GP da Argentina – MotoGP – Mundial de Motovelocidade 2022

Após a segunda sessão de treinos livres, 10 minutos depois começou a repescagem com os 14 piores colocados juntando os tempos das duas sessões. Francesco Bagnaia acabou ficando de fora dos 10 primeiros colocados na soma dos tempos e agora teria que enfrentar essa dura etapa, mas com o favoritismo para uma das 2 vagas ao Q2. Miguel Oliveira, vencedor do GP da Indonésia também caiu na repescagem e era outro favorito a uma das vagas para o Q2.

Mas isso não significava que as vagas estavam garantidas, eram Takaagi Nakagami, Enea Bastianini e Franco Morbidelli são fortes concorrentes e com condições para brigarem pela classificação. O piloto ítalo-brasileiro que precisava sair da má fase que se encontra foi o primeiro a sair para a pista. Com 1 minuto de sessão, Francesco Bagnaia foi o último a sair para a pista.

Morbidelli fez uma volta muito lenta. Takaagi Nakagami foi para a ponta (1:38.913) com Enea Bastianini a 14 milésimos atrás do japonês, com 4 minutos de sessão.  Fabio di Giannantonio fez um bom tempo e marcou o terceiro tempo, bom começo para os pilotos da Gresini . A 9 minutos e meio do final, Miguel Oliveira e Pol Espargaró marcaram o 3º e 4ºtempos.

Os pilotos foram para os boxes na metade da sessão. Por enquanto, nada de Bagnaia aparecer na briga. O piloto da Ducati foi para a pista a 6 minutos e meio do final do Q1. Ou era agora ou Bagnaia iria largar no pelotão de trás, que não seria nada bom para o vice-campeão de 2021. A menos de 5 minutos do final, todo mundo foi para a pista com exceção de Alex Marquez.

Bagnaia correspondeu em sua volta rápida, com 1:38.610 passou a liderança a 3 minutos do final. Marco Bezzecchi sentiu o gosto de passar a segunda posição, mas Takaagi Nakagami melhorou sua marca e tratou de recuperar a liderança.

A 2 minutos do final, Pol Espargaró marca o melhor tempo (1:38.523) e tira Bagnaia da zona de classificação. O piloto da Honda Repsol honrava seu lugar como companheiro de Marc Marquez. Depois disso, ninguém mais conseguiu melhorar a ponto de tirar Pol e Nakagami do Q2. Enea Bastianini chegou perto de Nakagami, mas ficou a apenas 65 milésimos da 2ªposição.

Classificaram dois pilotos com motos da Honda. Para Francesco Bagnaia tudo acabou mal, o 4ºlugar o eliminou da classificação. Ou seja, mais um dia ruim para o vice-campeão de 2021 que larga na 14ªposição na corrida de domingo. A classificação também não foi boa para Franco Morbidelli que ficou apenas o 5ºlugar.

Resultado do Q1:

pos piloto equipe moto tempo
1 44 Pol Espargaro Repsol Honda Team Honda 01’38.501
2 30 Takaaki Nakagami LCR Honda IDEMITSU Honda 01’38.523
3 23 Enea Bastianini Gresini Racing MotoGP™ Ducati 01’38.566
4 63 Francesco Bagnaia Ducati Lenovo Team Ducati 01’38.610
5 21 Franco Morbidelli Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha 01’38.805
6 88 Miguel Oliveira Red Bull KTM Factory Racing KTM 01’38.871
7 72 Marco Bezzecchi Mooney VR46 Racing Team Ducati 01’38.877
8 4 Andrea Dovizioso WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 01’38.938
9 73 Alex Marquez LCR Honda Castrol Honda 01’39.095
10 49 Fabio Di Giannantonio Gresini Racing MotoGP™ Ducati 01’39.126
11 25 Raul Fernandez Tech3 KTM Factory Racing KTM 01’39.153
12 87 Remy Gardner Tech3 KTM Factory Racing KTM 01’39.159
13 40 Darryn Binder WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 01’39.380
14 6 Stefan Bradl Repsol Honda Team Honda 01’39.487

Logo que começa o Q2, Brad Binder, o guepardo sul-africano e Marevick Viñales foram para a pista, guiando Nakagami para entrar na pista. Quando o cronometro deu 1 minuto, começaram a sair os pilotos para a pista. Enquanto Binder e Viñales abre a volta, Aleix Espargaró e Joan Mir continuar nos boxes.

Mir saiu com 3 minutos e 30 segundos de sessão. 10 segundos depois, Viñales fez um bom tempo 1:38.886, mas não demorou muito para Jorge Martin levar a Pramac a liderança a 10:30 do final da sessão. Miller foi indo para a segunda posição e logo depois, o australiano cai na curva 1, quase de imediato.

20 segundos depois, Aleix Espargaró marca 1:38.108 e vai para a liderança da sessão, superando em muito o tempo de Martin. Fabio Quartararo marcou uma boa volta e passou a ser o terceiro colocado. Miller cai para 4º e Luca Marini marcou o 5ºtempo. A maioria dos pilotos voltaram para os boxes (na metade da sessão).

Já Johann Zarco fez mais uma volta rápida e foi recompensado pela insistência, passando da 9ª para a 5ªposição. Segundos depois, Alex Rins passa para a 5ªposição e Joan Mir passa para a 7ªposição deixando Zarco no meio dos pilotos da Suzuki.

Esses pilotos voltaram para os boxes logo depois dessa tentativa. Aleix Espargaró estava levando a Aprilla a pole position a 6 minutos do final. Quase ao mesmo tempo, Quartararo e Nakagami foram os primeiros a voltarem para a pista.

Pol Espargaró que não tinha volta cronometrada foi para a pista a 5 minutos do final, praticamente os outros pilotos foram para a pista, a caça do piloto da Aprilla. Quartararo foi com tudo para melhorar seu tempo, mas acabou sendo atrapalhado por Jack Miller e ele mesmo abortou sua volta. Esse incidente foi anotado para a investigação. O campeão do Mundo de 2021 foi para a batalha de novo e começar uma nova volta.

Nos minutos finais, Jorge Martin foi para a liderança com 1:37.839, a 1 minuto e 20 segundos do final. Luca Marini ao mesmo tempo foi para a 3ªposição. Aleix Espargaró foi com tudo para recuperar a pole, e foi exatamente o que ele fez. Com a volta de 1:37.688, Aleix Espargaró conquista a pole position. O espanhol vinha em ótimo final de semana e buscava a sua primeira vitória da carreira e a primeira vitória da Aprilla na categoria principal.

Jorge Martin leva a Ducati da equipe Pramac a 2ªposição e surpreendentemente, Luca Marini leva a moto da VR46 a uma ótima 3ªposição, completando a primeira fila, superando vários favoritos a pole.

Pol Espargaró fez um ótimo papel como principal piloto da Honda em Termas de Rio Hondo e  vai largar na 4ªposição. Logo a seguir, o espanhol Marevick Viñales parece ter se acertado com a Aprilla. Fabio Quartararo não conseguiu entrar na briga pela pole position, seu melhor tempo foi o suficiente para levar o piloto da Yamaha até a 6ªposição no grid de largada.

Alex Rins e Joan Mir ficaram com a 7ª e 8ªposições. Posições boas para a Suzuki, mas não as ideias para lutar por uma vitória. Johann Zarco completa a 3ªfila. O Guerreiro Takaagi Nakagami acabou levando a LCR Honda á uma ótima 10ªposição e vai comandar a 4ªfila. Jack Miller que caiu após completar a primeira volta e Brad Binder (que tinha tudo para fazer uma volta brilhante na sua última tentativa, mas errou na terceira parcial e jogou a volta no lixo) com a KTM completam as 12 primeiras posições.

Grid de Largada:

pos piloto equipe moto tempo
1 41 Aleix Espargaro Aprilia Racing Aprilia 01’37.688
2 89 Jorge Martin Pramac Racing Ducati 01’37.839
3 10 Luca Marini Mooney VR46 Racing Team Ducati 01’38.119
4 44 Pol Espargaro Repsol Honda Team Honda 01’38.165
5 12 Maverick Viñales Aprilia Racing Aprilia 01’38.196
6 20 Fabio Quartararo Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha 01’38.281
7 42 Alex Rins Team SUZUKI ECSTAR Suzuki 01’38.455
8 36 Joan Mir Team SUZUKI ECSTAR Suzuki 01’38.516
9 5 Johann Zarco Pramac Racing Ducati 01’38.537
10 30 Takaaki Nakagami LCR Honda IDEMITSU Honda 01’38.576
11 43 Jack Miller Ducati Lenovo Team Ducati 01’38.584
12 33 Brad Binder Red Bull KTM Factory Racing KTM 01’38.932
13 23 Enea Bastianini Gresini Racing MotoGP™ Ducati 01’38.566
14 63 Francesco Bagnaia Ducati Lenovo Team Ducati 01’38.610
15 21 Franco Morbidelli Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha 01’38.805
16 88 Miguel Oliveira Red Bull KTM Factory Racing KTM 01’38.871
17 72 Marco Bezzecchi Mooney VR46 Racing Team Ducati 01’38.877
18 4 Andrea Dovizioso WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 01’38.938
19 73 Alex Marquez LCR Honda Castrol Honda 01’39.095
20 49 Fabio Di Giannantonio Gresini Racing MotoGP™ Ducati 01’39.126
21 25 Raul Fernandez Tech3 KTM Factory Racing KTM 01’39.153
22 87 Remy Gardner Tech3 KTM Factory Racing KTM 01’39.159
23 40 Darryn Binder WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha 01’39.380
24 6 Stefan Bradl Repsol Honda Team Honda 01’39.487

O domingo foi de consagração ao espanhol Aleix Espargaró, após tanto tempo de categoria acabou por fim colocando seu nome na história, conquistando a sua primeira vitória e levando a Aprilla a vencer pela primeira vez na categoria principal do Mundial de Motovelocidade. Porém, não foi uma vitória fácil. Sabia como foi esse importante momento da história da MotoGP.

