Dakar 2022 – Avaliação da categoria Carros

Nasser Al-Attiyah: Um dos melhores pilotos de Rally, o piloto Qatari mostrou que estava mais uma vez disposto a vencer o Dakar. O que se viu foi uma pilotagem precisa, perfeita e com um equipamento confiável nas mãos. Al-Attiyah fez uma bela vantagem sobre seus rivais e passou a administrar a sua confortável vantagem até a última especial. Resultado disso foi o 4ºtítulo para Qatari e o 3ºtítulo da Toyota no Rally Dakar. Por sinal, um merecidíssmo título, Nasser Al-Attiyah conquistou vitória em 2 especiais e 5 resultados entre os 3 primeiros lugares e perdas de tempo muito pequenas. Uma apresentação digna de aplausos.

Sebastien Loeb: O tão sonhado e buscado 1ºtítulo no Rally Dakar vai ter de esperar até 2023. Isso não significa que não houve esforço do piloto francês, piloto da Prodrive. Em termos de resultados, Loeb obteve melhores números, com 2 vitórias em especiais, 3 segundos lugares e 1 terceiro lugar. Porém, os resultados de 2 especiais (3ª e 6ªespeciais) acabaram por comprometer suas chances de campeonato. Loeb tentou tirar a diferença que Nasser Al-Attiyah tinha, mas a diferença era grande demais (chegou a ser mais de 50 minutos) e não pode ser tirada. Ao final, Loeb, o multicampeão do WRC repete o vice-campeonato de 2017, naquela oportunidade foi vice de Stephan Peterhansel . Desta vez, foi vencido por Nasser Al-Attiyah. Quem sabe, Loeb não consiga o seu tão sonhado campeonato do Rally Dakar que persegue a 6 anos (5 participações).

Yazeed Al-Rajhi: O piloto saudita fez um belo Dakar e levou a bandeira de seu país ao pódio, foi o primeiro pódio na soma dos tempos. O piloto da Toyota não chamou a atenção pelos desempenhos. Tanto é que o saudita fez apenas 1 resultado entre os Top 3 (Na 6ªespecial). Porém, ele foi crescendo a cada especial, graças a sua regularidade é que permitiu ao saudita conquistar a terceira posição na classificação final. Posição que chegou a ficar perto a 7 anos atrás (no Dakar de 2015), mas que escapou das suas mãos por causa de uma quebra de equipamento.

Orlando Terranova: Um dos pilotos mais experientes do 1ºpelotão, o Argentino, as vezes temperamental, as vezes desacreditado obteve seu melhor resultado da história dele no Dakar. Terranova teve em mãos um grande equipamento (Equipe Prodrive BRX) e soube usar muito bem esse equipamento, conquistando uma vitória em especial, algo que não vinha a 7 anos e conquistando a 4ªposição na soma dos tempos. Seu melhor resultado tinha sido o 5ºlugar nos anos de 2013 e 2014. Depois desse grande resultado, tenho certeza que Terranova foca um Top 3 na soma dos tempos em 2023.

Giniel De Villiers: O Campeão do Dakar de 2009 só não conseguiu algo melhor que a 5ªposição por causa de uma especial (7ªEspecial) muito ruim, mas de resto, novamente o sul-africano usou de sua enorme experiência para ser um piloto regular. De Villiers conquistou uma vitória em especial e venceu a batalha contra o polonês Jakub Przygoński na reta final do Rally. Giniel de Villiers deve se sentir orgulhoso que existam novos pilotos Sul-africanos e que vão continuar seu respeitável legado quando o piloto pendurar seu capacete e encerrar sua trajetória no esporte.

