GP dos Estados Unidos – MotoGP – Mundial de Motovelocidade 2022

No circuito das Américas, palco da 4ªetapa do campeonato Mundial da MotoGP, as atenções estavam todas voltadas para Marc Marquez, que mesmo sem estar em plena forma acabou antecipando a sua volta as pistas (logo após o perigoso acidente que ele sofreu na Indonésia).

Aleix Espargaró após vencer brilhantemente o GP da Argentina acabou não conseguindo entrar no Q2 direto, o piloto da Aprilla iria disputar o Q1 e teria adversários muito fortes como Alex Rins da Suzuki, Jorge Marin da Pramac, Brad Binder e Miguel Oliveira da KTM e até o próprio Marevick Viñales da Aprilla.

Aleix foi para a pista logo de cara, um dos primeiros a fazer isso. Não demoraram 40 segundos para todos os 14 concorrentes a disputarem 2 vagas para o Q2.

Na sua primeira volta, Darryn Binder da RNF foi para o chão na curva 3. O Q1 não começava nada bem para o sul-africano. Com 4 minutos e 20 segundos de sessão, Alex Rins  foi para primeiro com 2:02.723, seguido de Aleix Espargaró e de Franco Morbidelli. 40 segundos depois, Viñales foi para a 4ªposição.

Após uma primeira volta bem fraca, Jorge Martin foi para a volta lançada e acabou marcando o melhor tempo (2:02.487) a 8:15 do final da sessão, deixando Rins e Aleix para trás. Andrea Dovizioso e Marco Bezzecchi fizeram boas voltas e passaram para a 4ª e 5ªposições. Brad Binder subiu para a 6ªposição. Remy Gardner foi outro que foi para o chão, perto da metade da classificação.

Aleix Espargaró foi para a pista. Naquele momento, o piloto da Aprilla estava caindo fora da classificação. Ou seja, precisava melhorar para entrar na zona de classificação e foi isso que Aleix fez, mas seu destino acabou sendo o chão a 3 minutos e 45 segundos do final da sessão. Na curva 8, a sessão terminava para o vencedor do GP da Argentina.

Esperava-se um final emocionante, mas acabou que não ocorreram muitas mudanças na classificação. Só Viñales conseguiu uma melhora significativa, mas não passou da 44ªposição. Tempo encerrado e os classificados são Jorge Martin da Pramac e Alex Rins da Suzuki. A dupla da Aprilla acabou ficando na 3ª e 4ªposições e vão compor a 5ªfila, junto do veterano e regular Andrea Dovizioso da RNF.

Resultado do Q1:

pos piloto equipe moto tempo
1 89 Jorge Martin Pramac Racing Ducati 02’02.487
2 42 Alex Rins Team SUZUKI ECSTAR Suzuki 02’02.723
3 41 Aleix Espargaro Aprilia Racing Aprilia 02’02.922
4 12 Maverick Viñales Aprilia Racing Aprilia 02’03.121
5 4 Andrea Dovizioso WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 02’03.133
6 72 Marco Bezzecchi Mooney VR46 Racing Team Ducati 02’03.328
7 33 Brad Binder Red Bull KTM Factory Racing KTM 02’03.467
8 49 Fabio Di Giannantonio Gresini Racing MotoGP™ Ducati 02’03.576
9 21 Franco Morbidelli Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha 02’03.579
10 88 Miguel Oliveira Red Bull KTM Factory Racing KTM 02’03.983
11 25 Raul Fernandez Tech3 KTM Factory Racing KTM 02’04.140
12 87 Remy Gardner Tech3 KTM Factory Racing KTM 02’04.185
13 73 Alex Marquez LCR Honda Castrol Honda 02’04.229
14 40 Darryn Binder WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 02’04.646

O Q2 começava com 6 pilotos da Ducati entre os 12 postulantes a disputarem a pole position. O primeiro a entrar na pista foi Takaaki Nakagami da LCR Honda. Em 1 minuto de sessão, todo mundo foi para a batalha. Em condições normais, Marquez seria um dos favoritos a pole position, mas ainda sem estar em plena forma, o Formiga Atômica teria que suar muito para lutar por essa pole.

Takaagi Nakagami marca 2:03.796 aos 4 minutos e meio de sessão. Segundos depois, Peppo Bagnaia passa a liderar com 2:02.335, seguido de Jorge Martin da Pramac. Nesse meio tempo, Enea Bastianini foi para o chão. Com um terço de sessão, Jack Miller toma a ponta de Martin por 8 milésimos de frente para Bagnaia. Fabio Quartararo fez o 4ºtempo, Rins e Mir completavam os Top 6 com as motos da Suzuki.

Quartararo foi para a luta, buscando superar o esquadrão da Ducati, mas acaba encontrando o chão na  curva 19. Para piorar, Bastianini, Rins e Marquez superaram o piloto francês, que caiu para a 7ªposição.

Com metade do tempo concluído, a primeira fila era toda de pilotos da Ducati, com Miller, Bagnaia na equipe oficial e Martin da Pramac completando a primeira fila. Enea Bastianini em excelente recuperação, vinha na 4ªposição. Depois vinham, Rins, Marc Marquez, Quartararo, Marini, Pol Espargaró, Zarco, Mir e Nakagami.

Jack Miller e Francesco Bagnaia foi mais cedo para a pista. Os outros partiram para o último terço da sessão a menos de 5 minutos do final do Q2.

Nessa altura do campeonato, Peppo queria era recuperar a liderança. O italiano foi com tudo para tentar recuperar a liderança. O resultado do seu esforço acabou vindo a 2 minutos e 10 segundos do final, Peppo marca 2:02.167 e passa a liderar a sessão, superando a Jack Miller (que estava em sua volta rápida).

Miller vai muito rápido a volta inteira e acaba fazendo 2:02.042 a 1 minuto do final. O australiano recupera a ponta e a dobradinha da Ducati oficial estava teoricamente consolidada… Porém, Jorge Martin fez uma volta brilhante com sua Pramac Ducati e acabou tomando a pole de Miller por 3 milésimos, a 4 segundos do final da sessão.

Jorge Martin vai largar na pole position e vai comandar a troca da Ducati, que vai ter 5 pilotos nas 5 primeiras posições, algo inédito para a marca no Mundial de Motovelocidade. Os dois pilotos da equipe oficial, Jack Miller e Francesco Bagnaia fizeram excelentes classificações e vão completar a primeira fila.

Em 4º, Enea Bastianini levando a modesta Gresini a posições altas no grid de largada e Johann Zarco completou o quinteto da Ducati com sua Pramac Ducati. Fabio Quartararo fez tudo que era possível, mas o 6ºlugar foi o máximo que ele pode fazer em um dia tão inspirado dos pilotos da Ducati.

A terceira fila será formada por dois pilotos da Suzuki, Alex Rins em 7º e Joan Mir que conseguiu pular da penúltima para a 8ªposição e Marc Marquez que não foi além da 9ªposição. Takaagi Nakagami da LCR Honda, Luca Marini da VR46 e Pol Espargaró da Honda Repsol completam os 12 primeiros colocados.

Grid de Largada:

pos piloto equipe moto tempo
1 89 Jorge Martin Pramac Racing Ducati 02’02.039
2 43 Jack Miller Ducati Lenovo Team Ducati 02’02.042
3 63 Francesco Bagnaia Ducati Lenovo Team Ducati 02’02.167
4 5 Johann Zarco Pramac Racing Ducati 02’02.570
5 23 Enea Bastianini Gresini Racing MotoGP™ Ducati 02’02.578
6 20 Fabio Quartararo Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha 02’02.634
7 42 Alex Rins Team SUZUKI ECSTAR Suzuki 02’02.694
8 36 Joan Mir Team SUZUKI ECSTAR Suzuki 02’02.947
9 93 Marc Marquez Repsol Honda Team Honda 02’03.038
10 30 Takaaki Nakagami LCR Honda IDEMITSU Honda 02’03.054
11 10 Luca Marini Mooney VR46 Racing Team Ducati 02’03.059
12 44 Pol Espargaro Repsol Honda Team Honda 02’03.096
13 41 Aleix Espargaro Aprilia Racing Aprilia 02’02.922
14 12 Maverick Viñales Aprilia Racing Aprilia 02’03.121
15 4 Andrea Dovizioso WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 02’03.133
16 72 Marco Bezzecchi Mooney VR46 Racing Team Ducati 02’03.328
17 33 Brad Binder Red Bull KTM Factory Racing KTM 02’03.467
18 49 Fabio Di Giannantonio Gresini Racing MotoGP™ Ducati 02’03.576
19 21 Franco Morbidelli Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha 02’03.579
20 88 Miguel Oliveira Red Bull KTM Factory Racing KTM 02’03.983
21 25 Raul Fernandez Tech3 KTM Factory Racing KTM 02’04.140
22 87 Remy Gardner Tech3 KTM Factory Racing KTM 02’04.185
23 73 Alex Marquez LCR Honda Castrol Honda 02’04.229
24 40 Darryn Binder WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 02’04.646

No sábado, domingo das Ducati, com 5 pilotos nas 5 primeiras posições. Será que o domingo seria tão bom como o sábado para os pilotos da Ducati ou teria uma reação. O público norte-americano estava ansioso para saber o que iria acontecer.

