Especial Ligier : Temporada de 1996

Após um belo ano de 1995. A Ligier novamente passa por mudanças. O escocês Tom Walkinshaw que fazia parte da sociedade com Flavio Briatore e Guy Ligier vende 35% das suas ações para um grupo de empresas francesas, essas empresas pretendiam nacionalizar a escuderia com a ajuda do governo Francês.

Mas Isso seria difícil, Tendo Flavio Briatore como um dos sócios da equipe, Um homem de caráter duvidoso. (Para não dizer um canalha) Isso poderia  afugentar as empresas francesas, que poderiam ser a salvação da Ligier para o futuro.

Após 20 temporadas, A Marca Ligier no seu carro a SEITA (Service Exploitation Industrielles des Tabacs) acabou colocando no lugar da Gitanes uma outra marca de Cigarros, A Gauloises.

Os pilotos seriam Olivier Panis que partia para a 3ªtemporada na Formula 1 sendo visto com bons olhos por todos na categoria e que tentaria de vez a consolidação que poderia dar um lugar entre as grandes equipes. já a segunda vaga como o caixa da Ligier não era cheio do dinheiro. Dai viram a opção do Brasileiro Pedro Paulo Diniz que trazia não um talento que saltava os olhos, (Ele tinha algum talento, Mas ele começou a evoluir no decorrer dos anos na Formula 1) Mas sim pelo número de Patrocinadores que ele levava com ele. Isso tornava ele uma grande contratação e foi isso que aconteceu.

O fato é que essa contratação teria um efeito colateral: O time teria de contar muito com Panis para ter uma boa temporada, E com o bom desempenho dos motores Mugen-Honda em sua nova versão com mais potência e com o Chassi JS43 desenvolvido por André Cortanze (Dir. Técnica), Frank Dernie (projeto) e Loic Bigeois (aerodinâmica).

Mal sabia que essa seria a última temporada da Ligier que começou na Austrália com Panis largando do 11ºlugar e completando a corrida em 7ºlugar, O brasileiro Pedro Paulo Diniz largou em 20ºlugar com menos talento que Panis acabou levando o seu carro para um Razoável 10ºlugar.

Indo para o Brasil em Interlagos o Treino foi ruim para a Ligier: Panis largando em 15º e Diniz largando em último atrás até das Forti Corsi que eram o pior carro do ano por que não respeitou um item no regulamento, Mas seu tempo iria deixar ele em 18º no grid sem a punição. No domingo muita chuva na corrida inteira, Uma prova de fogo para todos os pilotos, Mesmo assim os dois pilotos da Ligier se mostraram eficientes e terminaram a prova, Panis foi levando o seu carro e aproveitando os erros dos outros adversários levando o Ligier-Mugen Honda para o 6ºLugar e com isso conquistar o primeiro ponto na temporada. Diniz largando do último lugar acabou surpreendentemente andando bem na chuva chegando em 8ºlugar. (Chegou a andar uma volta da corrida em 7ºlugar)

Encerrando a temporada na América do Sul na Argentina a prova ficou marcada pelo incêndio do carro de Pedro Paulo Diniz que na 30ªVolta acabou rodando e com o seu carro pegando fogo, Diniz saiu rápido de seu carro e deixou a corrida. Panis levou o carro até o final chegando em 8ºlugar.

Indo para Nurburging prova que marcou o começo da temporada europeia o Grid foi ruim para Panis e Diniz largando em 15º e 17ºlugar, Na corrida somente Diniz levou o carro até o final da prova ficando em 10ºlugar.

Em San Marino Diniz bateu na trave para marcar pontos ficando em 7ºlugar após largar da 17ªPosição e fazendo uma boa corrida, Panis em 13º no Grid de largada acabou deixando a prova com problemas de Câmbio nas voltas finais.

Em 5 etapas a Ligier tinha apenas 1 ponto ganho em Interlagos e estava em 7ºlugar no mundial de construtores empatado com a Footwork-Hart.

E ai chegou o dia 19 de Maio, dia do GP de Mônaco, Uma corrida em que a Ligier não esperava muita coisa. O JS43 não era competitivo o Bastante para fazer frente com as melhores equipes do campeonato, Panis largava do 14ºlugar e Diniz largava do 17ºlugar.

Só que o GP de Mônaco se tornaria histórica para a Ligier, Na largada sobre chuva já ficavam 5 pilotos (Fisichella, Lamy, Verstappen, Schumacher e Barrichello) todos envolvidos em rodadas e acidentes, Nisso tudo Panis estava em 12º e Diniz em 16º. O piloto Brasileiro subiu duas posições devido aos abandonos de Rosset e Katayama, Mas na 6ªVolta Diniz deixaria a corrida com problemas na Transmissão.

Panis aos poucos com os erros dos outros adversários começava a subir na classificação, Mas também conseguiu ultrapassagens por conta própria. Panis passou no Braço Hakkinen e Herbert. Na 30ªVolta Panis já estava em 4ºlugar e a partir dai a sorte sorriu para o piloto Francês. Irvine perdeu muito tempo nos boxes na 36ªVolta. Isso já colocava o Francês no pódio.

Se não bastasse isso a sorte sorriu outra vez a Panis. Na 41ªvolta o Líder Damon Hill teve problemas de Motor e deixou a liderança com Alesi da Benetton. Panis agora era o segundo colocado. Se nada mais acontecesse já seria um grande resultado para o time azul.


Vídeo: TVS088

A corrida vinha se desenvolvendo e tudo indicava a vitória de Alesi. Até que na volta 61, o piloto Francês abandona com problemas de suspensão. Panis passou para a liderança, Quem imaginava a Ligier podendo vencer de novo uma corrida? Talvez só o mais fanático dos torcedores e o Próprio Olivier Panis imaginassem isso.

Foi uma agonia e uma tensão para toda a equipe francesa durante as últimas 14 voltas. Ainda mais com o acidente entre Irvine, Salo e Hakkinen, nas voltas finais e com o Escocês David Coulthard da Mclaren se aproximando do piloto Francês.

Mas o dia era mesmo do piloto Francês que não sentiu a pressão e levou o carro número até o final. Vencendo pela primeira vez na sua carreira e encerrando o jejum de quase 15 anos sem vitória da Ligier. (A última foi no GP do Canadá de 1981 com Jacques Laffite)

Uma festa para a Equipe de Guy Ligier que conquistava a 9ªVitória na sua história (Que também seria a última da equipe na Formula 1). O time iria a 11 pontos no campeonato passando para o 5ºlugar nos construtores na frente de Jordan e de Sauber.