Na largada, Aleix Espargaró não foi bem e perdeu a liderança para Jorge Martin. O surpreendente Luca Marini manteve a terceira posição. Pol Espargaró, Rins, Viñales, Quartararo, Mir, Nakagami e Zarco completavam as 5 primeiras posições.

Em poucas curvas, Martin abriu uma bela vantagem sobre os demais adversários. No final da volta, Takaagi Nakagami em ótimo final de semana, passou da 9ª para a 6ªposição. Quem não começou muito bem foi Fabio Quartararo, largando da 6ªposição acabou perdendo 7 posições e caindo para a 13ªposição.

No terço final de 2ªVolta, Pol Espargaró supera Luca Marini e pula para a 3ªposição. Lá na frente, Martin já estava com Aleix Espargaró na sua cola. Os dois da frente abriam 1 segundo sobre Pol, Marini, Rins, Mir e Viñales, os 5 que formavam o 2ºpelotão. Mais atrás, Quartararo lutava com Zarco pela 12ªposição. Ainda mais atrás, Francesco Bagnaia vinha pior ainda, na 15ªposição. Andrea Dovizioso estava nos boxes, com problemas na sua Yamaha. O começo de Dovi na RNF não estava sendo nada fácil.

Na 5ªVolta, Quartararo passou Zarco por fora, uma bela ultrapassagem do piloto da Yamaha sobre o piloto da Pramac. Na reta oposta, Zarco deu o troco no fim da reta oposta e recuperou a posição. Porém, no começo da volta seguinte (Curva 2), Zarco encontrou o chão e abandonou a corrida.

Na 6ªVolta, os pilotos da Suzuki (Rins e Mir) passaram Luca Marini e passaram a 4ª e 5ªposições. Na 7ªvolta, Alex Rins foi para cima de Pol Espargaró. A pressão deu certo, pois Pol errou e Rins passa a ser o 3ºcolocado na metade final da volta. Lá atrás, problemas com Franco Morbidelli, que tiraram o piloto da Yamaha da disputa.

Lá na frente, Jorge Martin se mantem firme na frente de Aleix Espargaró. Enquanto isso, Luca Marini vinha com dificuldades para manter-se a frente de Marevick Viñales. Na verdade, o jovem piloto da VR46 ainda não tinha uma moto competitiva para brigar pelas primeiras posições. Logo atrás de Marini e Viñales, vinha Francesco Bagnaia em 8ºlugar. O piloto da Ducati fazia uma bela corrida de recuperação após começo bem ruim.

No começo da 10ªVolta, Aleix Espargaró erra a curva 1 e Martin ganha um folego na frente. Na mesma volta, Viñales se livra de Marini e leva a 6ªposição. Agora era Bagnaia que pressionava o 1ºpiloto da VR46.

No começo da 15ªVolta, Pol Espargaró acabou indo para o chão, e para o chão foi-se as esperanças de bom resultado para a Honda na Argentina. Alex Rins que já vinha abrindo agora ficava mais tranquilo na 3ªposição. Após essa queda, a classificação era: Martin, Aleix, Rins, Mir, Viñales, Bagnaia, Brad Binder, Marini, Bastianini e Quartararo são os 10 primeiros colocados. Nakagami, Oliveira, Bezzecchi, Miller e Alex Marquez completavam a zona de pontuação.

Aleix Espargaró voltou a chegar em cima de Jorge Martin, o piloto de 32 anos e de 280 GPs estava decidido a vencer pela primeira vez no Mundial de Motovelocidade. Enquanto isso, Bastianini pressiona Marini, buscando manter a liderança do Mundial. O piloto da Gresini conseguiu passar com facilidade, mas ao fazer a curva, Enea espalha demais e acaba perdendo várias posições. Melhor para Fabio Quartararo que teria a chance de tomar a 8ªposição de Marini.

A menos de 9 voltas do final, Aleix parte para cima de Martin. Na volta seguinte, Aleix faz a manobra certinha para passar na reta oposta, mas ao fazer a curva, o piloto da Aprilla perde a trajetória e Martin aproveita para retornar à liderança. Ao final da 18ªVolta, Quartararo passou Marini, dessa forma o francês esta na 8ªposição.

Na volta 20, Aleix tentou novamente passar Martin pela reta oposta e acontece à mesma história da tentativa anterior e novamente Martin recupera a liderança. O impressionante é ver o quanto a Aprilla estava rápida, mas Aleix precisava acertar a curva seguinte a reta oposta para definir a corrida a seu favor.

Determinado a acertar a manobra, Aleix Espargaró pegou o vácuo de Jorge Martin e dessa vez a manobra acaba sendo executada com sucesso. Agora Aleix tinha a liderança em suas mãos a 4 voltas e meia do final. Nunca um piloto da Aprilla esteve tão perto de uma vitória na principal categoria do Mundial.

Martin ainda tentava tirar algum coelho da cartola nas voltas finais. Porém, Aleix Espargaró abriu vantagem suficiente para levar a Aprilla a vitória. A tão sonhada 1ªvitória da equipe e a sua primeira vitória na carreira, após 284 Grandes Prêmios disputados. Aleix Espargaró de 32 anos de idade em fim venceu uma corrida pelo Mundial de Motovelocidade.

Após a corrida, Aleix se emociona com o seu feito. Foi um final de semana totalmente dele e seria injusto que a vitória não fosse dele. Jorge Martin acabou liderando a maior parte da corrida, resistiu como pode, mas não deteve o ímpeto do piloto da Aprilla e acabou ficando na 2ªposição, seu primeiro resultado positivo na temporada 2022 que tinha sido até agora com quedas nas 2 primeiras corridas do ano.

Alex Rins fechou o pódio com sua Suzuki, em bela corrida, assumindo a 3ªposição no primeiro terço de prova e de lá não saiu até a bandeirada. Ao contraio de 2021, Rins parece ter se acertado e parece que vai fazer uma boa temporada. Seu companheiro de equipe, Joan Mir ficou em 4ºlugar, Mostrando que piloto a Suzuki tem, só falta um pouco mais de Moto para poder disputar por vitórias nas corridas.

Francesco Bagnaia fez uma ótima corrida de recuperação, largando da 13ªposição e de um começo de prova ruim, o piloto da Ducati se recuperou bem e terminou o dia na 5ªposição. Brad Binder não chamou muita a atenção de ninguém, mas conseguiu fazer uma corrida consistente e salvou uma 6ªposição, mantendo-se entre os primeiros lugares na classificação do campeonato.

Marevick Viñales dava dando pinta de um bom resultado, mas acabou perdendo 2 posições no final e terminou o dia na 7ªposição. Um bom resultado? Sim, mas ao ver que seu companheiro venceu a corrida, esse resultado acaba sendo bem ofuscado. Apesar de um começo bem ruim, Fabio Quartararo acabou salvando a 8ªposição.

Marco Bezzecchi fez uma excelente corrida, ao contraio do companheiro de equipe, o estreante da VR46, com uma moto menos desenvolvida que a moto de Luca Marini,  largando na 17ªposição. Ou seja, tudo jogava contra, mas Bezzecchi teve uma recuperação brilhante e terminou o dia na 9ªposição. Enea Bastianini acabou o dia em modesta 10ªposição e acabou perdendo a liderança do Mundial para Aleix Espargaró.

Luca Marini teve um domingo para esquecer. Até se esperava que fosse mais para trás, mas terminar o dia na 11ªposição e ficar atrás de Bezzecchi é um golpe duro para quem deveria ser o primeiro piloto da VR46.

Takaagi Nakagami da LCR Honda, Miguel Oliveira da KTM, Jack Miller da Ducati e Alex Marquez da LCR Honda completaram a zona de pontuação. O vencedor do GP da Indonésia e o australiano da equipe oficial da Ducati tiveram corridas péssimas, muito longe dos bons resultados que ambos obtiveram na etapa passada.

Resultado Final da 3ªetapa do Mundial de Motovelocidade – Temporada 2022
GP da Argentina – Termas de Rio Hondo – 25 Voltas – MotoGP

pos piloto equipe moto tempo
1 41 Aleix Espargaro Aprilia Racing Aprilia 41’36.1980
2 89 Jorge Martin Pramac Racing Ducati a 0.807
3 42 Alex Rins Team SUZUKI ECSTAR Suzuki a 1.330
4 36 Joan Mir Team SUZUKI ECSTAR Suzuki a 1.831
5 63 Francesco Bagnaia Ducati Lenovo Team Ducati a 5.840
6 33 Brad Binder Red Bull KTM Factory Racing KTM a 6.192
7 12 Maverick Viñales Aprilia Racing Aprilia a 6.540
8 20 Fabio Quartararo Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha a 10.215
9 72 Marco Bezzecchi Mooney VR46 Racing Team Ducati a 12.622
10 23 Enea Bastianini Gresini Racing MotoGP™ Ducati a 12.987
11 10 Luca Marini Mooney VR46 Racing Team Ducati a 13.962
12 30 Takaaki Nakagami LCR Honda IDEMITSU Honda a 14.002
13 88 Miguel Oliveira Red Bull KTM Factory Racing KTM a 14.456
14 43 Jack Miller Ducati Lenovo Team Ducati a 14.898
15 73 Alex Marquez LCR Honda Castrol Honda a 23.472
16 25 Raul Fernandez Tech3 KTM Factory Racing KTM a 25.862
17 87 Remy Gardner Tech3 KTM Factory Racing KTM a 28.711
18 40 Darryn Binder WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha a 28.784
19 6 Stefan Bradl Repsol Honda Team Honda a 31.943
20 4 Andrea Dovizioso WithU Yamaha RNF MotoGP™ Team Yamaha a 3 voltas
49 Fabio Di Giannantonio Gresini Racing MotoGP™ Ducati a 3 Voltas – acidente
44 Pol Espargaro Repsol Honda Team Honda a 11 voltas – acidente
21 Franco Morbidelli Monster Energy Yamaha MotoGP™ Yamaha a 18 voltas
5 Johann Zarco Pramac Racing Ducati a 20 voltas – acidente

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: MotoGP

GP da Argentina – Moto 2 – Mundial de Motovelocidade 2022

A categoria intermediária começou sua classificação com um Q1 com o norte-americano Cameron Beaubier o principal favorito a uma das 4 vagas para disputar o Q2. Após 1 minuto de espera, todos foram para a pista, agora os pilotos tinham que aproveitar cada segundo que restava.