Jack Miller larga melhor que Jorge Martin e passa a liderança logo nos primeiros metros da corrida. Martin permaneceu em 2º, Bastianini em 3º, Bagnaia em 4º, Quartararo em 5º, Zarco em 6º e depois, Nakagami, Mir, Rins e Pol Espargaró. Marc Marquez ficou na largada e caiu para a última posição.

Martin vai para o ataque em cima de Miller, e passa o australiano na curva 19, mas Miler recupera a ponta na curva 20 e termina a primeira volta na frente. Lá Atrás, Marquez já vinha na 17ªposição.

Após 2 voltas, Miller, Martin e Bastianini abriram um pouco de frente sobre Bagnaia, Quarataro e Zarco. Ao final da 2ªvolta, Marco Bezzecchi foi ao chão, mas conseguiu voltar para a corrida, na última posição. Porém, os problemas mecânicos impediram do piloto da VR46 de continuar na corrida.

Johann Zarco supera Quartararo e quina da Ducati estava refeita nas 5 primeiras posições. Enquanto isso, Quartararo sofre com a pressão dos dois pilotos da Suzuki, no seu calco. Logo a frente, Zarco e Bagnaia duelam pela 4ªposição, no final da reta oposta o piloto da Pramac passou o vice-campeão de 2021, mas acabou tomando o troco e Bagnaia retornou ao 4ºlugar. Marc Marquez acabou passando reto ao tentar ganhar mais posições. O Formiga Atômica buscava a recuperação na corrida, com mais 17 voltas pela frente.

Começando a 5ªVolta, Zarco toma a frente de Bagnaia e passa para a 4ªposição. Na curva 12 da mesma volta, Rins faz bela ultrapassagem sobre Quartararo e assume a 6ªposição. No começo da volta seguinte, foi a vez de Mir superar o principal piloto da Yamaha que vinha em maus lençóis, na 8ªposição e sem expectativa de melhorar no decorrer da corrida. Alex Marquez foi para o chão e deixou a corrida.

Após 6 voltas, a recuperação de Marc Marquez era impressionante, estava em 11º após cair para a última posição depois da largada e estava logo atrás de Pol Espargaró, seu companheiro de equipe na Honda Repsol.

Continuando na 7ªvolta, Alex Rins faz uma manobra muito arriscada e passa Zarco na curva 11, porém, na reta oposta a Ducati engoliu a Suzuki e Zarco volta a 4ªposição. Marquez passou Pol e entra nas 10 primeiras posições.

Rins continuava no ataque em cima de Zarco, uma ultrapassagem só aconteceria se fosse na curva, pois nas retas a Ducati tem muito mais potência. Na frente, Miller, Martin e Bastianini continuavam inabaláveis nas 3 primeiras posições. Na 9ªVolta, Rins volta a passar Zarco na curva 11, Zarco usou a potência da sua moto, chegou a superar Rins, mas o piloto da Suzuki fez a manobra do troco de imediato e muito bem feita. Rins assume a 4ªposição e começava a mirar Bastianini, Martin e Miller. Zarco começava a ser pressionado por Peppo Bagnaia.

Rins passa Bastianini na curva 11, mas o piloto da Gresini se recupera sem grande dificuldade na reta. Na mesma reta, Marc Marquez toma a 9ªposição das mãos de Aleix Espargaró. Com metade da corrida percorrida, Quartararo e Marquez estavam separados por 1.757 a 10 voltas do final. Ou seja, metade da corrida percorrida.

Bastianini resiste as tentativas de Rins supera-lo. Mesmo com uma moto inferior no ano e pela ciclística, o piloto da Gresini continuava firme e forte. Pelo contraio, Esse foi o sinal para Enea ir para cima de Jorge Martin e para ultrapassagem logo no iniciar da 12ªvolta, partindo para a segunda posição e só com Jack Miller na sua frente. Curvas depois, Rins supera Martin que começa a cair na corrida. Na reta oposta, Zarco tentou o pulo do gato para superar Bagnaia e Mirt, mas ao chegar à curva 12, Zarco perde a curva, resultado é que Bagnaia e Mir superam o francês que cai para a 7ªposição.

Quartararo começou a chegar em Zarco, e o mesmo Marquez começava a tentar. 13ªVolta, Mir passa Bagnaia na parte sinuosa e acabou conseguindo permanecer com a posição na reta. Os pilotos da Suzuki vinham ganhando posições.

Já Quartararo colocava pressão em cima de Zarco e não precisou de muito tempo, na verdade, em poucas curvas, o piloto da Pramac acabou sendo superado por Quartararo e deu uma espalhada, foi nessa espalhada que Marquez se aproveitou e superou o piloto da Pramac, na mesma 14ªvolta, Martin perdeu posições para Mir e Bagnaia na reta oposta. A carruagem da Pramac (Equipe satélite da Ducati) virou abobora.

A 6 voltas do final, Bastianini partiu para o ataque em cima de Jack Miller, valendo a liderança e a vitória. Era impressionante o desempenho do primeiro piloto da Gresini nesse começo de ano, com uma moto da Ducati de 2021, andando em uma equipe pequena, contra equipes maiores e com equipamentos melhores. Na volta seguinte, Bastianini foi para a ultrapassagem na reta oposta e passou a liderança.

Já Marquez passou Quartararo e foi para cima de Jorge Martin, para quem tinha dúvidas que iria correr, está disputando a 6ªposição é uma grande recuperação. Na entrada da 17ªvolta, a 4 voltas do final, o Formiga Atômica toma o 6ºlugar de Jorge Martin. Sem perder muito tempo, Fabio Quartararo passou o piloto da Pramac e partiu para o duelo contra seu grande rival.

Enquanto Bastianini vinha a passos da sua segunda vitória no ano, Quartararo foi para cima de Marquez, o duelo de campeões pela 6ªposição. Na penúltima volta, Quartararo conquista a ultrapassagem sobre Marquez na serpente, mas espalha na curva seguinte e Marquez não dá bobeira, recupera a 6ªposição. Esse duelo iria até o final sem dúvida.

Enea Bastianini conquista a sua segunda vitória na temporada, confirma que é um piloto em plena ascensão e começa a sonhar sim com o título em 2022. Melhor que isso, Bastianini voltou a liderança do Mundial.

Na última volta, Rins chegou em Miller e os dois travaram um belo duelo pela segunda posição, apenas na penúltima curva que tivemos a definição, Miller foi superado por Alex Rins. O piloto da Suzuki conquista a segunda posição, em um ótimo momento dele, após uma temporada muito ruim em 2021. Jack Miller conseguiu ainda salvar o pódio em 3º, mas acabou perdendo a vitória após liderar por quase 70% da prova inteira.

Joan Mir conseguiu outro bom resultado e chegou na 4ªposição. 2 pilotos da Ducati e dois pilotos da Suzuki nas 4 primeiras posições. A potência da Ducati levou a melhor em Austin, mas a ciclística da Suzuki também se mostrou eficiente no Circuito das Américas. Francesco Bagnaia fez uma corrida em que não teve grandes momentos de brilho e acabou o dia na 5ªposição.

Marc Marquez teve uma corrida e um final de semana heroico, porque não esta 100%, ainda se recuperando de lesão, e com uma largada bem ruim o piloto da Honda mostrou que ainda faz a diferença na equipe. Para coroar a sua exibição, Marquez teve um duelo com Quartararo e acabou levando a melhor, conquistando a 6ªposição. Já o piloto da Yamaha também tentou ao máximo, mas não foi o bastante para levar sua moto (campeã em 2021) além da 7ªposição.

Os pilotos da Pramac foram os grandes derrotados do dia, Jorge Martin acabou ficando em 8ºlugar após ter largado da pole position e Johann Zarco logo atrás, mas tomando pressão de Maverick Viñales e de Aleix Espargaró. Ou seja, depois de um ótimo sábado a Pramac teve uma corrida muito ruim.