Na Espanha, Panis largou em 8ºlugar e Diniz em 17ºlugar na corrida em dia chuvoso Panis sofreu um acidente na segunda volta e deixou a corrida, Já Diniz sobreviveu ao diluvio de Barcelona e levou o carro para a 6ªposição marcando seu primeiro ponto na Formula 1 e ajudando a Ligier a manter o 5ºlugar nos construtores com 12 pontos contra 10 de Sauber e 8 da Jordan.

No Canadá, Tanto Panis que largou em 11º como Diniz que largou em 18ºlugar acabaram abandonado com problemas em seus carros Panis com problemas Elétricos e Diniz com problemas de Motor. Em Magny-Cours, na casa da Ligier, Olivier Panis largou em 9ºlugar e Diniz largou em 11ºlugar, Na corrida Diniz foi melhor do que Panis até quebrar o motor até a 29ªVolta, Panis ficou em 7ºlugar ficando perto de marcar pontos em sua casa.

Em Silverstone, Foi uma etapa terrível para Panis e Diniz que abandonaram a corrida após largaram lá atrás.

Na Alemanha, ficou comprovado a evolução do Diniz em relação ao seu desempenho no começo do ano. Pela primeira vez no ano largando na frente de Panis que dividiu a 6ªfila que o piloto Francês, Diniz estava na frente de Panis até deixar a corrida com problemas em seu carro. Panis continuou até o final da prova terminando a corrida em boa 7ªposição.

Na Hungria, A Ligier voltou a marcar pontos com Panis que largou em 11ºlugar levou o fraco Ligier a ficar em 5ºlugar apenas atrás de Villeneuve – Hill – Alesi – Hakkinen, Diniz bateu na segunda volta após largar em 15ºlugar.

Em Spa-Francorchamps Panis se envolveu em um acidente com os pilotos da Sauber Frentzen e Herbert e abandonou a corrida. Diniz andou lá atrás,  até quebrar o motor na 23ªVolta.

GP da Itália em Monza foi histórico. Pois ficou a cargo de Pedro Paulo Diniz o autor do último ponto marcado pela Ligier na história da equipe na Formula 1, Largando do 14ºlugar e fazendo uma bela corrida chegando em 6ºlugar na frente de Jacques Villeneuve com a Williams.

Na última etapa na Europa, Em Estoril Panis largou em 15ºlugar e terminou a corrida em 10ºlugar, Diniz largou em 18ºlugar e rodou deixando a prova na 47ªVolta. Encerrando a temporada no Japão o que seria a última prova da história da equipe francesa na Formula 1. Olivier Panis largou do 12ºlugar e terminou a corrida em 7ºlugar, Diniz largou em 16º e abandonou na 14ªvolta após rodar.

Com isso a Ligier fechava em 6ºlugar o mundial de construtores com 15 pontos ganhos, 1 Vitória conquistada em Mônaco depois de 15 anos sem vitória, Sendo 13 pontos de Olivier Panis e 2 pontos de Pedro Paulo Diniz. No dia 13 de Fevereiro de 1997 o Francês Tetracampeão do mundo Alain Marie Pascal Prost (Mais conhecido como Alain Prost) comprou de Flávio Briatore a Ligier e Rebatizou o time de Prost Grand Prix.

Era o fim de uma história de 20 anos de uma das equipes mais marcantes da História da Formula 1: 613 corridas, 9 Vitórias, 9 poles, 9 melhores voltas, 50 pódios, 388 pontos e como seus melhores resultados um Vice-Campeonato dos construtores em 1980. O terceiro lugar em 1979 e o 4ºlugar em 1981.

Curiosidade: O JS em todos os Chassis da Ligier era homenagem ao Amigo de Guy Ligier Jo Schlesser que foi companheiro do piloto na Formula 2 na sua própria equipe, o piloto Francês acabou morrendo no GP da França. Com isso em Forma e Homenagem Guy Batizou todos os seus carros feitos com o JS não só nos carros de Formula 1 como em outros carros já que ele é construtor de carros hoje com 85 anos de idade ainda vivo.

Números da Ligier em 1996:

Gps: 32
Vitórias: 1
Poles: 0
Pódios: 1
Pontos: 15
Motor: Mugen Honda MF301HA V10
10 Cilindros em v
2998 cm³
Potência: 690 Cavalos – 13700 RPM
Pilotos:
9. Olivier Panis
10. Pedro Paulo Diniz
Pneus: Goodyear
Número de Voltas completadas: 1.336

Chassi: Ligier JS43
Projetistas: André Cortanze (Dir. Técnica)
Frank Dernie (projeto)
Loic Bigeois (aerodinâmica)
Chassis: Monocoque de Carbono e Kevlar
Peso: 595 kg
Transmissão: Ligier sequencial semi-automática T – 6 Marchas
combustível e óleo: Elf
Tank: 150 Litros
Freios: Freios a disco de carbono – Brembo
Distância entre eixos: 2.935 milímetros
Eixo Dianteiro: 1.693 milímetros
Eixo traseira: 1.608 milímetros

Fotos:

View post on imgur.com

Dados da Ligier na Formula 1:

GPs: 613
Vitórias: 9
Pódios: 50
Melhores Voltas: 9
Poles: 9
Pontos: 388
Número de Voltas completadas: 26.265
Voltas Lideradas: 565
Motores:

Ford Cosworth
Matra
Renault
Megatron
Judd
Lamborghini
Mugen-Honda
Alfa Romeo

Chassis:

JS5 – 1976
JS7 – 1977
JS9 – 1978
JS11 – 1979
JS11/15 – 1980
JS17 – 1981/1982
JS17B – 1982
JS19 – 1982
JS21 – 1983
JS23 – 1984
JS23B – 1984
JS25 – 1985
JS27 – 1986
JS29 – 1987
JS29B – 1987
JS29C – 1987
JS31 – 1988
JS33 – 1989
JS33B – 1990
JS35 – 1991
JS35B – 1991
JS37 – 1992
JS39 – 1993
JS39B – 1994
JS41 – 1995
JS43 – 1996

Pilotos da Ligier:

