – 18 primeiros colocados.

pos Pilotos Premiação U$
1    Dario Franchitti 3.007.583
2    Scott Dixon 2.152.417
3    Tony Kanaan 1.756.269
4    Dan Wheldon 1.336.855
5    Sam Hornish. Jr. 1.323.789
6    Helio Castroneves 1.659.603
7    Danica Patrick 1.182.055
8    Scott Sharp 1.212.505
9    Buddy Rice 1.010.205
10    Tomas Scheckter 1.059.905
11    Marco Andretti 1.063.051
12    Vitor Meira 1.035.605
13    Darren Manning 988.005
14    A.J. Foyt IV 993.055
15    Ed Carpenter 948.605
16    Kosuke Matsuura 957.005
17    Sarah Fisher 907.505
18    Jeff Simmons 728.447

A Premiação do Escocês Dário Franchitti em 2007 é uma das maiores premiações que um piloto ganhou em uma temporada de Formula Indy. A maior das premiações ficou em 2010 com o mesmo Dario Franchitti (Campeão dessa temporada) ganhando U$ 5.077.055, Desse Prêmio 2.752.055 Dólares foram pelas 500 milhas de Indianápolis e 1 milhão pelo título de Campeão.

Hélio Castroneves em 2009 ganhou U$ 4.191.255 e Scott Dixon em 2008 ganhou U$ 4.278.065. Tudo isso beneficiado pelos melhores prêmios da História das 500 milhas de Indianapolis.

 

A Indy hoje não chega a premiar tão bem seus pilotos como nas suas melhores temporadas na era IRL em premiação. (Entre 2007 a 2010)

Na temporada de 2016, A premiação individual acaba sendo um pouco melhor em igualdade, Porém o piloto que mais ganhou dinheiro na temporada foi o Norte-americano Alexander Rossi com U$ 3.285.413. Praticamente 1 milhão a mais do que a premiação do campeão da temporada, Simon Pagenaud que ganhou U$ 2.367.913.

Prova Vencedor Total em Prêmiação
St. Petersburg 80.000 1.203.000
Phoenix 80.000 1.213.000
Long Beach 80.000 1.191.000
Birmingham 90.000 1.183.000
Indianapolis G.P. 90.000 1.228.000
Indianapolis 2.548.743 13.273.263
Belle Isle 74.667 1.096.007
Belle Isle 79.667 1.096.007
Elkhart Lake 84.667 1.091.007
Iowa 74.667 1.091.007
Toronto 74.667 1.091.007
Mid-Ohio 84.667 1.091.007
Pocono 74.667 1.091.007
Fort Worth 74.667 1.091.007
Watkins Glen 84.667 1.091.007
Sonoma 84.667 1.091.007
Total 30.211.333

Premiação dos pilotos em 2016

pos Pilotos Premiação U$
1    Simon Pagenaud 2.367.913
2    Will Power 1.251.913
3    Helio Castroneves 1.297.913
4    Josef Newgarden 1.389.913
5    Graham Rahal 1.185.163
6    Scott Dixon 1.251.163
7    Tony Kanaan 1.247.413
8    Charlie Kimball 1.194.913
9    Juan Pablo Montoya 1.150.163
10    Carlos Munoz 1.552.413
11    Alexander Rossi 3.285.413
12    Ryan Hunter-Reay 1.204.913
13    James Hinchcliffe 1.285.663
14    Sebastien Bourdais 1.157.413
15    Mikhail Aleshin 1.117.913
16    Marco Andretti 1.075.913
17    Takuma Sato 1.078.913
18    Conor Daly 1.090.913
19    Max Chilton 1.055.413
20    Jack Hawksworth 1.038.913

Se comparamos os prêmios que os pilotos ganhavam em 1985 para os dias de hoje, Percebemos uma enorme melhora. Porém 40% desde dinheiro vai para os Impostos nos Estados Unidos. Sobram 60% dessa premiação para ser dividido com a equipe, Que fica com 30% e dai o piloto fica com o restante do dinheiro.

Se vale a pena ou não entrar na Formula Indy. Depende da situação que você se encontra na Formula 1 ou se você quer fazer carreira nos Estados Unidos. Dá para viver bem como piloto da Indy, Mas é preciso se consolidar primeiro para isso acontecer. E depois, Não acho muito provável que um piloto se aventure a sacrificar seus ganhos para criar sua equipe. Seja ainda correndo ou depois que encerrar sua carreira.