Após a vitória em Termas de Rio Hondo, Aleix Espargaró não foi bem, acabou ficando longe da disputa pela vitória e terminou o dia na 11ªposição, ficando logo atrás de Marevick Viñales que conseguiu terminar uma corrida na frente do 1ºpiloto da Aprilla.

Em 12º, chega Brad Binder que acabou levando nas costas a KTM nesse final de semana. Pol Espargaró da Honda Repsol não foi nada bem, acabou o dia em uma lamentável 13ªposição. Inteiro ficou muito atrás de Marc Marquez (Sem estar em plenas condições físicas). Takaagi Nakagami salvou dois pontos para a LCR Honda, mas muito pouco para quem se esperava um desempenho melhor. Fechando a zona de pontuação, Andrea Dovizioso que deve estar muito chateado por brigar pelas últimas posições, mas com uma moto difícil e com uma equipe com poucas condições como a RNF não dá para esperar muito mais do que esta fazendo.

Resultado Final da 4ªetapa do Mundial de Motovelocidade – Temporada 2022
GP dos Estados Unidos – Circuito das Americas – 20 Voltas – MotoGP

pos piloto equipe moto tempo
1 23 Enea Bastianini Gresini Racing MotoGP™ Ducati 41’23.1110
2 42 Alex Rins Team SUZUKI ECSTAR Suzuki a 2.058
3 43 Jack Miller Ducati Lenovo Team Ducati a 2.312
4 36 Joan Mir Team SUZUKI ECSTAR Suzuki a 3.975
5 63 Francesco Bagnaia Ducati Lenovo Team Ducati a 6.045
6 93 Marc Marquez Repsol Honda Team Honda a 6.617
7 20 Fabio Quartararo Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha a 6.760
8 89 Jorge Martin Pramac Racing Ducati a 8.441
9 5 Johann Zarco Pramac Racing Ducati a 12.375
10 12 Maverick Viñales Aprilia Racing Aprilia a 12.642
11 41 Aleix Espargaro Aprilia Racing Aprilia a 12.947
12 33 Brad Binder Red Bull KTM Factory Racing KTM a 13.376
13 44 Pol Espargaro Repsol Honda Team Honda a 17.961
14 30 Takaaki Nakagami LCR Honda IDEMITSU Honda a 18.770
15 4 Andrea Dovizioso WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha a 29.319
16 21 Franco Morbidelli Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha a 29.129
17 10 Luca Marini Mooney VR46 Racing Team Ducati a 29.630
18 88 Miguel Oliveira Red Bull KTM Factory Racing KTM a 32.002
19 25 Raul Fernandez Tech3 KTM Factory Racing KTM a 37.062
20 87 Remy Gardner Tech3 KTM Factory Racing KTM a 42.442
21 49 Fabio Di Giannantonio Gresini Racing MotoGP™ Ducati a 42.887
22 40 Darryn Binder WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha a 1:42.171
73 Alex Marquez LCR Honda Castrol Honda a 15 Voltas – Acidente
72 Marco Bezzecchi Mooney VR46 Racing Team Ducati a 18 Voltas – Acidente

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: MotoGP

GP dos Estados Unidos – Moto 2 – Mundial de Motovelocidade 2022

GP dos Estados Unidos, a 4ªetapa do Mundial de Motovelocidade aconteceu no Circuito das Américas. Diante das reclamações, A pista foi reasfaltada, mas não todas as curvas, e foram essas curvas que se tornaram problemáticas no final de semana.

Diferente do normal, por estratégia de programação para não bater com a corrida de Long Beach do Mundial de Formula Indy quem iria começar era o Moto 2, seguido da MotoGP e no final, deixaram os coitados dos novatos da Moto 3 para fechar o dia. Claro que a Moto 2 não iria pagar o pato, afinal de contas, era uma corrida com 3 pilotos da casa.

Começando com a classificação da Moto 2, a surpresa  era a não classificação direta de Celestino Vietti. O líder do campeonato precisaria passar pelo Q1 para garantir sua vaga para disputar a pole. Em apenas 45 segundos, todos os pilotos já estavam na pista.

Determinado a passar por cima dos adversários, Vietti na primeira volta já fez tempo muito forte de 2:10.698. Essa marca ninguém conseguiu alcançar na primeira tentativa. Barry Baltus da RW Racing, Lorenzo Dalla Porta da Italtrans e Manuel Gonzalez da Yamaha VR46 eram os que mais se aproximaram do piloto da VR46.
Ao ver que Vietti era o piloto imbatível no Q1, Baltus acabou pegando a referência do piloto italiano, acabou que essa tática deu muito certo para o piloto Belga que se consolidou na segunda posição, marcando 2:10.629 a 8:15 do final da sessão. Celestino Vietti melhorou sua marca para 2:10.463, bem consolidado na primeira posição. Zonta van der Goodbergh e Manuel Gonzalez eram os dois outros classificados.

Parecia que Vietti não teria problemas e nem mesmo dificuldades para passar ao Q2… Porém, tudo mudou a 5 minutos e 20 segundos do final da sessão. Marcus Ramirez passou a liderança com 2:10.154, seguido de Jeremy Alcoba da Intact GP, Filip Salac da Gresini e Bo Bendsneyder da SAG. Todos eles superaram e jogaram Vietti para fora da zona de classificação.

Ramirez, Alcoba, Salac e Bendsneyder eram os classificados. Vietti vinha em 5º, seguido de Zonta van der Goodbergh, Baltus e Fenati.

Vietti precisava dar uma resposta para esse revés. E essa resposta foi muito bem dada a 1:25 do final, com o tempo de 2:09.975 (primeiro a fazer tempo abaixo dos 130 segundos) e volta a pontilhar a tabela de classificação. Salac vinha em volta bem rápida, mas caiu a 1 minuto do final e complicou a sua classificação ao Q2.

Com 30 segundos do final, o holandês Bo Bendsneyder se atreveu a superar Celestino Vietti  consideravelmente (2:09.791) e assumir a liderança. Vietti tentou recuperar a ponta no final, mas acabou ficando em 2º, a 16 milésimos do piloto do primeiro piloto da SAG (equipe de Eduardo Pelarez). Marcus Ramirez da MV Agusta e Jeremy Alcoba da Dynavolt completaram a zona de classificação. Alcoba acabou tomando a última vaga para o Q2 nos instantes finais, deixando Salac de fora do Q2.

Resultado do Q1:

pos piloto equipe moto tempo
1 64 Bo Bendsneyder Pertamina Mandalika SAG Team Kalex 02’09.791
2 13 Celestino Vietti Mooney VR46 Racing Team Kalex 02’09.807
3 42 Marcos Ramirez MV Agusta Forward Racing MV Agusta 02’10.154
4 52 Jeremy Alcoba Liqui Moly Intact GP Kalex 02’10.157
5 12 Filip Salac Gresini Racing Moto2 Kalex 02’10.209
6 7 Barry Baltus RW Racing GP Kalex 02’10.471
7 5 Romano Fenati MB Conveyors Speed Up Boscoscuro 02’10.599
8 84 Zonta Van Den Goorbergh RW Racing GP Kalex 02’10.619
9 18 Manuel Gonzalez Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex 02’11.078
10 2 Gabriel Rodrigo Pertamina Mandalika SAG Team Kalex 02’11.113
11 19 Lorenzo Dalla Porta Italtrans Racing Team Kalex 02’11.288
12 61 Alessandro Zaccone Gresini Racing Moto2 Kalex 02’11.486
13 28 Niccolò Antonelli Mooney VR46 Racing Team Kalex 02’13.291
14 4 Sean Dylan Kelly American Racing Kalex 02’13.562
15 24 Simone Corsi MV Agusta Forward Racing MV Agusta 02’17.038

Começava a fase decisiva para a disputa da pole position. Os norte-americanos Joe Roberts e Cameron Beaubier foram os primeiros a entrarem na pista, com 1 minuto de sessão, junto deles vinha Marcus Ramirez e sua MV Agusta. Ao contraio do Q1, os pilotos demoram para entrarem na pista, principalmente os considerados favoritos a pole position. Jorge Navarro teria de pagar uma punição de volta longa por ter ignorado bandeira amarela no 3ºtreino livre.

Marcus Ramirez foi o primeiro a marcar volta, mas foi um tempo alto e fácil de ser superado. Igualmente o tempo de Somkiat Chantra era fácil de superar (mesmo o tailandês ter superado 32 milésimos o tempo do piloto da MV Agusta a 9 minutos do final).