Com quase 5 minutos de sessão, o italiano Lorenzo Dalla Porta vinha na frente, seguido de Zonta van der Goodberch da RW Racing, Jeremy Alcoba da Intact GP e Simone Corsi da MV Agusta completando os 4 primeiros colocados.

Na volta seguinte, o holandês Zona van der Goodberch de apenas 16 anos foi para a ponta, com 1:44.213, apenas 31 milésimos a frente de Dalla Porta. Simone Corsi deu um belo pulo e foi para a 3ªposição. E Marcel Schrotter completava a zona de classificação a 8 minutos do final. O dono da casa, Gabriel Rodrigo vinha em 5ºlugar, mas a quase 250 milésimos de Schrotter, ainda longe do tempo do piloto alemão.

A 6:25 do final, Marco Ramirez puxa o tapete de Marcel Schrotter e passa a 4ªposição. Outro que superou o piloto alemão, Manuel Gonzalez foi para a 5ªposição. Já fora da zona de classificação, Schrotter precisava responder a altura… e foi exatamente que ele fez, marcou 1:44.397 e pulou da 6ª para a 3ªposição.

A 4:30 do final, Cameron Beaubier começa a confirmar o seu favoritismo, passa para a ponta e leva com ele Manuel Gonzalez que passa a segunda posição. Isso deixa ameaçadas as classificações de Van der Goodberch e Dalla Porta para o Q2. Schrotter melhorou sua marca, mas não saiu da 5ªposição. O piloto da Intact GP vinha 144 milésimos atrás do piloto da Italtrans.

Zonta van der Goorbergh flertou com o melhor tempo, mas acabou ficando em 3ºlugar, mas melhorando sua marca a apenas 53 milésimos de Beaubier.

Dalla Porta estava na bolha, mas garantindo a sua vaga ao Q2, até que Schrotter tirou uma volta da sua cartola e pulou para 4º, com o cronometro zerado. O 1:44.199 foi o suficiente para Schrotter tomar a última vaga e eliminar Dalla Porta da classificação. O piloto da casa ficou com a 6ªposição, seguido dos dois pilotos da MV Agusta (Corsi e Ramirez). Salac da Gresini e Antonelli da VR46.

Resultado do Q1:

pos piloto equipe moto tempo
1 6 Cameron Beaubier American Racing Kalex 01’44.132
2 18 Manuel Gonzalez Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex 01’44.156
3 84 Zonta Van Den Goorbergh RW Racing GP Kalex 01’44.185
4 23 Marcel Schrotter Liqui Moly Intact GP Kalex 01’44.199
5 19 Lorenzo Dalla Porta Italtrans Racing Team Kalex 01’44.244
6 2 Gabriel Rodrigo Pertamina Mandalika SAG Team Kalex 01’44.390
7 24 Simone Corsi MV Agusta Forward Team MV Agusta 01’44.431
8 42 Marcos Ramirez MV Agusta Forward Team MV Agusta 01’44.445
9 12 Filip Salac Gresini Racing Moto2 Kalex 01’44.501
10 28 Niccolò Antonelli Mooney VR46 Racing Team Kalex 01’44.521
11 52 Jeremy Alcoba Liqui Moly Intact GP Kalex 01’44.652
12 5 Romano Fenati Lightech Speed Up Boscoscuro 01’44.671
13 4 Sean Dylan Kelly American Racing Kalex 01’44.798
14 61 Alessandro Zaccone Gresini Racing Moto2 Kalex 01’44.798
15 81 Keminth Kubo Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex 01’44.876

Sam Lowes e Manuel Gonzalez foram os primeiros a entrarem na pista, com 1 minuto de sessão. Os outros pilotos começaram a entrar, mas aos poucos, sem muita pressa. Vietti entrou com 1 minuto e 30 segundos de sessão. Os dois pilotos da KTM Ajo entram com 2 minutos de sessão.

Com 3 minutos de sessão, Fermin Aldeguer da Speed UP entra na pista, como um dos favoritos a pole.

Sam Lowes marcou o primeiro tempo da sessão com 1:44.079 com 4 minutos e 30 segundo de sessão. Ogura vinha em uma grande volta, mas errou no terceiro setor e perdeu a chance de passar a liderança. Essa liderança foi para Bo Bendsneyder da SAG, seguido de Aron Canet da Pons. Ainda assim Ogura passou para a 3ªposição.

Bendsneyder e outros pilotos vinham em voltas melhores do que as primeiras voltas. Manuel Gonzalez passou a liderança e Somkiat Chantra, embalado pela vitória na Indonésia passou a segunda posição, com 8 minutos e 20 segundos de sessão pela frente. Aron Canet faz bom tempo e mantem à terceira posição.

20 segundos depois, Celestino Vietti bota a ordem da casa e marca 1:43.758 e passa a ser o primeiro colocado, mas isso não foi o ponto final da sessão, pelo contraio, fez com que os adversários fossem atrás… E de fato, não só foram como conseguiram superar Vietti. Primeiro foi Augusto Fernandez a 7:20 do final e 35 segundos depois, Fermin Aldeguer passou para a liderança com 1:43.437, o jovem espanhol colocando a Boscoscuro no topo da tabela.

Augusto Fernandez em segundo vinha buscando recuperar a liderança, com uma ótima volta até o 3ºsetor, mas perdendo tempo no último dos 4 setores, o piloto da equipe Ajo não consegue se quer melhorar sua marca. Enquanto isso, a 5:30 do final, Tony Arbolino subiu para a terceira posição. Albert Arenas vinha em uma ótima 4ªposição, seguido de Bendsneyder, Ogura, Vietti, Gonzalez, Lowes e Dixon nas 10 primeiras posições.

Jake Dixon tinha tudo para assumir a liderança, mas perdeu tempo no último setor e perdendo a chance, mas pelo menos o britânico deu um salto da 10ª para a 5ªposição a 4 minutos do final. Fermin Aldeguer melhorou sua marca (1:43.306) e aumentou suas chances de conquistar a pole position. A menos de 3 minutos do final, Chantra subiu da 13ª para a 6ªposição e Ogura subiu da 8ª para a 7ªposição.

Vietti foi para uma última tentativa de melhorar seu tempo. Seu esforço levou o piloto da VR46 a subir 3 posições, passando a 6ªposição a 1 minuto do final.

Fermin Aldeguer não teve sua liderança ameaçada, o piloto da Speed UP conquista a pole position, confirmando o favoritismo que teve através das sessões dos treinos livres onde conseguiu o melhor tempo. O piloto espanhol vai ter uma dura missão de superar seus adversários com a moto da Kalex, que tem esmagadora maioria do grid da Moto 2. O espanhol Augusto Fernandez da KTM Ajo e o italiano Tony Arbolino da Marc VDS completam a primeira fila.

Dia muito bom para os pilotos da Aspar Martinez, Albert Arenas e Jake Dixon vão largar na 4ª e 5ªposições. O líder do campeonato Celestino Vietti vai completar a segunda fila, na 6ªposição. Vindo da vitória na Indonésia, Somkiat Chantra larga na 7ªposição, seguindo por Ai Ogura, companheiro de equipe do tailandês na Honda Asia Team e pelo Holandês Bo Bendsneyder da SAG. Os três formaram a 3ªfila.

Manuel Gonzalez da Yamaha VR46 vai largar em uma ótima 10ªposição, na frente de Sam Lowes que deixou a desejar no sábado. Aron Canet vai fechar a 4ªfila, o piloto da Pons foi outro que não foi muito bem na classificação.

Grid de Largada:

pos piloto equipe moto tempo
1 54 Fermín Aldeguer Lightech Speed Up Boscoscuro 01’43.306
2 37 Augusto Fernandez Red Bull KTM Ajo Kalex 01’43.456
3 14 Tony Arbolino ELF Marc VDS Racing Team Kalex 01’43.513
4 75 Albert Arenas Autosolar GASGAS Aspar Team Kalex 01’43.615
5 96 Jake Dixon Autosolar GASGAS Aspar Team Kalex 01’43.622
6 13 Celestino Vietti Mooney VR46 Racing Team Kalex 01’43.645
7 35 Somkiat Chantra IDEMITSU Honda Team Asia Kalex 01’43.671
8 79 Ai Ogura Idemitsu Honda Team Asia Kalex 01’43.710
9 64 Bo Bendsneyder Pertamina Mandalika SAG Team Kalex 01’43.727
10 18 Manuel Gonzalez Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex 01’43.761
11 22 Sam Lowes ELF Marc VDS Racing Team Kalex 01’43.787
12 40 Aron Canet Flexbox HP40 Kalex 01’43.810
13 9 Jorge Navarro Flexbox HP40 Kalex 01’43.839
14 84 Zonta Van Den Goorbergh RW Racing GP Kalex 01’44.068
15 16 Joe Roberts Italtrans Racing Team Kalex 01’44.189
16 6 Cameron Beaubier American Racing Kalex 01’44.189
17 51 Pedro Acosta Red Bull KTM Ajo Kalex 01’44.205
18 23 Marcel Schrotter Liqui Moly Intact GP Kalex 01’44.554
19 19 Lorenzo Dalla Porta Italtrans Racing Team Kalex 01’44.244
20 2 Gabriel Rodrigo Pertamina Mandalika SAG Team Kalex 01’44.390
21 24 Simone Corsi MV Agusta Forward Team MV Agusta 01’44.431
22 42 Marcos Ramirez MV Agusta Forward Team MV Agusta 01’44.445
23 12 Filip Salac Gresini Racing Moto2 Kalex 01’44.501
24 28 Niccolò Antonelli Mooney VR46 Racing Team Kalex 01’44.521
25 52 Jeremy Alcoba Liqui Moly Intact GP Kalex 01’44.652
26 5 Romano Fenati Lightech Speed Up Boscoscuro 01’44.671
27 4 Sean Dylan Kelly American Racing Kalex 01’44.798
28 61 Alessandro Zaccone Gresini Racing Moto2 Kalex 01’44.798
29 81 Keminth Kubo Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex 01’44.876

Na categoria intermediaria, mais uma bela exibição de Celestino Vietti que conquistou sua 2ªvitória na moto 2 e na temporada, consolidando a liderança no Mundial. Os dois pilotos da Honda Asia Team completaram o pódio.