Jakub Przygoński: Foi sem dúvida o melhor piloto da Mini nesse Dakar, mas tendo em mente que a marca foi a campeã de 2021, acabou sendo frustrante demais o polonês não ter qualquer chance de brigar pelo título do Dakar. Entre as 12 especiais, Jakub só conseguiu chegar por duas vezes entre os 5 primeiros colocados. Chegou até a ficar em 4ºlugar após a 8ªespecial, mas Przygoński não conseguiu se segurar entre os Top 5. O único consolo foi ter sido o melhor piloto da sua marca, o 6ºlugar na soma dos tempos é um bom resultado, mas para quem viu Stephan Peterhansel, campeão em 2021 com o mesmo carro da Mini acaba sendo frustrante o resultado.

Mathieu Serradori: O piloto da SRT Racing conseguiu um estupendo resultado. Evidente que o francês não tinha um carro a altura de vencer o Dakar, mas ele foi a luta e conseguiu resultados muito interessantes, com o 4ºlugar na 5ªespecial e conseguiu em 6 especiais se colocar entre os 10 primeiros colocados. Mathieu levou o carro da Century CR6 ao 7ºlugar, seu melhor resultado no Rally Dakar, sem dúvida vai servir de motivação para o piloto e a equipe vir mais forte para o Dakar de 2023.

Sebastian Halpern: De volta depois de 4 anos de ausência, Eu digo que obteve uma boa participação, sem chamar muita a atenção, apenas com o objeto de ser regular e não ter grandes problemas durante as especiais. Assim foi feito e proporcionou o argentino a conseguir um lugar no Top 10 da soma dos tempos, chegando em 8ºlugar, nada mal para quem voltou depois de um hiato de 4 anos.

Mattias Ekström: O melhor piloto da Audi na classificação final do Dakar, mas a se pensar, os problemas de confiabilidade do carro elétrico da Audi acabaram por complicar demais a vida do piloto sueco, que se mostrou um piloto muito rápido. Resultado de sua rapidez foi a vitória na 8ªespecial e muitos resultados entre os Top 5 (5 ao todo).

A sua complicação veio nos primeiros estágios (principalmente no primeiro e no quarto estágio) é que as chances de título se esvaíram por completo. Porém, sua recuperação foi notável, dia após dia, Ekström subia na classificação até chegar ao final do Dakar em uma digna 9ªposição na soma dos tempos. Pelo menos a Audi salvou um resultado entre os 10 primeiros lugares. Se continuar como piloto da marca alemã, Ekström tem grandes chances de disputar o título no ano que vem.

Vladimir Vasilyev: O Russo que vem de bons resultados chegou ao Dakar com o objetivo de um ótimo resultado, entre os 5 primeiros colocados. Nas primeiras especiais, parecia que a expectativa seria cumprida, mas não foi isso que aconteceu. Na parte final do Dakar, russo começou a perder terreno na soma dos tempos e a situação se agravou na última especial, perdendo um tempo precioso que o fez cair da 7ª para a 10ªposição. Foi um revés desapontador para quem foi o 6ºcolocado na edição passada do Dakar. Pelo menos Vasilyev salvou posição entre os 10 primeiros com sem BMW.

Carlos Sainz: Contratado pela Audi para ser um dos favoritos ao título do Dakar 2022, mas acabou prejudicado pela falta de confiabilidade do carro elétrico da marca das 4 argolas. O Espanhol conseguiu se recuperar muito bem, chegou a ficar na 47ªposição e chegou na 12ªposição, a 37 minutos do 10ºcolocado. “El matador” quando teve carro em ordem acabou sendo bastante competitivo. Talvez sem os problemas, pudesse até ter vencido o Dakar esse ano. Sainz venceu 2 especiais e ficou no Top 3 em 6 especiais. Ou seja, metade das especiais tivemos o piloto da Audi no pódio. Se continuar na Audi ou ir para uma equipe competitiva é sem dúvida favorito ao título na próxima jornada.

Brian Baragwanath: 3ºcolocado nos Quadriciclos em 2016, Baragwanath vem começando a trilhar um belo caminho nos carros, Mesmo com um equipamento ainda não competitivo para vencer o Dakar o sul-africano demonstra talento, prova foi o 4ºlugar na 6ªespecial e o 3ºlugar na última especial. Certamente vai estar disputando o Top 10 em edições futuras do Dakar, seja pelo carro da Century ou por uma equipe mais competitiva.