Michael Andretti e Adrian Fernandez tiveram o privilégio de correrem e de montarem suas próprias equipes na Indycar/IRL

Empreitadas como a do Bobby Rahal em 1992, Como da Sarah Fisher a partir de 2008, e Como a de Adrian Fernandez a partir de 2001. Só para não citar A.J.Foyt por mais de 40 anos, Se tornam mais difíceis ao passar do Tempo. Já que os custos da Indy não são tão baratos do que os custos de 20 anos atrás aonde uma equipe como a Pacwest gastava em torno de 12 milhões de Dólares por temporada.

A Indy esta recuperando seu sucesso, Porém ainda falta um longo caminho para isso acontecer. A premiação é algo que poderia ser melhorado com a melhora dos patrocinadores e a melhora do suporte financeiro da categoria quase quarentona que passou por uma cisão, por vários enfraquecimentos e que agora tenta voltar ao rumo do sucesso.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: IndyCar
Dados das Premiações: http://racing-reference.info

Especial Ligier : Temporada de 1995

Após o fiasco que foi a temporada de 1994 para a Ligier a equipe acabou sendo vendida para o senhor Flávio Briatore, Mas não foi para melhorar a equipe, Foi com a intenção bem sucedida de Tomar os motores Renault para a equipe aonde ele trabalhava que era a Benetton.

“Mas ele poderia trabalhar em duas equipes?” O Regulamento não permitia! Então como Briatore fez isso? Antes, A equipe já tinha sido vendida para Cyril de Rouvre que acabou no final de 1993 preso por acusações de Fraude e evasão fiscal. As ações voltaram para Guy que sentia que sua equipe era cobiçada por todos por causa dos motores Renault.

As ações da Ligier foram vendidas para Briatore. Que colocou Tom Walkinshaw para comandar a equipe. Era uma forma de burlar o Regulamento da Formula 1.

E a Ligier ficaria sem nada??? Não, Briatore acabou atropelando um acordo de motores que a Mugen-Honda tinha com a Minardi. Com isso os motores japoneses foram para a equipe francesa (Isso é Típico daquele mal caráter que era Briatore, pobre Ligier)

Veja a Semelhança dos carros da Benetton e da Ligier, Apenas se diferenciando por alguns detalhes e pelos motores.
Veja a Semelhança dos carros da Benetton e da Ligier, Apenas se diferenciando por alguns detalhes e pelos motores.

E pobre da Ligier mesmo, Tinha um oportunista como dono da equipe, Ele faria da Ligier uma espécie de laboratório. Não precisa ser um gênio para saber disso. Basta comparar o Chassi da Ligier com o Chassi da Benetton. O Chassi da ligier praticamente igual ao Chassi da Benetton de 1995. Ou seja, A Ligier não fez carro nenhum para essa temporada. Mas o JS41 foi desenvolvido pelos projetistas Frank Dernie (Diretor Tecnico) e Loic Bigeois (Aerodinâmica)

Mas o Design foi do projetista da Benetton Rory Byrne, Mas o nome dele não foi colocado, Diferente do passado a Formula 1 estava mais organizada e não se permitia a ninguém trabalhar em 2 ou mais equipes ao mesmo tempo, Mas se era assim, porque então Briatore não saiu da Benetton e foi comandar a Ligier se ele tinha comprado? Isso mostra o quanto a Formula 1 era profissional, Mas muito frágil na Hora de se cumprir o regulamento (E até hoje isso é assim).

Os pilotos seriam o Francês Olivier Panis que era um grande talento francês para o futuro e com o segundo carro ele seria dividido entre o experiente piloto Inglês Martin Brundle que já teve passagem pela Ligier em 1993 e Aguri Suzuki que já tinha passagens pela Larrousse e Footwork para não falar de uma corrida na Jordan e de uma temporada na Zakspeed em 1989 aonde o carro era horrível e ele se quer conseguiu classificação para uma corrida se quer.

Suzuki faria as primeiras corridas do campeonato junto de Panis, Corrida essa realizada em Interlagos que abria pela 4ªvez o mundial de Formula 1 (As outras foram 1975, 1976 e 1994). Logo se constatou que a Ligier ficaria a principio no bloco intermediário pelo menos em termos de Grid de largada, Panis iria largar em 10ºlugar e Suzuki em 15ºlugar. Na Corrida Panis se acidentou na primeira volta da corrida, Suzuki levou a ligier até a 8ªposição atrás da Tyrrell-Yamaha V10 de Mika Salo e só na frente dos carros da lentíssima Forti Corsi de Diniz e Moreno o que era uma preocupação para Briatore e a equipe azul.