Os tempos começaram a baixar de vez, 45 segundos depois, com Ai Ogura ao marcar 2:10.003.Mas ai, Celestino Vietti vindo do Q1 acabou destruindo todo mundo, com a devastadora volta de 2:09.091. Ou seja, quase 1 segundo a frente de Ogura. Por outro lado, Augusto Fernandez foi para o chão e compromete a sua classificação. Joe Roberts vinha em 3º, seguido de Lowes e Chantra. Tony Arbolino acabou indo para o chão, só que na curva 8. Pelo menos, o italiano da Marc VDS conseguiu voltar para a disputa.

Com 5 minutos e 30 segundos do termino da sessão, Aron Canet fez uma boa volta, passando a ser o segundo colocado. 30 segundos depois, Ai Ogura vai para o chão e perde a chance de fazer um bom grid. Pior de tudo foi que Ogura caiu na entrada da reta oposta (Curva 11).

Tony Arbolino em volta por cima passa a ser o segundo colocado, mas uma pena que a sua volta de 2:09.239 foi cancelada por causa da bandeira amarela no segundo setor (Curva 11).

O norte-americano Cameron Beaubier acabou fazendo uma estupenda volta de 2:08.751 e passou a liderar a sessão, com 2 minutos pela frente, o piloto da American Racing estava muito próximo da primeira pole da sua carreira.

Aron Canet tentava tirar a pole de Beaubier, o piloto da Pons vinha mais rápido nos 2 primeiros setores, mas acabou indo para o chão a 1 minuto do final e dessa forma, Canet perde a chance de conquistar a pole.

Com o cronometro zerado, Acosta não conseguiu ir além do 7ºlugar e ainda perdeu uma posição, caindo para 8º. Na reta final, Tony Arbolino fez tudo que foi ao seu alcance para conquistar a 4ªposição.

Cameron Beaubier conquistou a sua primeira pole position, em plena corrida de casa, Superando os favoritos e levando a mediana American Racing ao primeiro lugar no grid de largada. A festa era toda de Beaubier. Do Q1 para uma ótima segunda posição, foi assim a odisseia de Celestino Vietti para chegar até essa posição no grid de largada. O vice-líder Aron Canet da Pons completa a primeira fila.

Tony Arbolino lutou muito para conquistar a 4ªposição (abrindo a segunda fila), já com o cronometro zerado e com uma volta anterior cancelada, Boa surpresa Albert Arenas na 5ªposição, mostras de uma melhor adaptação à categoria intermediária. Jake Dixon completa a segunda fila e tenta beliscar um bom resultado nas primeiras posições.

Com a segunda moto da Pons, Jorge Navarro vai largar na 7ªposição e comanda a terceira fila, que terá o novato Fermin Aldeguer da Speed UP e Sam Lowes da Marc VDS. Na quarta fila teremos Pedro Acosta da equipe Ajo, Ai Ogura da Honda Asia Team e Bo Bendsneyder da SAG.

Grid de Largada:

pos piloto equipe moto tempo
1 6 Cameron Beaubier American Racing Kalex 02’08.751
2 13 Celestino Vietti Mooney VR46 Racing Team Kalex 02’09.091
3 40 Aron Canet Flexbox HP40 Kalex 02’09.283
4 14 Tony Arbolino Elf Marc VDS Racing Team Kalex 02’09.329
5 75 Albert Arenas Inde GASGAS Aspar Team Kalex 02’09.358
6 96 Jake Dixon Inde GASGAS Aspar Team Kalex 02’09.434
7 9 Jorge Navarro Flexbox HP40 Kalex 02’09.462
8 54 Fermín Aldeguer MB Conveyors Speed Up Boscoscuro 02’09.614
9 22 Sam Lowes Elf Marc VDS Racing Team Kalex 02’09.900
10 51 Pedro Acosta Red Bull KTM Ajo Kalex 02’09.925
11 79 Ai Ogura IDEMITSU Honda Team Asia Kalex 02’10.003
12 64 Bo Bendsneyder Pertamina Mandalika SAG Team Kalex 02’10.020
13 23 Marcel Schrotter Liqui Moly Intact GP Kalex 02’10.069
14 42 Marcos Ramirez MV Agusta Forward Racing MV Agusta 02’10.127
15 52 Jeremy Alcoba Liqui Moly Intact GP Kalex 02’10.152
16 16 Joe Roberts Italtrans Racing Team Kalex 02’10.325
17 35 Somkiat Chantra IDEMITSU Honda Team Asia Kalex 02’10.707
18 37 Augusto Fernandez Red Bull KTM Ajo Kalex Sem Tempo
19 12 Filip Salac Gresini Racing Moto2 Kalex 02’10.209
20 7 Barry Baltus RW Racing GP Kalex 02’10.471
21 5 Romano Fenati MB Conveyors Speed Up Boscoscuro 02’10.599
22 84 Zonta Van Den Goorbergh RW Racing GP Kalex 02’10.619
23 18 Manuel Gonzalez Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex 02’11.078
24 2 Gabriel Rodrigo Pertamina Mandalika SAG Team Kalex 02’11.113
25 19 Lorenzo Dalla Porta Italtrans Racing Team Kalex 02’11.288
26 61 Alessandro Zaccone Gresini Racing Moto2 Kalex 02’11.486
27 28 Niccolò Antonelli Mooney VR46 Racing Team Kalex 02’13.291
28 4 Sean Dylan Kelly American Racing Kalex 02’13.562
29 24 Simone Corsi MV Agusta Forward Racing MV Agusta 02’17.038

Cameron Beaubier imagina que era esse domingo seria o seu dia de glória na Moto 2, mas isso não saiu como o norte-americano planejava. Na verdade, tudo foi bem diferente do que estava se imaginava. Essa 4ªcorrida da temporada teve o 3ºvencedor e um 3ºvencedor que nunca tinha vencido Moto 2.

Na largada, Beaubier parecia que iria sustentar a liderança, mas na entrada da curva 1, Celestino Vietti mergulhou muito bem para tomar a liderança. Beaubier acabou perdendo posições para Canet e Arbolino, caindo para a 4ªposição. Pedro Acosta vinha em uma ótima 5ªposição. Ogura, Dixon, Lowes, Navarro e Fenati completavam os 10 primeiros colocados.

No final da reta oposta, um acidente que começou com uma manobra desastrosa de Somkiat Chantra que se jogou pra cima de Sam Lowes e acabou derrubando não só ele como Sam Lowes, por culpa total do Tailandês. Fermin Aldeguer, Gabriel Rodrigo e Zonta van der Goodbergh acabaram também indo ao chão na mesma curva 12. 5 abandonos em apenas meia volta, quase todos no meio do pelotão, que certamente teria uma cara um pouco diferente das disputas habituais.

Lá na frente, Vietti começa abrindo de Canet, Arbolino e Beaubier. O piloto da VR46 parecia disposto a emplacar uma 3ªvitória em 4 corridas. Na curva 12, Cameron Beaubier passa Tony Arbolino e recupera a 3ªposição, mas já vinha longe de Vietti e Canet que chegou no líder do campeonato.

No começar da 3ªVolta, Arbolino dá o troco em Beaubier e volta a 3ªposição. Já na parte do miolo, Aron Canet supera Vietti e assume a liderança. Jorge Navarro precisava pagar uma punição de Volta Longa por ignorar uma bandeira amarela no 3ºtreino livre (que aconteceu no Sábado).

Cameron Beaubier caiu para a 7ªposição. Mais atrás, Simone Corsi acabou indo para o chão com sua MV Agusta, na parte final da 3ªvolta (Curva 14).
Na serpente, Pedro Acosta foi para o chão e aumentava a lista dos pilotos que deixaram a corrida, isso em apenas 3 voltas e meia percorridas.

Cameron Beaubier erra a curva 12 e fica mais longe do pelotão da frente e Jorge Navarro acabou cumprindo a punição da volta longa e voltou na 8ªposição. Quem se beneficiou foi o alemão Marcel Schrotter que acabou pulando da 8ª para a 6ªposição.

Na 5ªvolta, no trecho das curvas, Celestino Vietti vai ao chão, termina a corrida para o líder do campeonato. Aron Canet estava mais tranquilo na liderança. Poderia ser a sua grande chance de vencer pela primeira vez e assumir a liderança da categoria intermediária. Tony Arbolino vinha em 2º, mas muito pressionado por Jake Dixon da Aspar Martinez. Ogura vinha um pouco mais longe, em um confortável 4ºlugar. Schrotter, Beaubier, Navarro, Baltus, Augusto Fernandez e Bendsneyder completavam os 10 primeiros colocados.