Na largada, o jovem Fermin Aldeguer larga bem e segura à liderança. A corrida termina cedo para Augusto Fernandez que tomou por trás da Moto de Ai Ogura e caiu na primeira curva. Manuel Gonzalez que foi tão bem na classificação acabou prejudicado pela queda de Fernandez e caiu para as últimas posições.

Aldeguer na frente, seguido de Tony Arbolino da Marc VDS, Celestino Vietti da VR46, Somkiat Chantra da Honda Asia Team e Albert arenas da Aspar Martinez. Sean Kelly da American Racing e Niccolò Antonelli da VR46 foram ao chão e abandonaram a prova. Um começo difícil para ambos na moto 2.

Ao final da 1ªVolta, Vietti já chega pra cima de Arbolino e sem perda de tempo passou para 2º após superar o piloto da Marc VDS. Canet passou Arenas e subiu para a 5ªposição. Na segunda volta, Zonta van der Goodberch caiu. No começo da 3ªvolta, Chantra passou Arbolino e pulou para a terceira posição. O italiano da Marc VDS passou a sofrer pressão de Canet que estava muito rápido. Sem perder muito tempo, na última curva, Aron Canet passa Arbolino e assume a 4ªposição.Um pouco mais a frente, Vietti chegou em Aldeguer e não demorou muito para assumir a liderança, no começo da 4ªvolta (Curva 1).

Depois da ultrapassagem, o líder do campeonato esperava abrir vantagem para o atrevido piloto da Speed UP, mas Aldeguer não estava longe e não queria desistir da ponta. Os dois abriram quase 8 décimos para Somkiat Chantra (3ªposição). Canet e Arbolino completava as 5 primeiras posições. Ai Ogura vinha em 6º e completando os 10 primeiros? Dixon, Bendsneyder, Arenas e Beaubier. Alessandro Zacconi da Gresini estava nos boxes, com sérios problemas mecânicos na sua moto.

Andando do jeito que ele gosta, Pedro Acosta vinha na 10ªposição. O campeão da Moto 3 ainda estava se adaptando ao estilo da moto 2. Ao começar a 7ªVolta, Ai Ogura já estava com a 5ªposição em suas mãos. A Marc VDS não estava em uma corrida feliz, Sam Lowes vinha na 12ªposição.

Ao final da volta, Vietti perde a curva e ao voltar para a trajetória, toca em Fermin Aldeguer que vai ao chão e abandona a prova. O lance poderia dar em punição ao piloto da VR46, já que foi visível o erro de trajetória, a volta e o toque que fez o piloto da Speed UP caísse.

Se não tivesse punição, Vietti estava mais tranquilo na frente, mas Chantra vinha chegando na briga, com 9 décimos atrás do piloto italiano. Aron Canet era o terceiro, Ai Ogura e Tony Arbolino completavam os 5 primeiros colocados.

Chantra vai para cima de Vietti, embalado após sua primeira vitória no GP passado. No final da volta 11, Vietti espalha e Chantra aproveita para tomar a liderança. Poderia esse ser o lance da corrida e o tailandês poderia abrir vantagem para Vietti, mesmo com a pressão do piloto italiano. Ao final da 12ªvolta, no mesmo ponto, Chantra erra o ponto da curva e Vietti volta a liderança.

Nesse meio tempo, Filip Salac foi para o chão (no primeiro setor da volta anterior) e abandonou a prova. Era fim de corrida para a Gresini, o outro piloto da equipe, Alessandro Zacconi acabou abandonando com problemas mecânicos na sua moto. Na metade da 12ªVolta, Ai Ogura passou Aron Canet e pulou para a 3ªposição.

Chantra tenta voltar para a batalha pela vitória. Enquanto isso, Ogura não tinha o pódio assegurado a 10 voltas do final. Arbolino em 5º estava ficando para trás. Mais atrás, Jake Dixon da Aspar Martinez tentava chegar no pelotão da frente, mas ainda tinha 2 segundos para tirar de Arbolino para chegar na disputa.

Canet passou Ogura no final da 14ªvolta e voltou à terceira posição. Esse pega pelo pódio iria continuar, o piloto japonês não estava disposto a se entregar sem lutar.

Após muita pressão, Ogura consegue superar Canet. Ao final da 17ªVolta, piloto da Honda Asia Team voltava ao pódio. Agora era Canet que iria para a caça e Ogura seria o alvo do piloto da Pons. Mais atrás, No 1 terço da 18ªvolta, Acosta passou Bendsneyer e subiu para a 7ªposição. Até aquele momento, era o melhor resultado do piloto da Ajo na Moto 2. Na volta seguinte, foi a vez de Arenas superar o piloto principal da SAG.

Para a tristeza dos argentinos, Gabriel Rodrigo caiu a 4 voltas do final e não consegue completar a corrida em sua casa. Mas os olhos do mundo estavam na disputa entre Ogura e Canet pelo pódio. Na frente, Chantra se aproxima de Vietti, visando um último ataque pra cima do piloto da VR46. A 3 voltas do final, Jake Dixon passa Tony Arbolino e sobe para a 5ªposição. Jorge Navarro e Lorenzo Dalla Porta acabaram encontrando o chão na 21ªvolta.

Vietti abre 1 segundo a frente de Chantra, o suficiente para administrar a sua vitória e foi assim que ele fez. 2ª Vitória de Celestino Vietti em 3 corridas disputadas. Dando o recado de que brigaria pelo título dessa temporada. Quem quisesse brigar com ele, teria que desde de já correr atrás do prejuízo, pois Vietti já tinha 70 pontos conquistados em 75 pontos disputados.

Novamente com ótima atuação, Somkiat Chantra foi o único a conseguiu ameaçar a vitória de Vietti. Não resta a menor dúvida que o 2ºcolocado do GP da Argentina vive seu melhor momento da carreira.

Ai Ogura e Aron Canet brigaram até a curva final pelo último lugar no pódio. Na volta final, Canet chegou a passar por 2 vezes Ogura, mas o japonês conseguiu voltar a frente nas duas oportunidades e acabou conquistando a 3ªposição e o duplo pódio para a Honda Asia Team. Canet acabou ficando com a 4ªposição, dessa vez o espanhol acabou fora do pódio.

Jake Dixon fez uma bela corrida e foi galgando posições com o decorrer da corrida e acabou o dia em uma significativa 5ªposição. Tony Arbolino começou muito bem, mas não tinha rendimento para lutar pelos primeiros lugares. Ainda por cima, foi superado por Dixon e o piloto italiano teve de se contentar com uma modesta 6ªposição. Porém, foi o melhor que a Marc VDS pode fazer no domingo. Sam Lowes, não passou de uma deplorável 10ªposição.

Pedro Acosta teve seu melhor final de semana na Moto 2, ignorando as ordens da equipe, o espanhol acabou pilotando do jeito que ele gosta de pilotar e acabou colhendo uma boa 7ªposição. Albert Arenas chega em 8ºlugar e dá mostras de evolução na categoria intermediária. O holandês Bo Bendsneyder fez uma boa corrida, pena que no final perdeu posições para Acosta e Arenas, isso rebaixou o piloto da SAG para a 9ºposição. Nada deu certo para Sam Lowes, uma classificação fraca e uma corrida também fraca levaram o britânico para a 10ªposição, se afastando da briga pelo título.

Cameron Beaubier ficou em 11º, em uma corrida solitária, sem ameaçar ninguém, mas sem ser ameaçado por Marcel Schrotter da Intact GP (12ºcolocado).

Joe Roberts da Italtrans, Manuel Gonzalez da Yamaha VR46 e Marcos Ramirez da MV Agusta completaram a zona de pontuação. Destaque para Manuel Gonzalez que se recuperou do atraso que teve na primeira volta e ainda assim conseguiu marcar pontos. Marcos Ramirez levou a MV Agusta para o primeiro ponto na temporada.