Na Argentina, mais uma vez a Ligier não vai muito bem nos treinos Panis se coloca apenas em 18ª e Suzuki em 19ª, Na corrida pelo menos Panis vai bem melhor e por muito pouco não leva a Ligier para seu primeiro ponto na temporada terminando a prova em 7ºlugar, Já Suzuki estava lá atrás e acabou se acidentando na 47ªVolta e abandonou a prova.

ARG1995 (5)

Partindo para a primeira corrida na Europa, Em Imola ainda com a configuração Panis e Suzuki como pilotos, O Grid foi razoável com Panis em 12º e Suzuki em 16º, Na Corrida ambos largaram mal e não fizeram nada além de uma corrida da metade da classificação isso com o mesmo carro da Benetton praticamente, Panis ficou em 9ºlugar a 1 volta do vencedor e Aguri Suzuki em 11º a 2 Voltas do vencedor.

A partir do GP da Espanha teríamos a Configuração dos pilotos sendo mudada, Suzuki daria lugar para o experiente Martin Brundle que faria dupla com Olivier Panis e nessa corrida feita na Catalunha é que Panis largando do 15ºlugar fez uma bela corrida e na última volta conseguiu passar Rubens Barrichello e acabou ficando em 6ºlugar levando para a Ligier o primeiro ponto na temporada, Brundle que teve uma classificação no Treino melhor que Panis largando do 11ºlugar acabou a corrida em 9º.

Em Mônaco nas ruas de Monte Claro a equipe Francesa teve o melhor treino do ano até aquele momento com Brundle em 8ºlugar e Panis em 12º. Na Corrida ambos bateram, Brundle perto dos pontos bateu na 41ªVolta levou um toque de Jean Alesi e abandonou a corrida e Panis bateu no final da corrida quando estava em 8ºlugar.

Indo para a prova do Canadá, na tradicional Montreal foi Olivier Panis que teve um belo momento após largar numa 11ªposição e numa corrida  desgastante o Francês resistiu até o final levando seu Ligier-Mugen Honda a uma excelente 4ªposição. Brundle que largou em 14º poderia muito bem ter levado a Ligier aos pontos também, Mas se envolveu em um acidente com Gerhard Berger (que diga-se de passagem foi o culpado pelo acidente) que eliminou ambos da corrida quando disputavam a 5ªposição.

Voltando para a Europa, Na corrida da Casa em Magny-Cours praticamente na porta de casa (Sede da Ligier ficava na Região desse Circuito) Panis com o 6ºlugar e Brundle com o 9ºlugar fizeram o melhor grid do ano naquele momento lembrando um pouco os bons momentos de 1992 e 1993 aonde o time costumava largar bem. Na Corrida Panis acabou não correndo bem ficando em 9ºlugar no final da corrida, Mas Brundle pelo contraio fez sua melhor exibição de longe chegando a estar em 3ºlugar por algumas voltas até perder essa posição para Coulthard ficando com uma honrosa 4ªposição ,Faltando bem pouco para o inglês ter ganho o pódio.

Isso deixou a  Ligier já com 7 pontos em 7 corridas na 6ªposição a 1 ponto da Mclaren, O problema é que no Canadá a Jordan fez 10 pontos dos 13 que tinha até essa corrida e estava em 4ºlugar nos construtores e essa seria a natural Briga da Ligier no campeonato tentando o 5ºlugar dos construtores disputando com a Jordan e com a Sauber que tinha 4 pontos.

Mesmo dividindo o carro com Suzuki Brundle conseguiu bons resultados com a Ligier.
Mesmo dividindo o carro com Suzuki Brundle conseguiu bons resultados com a Ligier.

No Grande Prêmio da Inglaterra um dos templos do automobilismo Mundial o Circuito de Silverstone outra corrida com um Ligier nos pontos. Panis em 13ºlugar no grid fez uma corrida de cabeça, se aproveitou do erro de outros pilotos e levou o carrinho azul ao 4ºlugar e melhor disso na frente da Mclaren de Blundell que ficou em 5º, Brundle em 11º acabou rodando na 17ªVolta e deixando a prova. Ao final da metade do campeonato a Ligier com 10 pontos não estava mais na disputa pelo 5ºlugar, Mas sim pelo 4ºlugar já que a Mclaren estava muito mal tanto é que a Ligier com esses pontos estava na frente da equipe de Ron Dennis no mundial de construtores nos critérios de desempate.