Canet vinha com folga na liderança, abrindo vantagem e rumando para a sua primeira vitória na Moto 2. Mas na 8ªvolta, na parte das curvas, Canet foi para o chão, assim como sua 1ªvitória se espatifaram no concreto do Circuito das Américas. A liderança passaria a ser de Tony Arbolino da Marc VDS. Sorte para Celestino Vietti que manteria a liderança do campeonato. Jake Dixon passou a ser o segundo e Ai Ogura subia para uma posição de pódio.

Após 7 voltas de corrida, somente 19 pilotos continuavam na disputa. Parecia uma corrida de sobrevivência ao invés de uma prova do Mundial de Motovelocidade. Schrotter vinha em 4º com Beaubier em 5º, almejando a posição do piloto alemão. Navarro vinha em 6º, seguido de Bendsneyder, Roberts, Adrian Fernandez, Alcoba, Baltus, Fenati, Salac, Arenas, Gonzalez, Ramirez, Dalla Porta, Antonelli e Kelly Dylan.

Ai Ogura chegou a sair da pista na entrada da reta oposta, na 9ªvolta, mas não teve nenhum grande prejuízo com sua posição. Enquanto isso, Arbolino vinha com vantagem segura para Jake Dixon, e uma vantagem que aumentava a cada volta que se sucedia a corrida. Dixon a principio não era ameaçado por Ogura que estava a léguas de frete para Schrotter, Beaubier e Navarro. Mais atrás, Bensdneyder, Joe Roberts, Adrian Fernandez e Jeremy Alcoba brigavam pela 7ªposição no terceiro pelotão da corrida.

Na metade da 12ªVolta, Ogura mergulhou no final da reta oposta e supera Dixon, passando a ser o segundo colocado. Em 1 volta, o japonês abriu pelo menos meio segundo. Naquela altura da prova, Arbolino já estava com 3 segundos à frente de Ogura e Dixon, encaminhando muito bem para a vitória.

Briga intensa estava sendo a de Cameron Beaubier que superou Marcel Schrotter e estava com o 4ºlugar, que será o melhor resultado se a corrida encerasse na 14ªvolta, mas Schrotter não iria desistir fácil da posição e também partiu para o ataque conta o piloto da casa.

O pega pelo 7ºlugar continuava muito boa, mas com Bendsneyder na frente de Roberts, Alcoba e Fernandez. Já Albert Arenas e Manuel Gonzalez se divertiram ao brigarem pela 12ªposição.

Tony Arbolino levou sua moto da Marc VDS para a vitória, vindo da Moto 3 em 2020 e de uma temporada razoável na Intact GP, o piloto italiano conquistou sua primeira vitória na categoria intermediária. Também com tranquilidade, Ai Ogura leva a 2ªposição, mas um pódio para o piloto japonês e para a Honda Asia Team. Jake Dixon conquista o seu primeiro pódio na sua trajetória na moto 2, com uma ótima terceira posição para ele e para a Aspar Martinez.

Nas últimas curvas, Cameron Beaubier acabou indo para o chão nas últimas curvas. Quem se beneficiou da queda foi Marcel Schrotter que soube aproveitar as quedas e acabou chegando na 4ªposição. Jorge Navarro chegou na 5ªposição, salvando o final de semana da equipe de Sito Pons.

A batalha pela 7ªposição acabou com Jeremy Alcoba levando a melhor e ficando com a 6ªposição por causa da queda do Beaubier. Bo Bendsneyder acabou ficando na 7ªposição, lugar por onde ficou por boa parte da corrida. Em 8ºlugar, ficou Joe Roberts, o melhor norte-americano do dia e o piloto que carrega a Italtrans nas costas. Augusto Fernandez teve um final de semana muito apagado, conseguiu até se recuperar da 18ªposição no grid de largada, mas o 9ºlugar parece ser muito pouco para quem corre na equipe Ajo (que foi a campeã da temporada passada).

Barry Baltus completou os Top 10, o belga progrediu bastante em relação aos anos anteriores e esta fazendo um bom trabalho nesse começo de temporada. Albert Arenas tinha um grid muito bom, mas acabou sendo atingido na entrada da 1ªcurva por Schrotter e isso fez ele perder muitas posições e dai, o espanhol teve de fazer uma prova de recuperação que apenas proporciona ao piloto da Aspar Martinez na 11ªposição.

Marcus Ramirez levou a MV Agusta a uma decente 12ªposição, seguido de Manuel Gonzalez que faz mais alguns pilotos para o piloto da Yamaha VR46. Filip Salac e Romano Fenati completaram a zona de pontuação.

Resultado Final da 4ªetapa do Mundial de Motovelocidade – Temporada 2022
GP dos Estados Unidos – Circuito das Americas – 18 Voltas – Moto 2

pos piloto equipe moto tempo
1 14 Tony Arbolino ELF Marc VDS Racing Team Kalex 39’06.5520
2 79 Ai Ogura Idemitsu Honda Team Asia Kalex a 3.439
3 96 Jake Dixon Autosolar GASGAS Aspar Team Kalex a 4.787
4 23 Marcel Schrotter Liqui Moly Intact GP Kalex a 14.529
5 9 Jorge Navarro Flexbox HP40 Kalex a 16.347
6 52 Jeremy Alcoba Liqui Moly Intact GP Kalex a 17.388
7 64 Bo Bendsneyder Pertamina Mandalika SAG Team Kalex a 17.631
8 16 Joe Roberts Italtrans Racing Team Kalex a 19.784
9 37 Augusto Fernandez Red Bull KTM Ajo Kalex a 24.595
10 7 Barry Baltus RW Racing GP Kalex a 30.291
11 75 Albert Arenas Autosolar GASGAS Aspar Team Kalex a 33.475
12 42 Marcos Ramirez MV Agusta Forward Team MV Agusta a 34.785
13 18 Manuel Gonzalez Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex a 34.988
14 12 Filip Salac Gresini Racing Moto2 Kalex a 37.786
15 5 Romano Fenati Lightech Speed Up Boscoscuro a 38.408
16 19 Lorenzo Dalla Porta Italtrans Racing Team Kalex a 1:19.999
17 4 Sean Dylan Kelly American Racing Kalex a 1:24.437
6 Cameron Beaubier American Racing Kalex a 1 volta – acidente
28 Niccolò Antonelli Mooney VR46 Racing Team Kalex a 6 voltas – desistiu
40 Aron Canet Flexbox HP40 Kalex a 11 voltas – acidente
13 Celestino Vietti Mooney VR46 Racing Team Kalex a 14 voltas – acidente
51 Pedro Acosta Red Bull KTM Ajo Kalex a 15 voltas – acidente
61 Alessandro Zaccone Gresini Racing Moto2 Kalex a 15 voltas – mecânico
24 Simone Corsi MV Agusta Forward Team MV Agusta a 16 voltas – acidente
54 Fermín Aldeguer Lightech Speed Up Boscoscuro a 17 voltas – acidente
84 Zonta Van Den Goorbergh RW Racing GP Kalex a 17 voltas – acidente
2 Gabriel Rodrigo Pertamina Mandalika SAG Team Kalex a 17 voltas – acidente
22 Sam Lowes ELF Marc VDS Racing Team Kalex a 17 voltas – acidente
35 Somkiat Chantra IDEMITSU Honda Team Asia Kalex a 17 voltas – acidente

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: MotoGP

GP dos Estados Unidos – Moto 3 – Mundial de Motovelocidade 2022

Devido aos horários, a Moto 3 foi a categoria que encerrou o dia. Todo mundo foi para a pista de imediato. O espanhol David Salvador que estará substituindo John McPhee na equipe de Max Biaggi. Alberto Surra não iria correr o GP dos Estados Unidos.

Na volta de apresentação, A maior parte dos pilotos ficaram esperando um ao outro para acelerar e buscar o melhor tempo. Nessa hora, os comissários deveriam ser mais caneta dura com todos eles e tirar o melhor tempo de cada um desses pilotos que fazem essa pratica ou caso contraio, isso nunca vai mudar na Moto 3.

Xavier Artigas marcou uma bela marca (2:17.390) com 4 minutos e 30 segundos de sessão, seu tempo era tão melhor que os outros tempos que ninguém conseguiu superá-lo. Por outro lado, Mario Aji caiu na curva 11. Adrian Fernández com 2:17.659 foi que mais se aproximou, mas ficou quase 3 décimos de Artigas. Bertelle e Odgen estavam na zona de classificação a 9 minutos do final da sessão.