Resultado Final da 3ªetapa do Mundial de Motovelocidade – Temporada 2022
GP da Argentina – Termas de Rio Hondo – 23 Voltas – Moto 2

pos piloto equipe moto tempo
1 13 Celestino Vietti Mooney VR46 Racing Team Kalex 39’44.0980
2 35 Somkiat Chantra IDEMITSU Honda Team Asia Kalex a 1.538
3 79 Ai Ogura Idemitsu Honda Team Asia Kalex a 5.703
4 40 Aron Canet Flexbox HP40 Kalex a 5.880
5 96 Jake Dixon Autosolar GASGAS Aspar Team Kalex a 6.584
6 14 Tony Arbolino ELF Marc VDS Racing Team Kalex a 7.538
7 51 Pedro Acosta Red Bull KTM Ajo Kalex a 12.177
8 75 Albert Arenas Autosolar GASGAS Aspar Team Kalex a 12.418
9 64 Bo Bendsneyder Pertamina Mandalika SAG Team Kalex a 13.656
10 22 Sam Lowes ELF Marc VDS Racing Team Kalex a 14.254
11 6 Cameron Beaubier American Racing Kalex a 20.077
12 23 Marcel Schrotter Liqui Moly Intact GP Kalex a 25.736
13 16 Joe Roberts Italtrans Racing Team Kalex a 28.317
14 18 Manuel Gonzalez Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex a 29.784
15 42 Marcos Ramirez MV Agusta Forward Team MV Agusta a 30.270
16 52 Jeremy Alcoba Liqui Moly Intact GP Kalex a 37.884
17 24 Simone Corsi MV Agusta Forward Team MV Agusta a 37.956
18 5 Romano Fenati Lightech Speed Up Boscoscuro a 38.325
19 81 Keminth Kubo Yamaha VR46 Master Camp Team Kalex a 1:04.858
9 Jorge Navarro Flexbox HP40 Kalex a 3 Voltas – Acidente
19 Lorenzo Dalla Porta Italtrans Racing Team Kalex a 3 Voltas – Acidente
2 Gabriel Rodrigo Pertamina Mandalika SAG Team Kalex a 4 Voltas – Acidente
12 Filip Salac Gresini Racing Moto2 Kalex a 12 Voltas – Acidente
61 Alessandro Zaccone Gresini Racing Moto2 Kalex a 16 Voltas – Mecânico
54 Fermín Aldeguer Lightech Speed Up Boscoscuro a 17 Voltas – Acidente
84 Zonta Van Den Goorbergh RW Racing GP Kalex a 22 Voltas – Acidente
37 Augusto Fernandez Red Bull KTM Ajo Kalex a 23 Voltas – Acidente
28 Niccolò Antonelli Mooney VR46 Racing Team Kalex a 23 Voltas – Acidente
4 Sean Dylan Kelly American Racing Kalex a 23 Voltas – Acidente

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: MotoGP

GP da Argentina – Moto 3 – Mundial de Motovelocidade 2022

O GP da Argentina teve um enorme contratempo. Devido a vários fatores, inclusive a absurda guerra que a Rússia começou contra a Ucrânia. Um dos aviões que partiu da Indonésia (Etapa passada do Mundial) para Quênia que foi retido no aeroporto e complicou a vida de muitas equipes. O Avião teve de fazer mais duas escalas para chegar até a Argentina: Lagos, Capital da Nigéria e no Brasil para reabastecimento. Depois de tudo isso, é que o avião chegou em solo Argentino, eram mais de 100 mil quilos de equipamentos (100 Toneladas) para serem montados.
A situação era bastante desesperadora para as equipes VR46 e Gresini não tinham se quer material para começar a trabalhar. Outras equipes tinham falta de parte dos equipamentos, como o exemplo da Tech 3, na parte de Raúl Fernández que não tinha se quer uma moto para treinar.

A programação foi toda modificada e a sexta-feira ficou sendo um dia livre. Esse dia foi muito bom para os fãs que puderam ir ao circuito e os pilotos também tiveram esse dia de folga para andarem na pista e se encontrarem com os fãs. Por outro lado, a sexta-feira foi um inferno para os mecânicos e integrantes das equipes que disputam o Mundial nas 3 categorias. Devo até imaginar o esforço Sobre humano que tiveram para montar tudo para ficar pronto para o sábado e o domingo.

A programação passou para o Sábado e o domingo. As 3 categorias teriam 2 sessões de treinos livres para a definição dos classificados para o Q2 e uma sessão de classificação para a definição da pole position. No domingo, a programação era normal, com Warm Up na manhã e corrida a tarde.

Assim foi feito. Como quase sempre, os pilotos da Moto 3 começaram as programações dos treinos livres e da classificação em Termas de Rio Hondo.

Nos primeiros dois minutos não teve presença de alma viva no circuito. O primeiro a entrar foi o japonês Ryusei Yamanaka da MT Helmets, os outros seguiram com ele para a abertura do Q1. Taiyo Furusato estava fazendo sua estreia no campeonato. O japonês sofreu um acidente antes do começo do ano e não pode disputar as etapas iniciais do mundial.

6 Pilotos voltaram para os boxes, para um ajuste melhor das suas motos. Entre eles, Ryusei Yamanaka e Ricardo Rossi. O restante foi para a 1ªvolta rápida.

A 9 minutos do final da sessão, Taiyo Furusato registou o tempo de 1:50.819, o estreante acabou sendo superado por Mario Aji 30 segundos depois, com 1:50.270, o indonésio vinha motivado pelo bom final de semana que teve em Mandalika. Scott Odgen, Joel Kelso e Furusato completavam os 4 primeiros colocados.

A 7:10 do final, Furusato melhora seu tempo e pula para a terceira posição (1:50.476), Em excelente volta, o inglês Scott Odgen vai para a ponta, com 1:50.094, a 6 minutos e 40 segundo do final. O britânico da VisionTrack vinha muito bem na sua tentativa de passar para o Q2. Aji, Kelso e Furusato estavam se classificando até aquele momento.

A 5 minutos do final, Elia Bartolini pula para 3º e se intromete entre os classificados para o Q2. Foi naquele momento em que Yamanaka, Rossi e os outros pilotos que não tinham feito volta rápida entrarem na pista.

A partir desse momento, a classificação começou a mudar. A 3 minutos do final, Ryusei Yamanaka foi para a liderança, sendo o primeiro a baixar na casa do 1 minuto e 50 segundos (1:49.857) Joel Kelso faz nova volta e sobe para 2º. Por outro lado, Joshua Whatley vai para o chão na curva 2.

1 minuto e meio do final, Yamanaka melhora um pouco mais seu tempo. O companheiro de Diogo Moreira estava com a classificação assegurada. A briga no final era para saber quem iria com o piloto da MT Helmets ao Q2.

No final, Stefano Nepa da MTA Team, Ricardo Rossi da SIC58 e Joel Kelso da CIP Green foram os pilotos que ficaram com as outras vagas. Nepa e Rossi conseguiram as vagas ao Q2 na última hora, ambos jogaram ou tudo ou nada na última volta. Essa aposta acabou dando certo para os dois. Azar para Scott Odgen que chegou a ficar na ponta, mas acabou ficando de fora do Q2 por muito pouco. Taiyo Furusato fica na 8ªposição e na sua estreia na Moto 3 larga na 22ªposição.

Resultado do Q1:

pos piloto equipe moto tempo
1 6 Ryusei Yamanaka MT Helmets – MSI KTM 01’49.822
2 82 Stefano Nepa Angeluss MTA Team KTM 01’49.899
3 54 Riccardo Rossi SIC58 Squadra Corse Honda 01’49.919
4 66 Joel Kelso CIP Green Power KTM 01’49.980
5 19 Scott Ogden VisionTrack Racing Team Honda 01’50.094
6 64 Mario Suryo Aji Honda Team Asia Honda 01’50.104
7 23 Elia Bartolini QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 01’50.138
8 72 Taiyo Furusato Honda Team Asia Honda 01’50.209
9 31 Adrian Fernandez Red Bull KTM Tech 3 KTM 01’50.229
10 18 Matteo Bertelle QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 01’50.423
11 67 Alberto Surra Rivacold Snipers Team Honda 01’50.544
12 20 Lorenzo Fellon Sic58 Squadra Corse Honda 01’50.740
13 22 Ana Carrasco BOE SKX KTM 01’51.031
14 87 Gerard Riu Male BOE SKX KTM 01’51.128
15 70 Joshua Whatley VisionTrack Racing Team Honda 01’53.108

Logo que começa o Q2, Izan Guevara entra na pista e já quer ir para a linha de frente da disputa pela pole position. Uma parte dos favoritos foram juntos de Guevara. Os outros pilotos (Entre eles, os dois pilotos da KTM Ajo e Diogo Moreira) esperaram por 2 minutos para saírem dos boxes.

Guevara fez o primeiro tempo com quase 4 minutos de sessão, mas Sergio Garcia o superou por 62 milésimos. Com 4 minutos de sessão, Kaito Toba foi para a ponta, com 1:49.568. apenas 16 milésimos a frente de Garcia e menos de 1 décimos a frente de Guevara.

Na volta seguinte, já com todo mundo fazendo volta, tudo mudou. Garcia e Guevara voltaram as 2 primeiras (9:20 para terminar a sessão), mas ai, o surpreendente australiano Joel Kelso toma a liderança, passando para a casa do 1 minuto e 48 segundos (1:48.940). Tatsuki Suzuki vinha em 2º, Dennis Foggia em 3º e Diogo Moreira em 4º. Completando os 10 primeiros: Sergio Garcia, Andrea Migno, Izan Guevara, Kaito Toba, Jaume Masia e Ryusei Yamanaka.

Com metade da sessão, todo mundo foi para os boxes. Era a hora de ajustar a moto para a última tentativa de volta rápida.

Como sempre, os pilotos da Moto 3 deixam para sair da pista bem perto do limite para se abrir volta, com 2 minutos do final da sessão. Oncü foi para a pista 30 segundos antes e conseguiria fazer uma volta mais tranquilo. Em sua volta rápida, o piloto turco acabou com o 15ºtempo.

O resto do pelotão fechou as suas voltas pouco tempo depois. Nessa disputa, Sergio Garcia levou a melhor e conquistou a pole position, com alguma vantagem sobre os demais, o espanhol fez 1:48.429 enquanto que Ayumu Sasaki fez 1:48.600 e Izan Guevara, companheiro de equipe na Gas Gas fez 1:48.624. esses três formarão a primeira fila em Termas de Rio Hondo.

A segunda fila é formada por nomes que não frequentam os primeiros lugares, a começar pelo italiano Riccardo Rossi da SIC58 que veio do Q1, quase eliminado para uma 4ªposição no grid de largada. O australiano Joel Kelso fez sua melhor classificação na Moto 3, um promissor 5ºlugar para o novato da CIP Green. Com algum prestígio, Daniel Holgado larga na 6ªposição, 6 posições a frente de Jaume Masià, seu companheiro de equipe (que teoricamente deveria liderar a equipe Ajo).

Em 7º, abrindo a terceira fila, Xavier Artigas parece ter ser acertado na Moto 3, com a boa equipe PruestelGP e com a parceira com a CF Moto, tem tudo para fazer uma boa temporada, visto a bela corrida que Carlos Tatay fez na Indonésia, no que resultou no pódio do companheiro de equipe. Andrea Migno tenta se recuperar do abandono da corrida passada e vai partir na 8ªposição.