Em Hockenheim, abrindo a 2ªMetade do campeonato Brundle iria para a reserva para entrar o Japonês Suzuki para compor com Panis a equipe de pilotos no GP da Alemanha. Panis foi bem melhor que Suzuki nos treinos largando em 12ºlugar enquanto que Suzuki largou do 18º. O Francês fazia uma corrida promissora, Mas ela acabou na 14ªvolta com problemas de vazamento de Água. Já Suzuki fez uma corrida regular e se aproveitando das quebras o Japonês termina a prova em 6ºlugar marcando mais um ponto para o time comandado por Tom Walkinshaw. Era a 4ªcorrida seguida da Ligier nos pontos. Algo que não acontecia desde dos tempos que Ligier era um time forte na categoria.

Na Hungria mais uma corrida com desempenho forte prova disso é que Panis em 8º e Brundle em 10º de volta a equipe Ligier após a substituição na Alemanha por Suzuki colocavam o carro entre os 10 primeiros colocados. Na corrida uma bela atuação de Brundle que estava na disputa por bons pontos até que na volta 68 o motor Mugen-Honda quebrou fazendo o inglês deixar a corrida. Até o final da prova, Panis fazia uma corrida discreta perto do seu companheiro de equipe tinha feito estava fora dos pontos em 7ºlugar, Mas nos últimos metros o piloto Francês foi beneficiado pela infelicidade de Rubens Barrichello que acabou tendo seu motor cortado para evitar uma explosão, Com isso Panis acabou herdando um 6ºlugar e mantendo a sequência da equipe que vinha para a 5ªcorrida seguida nos pontos.

podio_belgica_1995

Indo para Spa-Francorchamps na Bélgica numa corrida muito confusa aonde tivemos tempo seco no começo e chuva no meio da prova o que acabou embolando as cartas na mesa. Panis que largou em 9º e Brundle que largou em 13º (ambos na frente de Schumacher que largou em 16ºlugar, Acreditem: 16ºLUGAR e venceu a corrida!) Estavam fazendo uma bela corrida, Ambos na zona de pontuação e muito bem posicionados, Mas na parte final, Panis ficou pelo caminho enquanto que Brundle se consolidou em 3ºlugar, Com a punição de Hill o veterano piloto Inglês já vinha para o 2ºlugar, Posição que iria se manter até a volta final quando Hill conseguiu passar o piloto inglês que  ainda assim conquistou o primeiro pódio da Ligier na temporada em 3ºlugar. (Seria o último pódio da carreira do piloto Inglês) Era a 6ªcorrida seguida nos pontos algo que aconteceu pouquíssimas vezes com a Ligier na sua história mostrando um bom trabalho de Walkinshaw como chefe da equipe. Após 11 etapas a Ligier tinha a 4ªposição com 16 pontos contra os 14 da Jordan, 12 da Mclaren e da Sauber.  Poderia a equipe de Flavio Briatore estar próxima de uma posição em que eles não alcançavam a 14 anos de estar entre as 4 primeiras colocadas do campeonato.

Veio o GP da Itália no ultrarrápido circuito de Monza a Ligier que teve Brundle em 11º e Panis em 13º no grid de largada fracassa na tentativa de pontuar pela 7ªvez em sequência. Brundle teve problemas e abandonou a corrida na 11ªVolta e Panis foi até a 21ªVolta e acabou rodando. E o pior disso foi que a Mclaren tinha feito 9 pontos pulando para o 4ºlugar com 21 pontos e a Sauber com 5 pontos também passava na frente da Ligier tendo 17 pontos deixando o time francês com 16 pontos. Era a Hora de reagir em Estoril, os treinos deram uma boa esperança para o time francês com Brundle em 9ºlugar e Panis em 11º, Mas para o piloto Francês a corrida terminou cedo na 11ªVolta devido a uma rodada, Já Brundle começou bem estando em 6ºlugar nas primeiras voltas mas depois não conseguiu manter o desempenho e fechou a prova em 8ºlugar e o ruim é que a Sauber marcou mais um ponto deixando a disputa pelo 4ºlugar nos construtores mais difícil para o time de Briatore/Walkinshaw.

Na última corrida na Europa, em Nürburgring, os pilotos Martin Brundle e Olivier Panis precisavam reagir no campeonato para evitar que o 4ºlugar escapasse das mãos da Ligier definitivamente: Brundle largou em 12º e Panis em 14º, Na Corrida Panis rodou na 15ªVolta e Brundle ficou por apenas 1 posição de pontuar ficando em 7º e vendo a Jordan fazendo 4 pontos e passando a equipe francesa que foi do 4ºlugar na 11ªetapa para o 7ªlugar na 14ªetapa, Definitivamente a chance de ser uma das 4 grandes estava indo para o buraco de novo como aconteceu em 1986 e em 1993.