Artigas estava dando um show na sessão, sua segunda volta foi 4 décimos mais rápida que a primeira (2:16.955) a 8 minutos do final. Elia Bartolini da Avintia marcou um bom 2ºtempo, mas estava longe do líder, exatamente a 635 milésimos do piloto da CF Moto. 30 segundos depois, Stefano Nepa fez uma volta muito boa e subiu para a segunda posição, só que agora, bem perto de Artigas, somente 99 milésimos do tempo do piloto espanhol. A 6 minutos do final, os classificados para o Q2 eram: Artigas, Nepa, Bartolini e Fernández.

Alguns pilotos decidiram continuar na pista, outros voltavam para a segunda tentativa. Pelo menos, nessa sessão não teve aquela saída em cima da hora, esperando 1 ir para os outros irem atrás.

Artigas acabou perdendo sua melhor volta, ela foi cancelada por passar fora da pista na curva 9. Apesar disso, Artigas ainda vinha muito bem classificado, mas certamente mordido com essa situação. Ryusei Yamanaka chega a melhorar sua marca, mas apenas para a 7ªposição.

Com o enorme e desagradável transito em sua frente, o inglês Scott Odgen da Vision Track fez uma bela volta e assumiu a liderança, com 2:16.871 a 40 segundos do final da sessão. Esse tempo poderia até ser melhor sem esse enorme tráfego.

Com o cronometro zerado, Artigas foi para a sua última tentativa e acabou demonstrando que a sessão era dele, o espanhol da CF Moto fez 2:16.719 e acabou ficando com o 1ºtempo. Pilotos ainda tentaram mudar o quadro de classificação, mas os 4 primeiros lugares acabaram permanecendo nas mãos de Artigas, Odgen, Nepa e Bartolini. Adrian Fernández acabou perdendo seu lugar no Q2 para Scott Odgen. David Salvador fez uma sessão honesta, ficou na 10ªposição, a frente de 5 pilotos que estão correndo desde do começo da temporada.

Resultado do Q1:

pos piloto equipe moto tempo
1 43 Xavier Artigas CFMOTO Racing PruestelGP CFMoto 02’16.719
2 19 Scott Ogden VisionTrack Racing Team Honda 02’16.871
3 82 Stefano Nepa Angeluss MTA Team KTM 02’17.054
4 23 Elia Bartolini QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 02’17.590
5 31 Adrian Fernandez Red Bull KTM Tech 3 KTM 02’17.659
6 18 Matteo Bertelle QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 02’17.672
7 6 Ryusei Yamanaka MT Helmets – MSI KTM 02’17.877
8 48 Ivan Ortola Angeluss MTA Team KTM 02’18.005
9 87 Gerard Riu Male BOE SKX KTM 02’18.345
10 38 David Salvador Sterilgarda Husqvarna Max Husqvarna 02’18.407
11 72 Taiyo Furusato Honda Team Asia Honda 02’18.481
12 22 Ana Carrasco BOE SKX KTM 02’19.699
13 70 Joshua Whatley VisionTrack Racing Team Honda 02’19.935
20 Lorenzo Fellon Sic58 Squadra Corse Honda Sem Tempo
64 Mario Suryo Aji Honda Team Asia Honda Sem Tempo

Os pilotos partiram para a hora da verdade da disputa pela pole da Moto 3. Logo, dois grupos se formaram. Na frente Jaume Masia, Diogo Moreira e Ricardo Rossi são alguns desses pilotos. Mais atrás, Carlos Tatay e Dennis Foggia estavam juntos, só eles dois tentando serem melhores que os pilotos que estão em grupos maiores.

Com quase um terço de sessão (4:40) percorridos, Jaume Masia chega a fazer o melhor tempo (2:16.856), mas é superado por Izan Guevara da Gas Gas (2:16.609). Deniz Oncü e Kaito Toba estavam na 2ª e 3ªposições. Mais atrás, Dennis Foggia não fez uma volta muito rápida, ficou na 9ªposição a 9 minutos e 5 segundos do final da sessão.

Masia e Holgado estão em processo de luta pela pole position. Nessa disputa dos pilotos da equipe Ajo, Masia leva a melhor sobre Holgado. Porém, Andrea Migno também foi para volta rápida e acabou levando a pole, com 2:16.216, superando em quase 2 décimos o tempo de Masia (Que acaba sendo superado por Deniz Oncü). E cai para 3º.

A menos de 7 minutos do final, Dennis Foggia deu um belo salto, com uma boa volta de 2:16.551 passou a ser o 4ºcolocado, ficando entre Masia e Holgado. Um minuto depois, Ayumu Sasaki teve sua volta em curso cancelada. Migno, Oncü, Masia, Foggia, Holgado, Guevara, Moreira, Nepa, Toba e Odgen completavam o Top 10 da classificação.

Dennis Foggia, Sergio Garcia e Tatsuki Suzuki continuavam na pista, enquanto os outros pilotos estavam nos boxes. A 4 minutos do final, Masia e Holgado voltaram para a pista para a derradeira tentativa. Assim como os outros fizeram a 3 minutos do final. Dessa vez não teve a saída perto do estourar do tempo.

Dennis Foggia fez uma bela última parcial em sua 4ªvolta rápida seguida e acabou tomando a liderança com o tempo de 2:16.158. Era uma tática totalmente diferente dos demais e que estava dando muito certo para o piloto da Leopard Racing.

Sergio Garcia, líder do campeonato não conseguiu melhorar seu tempo. Praticamente com o tempo zerado, Foggia marca 2:16.130, parecia que a pole estava nas mãos dele. Porém, do nada, Andrea Migno consegue tirar uma magnifica volta de 2:15.844 e toma a pole  para as mãos dele. Xavier Artigas fez excelente volta e passou a ser o segundo colocado. A pole para o piloto da Snipers só não estava garantida porque Foggia tinha ainda uma última volta, uma bala de prata para tentar voltar a pole…

… Foggia fez essa última tentativa, melhorou seu tempo, mas não foi suficiente para recuperar a pole, por 67 milésimos o piloto da Leopard Racing fica com a segunda posição no grid de largada.

Andrea Migno leva a pole position e abre caminho para se recuperar na Classificação do Mundial de pilotos. Foggia fez uma tática diferente dos demais, que se mostrou correta e que acabou por muito pouco não conseguindo a pole position. Xavier Artigas acabou fazendo uma bela última volta e consegue seu lugar na primeira fila, isso depois de ter passado pela repescagem, até chegar a 3ªposição no Q2.

Deniz Oncü vai abrir a segunda fila, com sua KTM da Tech 3, seguido de Jaume Masia da equipe Ajo e de Diogo Moreira da MT Helmets – MSI. Mais uma ótima classificação do piloto brasileiro. Igualmente excelente a classificação do novato Daniel Holgado. O espanhol vai largar na 7ªposição com a outra moto da equipe Ajo. O novato terá a companha do rápido e inconstante Kaito Toba da CIP Green e de Ayumu Sakaki da Husqvarna na 3ªfila.

A Gas Gas não teve um dia muito bom, Izan Guevara vai largar na 10ªposição. Pior ficou Sergio Garcia, o líder do campeonato vai largar apenas na 15ªposição, fechando a 5ªfila.

Grid de Largada:

pos piloto equipe moto tempo
1 16 Andrea Migno Rivacold Snipers Team Honda 02’15.814
2 7 Dennis Foggia Leopard Racing Honda 02’15.881
3 43 Xavier Artigas CFMOTO Racing PruestelGP CFMoto 02’16.066
4 53 Deniz Öncü Red Bull KTM Tech 3 KTM 02’16.330
5 5 Jaume Masia Red Bull KTM Ajo KTM 02’16.409
6 10 Diogo Moreira MT Helmets – MSI KTM 02’16.416
7 96 Daniel Holgado Red Bull KTM Ajo KTM 02’16.551
8 27 Kaito Toba CIP Green Power KTM 02’16.582
9 71 Ayumu Sasaki Sterilgarda Husqvarna Max Husqvarna 02’16.604
10 28 Izan Guevara Valresa GASGAS Aspar Team GasGas 02’16.609
11 82 Stefano Nepa Angeluss MTA Team KTM 02’16.727
12 19 Scott Ogden VisionTrack Racing Team Honda 02’16.856
13 23 Elia Bartolini QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 02’16.907
14 99 Carlos Tatay CFMOTO Racing PrustelGP CFMoto 02’16.946
15 11 Sergio Garcia Valresa GASGAS Aspar Team GasGas 02’17.114
16 24 Tatsuki Suzuki Leopard Racing Honda 02’17.515
17 54 Riccardo Rossi SIC58 Squadra Corse Honda 02’17.651
18 66 Joel Kelso CIP Green Power KTM 02’17.771
19 31 Adrian Fernandez Red Bull KTM Tech 3 KTM 02’17.659
20 18 Matteo Bertelle QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 02’17.672
21 6 Ryusei Yamanaka MT Helmets – MSI KTM 02’17.877
22 48 Ivan Ortola Angeluss MTA Team KTM 02’18.005
23 87 Gerard Riu Male BOE SKX KTM 02’18.345
24 38 David Salvador Sterilgarda Husqvarna Max Husqvarna 02’18.407
25 72 Taiyo Furusato Honda Team Asia Honda 02’18.481
26 22 Ana Carrasco BOE SKX KTM 02’19.699
27 70 Joshua Whatley VisionTrack Racing Team Honda 02’19.935
28 20 Lorenzo Fellon Sic58 Squadra Corse Honda Sem Tempo
29 64 Mario Suryo Aji Honda Team Asia Honda Sem Tempo