Jacques Laffite (França) 206 Pontos – 6 Vitórias, 7 Poles, 6 Melhores Voltas, 31 Pódios (197619771978197919801981198219851986)
Jean-Pierre Jarier (França) (19771981)
Patrick Depailler (França) 22 Pontos – 1 Vitória, 1 melhor volta, 2 Pódios (1979)
Jacky Ickx (Bélgica) 3 Pontos (1979)
Didier Pironi (França) 32 Pontos – 1 Vitória, 2 poles, 2 Melhores Voltas, 5 Pódios (1980)
Jean P. Jabouille (França) (1981)
Patrick Tambay (França) (1981)
Eddie Cheever (Estados Unidos) 15 Pontos, 3 Pódios (1982)
Raul Boesel (Brasil) (1983)
François Hesnault (França) (1984)
Andrea De Cesaris (Itália) 6 Pontos (19841985)
Philippe Streiff (França) 4 Pontos, 1 Pódio (1985)
René Arnoux (França) 17 Pontos (1986-198719881989)
Philippe Alliot (França) 1 Ponto (19861990)
Piercarlo Ghinzani (Itália) (1987)
Stefan Johansson (Suécia) (1988)
Olivier Grouillard (França) (1989)
Nicola Larini (Itália) (1990)
Thierry Boutsen (Bélgica) 2 Pontos (19911992)
Érik Comas (França) 4 Pontos (19911992)
Martin Brundle (Inglaterra) 20 Pontos, 2 Pódios (19931995)
Mark Blundell (Inglaterra) 10 Pontos, 2 pódios (1993)
Olivier Panis (França) 39 Pontos – 1 Vitória, 3 Pódios (199419951996)
Franck Lagorce (França) (1994)
Éric Bernard (França) 4 Pontos, 1 Pódio (1994)
Johnny Herbert (Inglaterra) (1994)
Aguri Suzuki (Japão) 1 Ponto (1995)
Pedro Paulo Diniz (Brasil) 2 Pontos (1996)

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic

Especial Ligier: 19761977197819791980198119821983 –19841985 –1986 –1987 – 19881989 – 1990 – 1991 – 199219931994 – 1995

Especial Ligier : Temporada de 1995

Após o fiasco que foi a temporada de 1994 para a Ligier a equipe acabou sendo vendida para o senhor Flávio Briatore, Mas não foi para melhorar a equipe, Foi com a intenção bem sucedida de Tomar os motores Renault para a equipe aonde ele trabalhava que era a Benetton.

“Mas ele poderia trabalhar em duas equipes?” O Regulamento não permitia! Então como Briatore fez isso? Antes, A equipe já tinha sido vendida para Cyril de Rouvre que acabou no final de 1993 preso por acusações de Fraude e evasão fiscal. As ações voltaram para Guy que sentia que sua equipe era cobiçada por todos por causa dos motores Renault.

As ações da Ligier foram vendidas para Briatore. Que colocou Tom Walkinshaw para comandar a equipe. Era uma forma de burlar o Regulamento da Formula 1.

E a Ligier ficaria sem nada??? Não, Briatore acabou atropelando um acordo de motores que a Mugen-Honda tinha com a Minardi. Com isso os motores japoneses foram para a equipe francesa (Isso é Típico daquele mal caráter que era Briatore, pobre Ligier)

Veja a Semelhança dos carros da Benetton e da Ligier, Apenas se diferenciando por alguns detalhes e pelos motores.
Veja a Semelhança dos carros da Benetton e da Ligier, Apenas se diferenciando por alguns detalhes e pelos motores.

E pobre da Ligier mesmo, Tinha um oportunista como dono da equipe, Ele faria da Ligier uma espécie de laboratório. Não precisa ser um gênio para saber disso. Basta comparar o Chassi da Ligier com o Chassi da Benetton. O Chassi da ligier praticamente igual ao Chassi da Benetton de 1995. Ou seja, A Ligier não fez carro nenhum para essa temporada. Mas o JS41 foi desenvolvido pelos projetistas Frank Dernie (Diretor Tecnico) e Loic Bigeois (Aerodinâmica)

Mas o Design foi do projetista da Benetton Rory Byrne, Mas o nome dele não foi colocado, Diferente do passado a Formula 1 estava mais organizada e não se permitia a ninguém trabalhar em 2 ou mais equipes ao mesmo tempo, Mas se era assim, porque então Briatore não saiu da Benetton e foi comandar a Ligier se ele tinha comprado? Isso mostra o quanto a Formula 1 era profissional, Mas muito frágil na Hora de se cumprir o regulamento (E até hoje isso é assim).

Os pilotos seriam o Francês Olivier Panis que era um grande talento francês para o futuro e com o segundo carro ele seria dividido entre o experiente piloto Inglês Martin Brundle que já teve passagem pela Ligier em 1993 e Aguri Suzuki que já tinha passagens pela Larrousse e Footwork para não falar de uma corrida na Jordan e de uma temporada na Zakspeed em 1989 aonde o carro era horrível e ele se quer conseguiu classificação para uma corrida se quer.

Suzuki faria as primeiras corridas do campeonato junto de Panis, Corrida essa realizada em Interlagos que abria pela 4ªvez o mundial de Formula 1 (As outras foram 1975, 1976 e 1994). Logo se constatou que a Ligier ficaria a principio no bloco intermediário pelo menos em termos de Grid de largada, Panis iria largar em 10ºlugar e Suzuki em 15ºlugar. Na Corrida Panis se acidentou na primeira volta da corrida, Suzuki levou a ligier até a 8ªposição atrás da Tyrrell-Yamaha V10 de Mika Salo e só na frente dos carros da lentíssima Forti Corsi de Diniz e Moreno o que era uma preocupação para Briatore e a equipe azul.

Na Argentina, mais uma vez a Ligier não vai muito bem nos treinos Panis se coloca apenas em 18ª e Suzuki em 19ª, Na corrida pelo menos Panis vai bem melhor e por muito pouco não leva a Ligier para seu primeiro ponto na temporada terminando a prova em 7ºlugar, Já Suzuki estava lá atrás e acabou se acidentando na 47ªVolta e abandonou a prova.

ARG1995 (5)

Partindo para a primeira corrida na Europa, Em Imola ainda com a configuração Panis e Suzuki como pilotos, O Grid foi razoável com Panis em 12º e Suzuki em 16º, Na Corrida ambos largaram mal e não fizeram nada além de uma corrida da metade da classificação isso com o mesmo carro da Benetton praticamente, Panis ficou em 9ºlugar a 1 volta do vencedor e Aguri Suzuki em 11º a 2 Voltas do vencedor.

A partir do GP da Espanha teríamos a Configuração dos pilotos sendo mudada, Suzuki daria lugar para o experiente Martin Brundle que faria dupla com Olivier Panis e nessa corrida feita na Catalunha é que Panis largando do 15ºlugar fez uma bela corrida e na última volta conseguiu passar Rubens Barrichello e acabou ficando em 6ºlugar levando para a Ligier o primeiro ponto na temporada, Brundle que teve uma classificação no Treino melhor que Panis largando do 11ºlugar acabou a corrida em 9º.