Tatsuki Suzuki que ainda não se achou na Leopard Racing fecha a 3ªfila. Pelo menos ficou 2 posições a frente de Dennis Foggia, primeiro piloto da equipe e líder do campeonato. Diogo Moreira esta entre os pilotos da Leopard. O brasileiro abre a 4ªfila, na 10ªposição, que por sinal é uma fila de muito peso para o novato piloto brasileiro comandar, já que esta a frente de Foggia e Masia.

Grid de largada:

pos piloto equipe moto tempo
1 11 Sergio Garcia Valresa GASGAS Aspar Team GasGas 01’48.429
2 71 Ayumu Sasaki Sterilgarda Husqvarna Max Husqvarna 01’48.600
3 28 Izan Guevara Valresa GASGAS Aspar Team GasGas 01’48.624
4 54 Riccardo Rossi SIC58 Squadra Corse Honda 01’48.726
5 66 Joel Kelso CIP Green Power KTM 01’48.735
6 96 Daniel Holgado Red Bull KTM Ajo KTM 01’48.865
7 43 Xavier Artigas CFMOTO Racing PruestelGP CFMoto 01’48.943
8 16 Andrea Migno Rivacold Snipers Team Honda 01’48.953
9 24 Tatsuki Suzuki Leopard Racing Honda 01’49.050
10 10 Diogo Moreira MT Helmets – MSI KTM 01’49.061
11 7 Dennis Foggia Leopard Racing Honda 01’49.128
12 5 Jaume Masia Red Bull KTM Ajo KTM 01’49.186
13 27 Kaito Toba CIP Green Power KTM 01’49.376
14 6 Ryusei Yamanaka MT Helmets – MSI KTM 01’49.400
15 48 Ivan Ortola Angeluss MTA Team KTM 01’49.435
16 53 Deniz Öncü Red Bull KTM Tech 3 KTM 01’49.531
17 82 Stefano Nepa Angeluss MTA Team KTM 01’49.541
18 99 Carlos Tatay CFMOTO Racing PrustelGP CFMoto 01’49.724
19 19 Scott Ogden VisionTrack Racing Team Honda 01’50.094
20 64 Mario Suryo Aji Honda Team Asia Honda 01’50.104
21 23 Elia Bartolini QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 01’50.138
22 72 Taiyo Furusato Honda Team Asia Honda 01’50.209
23 31 Adrian Fernandez Red Bull KTM Tech 3 KTM 01’50.229
24 18 Matteo Bertelle QJMOTOR Avintia Racing Team KTM 01’50.423
25 67 Alberto Surra Rivacold Snipers Team Honda 01’50.544
26 20 Lorenzo Fellon Sic58 Squadra Corse Honda 01’50.740
27 22 Ana Carrasco BOE SKX KTM 01’51.031
28 87 Gerard Riu Male BOE SKX KTM 01’51.128
29 70 Joshua Whatley VisionTrack Racing Team Honda 01’53.108

Domingo teve 3 grandes corridas no Mundial de Motovelocidade em solo argentino. A começar com a garotada da Moto 3.

Sergio Garcia largou muito bem e assumiu a liderança, seguido de Sasaki, Rossi, Izan Guevara, Artigas e Diogo Moreira. Na reta oposta, Guevara passou Rossi e curvas depois, com muita força veio o piloto da Gas Gas passar Sasaki e assumir a segunda posição.

Após a 1ªVolta, Garcia e Guevara vinham formando a dobradinha da Gas Gas na frente. Lá atrás, Ana Carrasco acabou indo para os boxes, pois sua moto vinha bem lenta, com toda a pinta de perda de potência. Ayumu Sasaki teve de pagar a volta longa, por ter derrubado Andrea Migno no final do GP da Indonésia. O japonês voltou na 18ªposição.

Guevara e Garcia tentavam uma fuga na frente, com meio segundo a frente de Xavier Artigas, em ótima 3ªposição. Moreira, Masia e Holgado vinham colados no piloto da CF Moto. Na 4ªVolta, Masia passou a ser o terceiro e começou a buscar os pilotos da Gas Gas. Com Moreira, Artigas na cola.

Começando a 5ªVolta, Diogo Moreira passou Jaume Masia e foi para a terceira posição. Ótimo inicio de corrida da MSI Helmets. Curvas depois, os pilotos da equipe Ajo superaram Moreira, mas o pega estava ainda no começo, muita coisa iria acontecer.

Xavier Artigas caiu na metade da 6ªvolta e deixou a corrida. Aos poucos, os dois pilotos da Leopard Racing chegavam na briga pelas primeiras posições. Suzuki vinha em 6º e Foggia em 8º. Denis Oncü é punido com a volta longa e Ana Carrasco vai para o chão ao final da 7ªvolta.

Os pilotos da Gas Gas vinham tranquilos na frente, mas isso acabou na volta 8, com Jaume Masia pressionando Sergio Garcia. Na segunda metade da volta, Andrea Migno e Diogo Moreira chegam ao pelotão. Agora assim temos uma vitória em disputa. Ao final da volta 8, Masia passa Garcia e sobe para a 2ªposição. Desde da largada, o piloto da equipe Ajo ganhou 10 posições (largou em 12º).

Deniz Oncü cumpriu a volta longa, para piorar a situação da Tech 3, Adrian Fernández também é punido com a volta longa, comprometendo totalmente a corrida da equipe francesa.

Na 10ªVolta, Izar Guevara (Que liderava a prova) abandona com problemas mecânicos. Garcia toma a ponta, com Masia, Migno e Moreira na disputa pela primeira posição. 1 segundo atrás, Dennis Foggia vinha na 5ªposição, doido para entrar na disputa pela vitória. Ao final da 10ªvolta, Andrea Migno pula da 3ª para a primeira posição.

A liderança de Migno durou meia volta, Garcia e Masia recuperaram as duas primeiras posições. Na metade da prova, Dennis Foggia não só chegou no pelotão como também passou Moreira e Masia, passando da 5ª para a 3ªposição. Nessa altura da prova, com 10 voltas a se completar: Sergio Garcia era o líder, seguido de Migno, Foggia, Masia, Moreira, Suzuki, Rossi, Sasaki, Holgado e Tatay completando os 10 primeiros lugares.

 

Masia e Foggia travavam um duelo particular pela 3ªposição. Eram dois dos mais cotados para o título da temporada de 2022, mas tinha um determinado Andrea Migno para disposto a se manter na frente dos dois. Rossi e Suzuki são advertidos e teriam que se cuidar para não tomarem punição. Garcia, Migno, Masia, Foggia e Suzuki formavam o primeiro pelotão. Diogo Moreira acabou ficando um pouco para trás, superado por Ricardo Rossi, mas logo a turma toda volta a se juntar.

Ao final da 15ªVolta, Andrea Migno cai e Jaume Masia com ele. Fim de corrida para ambos. Masia ainda tentou voltar a corrida, mas sem condições acaba deixando a prova. O incidente iria para a investigação. A 5 voltas do final, Garcia era o líder, com os dois pilotos da Leopard Racing (Foggia e Suzuki na 2ª e 3ªposições). Rossi, Sasaki, Holgado e Moreira vinham no pelotão, ainda sonhando com a vitória.

Os dois pilotos da Leopard Racing estavam tendo a dura missão de alcançar Sergio Garcia. Enquanto isso, Sasaki, Holgado, Rossi e Moreira disputam a 4ªposição.

Ao final da penúltima volta, Foggia passa Suzuki e vai para a liderança. Curvas depois, Suzuki foi para cima de Garcia e subiu para segundo. Parecia que a Leopard Racing faria a dobradinha, mas a prova ainda não acabou e Garcia estava disposto a vencer. A 4 curvas do final, Garcia passa Suzuki e praticamente nas curvas finais, Garcia faz uma brilhante ultrapassagem e vence o GP da Argentina.

Uma brilhante vitória do piloto da Gas Gas. Um dos poucos casos de um pole position conseguir a vitória. Dennis Foggia fechou a corrida em 2º e em incrível recuperação, Ayumu Sasaki passou Tatsuki Suzuki na curva final e conquistou a 3ªposição, seu primeiro grande resultado do ano.

Tatsuki Suzuki cruzou em 4º, mas acabou perdendo 1 posição por passar para fora da pista. O beneficiado foi o italiano Riccardo Rossi, em um ótimo final de semana na Argentina.

Diogo Moreira fez um bom final de semana, desenvolveu muito bem sua corrida, chegando a lutar pelas primeiras posições na primeira metade de corrida. Só faltou um pouco mais de ritmo para o brasileiro briga pela vitória, mas o 6ºlugar (conquistado na volta final ao superar Daniel Holgado) não deixa de ser um belo resultado. Daniel Holgado obteve um bom 7ºlugar e salvou o dia da equipe Ajo.

Carlos Tatay fez uma corrida decente e terminou o dia na 8ºposição, superando os dois pilotos da Green CIP. Kaito Toba e Joel Kelso completaram os Top 10, com destaque ao australiano, foi o seu melhor resultado e seu melhor final de semana no Mundial de Motovelocidade.

Elia Bartolini, Ryusei Yamanaka, Adrian Fernández, Deniz Oncü e Iván Ortolá completaram a zona de pontuação. Os dois pilotos da Tech 3, apesarem de serem punidos, ainda conseguiram permanecer na zona de pontuação.