Indo para o Pacífico para as 3 corridas finais da temporada substituindo Brundle pelo Aguri Suzuki o que poderia ajudar a equipe já que Suzuki teve no Japão seu melhor resultado na Formula 1 que foi o 3ºlugar no GP do Japão em 1990, Em Aida, Panis largou em 9ºlugar e fez uma corrida mediana ficando em 8ºlugar, Suzuki não largou muito atrás ficando em 13ºlugar e estava perto de Panis até rodar na 11ªVolta e com isso deixar a prova.

Tudo bem que Suzuki não estava mais no Auge da Forma com 35 anos de idade ele não mostrava a velocidade que tinha na Larrousse principalmente.

Suzuki nem correu em Suzuka
Suzuki nem correu em Suzuka

Na etapa do Japão no Circuito de Suzuka o Japonês Aguri Suzuki que largaria em 13ºlugar sofreu um acidente fortíssimo acabou fazendo com que o piloto não correr e também esse acidente acabou sendo o fim da carreira de Suzuki na Formula 1.

Com apenas Panis defendendo o time Francês classificando na 11ªposição no Grid de largada, Depois de 4 corridas sem pontuar acabou Panis levando a Ligier de volta aos pontos na 5ªposição, Mas o segundo lugar de Hakkinen com a Mclaren praticamente enterrava as possibilidades de ficar na 4ªposição nos construtores sendo que a Mclaren estava com 27 pontos, Jordan com 21 (Que marcou 3 pontos com o 4ºlugar de Irvine) Ligier estava empatada em 6ºlugar com a Sauber com 18 pontos tendo uma corrida para encerrar o campeonato na Austrália em Adelaide. (A última corrida de Adelaide na história da Formula 1)

No Circuito australiano teve uma despedida história com uma corrida completamente maluca, Com a Volta de Martin Brundle no lugar do acidentado Aguri Suzuki a Ligier precisava de 10 pontos para superar a Mclaren. Era bem díficil disso acontecer. A equipe Francesa marcou pontos com alguma regularidade nos pontos, Mas não teve a capacidade de marcar mais do que 4 pontos em 1 corrida apenas. No Grid: Brundle e Panis formavam a 6ªFila do Grid de largada.

aus1995 (29)

Na corrida vários acidentes aconteceram, entre eles a rodada de Martin Brundle na 27ªVolta quando estava em 5ºlugar, Agora era praticamente impossível a Ligier tomar o 4ºposto da Mclaren, estava mais fácil para a Jordan que tinha Irvine melhor colocado na corrida, Mas no decorrer da prova ocorreram quebras no bloco da Frente com Berger, Frentzen que estava em 2ºlugar e tinha grandes chances de passar a Ligier nos construtores, Irvine e Herbert e com tudo que aconteceu a 10 voltas do final da corrida Panis estava a 2 voltas de Hill, Mas na segunda posição e com possibilidades de pelo menos marcar 6 pontos e colocar a Ligier na frente de Sauber e de Jordan nos construtores, Lá a 4ªposição nos construtores estava praticamente descartada até porque Blundell estava levando a Mclaren a 3 pontos na 4ªposição.

Tudo estava bem, até que nas voltas finais Panis estava com o motor Mugen-Honda Fumando, Era uma judiação caso o piloto francês deixasse a corrida, Mas restando tão pouco para acabar a corrida e o ano, Panis tomou a decisão de levar até o final da corrida e conquistar o melhor resultado da Ligier na temporada de 1995, um 2ºlugar em pódio que resumia como foi a corrida. Hill vencendo com a Williams o que era normal, Com Panis e Morbidelli com a Footwork-Hart em 3ºlugar.

Final feliz para a Ligier em 1995 com o 2ºlugar de Panis
Final feliz para a Ligier em 1995 com o 2ºlugar de Panis

Ao final da temporada a Ligier teve a administração de Tom Walkinshaw um bom resultado ficando em 5ºlugar no mundial de construtores com 24 pontos, 2 pódios (Um para Brundle e um para Panis) Após essa temporada a tendência era que a equipe melhorasse para 1996, Mas se que saber o que acabou não dando certo, Confira no derradeiro episódio sobre a Ligier na temporada de 1996.