Em Mônaco nas ruas de Monte Claro a equipe Francesa teve o melhor treino do ano até aquele momento com Brundle em 8ºlugar e Panis em 12º. Na Corrida ambos bateram, Brundle perto dos pontos bateu na 41ªVolta levou um toque de Jean Alesi e abandonou a corrida e Panis bateu no final da corrida quando estava em 8ºlugar.

Indo para a prova do Canadá, na tradicional Montreal foi Olivier Panis que teve um belo momento após largar numa 11ªposição e numa corrida  desgastante o Francês resistiu até o final levando seu Ligier-Mugen Honda a uma excelente 4ªposição. Brundle que largou em 14º poderia muito bem ter levado a Ligier aos pontos também, Mas se envolveu em um acidente com Gerhard Berger (que diga-se de passagem foi o culpado pelo acidente) que eliminou ambos da corrida quando disputavam a 5ªposição.

Voltando para a Europa, Na corrida da Casa em Magny-Cours praticamente na porta de casa (Sede da Ligier ficava na Região desse Circuito) Panis com o 6ºlugar e Brundle com o 9ºlugar fizeram o melhor grid do ano naquele momento lembrando um pouco os bons momentos de 1992 e 1993 aonde o time costumava largar bem. Na Corrida Panis acabou não correndo bem ficando em 9ºlugar no final da corrida, Mas Brundle pelo contraio fez sua melhor exibição de longe chegando a estar em 3ºlugar por algumas voltas até perder essa posição para Coulthard ficando com uma honrosa 4ªposição ,Faltando bem pouco para o inglês ter ganho o pódio.

Isso deixou a  Ligier já com 7 pontos em 7 corridas na 6ªposição a 1 ponto da Mclaren, O problema é que no Canadá a Jordan fez 10 pontos dos 13 que tinha até essa corrida e estava em 4ºlugar nos construtores e essa seria a natural Briga da Ligier no campeonato tentando o 5ºlugar dos construtores disputando com a Jordan e com a Sauber que tinha 4 pontos.

Mesmo dividindo o carro com Suzuki Brundle conseguiu bons resultados com a Ligier.
Mesmo dividindo o carro com Suzuki Brundle conseguiu bons resultados com a Ligier.

No Grande Prêmio da Inglaterra um dos templos do automobilismo Mundial o Circuito de Silverstone outra corrida com um Ligier nos pontos. Panis em 13ºlugar no grid fez uma corrida de cabeça, se aproveitou do erro de outros pilotos e levou o carrinho azul ao 4ºlugar e melhor disso na frente da Mclaren de Blundell que ficou em 5º, Brundle em 11º acabou rodando na 17ªVolta e deixando a prova. Ao final da metade do campeonato a Ligier com 10 pontos não estava mais na disputa pelo 5ºlugar, Mas sim pelo 4ºlugar já que a Mclaren estava muito mal tanto é que a Ligier com esses pontos estava na frente da equipe de Ron Dennis no mundial de construtores nos critérios de desempate.

Em Hockenheim, abrindo a 2ªMetade do campeonato Brundle iria para a reserva para entrar o Japonês Suzuki para compor com Panis a equipe de pilotos no GP da Alemanha. Panis foi bem melhor que Suzuki nos treinos largando em 12ºlugar enquanto que Suzuki largou do 18º. O Francês fazia uma corrida promissora, Mas ela acabou na 14ªvolta com problemas de vazamento de Água. Já Suzuki fez uma corrida regular e se aproveitando das quebras o Japonês termina a prova em 6ºlugar marcando mais um ponto para o time comandado por Tom Walkinshaw. Era a 4ªcorrida seguida da Ligier nos pontos. Algo que não acontecia desde dos tempos que Ligier era um time forte na categoria.

Na Hungria mais uma corrida com desempenho forte prova disso é que Panis em 8º e Brundle em 10º de volta a equipe Ligier após a substituição na Alemanha por Suzuki colocavam o carro entre os 10 primeiros colocados. Na corrida uma bela atuação de Brundle que estava na disputa por bons pontos até que na volta 68 o motor Mugen-Honda quebrou fazendo o inglês deixar a corrida. Até o final da prova, Panis fazia uma corrida discreta perto do seu companheiro de equipe tinha feito estava fora dos pontos em 7ºlugar, Mas nos últimos metros o piloto Francês foi beneficiado pela infelicidade de Rubens Barrichello que acabou tendo seu motor cortado para evitar uma explosão, Com isso Panis acabou herdando um 6ºlugar e mantendo a sequência da equipe que vinha para a 5ªcorrida seguida nos pontos.

podio_belgica_1995

Indo para Spa-Francorchamps na Bélgica numa corrida muito confusa aonde tivemos tempo seco no começo e chuva no meio da prova o que acabou embolando as cartas na mesa. Panis que largou em 9º e Brundle que largou em 13º (ambos na frente de Schumacher que largou em 16ºlugar, Acreditem: 16ºLUGAR e venceu a corrida!) Estavam fazendo uma bela corrida, Ambos na zona de pontuação e muito bem posicionados, Mas na parte final, Panis ficou pelo caminho enquanto que Brundle se consolidou em 3ºlugar, Com a punição de Hill o veterano piloto Inglês já vinha para o 2ºlugar, Posição que iria se manter até a volta final quando Hill conseguiu passar o piloto inglês que  ainda assim conquistou o primeiro pódio da Ligier na temporada em 3ºlugar. (Seria o último pódio da carreira do piloto Inglês) Era a 6ªcorrida seguida nos pontos algo que aconteceu pouquíssimas vezes com a Ligier na sua história mostrando um bom trabalho de Walkinshaw como chefe da equipe. Após 11 etapas a Ligier tinha a 4ªposição com 16 pontos contra os 14 da Jordan, 12 da Mclaren e da Sauber.  Poderia a equipe de Flavio Briatore estar próxima de uma posição em que eles não alcançavam a 14 anos de estar entre as 4 primeiras colocadas do campeonato.