Terminando o domingo, tivemos a moto 3 que também teve uma corrida bem disputada, com muitos bons lances e mais um final bem disputado. Era mais uma etapa da batalha entre os pilotos da Honda e o esquadrão da KTM com suas sucursais (Gas Gas, CF Moto e Husqvarna).

Migno manteve a liderança, mas quem chamou a atenção na primeira volta foi Diogo Moreira, que pulou para a segunda posição, curvas depois, Oncü passou tanto Migno como Moreira e passou a liderança. Bastou chegar a curva 11 para Oncü ser superado por Diogo Moreira. Os dois travaram um duelo pela liderança na primeira volta, após muita disputa acabou que Moreira terminou a volta na frente, Oncü tentou intimidar Moreira, mas não conseguiu, o piloto da MSí se segurou na frente. Andrea Migno caiu para a 3ªposição, esperando o que iria acontecer nessa disputa.

Artigas, Toba, Foggia, Masia, Holgado, Garcia e Ortolá completava os 10 primeiros. Sergio Garcia tentou dar um belo pulo do gato na curva 11 da segunda volta, mas não conseguiu sair da 9ªposição. Mais ficou bem pior para Izan Guevara que queimou a largada e tomou punição de 2 voltas longas. Ou seja, a corrida do piloto da Gas Gas ficava bastante comprometida.

Moreira tentou fugir do pelotão, mas tinha Deniz Oncü no seu encalço. Xavier Artigas ganha a 3ªposição, com Daniel Holgado na sua cola, em 4º e pressionando o piloto da CF Moto. Andrea Migno caiu para a 5ªposição.

Oncü passa Moreira na 4ªvolta e assume novamente a liderança. Porém, Artigas chegou nos dois, na reta oposta, Moreira chegou a pegar a ponta, mas alongou demais a curva e nisso, Artigas aproveitou para tomar a liderança, deixando Moreira e Oncü para trás. Após um ano muito irregular, Artigas faz um grande inicio de temporada. Daniel Holgado vinha em 4ºlugar, mas foi engolido por Sasaki, Guevara e Garcia e caiu para a 7ªposição.

Na reta, Moreira tenta tomar a liderança e consegue na curva 1 (6ªVolta), era evidente que a moto do piloto Brasileiro estava melhor nas retas. Nas curvas, Moreira sofria. Na reta oposta, o piloto da Msi tentou voltar à ponta, mas que voltou a ponta foi Deniz Oncü. Logo depois, Izan Guevara faz a primeira volta longa. Poucos metros depois, Sergio Garcia acabou indo para o chão na curva 13. O líder do campeonato acabou voltando, mas com sua corrida bem comprometida. No final da volta Daniel Holgado foi para o chão, mas conseguiu voltar a corrida.

Oncü teve um folego na liderança, ao final da curva 12, Sasaki era o segundo, Masia em 3º, Moreira em 4º, Artigas em 5º. Izar Guevara completou a segunda volta longa e caiu para a 11ªposição, muito longe da disputa pela liderança.

No começo da 8ªvolta, Jaume Masia passou de uma vez Sasaki e Oncü e assumiu a liderança. O Turço caiu para segundo e Sasaki caiu para 3º. Na metade da corrida, Masia, Sasaki, Oncü, Moreira, Artigas, Foggia e Migno formava o primeiro pelotão e já estavam bem a frente de Suzuki, Nepa e Ortolá que formavam o segundo pelotão.

Masia resistia na frente, mas na curva 12, ele erra e da a chance para Ayumi Sasaki tomar a liderança, seguido de Oncü, Masia, Moreira, Foggia, Artigas e Migno. Na 10ªvolta, Masia e Oncü se revezaram na liderança, com vantagem para o piloto da equipe Ajo.

A 7 voltas do final, Dennis Foggia entrou na disputa pela vitória, passando para a terceira posição, só atrás de Masia e Sasaki, mas todo mundo entre os 7 primeiros estavam muito próximos. Na reta oposta, Foggia assume pela primeira vez a liderança.

Na 12ªVolta, Masia ataca Foggia e acaba conseguindo na reta oposta recuperar a liderança, Diogo Moreira volta a ficar bem colocado, na 3ªposição, na frente de Migno, Sasaki, Oncü e Artigas. Ao final da Volta Foggia passa Masia e Migno passa Moreira e assumiram a 1ª e a 3ªposições respectivamente. Izar Guevara passou a ser o 8ºcolocado, mas muito longe do primeiro pelotão. Já Sergio Garcia desistiu, estava longe de marcar algum ponto em Austin.

A 4 voltas do final, a disputa passou a ser Masia versus Andrea Migno. Sasaki e Foggia brigavam pela 3ªposição. No final da 14ªVolta, Elia Bartolini foi para o chão, ele não vinha muito bem colocado na classificação.

Na entrada da antepenúltima volta, Andrea Migno passa Jaume Masia e retorna a liderança, mas nada estava definido ainda entre os 7 primeiros colocados. No final da reta oposta, Masia recupera a 1ªposição.. Foggia, Sasaki, Oncü, Moreira e Artigas ainda tinham esperanças de uma vitória.

Masia e Migno travam um duelo pela vitória, Na parte da serpente, Sasaki faz uma linda manobra e passa Foggia e Oncü, passando a ser o terceiro colocado. Na reta oposta, Migno volta a liderar a prova. Ao final da penúltima volta, Diogo Moreira vai ao chão e abandona a corrida onde ele chegou a liderar no começo da corrida.

Na entrada da última volta, Masia mergulha para passar Andrea Migno e volta a liderança. Migno tentou voltar a liderança durante toda a última volta. Na curva 19, Migno consegue passar Masia, mas toma o troco e acaba perdendo a 2ªposição para Dennis Foggia.

A vitória acabou sendo de Jaume Masia, uma brilhante corrida do piloto da equipe Ajo que não vencia desde da abertura do campeonato de 2021 (GP do Qatar). Mostrando uma recuperação do espanhol na sua carreira. Dennis Foggia fecha a corrida na segunda posição e assume a liderança do Mundial, com um campeonato bem regular do piloto da Leopard Racing. O pole position Andrea Migno acabou completando o pódio, isso depois de ter quase ter superado Masia no final. O pódio acabou com 3 dos mais experientes pilotos experientes na categoria.

Ayumu Sasaki conseguiu mais um importante resultado, chegando na 4ªposição a menos de meio segundo do vencedor. O turco Deniz Oncü em 5ºlugar e o espanhol Xavier Artigas 6ºlugar também chegaram a brigar pela liderança no decorrer da prova, mas acabaram ficando para trás no final, na verdade, um pouco para trás ao chegaram a 1 segundo do vencedor.

Izan Guevara pagou caro pela punição de duas voltas longas pela queima de largada, ainda assim conseguiu chegar 2.8 segundos atrás na 7ªposição. Completaram os 10 primeiros colocados: Carlos Tatay da CFMoto, Riccardo Rossi da Sic58 e Tatsuki Suzuki da Leopard Racing. A mencionar que Lorenzo Fellon conseguiu pontuar pela primeira vez na carreira ao chegar na 15ªposição. Muito ajudado pelo acidente entre Kaito Toba e Daniel Holgado na última curva da corrida.