Gps: 34 (Largou em 33 Gps)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 2
Pontos: 24
Mugen-Honda MF-301H
10 Cilindros em V
2998 cm³
Potência: 670 Cavalos a 13.500 RPM
Pilotos:
Aguri Suzuki
Martin Brundle
Olivier Panis
Número de Voltas Completadas: 1618

Chassi: Ligier JS41 (Benetton B195)
Projetistas: Frank Dernie (Diretor Tecnico), Rory Byrne (Design) e Loic Bigeois (Aerodinâmica)
Chassis: monocoque de carbono e Kelvar
Peso: 595 kg
Transmissão: Benetton sequencial semiautomática em T – 6 marchas
Combustível e óleo:  Elf
Freios:  Discos de Freio de Carbono Brembo
Duração:
Distância entre eixos:  2.935 milímetros
Dianteiro:  1693 milímetros
traseiro:  1.608 milímetros

Fotos:

View post on imgur.com

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic

Especial Ligier: 19761977197819791980198119821983 –19841985 –1986 –1987 – 19881989 – 1990 – 1991 – 199219931994

Especial Ligier : Temporada de 1993

Após um promissor ano de 1992, Aonde o time Francês voltou a pontuar na Formula 1 desde de 1989 a equipe partia para 1993 partindo para tentar um desempenho melhor. Ainda mais com o Animo de que os motores Renault iriam ficar para 1993 e os mesmos patrocinadores ficariam para a temporada. Já os pilotos seriam dois pilotos Ingleses: Um Veterano Martin Brundle que passou uma temporada na Benetton e acabou fazendo um modesto trabalho e Flávio Briatore mandou o piloto para a rua e dai veio para a Ligier. O outro francês era um piloto ainda pouco experiente Mark Blundell que foi piloto da Brabham em 1991 e já foi piloto de Testes da Williams em 1990 iriam substituir a Erik Comas (Que foi para a Larrousse) e Thierry Boutsen (Que foi viver seus últimos momentos na Formula 1 pela Jordan).

O JS39, Novo chassi da Ligier foi projetado pelos projetistas Gérard Ducarouge (Diretor Técnico), Paul Crooks (Design) e Loic Bigois (Aerodinâmica)

E Dai veio o começo de temporada de 1993 na África do Sul (último GP na África do Sul) um circuito de media em Kyalami a Ligier fez história. Nos Treinamentos Mark Blundell levou a ligier ao 8ºlugar no Grid de Largada e Martin Brundle em 12ºlugar. Na Corrida que foi disputada com o tempo nublado e se aproveitando das quebras, de erros e batidas de outros pilotos Blundell e Brundle subiam na classificação na Volta 47,  Blundell estava em 3ºlugar e Brundle em 6ºlugar.

Até a volta 58 quando Brundle acabou rodando e deixando a corrida deixando Blundell sozinho para levar o Ligier ao 3ºlugar e levar a Ligier ao pódio, Algo que não acontecia desde de 1986 quando Laffite chegou em 2ºlugar no GP dos Estados Unidos. O piloto Inglês levou o Ligier JS39-Renault até o final da corrida e conquistou o pódio quebrando um jejum de quase 7 anos sem pódio para o time de Guy Ligier com o 3ºlugar, Blundell comemorou seu primeiro pódio junto de Alain Prost e Ayrton Senna que chegaram em 1º e 2º.

Blundell comemora o primeiro pódio da Ligier desde do GP dos Estados Unidos de 1986
Blundell comemora o primeiro pódio da Ligier desde do GP dos Estados Unidos de 1986

No Brasil em Interlagos um treino abaixo das expectativas Blundell conseguiu um 10ºlugar no Grid e Brundle é que largou mais atrás em 16º, E na corrida foi comprovado que não foi o final de semana do veterano piloto Inglês que acabou abandonando na 1ªVolta, Já Brundle sobreviveu a confusão da chuva e subiu de posição durante toda a corrida, Na segunda parte de prova Blundell chegou a estar em 4ºlugar e só perdeu posição no final para Michael Schumacher, Mas ainda assim o Inglês chegou em 5ºlugar e marcou mais 2 pontos para ele e para a Ligier que ao final de 2 corridas Blundell era o terceiro colocado atrás de Senna e Prost e a Ligier estava em 3ºlugar no campeonato mundial de Construtores.