Veio o GP da Itália no ultrarrápido circuito de Monza a Ligier que teve Brundle em 11º e Panis em 13º no grid de largada fracassa na tentativa de pontuar pela 7ªvez em sequência. Brundle teve problemas e abandonou a corrida na 11ªVolta e Panis foi até a 21ªVolta e acabou rodando. E o pior disso foi que a Mclaren tinha feito 9 pontos pulando para o 4ºlugar com 21 pontos e a Sauber com 5 pontos também passava na frente da Ligier tendo 17 pontos deixando o time francês com 16 pontos. Era a Hora de reagir em Estoril, os treinos deram uma boa esperança para o time francês com Brundle em 9ºlugar e Panis em 11º, Mas para o piloto Francês a corrida terminou cedo na 11ªVolta devido a uma rodada, Já Brundle começou bem estando em 6ºlugar nas primeiras voltas mas depois não conseguiu manter o desempenho e fechou a prova em 8ºlugar e o ruim é que a Sauber marcou mais um ponto deixando a disputa pelo 4ºlugar nos construtores mais difícil para o time de Briatore/Walkinshaw.

Na última corrida na Europa, em Nürburgring, os pilotos Martin Brundle e Olivier Panis precisavam reagir no campeonato para evitar que o 4ºlugar escapasse das mãos da Ligier definitivamente: Brundle largou em 12º e Panis em 14º, Na Corrida Panis rodou na 15ªVolta e Brundle ficou por apenas 1 posição de pontuar ficando em 7º e vendo a Jordan fazendo 4 pontos e passando a equipe francesa que foi do 4ºlugar na 11ªetapa para o 7ªlugar na 14ªetapa, Definitivamente a chance de ser uma das 4 grandes estava indo para o buraco de novo como aconteceu em 1986 e em 1993.

Indo para o Pacífico para as 3 corridas finais da temporada substituindo Brundle pelo Aguri Suzuki o que poderia ajudar a equipe já que Suzuki teve no Japão seu melhor resultado na Formula 1 que foi o 3ºlugar no GP do Japão em 1990, Em Aida, Panis largou em 9ºlugar e fez uma corrida mediana ficando em 8ºlugar, Suzuki não largou muito atrás ficando em 13ºlugar e estava perto de Panis até rodar na 11ªVolta e com isso deixar a prova.

Tudo bem que Suzuki não estava mais no Auge da Forma com 35 anos de idade ele não mostrava a velocidade que tinha na Larrousse principalmente.

Suzuki nem correu em Suzuka
Suzuki nem correu em Suzuka

Na etapa do Japão no Circuito de Suzuka o Japonês Aguri Suzuki que largaria em 13ºlugar sofreu um acidente fortíssimo acabou fazendo com que o piloto não correr e também esse acidente acabou sendo o fim da carreira de Suzuki na Formula 1.

Com apenas Panis defendendo o time Francês classificando na 11ªposição no Grid de largada, Depois de 4 corridas sem pontuar acabou Panis levando a Ligier de volta aos pontos na 5ªposição, Mas o segundo lugar de Hakkinen com a Mclaren praticamente enterrava as possibilidades de ficar na 4ªposição nos construtores sendo que a Mclaren estava com 27 pontos, Jordan com 21 (Que marcou 3 pontos com o 4ºlugar de Irvine) Ligier estava empatada em 6ºlugar com a Sauber com 18 pontos tendo uma corrida para encerrar o campeonato na Austrália em Adelaide. (A última corrida de Adelaide na história da Formula 1)

No Circuito australiano teve uma despedida história com uma corrida completamente maluca, Com a Volta de Martin Brundle no lugar do acidentado Aguri Suzuki a Ligier precisava de 10 pontos para superar a Mclaren. Era bem díficil disso acontecer. A equipe Francesa marcou pontos com alguma regularidade nos pontos, Mas não teve a capacidade de marcar mais do que 4 pontos em 1 corrida apenas. No Grid: Brundle e Panis formavam a 6ªFila do Grid de largada.

aus1995 (29)

Na corrida vários acidentes aconteceram, entre eles a rodada de Martin Brundle na 27ªVolta quando estava em 5ºlugar, Agora era praticamente impossível a Ligier tomar o 4ºposto da Mclaren, estava mais fácil para a Jordan que tinha Irvine melhor colocado na corrida, Mas no decorrer da prova ocorreram quebras no bloco da Frente com Berger, Frentzen que estava em 2ºlugar e tinha grandes chances de passar a Ligier nos construtores, Irvine e Herbert e com tudo que aconteceu a 10 voltas do final da corrida Panis estava a 2 voltas de Hill, Mas na segunda posição e com possibilidades de pelo menos marcar 6 pontos e colocar a Ligier na frente de Sauber e de Jordan nos construtores, Lá a 4ªposição nos construtores estava praticamente descartada até porque Blundell estava levando a Mclaren a 3 pontos na 4ªposição.

Tudo estava bem, até que nas voltas finais Panis estava com o motor Mugen-Honda Fumando, Era uma judiação caso o piloto francês deixasse a corrida, Mas restando tão pouco para acabar a corrida e o ano, Panis tomou a decisão de levar até o final da corrida e conquistar o melhor resultado da Ligier na temporada de 1995, um 2ºlugar em pódio que resumia como foi a corrida. Hill vencendo com a Williams o que era normal, Com Panis e Morbidelli com a Footwork-Hart em 3ºlugar.

Final feliz para a Ligier em 1995 com o 2ºlugar de Panis
Final feliz para a Ligier em 1995 com o 2ºlugar de Panis

Ao final da temporada a Ligier teve a administração de Tom Walkinshaw um bom resultado ficando em 5ºlugar no mundial de construtores com 24 pontos, 2 pódios (Um para Brundle e um para Panis) Após essa temporada a tendência era que a equipe melhorasse para 1996, Mas se que saber o que acabou não dando certo, Confira no derradeiro episódio sobre a Ligier na temporada de 1996.

Gps: 34 (Largou em 33 Gps)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 2
Pontos: 24
Mugen-Honda MF-301H
10 Cilindros em V
2998 cm³
Potência: 670 Cavalos a 13.500 RPM
Pilotos:
Aguri Suzuki
Martin Brundle
Olivier Panis
Número de Voltas Completadas: 1618

Chassi: Ligier JS41 (Benetton B195)
Projetistas: Frank Dernie (Diretor Tecnico), Rory Byrne (Design) e Loic Bigeois (Aerodinâmica)
Chassis: monocoque de carbono e Kelvar
Peso: 595 kg
Transmissão: Benetton sequencial semiautomática em T – 6 marchas
Combustível e óleo:  Elf
Freios:  Discos de Freio de Carbono Brembo
Duração:
Distância entre eixos:  2.935 milímetros
Dianteiro:  1693 milímetros
traseiro:  1.608 milímetros

Fotos:

View post on imgur.com

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic

Especial Ligier: 19761977197819791980198119821983 –19841985 –1986 –1987 – 19881989 – 1990 – 1991 – 199219931994