Shameer Variawa: Outro sul-africano que se destacou, mas bem menos do que Baragwanath e Lategan. De positivo, fez um bom resultado na 6ªEspecial (7ºlugar) e acabou melhorando em 5 posições sua classificação do Dakar de 2021.

Bernhardt Ten Brinke: Entrou de última hora no lugar de Erik van Loon e fez um bonito papel. Apesar de duas desastrosas especiais, devemos ressaltar que por 2 vezes o piloto holandês ficou na 6ªposição em duas especiais seguidas (6ª e 7ªespeciais). Ten Brinke ficou 5 vezes no top 10 em especiais, mostrando competência, mesmo com poucas condições e sem estar totalmente aclimatado com o equipamento.

Lucio Alvarez: O piloto argentino que fez bonito nessa edição do Dakar, com 1 segundo lugar na 11ªespecial e um 3ºlugar logo na primeira especial. Durante a primeira metade do Dakar, disputou as primeiras posições e tinha toda a pinta de repetir ou de até melhorar o seu melhor resultado conquistado no Dakar. Porém, um problema em seu carro derrubou o argentino na soma dos tempos, perdendo quase 4 horas e caindo para a 22ªposição. Uma pena, pois era um dos candidatos a chegar ao pódio em 2022. Que os contratempos não aconteçam no ano que vem.

Cyril Despres: O francês teve uma fraca participação, sem se destacar em nada, sem um carro a altura. Despres não fez nenhuma falta em 2022.

Laia Sanz: Um ano de aprendizado nos carros, Sanz cansou de vencer as suas adversárias entre as mulheres e foi para a categoria dos carros. Não teve nenhum destaque, mas é de destacar a ida a uma nova categoria e a sua intenção de fazer sucesso nos próximos anos.

Martin Prokop: Uma decepção, eu esperava muito que ele pudesse disputar até mesmo lugar entre os Top 10 e até estava conseguindo, mas muito devido a sua regularidade. Porém, teve problemas na 10ªespecial. Com isso, o resultado do piloto tcheco da Ford foi para o espaço, terminou na 25ªposição na classificação geral, longe dos melhores atuações que teve no passado (6ºlugar em 2019 e 7ºlugar em 2018).

Henk Lategan: Foi o piloto que mais me chamou a atenção do Dakar 2022, com brilhantes exibições e grandes resultados. O sul-africano que abandonou no ano passado, impressionou nessa edição do Dakar, com 2 vitorias em especiais (na 5ª e na última especial), 2 vezes em segundo lugar, 1 vez em terceiro lugar e mais uma vez em 5ºlugar. Ou seja, metade das especiais entre os 6 primeiros colocados. Porém, ao mesmo tempo, teve problemas em várias especiais que detonaram qualquer chance de um bom resultado na soma dos tempos. Eu prevejo que ele seja o principal substituto de Giniel de Villiers quando encerrar sua trajetória no Dakar. Não duvido nada que em 2023, Henk Lategan seja ainda mais competitivo e sem exagero, um competidor cotado ao título.

Nani Roma: Poderia ser mais um Dakar muito competitivo, mas acabou tendo um problema muito sério na 4ªespecial, ficando na 78ªposição e algumas outras especiais ruins sacramentaram um Dakar onde o espanhol vai querer esquecer. De positivo foram as vezes que Roma chegou em 4ºlugar nas especiais 3 e 11 e em 5ºlugar nas especiais 2 e 6. Recentemente, Nani Roma teve detectado um tumor maligno detectado na bexiga, mas de possível recuperação e de cura. O Portal Sportszone deseja plena recuperação de Nani Roma e que ele vencer essa batalha.