Na primeira corrida na Europa no Circuito de Domington Park foi uma corrida para esquecer, Blundell e Brundle nessa Ordem largaram da 11ªFila e diante da chuva na Inglaterra ambos abandonaram a corrida por causa de Rodada e estávamos em posições bem longe dos pontos, Para San Marino em Imola A equipe Francesa conseguiu seu segundo pódio no ano, Martin Brundle largou em 10ºlugar e levou a sua Ligier-Renault ao 3ºlugar após resistir as quebras e batidas nessa prova enquanto que Blundell que ficou em 7º no Grid acabou batendo na largada. Dessa vez Brundle foi para o pódio junto de Prost e de Schumacher.

Na Espanha, Brundle teve um final de semana Terrível, Largou em 18ºlugar e deixou a corrida depois de mais uma rodada isso na 11ªVolta, Já Blundell largou melhor em 12ºlugar e foi fazendo uma boa corrida até que no final chegou a assumir a 6ªposição passando Zanardi, Mas na última volta perdeu essa colocação para Berger e ficou apenas em 7ºlugar numa corrida em que apenas as 4 Grandes (Williams,Mclaren, Benetton e Ferrari) Colocaram seus carros nos pontos.

Nas ruas de Monte Carlo em Mônaco Blundell larga em 13º e Brundle em 21º, Numa pista de difícil ultrapassagem Blundell estava em situação muito melhor, Mas ele acabou deixando a corrida com problemas de suspensão na 4ªVolta, Brundle do 21ºlugar fez uma grande corrida tendo paciência e ganhando posições por erros e quebras e na parte final chegou em Christian Fittipaldi que também fez grande corrida e que resistiu ao piloto Inglês que levou um improvável ponto em Monte Claro.

539_can (31)

Dando uma parada na Europa e indo para a América do Norte para a etapa Canadense, Martin Brundle tem mais um bom final de semana largando em 7ºlugar e na corrida ficando grande parte do tempo entre os 6 primeiros colocados e beneficiado com a quebra de Ayrton Senna ele terminou a corrida em 5ºlugar, levando a Ligier a ter 13 pontos em 4ºlugar nos construtores na Frente da poderosa, Mas desajeitada Ferrari que estava vivendo o Auge das crises na Formula 1. Já Brundle largou em 10ºlugar mas ele se acidentou e deixou a prova na 14ªVolta.

540FRA (21)

Dai veio o GP em Casa na França em Magny Cours e para a alegria dos Franceses os 4 primeiros colocados no Grid de largada eram 4 motores Renault com Hill na pole, Prost em 2º, Brundle em 3º e Blundell em 4º, Um treino que lembrou os áureos tempos da Ligier que estava disputando por vitórias e títulos, A Missão de ambos era aproveitar o grande momento da equipe e dos motores Renault para conseguir um Grande resultado, Blundell não aproveitou e deixou a prova na 21ªVolta por causa de mais uma Rodada, Mas o Experiente piloto Martin Brundle correu muito bem e disputando praticamente de igual para igual o pódio com Senna e Schumacher, Mas acabou em 5ºlugar atrás dos dois, Mas foi um final de semana positivo aonde Brundle marcou mais 2 pontos que o colocava na 5ªposição dos construtores com 9 pontos, Já a Ligier se distanciou da Ferrari nos construtores marcando esses 2 pontos, Na metade do ano o time dos carros azuis tinha 15 pontos contra 9 da Ferrari.

Na Inglaterra começo da segunda parte de campeonato no Circuito de Silverstone mais uma boa chance para a Ligier que mostram potencial nos treinos com Martin Brundle largando em 6ºlugar e Mark Blundell em 9ºlugar, Na Corrida Martin Brundle fez uma grande corrida e levaria sem problemas o seu carro para o 4ºlugar quando que a 6 voltas do final o seu câmbio quebrou, Ainda assim classificou em 14ºlugar, Já Blundell não teve uma prova tão exuberante do que seu companheiro de equipe, Mas chegou ao final e ficou perto de pontuar ficando em 7ºlugar.

542_ale (28)

Na Alemanha aonde o motor conta muito a Ligier aproveitou muito bem desde do Grid de largada aonde Blundell em 5º e Brundle em 6º dividiram a 3ªFila do Grid de largada, Na corrida Ambos começaram bem, Mas enquanto Blundell continuava nas primeiras posições Martin Brundle tinha problemas e acabou indo para os boxes por duas vezes e ficando sem chances de pontuar terminando em 8ºlugar. Lá na Frente Blundell após 7 corridas sem pontuar e com muitos erros finalmente se recoloca na zona de pontuação com um pódio conquistado na terceira posição na frente de Ayrton Senna, Era o 3ºpódio da Ligier na Temporada e o segundo do jovem piloto Inglês.