Corridas Históricas – GP da Inglaterra de 1980

Grid de largada:

1    Didier Pironi        (Ligier/Ford)    1’11.004
2    Jacques Laffite        (Ligier/Ford)    1’11.395
3    Alan Jones        (Williams/Ford)    1’11.609
4    Carlos Reutemann    (Williams/Ford)    1’11.629
5    Nelson Piquet        (Brabham/Ford)    1’11.634
6    Bruno Giacomelli    (Alfa Romeo)    1’12.128
7    Alain Prost        (McLaren/Ford)    1’12.634
8    Patrick Depailler    (Alfa Romeo)    1’13.189
9    Mario Andretti        (Lotus/Ford)    1’13.400
10    Derek Daly        (Tyrrell/Ford)    1’13.469
11    Jean-Pierre Jarier    (Tyrrell/Ford)    1’13.666
12    John Watson        (McLaren/Ford)    1’13.717
13    Jean-Pierre Jabouille    (Renault)    1’13.749
14    Elio de Angelis        (Lotus/Ford)    1’13.859
15    Marc Surer        (ATS/Ford)    1’13.953
16    René Arnoux        (Renault)    1’13.967
17    Hector Rebaque        (Brabham/Ford)    1’14.226
18    Rupert Keegan        (Williams/Ford)    1’14.236
19    Gilles Villeneuve    (Ferrari)    1’14.296
20    Eddie Cheever        (Osella/Ford)    1’14.517
21    Riccardo Patrese    (Arrows/Ford)    1’14.560
22    Emerson Fittipaldi    (Fittipaldi/Ford)    1’14.580
23    Jody Scheckter        (Ferrari)    1’15.370
24    Jochen Mass        (Arrows/Ford)    1’15.423

Não Largaram:

Jan Lammers    (Ensign/Ford)    1’15.596
Keke Rosberg    (Fittipaldi/Ford)    1’15.845
Desiré Wilson    (Williams/Ford)    1’16.315

Jones Vence GP da Inglaterra Em Brands Hatch

Estreia do F8 da Fittipaldi no circuito inglês
Estreia do F8 da Fittipaldi no circuito inglês

GP da Inglaterra iniciava o início da segunda parte do Campeonato de 1980, Alan Jones tinha 28 pontos, com Piquet com 25 e Arnoux e Pironi em Seguida. O Domínio dos Treinos foi dos dois carros da Ligier que mostraram um ótimo acerto nos seus carros, tanto de Pironi o pole, tanto de Laffite em 2º. Depois vinham os dois Williams e em 5ºVinha o Brasileiro Nelson Piquet que tinha também acertado bem o carro para a corrida.

Na Largada, os dois ligier largaram bem, Pironi disparou na ponta, com Laffite em seguindo e Jones em 3º, Nelson Piquet nas primeiras curvas passou Reutemann e assumiu a 4ªPosição. Reutemann em 5º e depois os dois Alfa-Roméo, Giacomelli e Depailler, Piquet já partia para o Ataque em cima de Jones e de Laffite.

Mas na primeira volta as Ligier mostram a total superioridade dos seus carros abrindo grande vantagem sobre os demais, enquanto isso Jones e Piquet brigavam pelo 3ºLugar, e Reutemann estava sozinho em 5ºLugar, longe dos lideres e longe dos seus adversários pelo 5ºlugar. Emerson Fittipaldi estreando o carro novo da Fittipaldi estava com problemas em seu carro, estando brigando pelos últimos lugares. já Keke Rosberg, seu companheiro de Equipe não tinha se classificado para a corrida. Jabouille abandonava a corrida na volta de número 7.

Com 10 voltas a briga da corrida é de Jones x Piquet pelo terceiro lugar. Laffite em Segundo via Pironi voando baixo e sobrando na turma em Brands Hatch, Pironi na volta 7 tinha feito a melhor volta da corrida.

Alguns pilotos faziam suas paradas de pit como Elio de Angelis e Alain Prost. com 13 voltas a Classificação era essa: Pironi 16:24.313, Laffite 2.986, Jones 10.682, Piquet 11.015, Reutemann 18.551 e Depailler 26.386. Algumas voltas depois Jones abriu sobre Piquet que não conseguia mais acompanhar o Australiano Alan Jones da Williams, na Volta 18 Laffite passava Pironi que estava com problemas de pneus, Pironi chegou aos boxes e trocou os pneus, inclusive uma troca demorada demais, que matou qualquer possibilidade de um resultado melhor. Laffite assumia a ponta da Corrida, Jones passava pra segundo e Piquet em 3º.

Enquanto isso Villeneuve sofria com o seu carro, tendo que ir aos boxes devido a problemas no seu carro, o problemático 312T80, Classificação após 19 Voltas: Laffite, Jones 8.498, Piquet 12.139, Reutemann 17.389, Depailler 33.038 e Daly 34.224. Após 24 voltas, 3 pilotos abandonaram a corrida: Chevver, de Angelis e Jabouille. Partick Depailler abandonou a corrida após 24 voltas, completadas. na Volta de número 32 Laffite que liderava a corrida com folga sobre seus adversários, Abandonaria a corrida devido a um estouro do seu pneu, felizmente ninguém de feriu nesse acidente, isso tudo chegando a metade da Corrida.

Classificação após 39 Voltas: Jones, Piquet 4.9, Reutemann 16,9, Daly 52.163, Andretti 1:01,5 e Jarier 1:03.2. Jones conseguia abrir vantagem para Piquet que não era ameaçado por Reutemann que estava em 3ºlugar. Os pilotos com motor Turbo não estavam bem nenhum deles, tanto é que os seis primeiros da corrida usavam o convencional e Funcional motor Ford Cosworth, na Volta 42 Bruno Giacomelli abandonaria a corrida com a outra Alfa Romeo. já que Depailler já tinha abandonado.

Didier Pironi
Didier Pironi

Mas quem já vinha em Recuperação lá atrás já era o Didier Pironi que subia rapidamente para a 7ªPosição e estava na caça de Jarier, Andretti e Daly. isso tudo já na volta 50, enquanto isso Emerson Fittipaldi continuava na corrida lutando por posições mais modestas. Na Volta 53 Pironi já estava na cola de Jarier e de Andretti, que teve problemas em seu carro e não só perdeu posição para Jarier como para Pironi e ficou para trás com problemas de Câmbio da sua Lotus.