Resultado Final da 3ªetapa do Mundial de Motovelocidade – Temporada 2022
GP da Argentina – Termas de Rio Hondo – 21 Voltas

pos piloto equipe moto tempo
1 11 Sergio Garcia Valresa GASGAS Aspar Team GasGas 38’23.4330
2 7 Dennis Foggia Leopard Racing Honda a 0.146
3 71 Ayumu Sasaki Sterilgarda Husqvarna Max Husqvarna a 0.375
4 54 Riccardo Rossi SIC58 Squadra Corse Honda a 0.507
5 24 Tatsuki Suzuki Leopard Racing Honda a 0.484
6 10 Diogo Moreira MT Helmets – MSI KTM a 0.587
7 96 Daniel Holgado Red Bull KTM Ajo KTM a 0.715
8 99 Carlos Tatay CFMOTO Racing PrustelGP CFMoto a 2.032
9 27 Kaito Toba CIP Green Power KTM a 3.098
10 66 Joel Kelso CIP Green Power KTM a 3.397
11 23 Elia Bartolini QJMOTOR Avintia Racing Team KTM a 7.649
12 6 Ryusei Yamanaka MT Helmets – MSI KTM a 8.893
13 31 Adrian Fernandez Red Bull KTM Tech 3 KTM a 9.032
14 53 Deniz Öncü Red Bull KTM Tech 3 KTM a 9.202
15 48 Ivan Ortola Angeluss MTA Team KTM a 9.449
16 82 Stefano Nepa Angeluss MTA Team KTM a 22.745
17 72 Taiyo Furusato Honda Team Asia Honda a 23.423
18 18 Matteo Bertelle QJMOTOR Avintia Racing Team KTM a 23.667
19 20 Lorenzo Fellon Sic58 Squadra Corse Honda a 23.810
20 67 Alberto Surra Rivacold Snipers Team Honda a 24.041
21 64 Mario Suryo Aji Honda Team Asia Honda a 24.880
22 87 Gerard Riu Male BOE SKX KTM a 37.416
23 70 Joshua Whatley VisionTrack Racing Team Honda a 1:02.131
5 Jaume Masia Red Bull KTM Ajo KTM a 5 Voltas – Acidente (Danos)
16 Andrea Migno Rivacold Snipers Team Honda a 7 Voltas – Acidente
19 Scott Ogden VisionTrack Racing Team Honda a 8 Voltas – Embreagem
28 Izan Guevara Valresa GASGAS Aspar Team GasGas a 12 Voltas – Perda de Potência
43 Xavier Artigas CFMOTO Racing PruestelGP CFMoto a 16 Voltas – Mecânico
22 Ana Carrasco BOE SKX KTM a 17 Voltas – Acidente

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: MotoGP

Dakar 2022 – Avaliação da categoria Carros

Nasser Al-Attiyah: Um dos melhores pilotos de Rally, o piloto Qatari mostrou que estava mais uma vez disposto a vencer o Dakar. O que se viu foi uma pilotagem precisa, perfeita e com um equipamento confiável nas mãos. Al-Attiyah fez uma bela vantagem sobre seus rivais e passou a administrar a sua confortável vantagem até a última especial. Resultado disso foi o 4ºtítulo para Qatari e o 3ºtítulo da Toyota no Rally Dakar. Por sinal, um merecidíssmo título, Nasser Al-Attiyah conquistou vitória em 2 especiais e 5 resultados entre os 3 primeiros lugares e perdas de tempo muito pequenas. Uma apresentação digna de aplausos.

Sebastien Loeb: O tão sonhado e buscado 1ºtítulo no Rally Dakar vai ter de esperar até 2023. Isso não significa que não houve esforço do piloto francês, piloto da Prodrive. Em termos de resultados, Loeb obteve melhores números, com 2 vitórias em especiais, 3 segundos lugares e 1 terceiro lugar. Porém, os resultados de 2 especiais (3ª e 6ªespeciais) acabaram por comprometer suas chances de campeonato. Loeb tentou tirar a diferença que Nasser Al-Attiyah tinha, mas a diferença era grande demais (chegou a ser mais de 50 minutos) e não pode ser tirada. Ao final, Loeb, o multicampeão do WRC repete o vice-campeonato de 2017, naquela oportunidade foi vice de Stephan Peterhansel . Desta vez, foi vencido por Nasser Al-Attiyah. Quem sabe, Loeb não consiga o seu tão sonhado campeonato do Rally Dakar que persegue a 6 anos (5 participações).

Yazeed Al-Rajhi: O piloto saudita fez um belo Dakar e levou a bandeira de seu país ao pódio, foi o primeiro pódio na soma dos tempos. O piloto da Toyota não chamou a atenção pelos desempenhos. Tanto é que o saudita fez apenas 1 resultado entre os Top 3 (Na 6ªespecial). Porém, ele foi crescendo a cada especial, graças a sua regularidade é que permitiu ao saudita conquistar a terceira posição na classificação final. Posição que chegou a ficar perto a 7 anos atrás (no Dakar de 2015), mas que escapou das suas mãos por causa de uma quebra de equipamento.

Orlando Terranova: Um dos pilotos mais experientes do 1ºpelotão, o Argentino, as vezes temperamental, as vezes desacreditado obteve seu melhor resultado da história dele no Dakar. Terranova teve em mãos um grande equipamento (Equipe Prodrive BRX) e soube usar muito bem esse equipamento, conquistando uma vitória em especial, algo que não vinha a 7 anos e conquistando a 4ªposição na soma dos tempos. Seu melhor resultado tinha sido o 5ºlugar nos anos de 2013 e 2014. Depois desse grande resultado, tenho certeza que Terranova foca um Top 3 na soma dos tempos em 2023.

Giniel De Villiers: O Campeão do Dakar de 2009 só não conseguiu algo melhor que a 5ªposição por causa de uma especial (7ªEspecial) muito ruim, mas de resto, novamente o sul-africano usou de sua enorme experiência para ser um piloto regular. De Villiers conquistou uma vitória em especial e venceu a batalha contra o polonês Jakub Przygoński na reta final do Rally. Giniel de Villiers deve se sentir orgulhoso que existam novos pilotos Sul-africanos e que vão continuar seu respeitável legado quando o piloto pendurar seu capacete e encerrar sua trajetória no esporte.

Jakub Przygoński: Foi sem dúvida o melhor piloto da Mini nesse Dakar, mas tendo em mente que a marca foi a campeã de 2021, acabou sendo frustrante demais o polonês não ter qualquer chance de brigar pelo título do Dakar. Entre as 12 especiais, Jakub só conseguiu chegar por duas vezes entre os 5 primeiros colocados. Chegou até a ficar em 4ºlugar após a 8ªespecial, mas Przygoński não conseguiu se segurar entre os Top 5. O único consolo foi ter sido o melhor piloto da sua marca, o 6ºlugar na soma dos tempos é um bom resultado, mas para quem viu Stephan Peterhansel, campeão em 2021 com o mesmo carro da Mini acaba sendo frustrante o resultado.

Mathieu Serradori: O piloto da SRT Racing conseguiu um estupendo resultado. Evidente que o francês não tinha um carro a altura de vencer o Dakar, mas ele foi a luta e conseguiu resultados muito interessantes, com o 4ºlugar na 5ªespecial e conseguiu em 6 especiais se colocar entre os 10 primeiros colocados. Mathieu levou o carro da Century CR6 ao 7ºlugar, seu melhor resultado no Rally Dakar, sem dúvida vai servir de motivação para o piloto e a equipe vir mais forte para o Dakar de 2023.

Sebastian Halpern: De volta depois de 4 anos de ausência, Eu digo que obteve uma boa participação, sem chamar muita a atenção, apenas com o objeto de ser regular e não ter grandes problemas durante as especiais. Assim foi feito e proporcionou o argentino a conseguir um lugar no Top 10 da soma dos tempos, chegando em 8ºlugar, nada mal para quem voltou depois de um hiato de 4 anos.

Mattias Ekström: O melhor piloto da Audi na classificação final do Dakar, mas a se pensar, os problemas de confiabilidade do carro elétrico da Audi acabaram por complicar demais a vida do piloto sueco, que se mostrou um piloto muito rápido. Resultado de sua rapidez foi a vitória na 8ªespecial e muitos resultados entre os Top 5 (5 ao todo).

A sua complicação veio nos primeiros estágios (principalmente no primeiro e no quarto estágio) é que as chances de título se esvaíram por completo. Porém, sua recuperação foi notável, dia após dia, Ekström subia na classificação até chegar ao final do Dakar em uma digna 9ªposição na soma dos tempos. Pelo menos a Audi salvou um resultado entre os 10 primeiros lugares. Se continuar como piloto da marca alemã, Ekström tem grandes chances de disputar o título no ano que vem.

Vladimir Vasilyev: O Russo que vem de bons resultados chegou ao Dakar com o objetivo de um ótimo resultado, entre os 5 primeiros colocados. Nas primeiras especiais, parecia que a expectativa seria cumprida, mas não foi isso que aconteceu. Na parte final do Dakar, russo começou a perder terreno na soma dos tempos e a situação se agravou na última especial, perdendo um tempo precioso que o fez cair da 7ª para a 10ªposição. Foi um revés desapontador para quem foi o 6ºcolocado na edição passada do Dakar. Pelo menos Vasilyev salvou posição entre os 10 primeiros com sem BMW.

Carlos Sainz: Contratado pela Audi para ser um dos favoritos ao título do Dakar 2022, mas acabou prejudicado pela falta de confiabilidade do carro elétrico da marca das 4 argolas. O Espanhol conseguiu se recuperar muito bem, chegou a ficar na 47ªposição e chegou na 12ªposição, a 37 minutos do 10ºcolocado. “El matador” quando teve carro em ordem acabou sendo bastante competitivo. Talvez sem os problemas, pudesse até ter vencido o Dakar esse ano. Sainz venceu 2 especiais e ficou no Top 3 em 6 especiais. Ou seja, metade das especiais tivemos o piloto da Audi no pódio. Se continuar na Audi ou ir para uma equipe competitiva é sem dúvida favorito ao título na próxima jornada.

Brian Baragwanath: 3ºcolocado nos Quadriciclos em 2016, Baragwanath vem começando a trilhar um belo caminho nos carros, Mesmo com um equipamento ainda não competitivo para vencer o Dakar o sul-africano demonstra talento, prova foi o 4ºlugar na 6ªespecial e o 3ºlugar na última especial. Certamente vai estar disputando o Top 10 em edições futuras do Dakar, seja pelo carro da Century ou por uma equipe mais competitiva.