Resultado Final da 4ªetapa do Mundial de Motovelocidade – Temporada 2022
GP dos Estados Unidos – Circuito das Americas – 17 Voltas – Moto 3

pos piloto equipe moto tempo
1 5 Jaume Masia Red Bull KTM Ajo KTM 38’58.2860
2 7 Dennis Foggia Leopard Racing Honda a 0.172
3 16 Andrea Migno Rivacold Snipers Team Honda a 0.394
4 71 Ayumu Sasaki Sterilgarda Husqvarna Max Husqvarna a 0.490
5 53 Deniz Öncü Red Bull KTM Tech 3 KTM a 1.113
6 43 Xavier Artigas CFMOTO Racing PruestelGP CFMoto a 1.576
7 28 Izan Guevara Valresa GASGAS Aspar Team GasGas a 2.887
8 99 Carlos Tatay CFMOTO Racing PrustelGP CFMoto a 8.208
9 54 Riccardo Rossi SIC58 Squadra Corse Honda a 8.370
10 24 Tatsuki Suzuki Leopard Racing Honda a 8.478
11 48 Ivan Ortola Angeluss MTA Team KTM a 10.084
12 19 Scott Ogden VisionTrack Racing Team Honda a 10.272
13 82 Stefano Nepa Angeluss MTA Team KTM a 10.424
14 31 Adrian Fernandez Red Bull KTM Tech 3 KTM a 17.967
15 20 Lorenzo Fellon Sic58 Squadra Corse Honda a 18.088
16 72 Taiyo Furusato Honda Team Asia Honda a 20.563
17 6 Ryusei Yamanaka MT Helmets – MSI KTM a 21.433
18 66 Joel Kelso CIP Green Power KTM a 21.959
19 23 Elia Bartolini QJMOTOR Avintia Racing Team KTM a 29.099
20 87 Gerard Riu Male BOE SKX KTM a 34.336
21 64 Mario Suryo Aji Honda Team Asia Honda a 34.295
22 38 David Salvador Sterilgarda Husqvarna Max Husqvarna a 39.396
23 22 Ana Carrasco BOE SKX KTM a 1:00.909
96 Daniel Holgado Red Bull KTM Ajo KTM a 1 volta – acidente
27 Kaito Toba CIP Green Power KTM a 1 volta – acidente
10 Diogo Moreira MT Helmets – MSI KTM a 2 voltas – acidente
18 Matteo Bertelle QJMOTOR Avintia Racing Team KTM a 2 voltas – acidente
11 Sergio Garcia Valresa GASGAS Aspar Team GasGas a 5 voltas – acidente
70 Joshua Whatley VisionTrack Racing Team Honda a 12 voltas – desistiu
67 Alberto Surra Rivacold Snipers Team Honda Não largou

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: MotoGP

Dakar 2022 – Avaliação da categoria SSV

SSV, boa disputa e final emocionante, essa foi a receita de uma categoria que cresce ano a ano e se torna cada vez mais competitivo, desde de 2016 quando eram somente 8 SSV. Com o decorrer dos anos, o número de competidores foi aumentando até chegar ao número de 47 competidores, todos eles com seus navegadores.

A briga pelo título foi disputada. Muita gente boa esteve nessa disputa. A citar os irmãos Goczal (Com Marek e Michal), Também podemos citar o brasileiro Rodrigo Luppi de Oliveira que não era um dos mais conhecidos pilotos para o público, mas que na primeira metade da disputa, chegou a disputar os 3 primeiros colocados e só acabou ficando mais longe por que teve problemas na segunda metade da disputa.

A grande disputa ficou entre o norte-americano Austin Jones e o espanhol Gerard Farres Guell. Ambos eram pilotos de alto gabarito e em busca do primeiro título do Dakar. Foi uma linda disputa entre os dois, a partir da 7ªetapa, quando a vantagem de Austin Jones vinha sendo de apenas 6 minutos e 33 segundos de vantagem para Farres Guell.

A diferença chegou a aumentar para até 13 minutos e 47 segundos no 9ºestágio. Jones parecia encaminhando a sua vitória, mas na penúltima especial, o norte-americano perde mais de  13 minutos sobre Gerard Farres Guell, que passou a liderar a soma de tempos, com apenas 1 especial para disputar. Sendo que essa era mais curta, o que dificultava bastante uma recuperação de Jones.

Mas como diz uma velha frase, “A corrida só termina no final”, na bandeirada, Farres Guell teve problemas no final da última especial e por um capricho do destino, Austin Jones recuperou a liderança e se tornou campeão do Dakar pela primeira vez. Foi uma incrível decisão entre Jones e Farres Guell, separados por apenas 2 minutos e 37 segundos, após 47 horas de disputa e 12 especiais.

E essa disputa poderia ter um final mais épico, já que o lituânio Rokas Baciuska ficou na 3ªposição, com 15 minutos e 18 segundos atrás do vencedor, sendo que 15 minutos foram por causa de penalização. O que significa que sem a punição, Baciuska ficaria a 18 segundos do título do Dakar nos SSV.

Os irmãos Goczal ficaram com a 4ª e 5ªposições (Marek na frente). Detalhe é que Michal Goczal venceria na soma dos tempos se não fosse as punições sofreu, 32 minutos nessa soma final, o que acabou fazendo Michal ficar a 28 minutos e 28 segundos atrás do vencedor.
Rodrigo Luppi De Oliveira completou os 6 primeiros colocados, a menos de 1 hora atrás de Austin Jones.

Foi uma briga muito disputada entre os principais pilotos da SSV. Infelizmente Aron Donzala e Sergei Kariakin, 2 candidatos a vencer no Dakar acabaram ficando longe dos primeiros lugares, ou por problemas nos veículos ou por acidente. No geral, saldo muito positivo para a categoria SSV, esperamos que 2023 a disputa seja ainda mais apertada e que só tenhamos a definição do vencedor na última especial.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar

Dakar 2022 – Avaliação da categoria Protótipo Leve

Seth Quintero foi o nome do Dakar nessa categoria. Piloto norte-americano,  que obteve um domínio avassalador em praticamente todas as especiais, contando com um super projeto de carro e com sua incrível habilidade, Quintero venceu 11 das 12 especiais. Em qualquer campeonato, o piloto da Red Bull seria o campeão sem sombra de dúvidas.

Mas uma especial acabou com o sonho de título de Quintero. O desastre aconteceu logo na segunda especial do Dakar, quando Quintero teve problemas que o levaram a perder quase 17 horas, sendo 10 dessas horas foram por causa de penalização.

O Mais provável é que houvesse um desanimo do piloto da Red Bull, mas aconteceu o contraio, foi uma motivação para Quintero vencer e se recuperar o máximo possível. E foi isso exatamente o que aconteceu. No final, Quintero bateu o recorde de vitórias em especiais, em uma única edição do Dakar e conseguiu ainda ficar na 16ªposição na Soma dos Tempos.

O protótipo OT3 da Red Bull venceu todas as especiais do Dakar. O belga Guillaume de Mevius ficou com a vitória na segunda especial e fez com que todas as vitórias caíssem nas mãos da equipe Red Bull. Infelizmente o protótipo OT3 era um carro falho na confiabilidade. Isso não permitiu que Quintero e Guillaume de Mevius conseguissem grandes resultados na soma dos tempos. O que salvou foi à espanhola Cristina Gutierrez Herrero, na 3ºposição na soma dos tempos, mesmo com um carro com falta de confiabilidade e propenso a quebras.

Já a disputa pelo título do Dakar ficou entre o chileno Francisco Lopez Contardo e o Sueco Sebastian Eriksson, ambos da equipe oficial da CAN-AM. Os dois disputaram a vitória, mas a vantagem esteve praticamente o tempo todo com o Chileno.

Vencedor de 2019 e 2021 pela categoria SSV, Francisco Lopez Contardo conquista o terceiro título no Dakar. No seu currículo, teve 2 vezes a terceira posição na categoria motos (em 2010 e 2013). Usando da regularidade, o chileno obteve 9 vezes posição entre os 3 primeiros colocados nas especiais. Sebastien Eriksson teve 8 resultados entre os 3 primeiros colocados. Em um rally onde resistência e confiabilidade é fundamental a CAN-AM mostrou esses requisitos, mesmo sem ser tão rápido como o OT3.

A categoria vem numa crescente, mas ainda sofre de vários carros com problemas de confiabilidade, mas por ter uma categoria de protótipos, eu acho que é normal que se tenha mais quebras, pois não são carros comuns, são carros construídos para a corrida, totalmente construídos para uma disputa. Nesse caso para um Rally. É possível que ela tenha até um pouco menos de competidores que os SSV, mas pelo menos não vai ser tão esvaziado como a categoria dos quadriciclos.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: MotoGP