Stéphane Peterhansel: A Lenda do Dakar que defendia o título em 2021 foi o piloto que mais sofreu com os problemas de confiabilidade do carro Elétrico da Audi. O sonho do 15ºtítulo foi destruído logo na primeira especial, com uma quebra de suspensão. Depois disso, Peterhansel passou a dar assistência para Carlos Sainz que também já tinha ficado de fora da disputa pelo título. A segunda parte foi bem melhor, com todas as especiais entre os Top 10, tanto é que Peterhansel não deixou de conquistar a sua vitória em especial (na 10ªespecial). Com o conceito do carro Elétrico dando certo eu não vejo Peterhansel parando depois do Dakar 2022, pelo contraio, A lenda vai tentar o 15ºcampeonato sem dúvida nenhuma.

Sobre os carros, para o grande público, o trio formado pela Mini Toyota e Audi brigaria pelo título do Dakar de 2022. Assim que começou o Dakar, A Audi com a falta de confiabilidade em seu carro elétrico saiu da disputa. A Mini ficou abaixo das expectativas e nenhum de seus pilotos conseguiu se colocar na luta pelo título.

Já a Toyota se mostrou a melhor das três equipes, mas não foi à equipe soberana do Dakar, isso deve-se muito a BRX Prodrive, com o carro da Hunter e graças ao ótimo trabalho de Sebastien Loeb e o muito bom trabalho do Argentino Orlando Terranova. Em poucos estágios ficou evidente que a batalha estava polarizada entre Nasser Al-Attiyah com seu Toyota Hilux e Sebastien Loeb com seu Hunter durante o restante do Dakar.

Pelo andar da carruagem e pelo passar das corridas, Nasser Al-Attiyah abriu vantagem confortável para conquistar o seu 4ºcampeonato no Dakar e ajudou a marca japonesa a levar seu 2ºcampeonato da sua história. Entre os 5 primeiros colocados, foram 3 pilotos com o carro da Toyota. Além do piloto Catari, tivemos Yazeed al Rajhi em uma inédita 3ªposição e o experiente Giniel de Villiers na 5ªposição. Os outros 2 pilotos foram pilotos da Prodrive, sendo Sebastien Loeb com o seu segundo vice-campeonato e Orlando Terranova com o seu melhor resultado no Dakar, um 4ºlugar muito bem conquistado.

A Toyota tem uma equipe bem maior e mais estrutura do que a Prodrive e conta com muito mais pilotos. Seria um feito da Prodrive ser a campeã do Dakar, mas de fato, mostrou força em ter feito resultados tão bons como fez em 2022.

A Mini foi muito decepcionante, não conseguiu ir além de um modesto 6ºlugar com o polonês Jakub Przygoński e o 8ºlugar do argentino Sebastian Halpern. Pouco para quem teve o título de 2021 com Stephan Peterhansel.

Com o Century CR6, Mathieu Serradori ficou em uma respeitável 7ªposição, outra marca com menor estrutura que incomodou. Já o russo Vladimir Vasilyev levou heroicamente o seu BMW a completar os 10 primeiros colocados.

Para completar as 6 marcas nas 10 primeiras posições, o sueco Mattias Ekström que levou o carro elétrico da Audi ao 9ºlugar, foi pouco para as pretensões da Audi, mas se pensar que é o primeiro ano com um carro elétrico, dá para imaginar um futuro brilhante para os próximos anos.

De resto, faltou um pouco mais de briga pelo título do Dakar nos carros, mas se olharmos por outro olhar acabou sendo um dos mais competitivos Rallys que vimos. Foram 8 vencedores diferentes nas 12 especiais disputadas e novos pilotos se revelando como futuros potenciais de campeonato. Dessa forma, fechamos os trabalhos no Dakar 2022. Os textos serão todos organizados e colocados em um post, com todos os links de todas as especiais e todas as classificações de todos os dias.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar

Um comentário em “Dakar 2022 – Avaliação da categoria Carros

  1. Pingback: Dakar 2022 – Todas as matérias escritas – Portal Sportszone

Deixe um comentário