Shameer Variawa: Outro sul-africano que se destacou, mas bem menos do que Baragwanath e Lategan. De positivo, fez um bom resultado na 6ªEspecial (7ºlugar) e acabou melhorando em 5 posições sua classificação do Dakar de 2021.

Bernhardt Ten Brinke: Entrou de última hora no lugar de Erik van Loon e fez um bonito papel. Apesar de duas desastrosas especiais, devemos ressaltar que por 2 vezes o piloto holandês ficou na 6ªposição em duas especiais seguidas (6ª e 7ªespeciais). Ten Brinke ficou 5 vezes no top 10 em especiais, mostrando competência, mesmo com poucas condições e sem estar totalmente aclimatado com o equipamento.

Lucio Alvarez: O piloto argentino que fez bonito nessa edição do Dakar, com 1 segundo lugar na 11ªespecial e um 3ºlugar logo na primeira especial. Durante a primeira metade do Dakar, disputou as primeiras posições e tinha toda a pinta de repetir ou de até melhorar o seu melhor resultado conquistado no Dakar. Porém, um problema em seu carro derrubou o argentino na soma dos tempos, perdendo quase 4 horas e caindo para a 22ªposição. Uma pena, pois era um dos candidatos a chegar ao pódio em 2022. Que os contratempos não aconteçam no ano que vem.

Cyril Despres: O francês teve uma fraca participação, sem se destacar em nada, sem um carro a altura. Despres não fez nenhuma falta em 2022.

Laia Sanz: Um ano de aprendizado nos carros, Sanz cansou de vencer as suas adversárias entre as mulheres e foi para a categoria dos carros. Não teve nenhum destaque, mas é de destacar a ida a uma nova categoria e a sua intenção de fazer sucesso nos próximos anos.

Martin Prokop: Uma decepção, eu esperava muito que ele pudesse disputar até mesmo lugar entre os Top 10 e até estava conseguindo, mas muito devido a sua regularidade. Porém, teve problemas na 10ªespecial. Com isso, o resultado do piloto tcheco da Ford foi para o espaço, terminou na 25ªposição na classificação geral, longe dos melhores atuações que teve no passado (6ºlugar em 2019 e 7ºlugar em 2018).

Henk Lategan: Foi o piloto que mais me chamou a atenção do Dakar 2022, com brilhantes exibições e grandes resultados. O sul-africano que abandonou no ano passado, impressionou nessa edição do Dakar, com 2 vitorias em especiais (na 5ª e na última especial), 2 vezes em segundo lugar, 1 vez em terceiro lugar e mais uma vez em 5ºlugar. Ou seja, metade das especiais entre os 6 primeiros colocados. Porém, ao mesmo tempo, teve problemas em várias especiais que detonaram qualquer chance de um bom resultado na soma dos tempos. Eu prevejo que ele seja o principal substituto de Giniel de Villiers quando encerrar sua trajetória no Dakar. Não duvido nada que em 2023, Henk Lategan seja ainda mais competitivo e sem exagero, um competidor cotado ao título.

Nani Roma: Poderia ser mais um Dakar muito competitivo, mas acabou tendo um problema muito sério na 4ªespecial, ficando na 78ªposição e algumas outras especiais ruins sacramentaram um Dakar onde o espanhol vai querer esquecer. De positivo foram as vezes que Roma chegou em 4ºlugar nas especiais 3 e 11 e em 5ºlugar nas especiais 2 e 6. Recentemente, Nani Roma teve detectado um tumor maligno detectado na bexiga, mas de possível recuperação e de cura. O Portal Sportszone deseja plena recuperação de Nani Roma e que ele vencer essa batalha.

Stéphane Peterhansel: A Lenda do Dakar que defendia o título em 2021 foi o piloto que mais sofreu com os problemas de confiabilidade do carro Elétrico da Audi. O sonho do 15ºtítulo foi destruído logo na primeira especial, com uma quebra de suspensão. Depois disso, Peterhansel passou a dar assistência para Carlos Sainz que também já tinha ficado de fora da disputa pelo título. A segunda parte foi bem melhor, com todas as especiais entre os Top 10, tanto é que Peterhansel não deixou de conquistar a sua vitória em especial (na 10ªespecial). Com o conceito do carro Elétrico dando certo eu não vejo Peterhansel parando depois do Dakar 2022, pelo contraio, A lenda vai tentar o 15ºcampeonato sem dúvida nenhuma.

Sobre os carros, para o grande público, o trio formado pela Mini Toyota e Audi brigaria pelo título do Dakar de 2022. Assim que começou o Dakar, A Audi com a falta de confiabilidade em seu carro elétrico saiu da disputa. A Mini ficou abaixo das expectativas e nenhum de seus pilotos conseguiu se colocar na luta pelo título.

Já a Toyota se mostrou a melhor das três equipes, mas não foi à equipe soberana do Dakar, isso deve-se muito a BRX Prodrive, com o carro da Hunter e graças ao ótimo trabalho de Sebastien Loeb e o muito bom trabalho do Argentino Orlando Terranova. Em poucos estágios ficou evidente que a batalha estava polarizada entre Nasser Al-Attiyah com seu Toyota Hilux e Sebastien Loeb com seu Hunter durante o restante do Dakar.

Pelo andar da carruagem e pelo passar das corridas, Nasser Al-Attiyah abriu vantagem confortável para conquistar o seu 4ºcampeonato no Dakar e ajudou a marca japonesa a levar seu 2ºcampeonato da sua história. Entre os 5 primeiros colocados, foram 3 pilotos com o carro da Toyota. Além do piloto Catari, tivemos Yazeed al Rajhi em uma inédita 3ªposição e o experiente Giniel de Villiers na 5ªposição. Os outros 2 pilotos foram pilotos da Prodrive, sendo Sebastien Loeb com o seu segundo vice-campeonato e Orlando Terranova com o seu melhor resultado no Dakar, um 4ºlugar muito bem conquistado.

A Toyota tem uma equipe bem maior e mais estrutura do que a Prodrive e conta com muito mais pilotos. Seria um feito da Prodrive ser a campeã do Dakar, mas de fato, mostrou força em ter feito resultados tão bons como fez em 2022.

A Mini foi muito decepcionante, não conseguiu ir além de um modesto 6ºlugar com o polonês Jakub Przygoński e o 8ºlugar do argentino Sebastian Halpern. Pouco para quem teve o título de 2021 com Stephan Peterhansel.

Com o Century CR6, Mathieu Serradori ficou em uma respeitável 7ªposição, outra marca com menor estrutura que incomodou. Já o russo Vladimir Vasilyev levou heroicamente o seu BMW a completar os 10 primeiros colocados.

Para completar as 6 marcas nas 10 primeiras posições, o sueco Mattias Ekström que levou o carro elétrico da Audi ao 9ºlugar, foi pouco para as pretensões da Audi, mas se pensar que é o primeiro ano com um carro elétrico, dá para imaginar um futuro brilhante para os próximos anos.

De resto, faltou um pouco mais de briga pelo título do Dakar nos carros, mas se olharmos por outro olhar acabou sendo um dos mais competitivos Rallys que vimos. Foram 8 vencedores diferentes nas 12 especiais disputadas e novos pilotos se revelando como futuros potenciais de campeonato. Dessa forma, fechamos os trabalhos no Dakar 2022. Os textos serão todos organizados e colocados em um post, com todos os links de todas as especiais e todas as classificações de todos os dias.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar

Dakar 2022 – Avaliação da categoria Quadriciclos

A categoria perdeu completamente a relevância no Dakar, com apenas 20 competidores (Já teve edições com mais de 40 competidores) e o excessivo calor foram determinantes para que apenas 7 pilotos terminassem o Dakar. Desses 7, apenas os 3 primeiros colocados não tiveram problemas graves, os outros ficaram no evento, mas com um atraso enorme em relação ao campeão do Dakar.

Alexandre Giroud conquistou o merecido campeonato nos Quadriciclos. O francês foi o único a não ter nenhum problema significativo durante as especiais do evento. Seus maiores rivais acabaram não completando o evento ou ficando muito para trás.

Apesar de ver os favoritos a vitória sendo vencidos pelo deserto saudita, tivemos um representante Argentino no pódio, Francisco Moreno acabou fazendo a dobradinha da Drag’on na soma dos tempos e foi beneficiado pelos 15 minutos de punição que o polonês Kamil Wisniewski tomou. Sem a punição, Moreno acabaria perdendo a 2ªposição.

Wisnieski fez a parte dele, não foi espetacular, mas foi competente o suficiente para completar o evento e para angariar o pódio. Foi um prêmio para um dos poucos pilotos que resistiram até o final.

Zdenek Tumka, Carlos Alejandro Verza, Marcelo Medeiros e Nicolas Robledo foram os 4 pilotos que completaram a lista dos pilotos que completaram o evento, mas com tempo muito distante dos 3 primeiros colocados.

Manuel Andújar, Giovanni Enrico e Pablo Copetti, três favoritos que tinham o sonho de vencer o Dakar acabaram não chegando ao final do evento. Entre as marcas, foi um passeio dos Quadriciclos da Yamaha que dominou a classificação final, com 6 dos 7 pilotos que chegaram ao final do evento. Apenas a CAM-AM do colombiano Nicolas Robledo conseguiu ser o intruso no ninho das Yamaha.

Para Fechar, ou a organização do Dakar faz um trabalho para os Quadriciclos voltarem a crescer ou vai chegar o ponto de diminuir ainda mais ou a categoria acabar, o que é uma pena, pois é uma categoria que merecia ter muitos competidores e que os antigos pilotos ou pelo menos alguns possam voltar a competir. Junto de um incentivo e até mesmo em um preço de inscrição um pouco menor. Essa receita poderia revigorar a categoria e a disputa nos próximos anos.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar