Em Busca do orgulho perdido Mclaren parte para o segundo ano com a Honda apresentando o MP4-31

Após o péssimo ano de 2015 aonde a Mclaren teve um bom chassi, Mas com um motor terrível nas mãos que era segundo Fernando Alonso um motor de GP2 Series como era o motor Honda as perspectivas para a temporada de 2016 da Mclaren são melhores, o MP4-31 foi apresentado ontem com um tom mais escuro, Mas se espera que o obscuro esteja somente na pintura do carro, Espera-se mais do motor Honda nesse ano e que tenham resolvido os problemas que estão principalmente no sistema de recuperação de Energia que é o maior problema que o motor mostrou em 2015 além da falta de confiabilidade que fez a Mclaren ser punida várias e várias vezes.

OS pilotos continuam sendo os veteranos Fernando Alonso e Jenson Button que apesar do vexame decidiram ficar para tentarem a volta por cima e voltar a disputar pelo menos posições decentes em 2016, Se temia e se teme ainda que Alonso possa sair do time caso o carro seja um bomba igual ou pior do que em 2015 o que eu não acredito e não creio que um time como a Mclaren junto com a Honda trabalhe tão mal por 2 anos seguidos.

As minhas expectativas para a Mclaren são de melhora, Mas até quanto vai melhorar isso veremos nesses testes e veremos se a Honda resolveu os problemas do seu motor e se os pilotos vão estar motivados a passarem mais um ano em posições longe das vitórias, Acredito que Button terá mais facilidade de trabalhar para mudar a situação, Já Alonso pode pular do Barco a qualquer momento caso a coisa esteja preta.

MclarenMP431_2016

Ficha Técnica da Mclaren MP4-31

Monoposto composto de Fibra de Carbono que incorpora os volante do piloto e o tanque de combustível, Célula de sobrevivência Testada e aprovada pelo test-crash da FIA que é exigido pela entidade para ser autorizado a disputar o campeonato.
Carroceria composta de Fibra de carbono que incui a cobertura do motor, Pontos de Fixação das coberturas, aerofólio dianteiro e traseiro com DRS acionado pelo piloto.
Suspensões: Duplo triangulo de fibra de carbono com elementos Pushrod que colocam em funcionamento a barra de torção e o sistema de amortecedor
Peso total: 702 kg (Incluindo o piloto sem o combustível) sendo 802 kg com o tanque cheio
Eletrônica da McLaren que incue Controle do Chassis, Controle da Unidade de potência, Aquisição de dados, Sensores, Analises de dados e Telemetria.
Lubrificantes:

Grasa Mobilith SHC™ 1500 para altas temperaturas
Grasa Mobilith SHC™ 220 – Lubrificante para componentes de Baixa resistência
hidráulico Mobil SHC™ –Lubrificante para Chassis, Transmissão e Unidade de Potência
Pneus: Pirelli P Zero
Motor: HONDA RA616H
peso mínimo: 145 kg
componentes primários: Motor de combustão interna (ICE)
Motor-generador – Cinético (MGU-K) e Calor (MGU-H)
Armazenamento de energia, Turbocompressor e Controle da eletrônica

Moro de Capacidade de 1.6 litros, 6 Cilindros.
ângulo de Inclinação: 90ºGraus de ângulo de Abertura
24 Válvulas
Rotação máxima: 15.000 rpm
Fluxo de Combustível máximo: 100 kg/Hora – A cima de 10.500 RPM
Combustível: Esso tendo 5,75% de Biocombustível
Lubrificante: Mobil 1

Sistema de recuperação de energia

Sistema de recuperação de energia híbrida integrada através dos motores-Geradores
armazenamento de energia: Bateria de lítio de entre 20 a 25 kg
Armazenamento máximo de energia: 4 MJ por volta
MGU-K     Velocidade máxima: 50.000 rpm
Potencia máxima: 120 kW
Recuperação máxima de energia: 2 MJ por Volta
potência máxima de energia: 4 MJ por volta
MGU-H     Velocidade máxima: 125.000 rpm
Potencia máxima e Recuperação máxima de energia: ilimitada

Transmissão: 8 Marchas com uma Marcha ré, Composto de Fibra de Carbono, Montada longitudinalmente, Acionado de de forma eletrohidráulicamente

Fotos:

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos e Informações : Mclaren

Sem categoria

Deixe uma resposta