Na Hungria uma pista em que a Potência do motor não era tão importante a Ligier teve uma classificação mediana no Grid de largada com 12º de Blundell e o 13º de Brundle, Na Corrida Brundle levou a Ligier a mais 2 pontos no campeonato com a 5ªPosição, Blundell teve uma largada bem ruim, mas aos poucos se recuperou na prova e bateu na trave para pontuar de novo chegando na 7ªposição.

Na Bélgica o que se esperava muito do carro azul, Mas a classificação não foi das melhores, Brundle fez uma corrida razoável para boa largando do 11ºlugar e completando a corrida em 7º enquanto que Blundell largando 4 posições Atrás acabou se acidentando com Gerhard Berger brigando por posição fora dos 10 primeiros colocados a 2 Voltas do Final da corrida e ficou classificado em 11ºlugar.

BEL543 (11)

Na Itália foi decepcionante a classificação com Brundle largando do 12ºlugar e Blundell em 14º, Na Corrida Brundle fez grande largada e chegou a ficar em 6ºlugar e poderia marcar pontos tranquilamente, Mas acabou sofrendo um acidente com o seu arquirrival da Formula 3 Ayrton Senna na 8ªVolta, Mark Blundell também começava a subir na corrida quando sofreu um acidente na 21ªVolta e deixou a corrida, O ruim dessa história é que Alesi tinha conseguido um segundo lugar que minava a diferença Ligier para a Ferrari de 7 para 1 ponto nessa luta pela 4ªposição no campeonato de construtores.

Em Portugal Mark Blundell largaria em 10ºlugar e Martin Brundle em 11º, Na corrida Blundell ocupava a 6ªposição quando mais uma vez ele sofreu um acidente (7ºAcidente na temporada) na 52ªVolta. Martin Brundle suou, Mas conseguiu marcar um ponto com o 6ºlugar, Mas com o 4ºlugar de Jean Alesi a Ligier perderia o 4ºlugar nos construtores por 1 ponto de diferença, Mas ainda teríamos as corridas no Japão e na Austrália para a equipe Francesa reagir.

No Japão a Ligier não teve em nenhum momento em condições de pontuar, Martin Brundle que tinha feito o 15ºtempo no Grid de largada no final da corrida na volta final se acidentado e classificou em 9ºlugar, Já Blundell também não teve chances de marcar pontos ficando em 7ºlugar, Uma chance desperdiçada de retornar ao 4ºlugar nos construtores já que nem Berger e Alesi pontuaram, A Decisão seria na Austrália.

No circuito de Adelaide Brundle largou em 8ºlugar e fez uma corrida competitiva levando a Ligier ao 6ºlugar o que faria o time empatar em pontos com a Ferrari, Mas Alesi e Berger tinham chegado em 4º e 5ºlugar o que fez a Ferrari ficar na frente nos construtores por 5 pontos de diferença para a Ligier que terminava o campeonato num honroso 5ºlugar com 23 pontos, 3 pódios e com a sensação de que poderiam ter conseguido bater a Ferrari se seus pilotos não tivessem se envolvido em tantos acidentes mesmo eles tendo o desempenho que eles tiveram. Blundell largou em 14º e chegou em 9ºlugar no Circuito Australiano. Brundle terminou o campeonato em 7ºlugar com 13 pontos e Blundell em 10ºlugar com 10 pontos.

Para 1994 a expectativa seria de crescer ainda mais e voltar definitivamente a turma das equipes grandes, Vamos saber se conseguiram esse feito em 1994 no próximo episódio desse especial…

Números da Temporada de 1993 da Ligier

Gps: 32
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 3
Pontos: 23
Motor: Renault RS5 V10
3493 Cilindradas
13.800 RPM (Rotações por Minuto)
Potência: 780 Cavalos
Número de Voltas completadas: 1.456
Pilotos:
Mark Blundell
Martin Brundle

Chassis: Ligier JS39
Projetistas: Gérard Ducarouge (Diretor Técnico), Paul Crooks (Design) e Loic Bigois
(Aerodinâmica)
Chassis:  Monocoque de Carbono e Kelvar
Peso:  505 kg
Transmissão:  Williams T semiautomática 6 Marchas
Combustível/óleo:  Elf
Freios:  Freios de disco de Carbono
Distância entre eixos:  2,995 mm
Eixo frente: 1690 mm
Faixa traseira: 1.600 mm

Fotos:

View post on imgur.com

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic

Especial Ligier: 19761977197819791980198119821983 –19841985 –1986 –1987 – 19881989 – 1990 – 1991 – 1992