Pironi tinha o Melhor carro da Corrida e seria o líder se não fosse o problema no seu pneu no começo da corrida. Watson e Prost estavam lutando por uma 7ªPosição, melhor para o Francês da Mclaren, Pironi já estava na Quinta posição na corrida numa grande recuperação, e estava na busca de Daly para abocanhar a 4ªposição da corrida. Mario Andretti de forma definitiva abandonaria a corrida na volta 57.

Enquanto Jones caminhava para uma vitória tranquila sem ser ameaçado mais por Piquet, Pironi ira a luta pelo 4ºlugar contra Daly, Enquanto isso mais alguns fazem paradas nos boxes. Piquet sem carro para alcançar Jones estava administrando para ficar com o 2ºLugar, Reutemann estava em 3ºlugar, mas sem brilho nenhum, Na Volta 63 a classificação era essa: Jones (1:17.30.795), Piquet (12.721), Reutemann (22.112), Daly (1 Volta), Pironi (1 Volta), Jarier (1 Volta).
Pironi que vinha na recuperação teve mais um pneu furado, o Francês abandonou a corrida de onde ele era o grande favorito a vitória pelo carro que teve na corrida. Com isso Jarier voltava a Ser o 5º, e Prost, Watson e Rebaque lutavam pelo sexto lugar nessas voltas finais.

Piquet já administrava o 2ºlugar já que estava longe de Jones que no começo teve competência em segurar Piquet que tinha mais carro com o Tanque cheio depois o seu carro a medida que o Tanque se esvaziava foi ficando melhor que o Carro de Piquet.

Jones recebeu a bandeirada na Frente pela 3ºvez na temporada, e disparava na Frente no campeonato com 37 pontos, Piquet chega em Segundo lugar, e fica a 6 pontos de Jones na Classificação com 31 pontos, Reutemann sem Brilho, numa corrida burocrática ficou em 3º. Depois vieram Daly e Jarier com as Tyrrell andando bem e chegando em 4º e 5º. e Prost ganhou de Rebaque e chegou em 6º. Watson teve problemas na última volta com seu motor.

Emerson Fittipaldi chegou em 12º na Estreia do F8, 13 Carros completaram a corrida, Arnoux cruzou a linha de chegada, mas como tinha 9 voltas atrás do líder, acabou não sendo classificado.

Resultado Final do GP da Inglaterra de 1980

Fotos:

View post on imgur.com

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic

Especial Ligier : Temporada de 1992

Para a Ligier a temporada de 1992 poderia marcar o recomeço da retomada as vitórias. Saíram os motores Lamborghini V12 e entravam os campeões motores Renault. (Renault RS3C V10 – uma versão anterior aos da Williams que usavam o Renault RS4 V10 a partir da Corrida da Hungria) Eram os mesmos motores que a Williams tinham. Entrava também na equipe o Gérard Ducarouge como novo diretor Técnico da Ligier que ao lado de Frank Dernie (Design) e Loic Bogois (Aerodinâmica) e criaram o Chassi JS37 que tinha a missão de devolver a Ligier para o a primeira parte da tabela.

Os pilotos acabaram sendo os mesmos. (O Rápido e Experiente Thierry Boutsen que era um ótimo acertador de carros e consistente e o Rápido e talentoso Francês Eric Comas) Cogitou-se que o Francês Alain Prost recém saído da Ferrari após afirmar que o carro dele em 1991 era um caminhão. O Francês convidado pelo dono da equipe Cyril de Rouvre acabou fazendo testes com o carro de 1992, Mas acabou não aceitando o convite.

Prost naquela época falou que o carro não era competitivo e com isso o negócio não foi para frente, Antes a Ligier tinha tentado Nelson Piquet para correr ao Lado de Thierry Boutsen. Mas com o acerto não se concretizando ficou mesmo com Boutsen e Comas a missão de trazer melhores dias para a equipe Francesa.

No dia 1º de Março igual ao samba do Salgueiro de 1991 na África do Sul em clima de carnaval Boutsen e Comas colocam os carros da Ligier em uma honrosa 7ªFila com Erik Comas em 13º e Thierry Boutsen em 14º. Na Corrida ambos foram consistentes apesar de Boutsen ter tido seu motor quebrado a 12 voltas do final, Seu companheiro Erik Comas chegou ao final da prova em 7ºlugar.

Saindo da África para ir até a América do Norte em Território Mexicano para o rápido circuito de Hermanos Rodrigues e por muito pouco não se ver um enorme vexame de Comas e Boutsen. Enquanto o Belga ficou em 22º o piloto Francês ficou na 26ªposição ficando a apenas 65 milésimos da Eliminação do Grid de largada. No domingo a corrida já foi melhor com uma boa recuperação. Comas fechou em 9º e Boutsen em 10ºLugar ambos a 2 Voltas do Vencedor.

No Brasil Thierry Boutsen largou em 10º e Erik Comas em 15ºlugar, Na Corrida Boutsen e Comas chegaram a Frequentar a zona de pontuação e parecia que pela primeira vez teríamos um carro Azul Francês na zona de pontuação desde de 1989. Mas na 37ªVolta o piloto Thierry Boutsen tentou numa manobra infeliz sobre Erik Comas lutando pela 8ªposição acabou ele rodando na entrada da Curva do S deixando a corrida. Erik Comas não iria também muito longe, não por causa desse acidente aonde Boutsen acabou tocando o seu carro na Roda de Comas nesse acidente que ele provocou mas sim pelo Motor que quebrou na 43ªVolta.

Partindo para a fase Europeia começando pela Etapa Espanhola aonde Comas largou em 10º e Boutsen largou em 14º que deixou a prova na 11ªvolta com problemas de Motor, Comas estava em 7ºlugar quando deixou a prova devido a uma rodada. Em San Marino em Imola na 5ªEtapa Thierry Boutsen largou em 10ºlugar e estava tendo uma prova promissora até ter problemas na bomba de combustível na 30ªVolta o que fez ele abandonar a corrida, Já Comas que largou em 13ºlugar chegou ao final da corrida em 9ºlugar a 2 voltas do líder. Em Mônaco uma prova para se esquecer Boutsen largou uma posição na frente de Comas na 22ªPosição mostrando que o JS37 não se adaptou a circuitos lentos no começo de ano, Mas pelo menos ambos Terminaram a corrida com Comas terminou a prova em 10ºlugar e Boutsen em 12ºlugar.

Após 6 corridas a Ligier estava amargando um fracasso de não marcar pontos no campeonato quando via Lotus, Tyrrell, Footwork e até a Dallara e Venturi marcando pontos na temporada de 1992.

Voltando para a América do Norte no circuito de Montreal no Canadá nos treinos oficiais parecia que seria o mesmo desastre de Mônaco lá no fundo do pelotão: Boutsen e Comas dividiram a 11ªFila no Grid de largada, Mas na corrida Erik Comas foi ganhando posição por posição até chegar em 7ºposição e nas voltas finais teve a quebra do motor de Ukyo Katayama o que levou o piloto Francês a 6ªposição e para quebrar o jejum que quase 3 anos sem marcar pontos (Desde do GP da França de 1989 quando Olivier Grouillard conseguiu a 6ªposição) Thierry Boutsen acabou a prova em 10ºlugar.

Voltando para a corrida em Casa já mais aliviados pelo fato de terem pontuado novamente depois de muito tempo em Magny-Cours o desempenho em treinos melhorou e saíram bem mais na frente na largada: Thierry Boutsen largou em 9º e Comas em 10º fincaram bandeira na 5ªfila do Grid, Na Corrida tanto Boutsen como Comas estavam para marcar pontos, Mas o Belga Thierry Boutsen acabou rodando quando estava em 6ºlugar na 47ªVolta, Já Erik Comas resistiu até o final da prova terminando a corrida em 5ºlugar marcando mais 2 pontos para o time de Guy Ligier fechando a primeira metade da temporada de 1992 com 3 pontos na 8ªposição ao Lado da March.

Começando a segunda metade da Temporada em Silverstone na Inglaterra acabou Erik Comas largou em 10ºlugar, Mas esteve longe da disputa por pontos chegando ao final da corrida em 8ºlugar e seu companheiro de Equipe Boutsen largou em 13º e Chegou em 10ºlugar.

Em Hockenheim Comas e Boutsen prometiam uma bela corrida já que o motor Renault iria conta muito nessa prova e eles largaram na 4ªFila com Comas na frente, Na Largada Tanto Comas como Boutsen perderam posições e caíram para o 9º e 10ºlugares, Mas com as quebras que aconteceram na corrida os dois ligier recuperavam posições até que na volta final Ricardo Patrese acabou rodando e deixando a prova fazendo com que Comas assumisse o 6ºlugar e terminasse a 7 décimos na frente de Thierry Boutsen que ficou logo atrás em 7ºlugar.

Na Hungria um belo Grid com Boutsen em 8ºlugar e Comas em 11º, Mas a corrida durou pouquíssimos metros com ambos os pilotos se acidentando deixando a prova logo após a primeira curva, Depois desse fiasco na prova Belga em Spa-Francorchamps teve um fato que marcou a carreira de Erik Comas acabou batendo forte em uma das curvas rápidas de Spa-Francorchamps e acabou desmaiado no carro, O Brasileiro Ayrton Senna viu o acidente e parou o seu carro e percebendo o perigo que o piloto Francês corria ele acabou desligando o motor pois com o pé de comas acelerando o carro ainda teria riscos de explosão do carro. Com essa atitude o brasileiro acabou salvando a vida do piloto da Ligier que acabou não indo para a corrida.

Coube a Thierry Boutsen representar bem a equipe nessa prova e ele nos treinos não decepcionou na corrida em sua casa colocando o Ligier-Renault até o 7ºlugar no Grid de largada, Na corrida ele vinha tentando ir para a zona de pontuação, Mas deixou a prova devido a um acidente na 27ªVolta.

Na Itália o Belga Thierry Boutsen fez uma grande corrida, Largando da 8ªposição o experiente piloto de 35 Anos andou praticamente o tempo inteiro na zona de pontuação chegando a estar em 5ºlugar por mais de 10 voltas e quando estava em 6ºlugar acabou tendo um problema de eletricidade na 42ªVolta fez com que o carro da Ligier deixasse a prova.

Cinco voltas antes Comas que largou em 15ºlugar e vinha em uma belíssima recuperação acabou se acidentando e deixando uma corrida aonde a Ligier poderia facilmente marcado pelo menos 3 pontos. Na última prova na Europa em Portugal no circuito de Estoril Boutsen largou em 11º e Comas largou em 14ºlugar. Na corrida Comas quebrou o motor na 48ªvolta, Enquanto que Boutsen levou o Ligier ao final da corrida chegando em 8ºlugar.

Vídeo do Acidente de Erik Comas na Bélgica: (sennavive)

Indo para o Oriente para a prova do Japão a Ligier comprovou que tinha um carro que já era um dos melhores do Grid, Comas largou em 8º e Boutsen em 10ºlugar. A corrida não durou muito para o Belga que deixou a corrida na segunda volta com problemas de Câmbio, Já Comas vinha marcar bons pontos e estava em 6ºlugar quando abandonou a corrida com problemas de pressão de óleo.

Na última etapa da temporada na Austrália no Grid muito bom para Comas largando em 9ºlugar, Mas logo na 5ªVolta seu motor quebrou e ele deixou a prova. Já Boutsen largou em 22ºlugar em um grid péssimo do piloto da Ligier, Dai seria praticamente impossível para ele ter uma reação na corrida. Mas não é que Boutsen depois de 15 corridas conseguiu fazer uma prova irretocável com o Ligier-Renault e levou seu carro para o 5ºlugar com ultrapassagens na pista e levando 2 pontos para a time francês (Seus últimos pontos na sua carreira) para fechar bem a temporada de 1992.

Ao Final da temporada a Ligier ficou colocada em 8ºlugar com 6 pontos. Se consideramos o potencial do carro e dos pilotos foi pouco, Mas para quem não tinha pontuado em dois anos seguidos e pelo que o carro andou em 1992 foi uma mostra de renascimento da equipe Francesa e uma esperança de que dias melhores iriam vim para Guy Ligier. O time estava com com um motor fortíssimo e profissionais competentes para 1993. Já os Pilotos não continuaram na equipe: Tanto Boutsen como Comas saíram para a entrada de dois pilotos Ingleses que você vai saber quem são eles como eles foram no capitulo de 1993 da Ligier.

Números da Ligier em 1992:

Gps: 32 (Largou em 31 Gps)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0
Pontos: 6
Motor: Renault RS3C V10
Capacity: 3500cc
Power: 750bhp at 14,200rpm
Pilotos:
25. Thierry Boutsen
26. Erik Comas
Número de Voltas Completadas: 1480

Chassi JS37

Desenhista :

Gérard Ducarouge (Diretor Técnico)
Frank Dernie (Design)
Loic Bigois (Aerodinâmica)

Chassi :  Monocoque em Fibra de Carbono e Kelvar
Peso :  505 kg
Transmissão :  Ligier / XTrac com 6 marchas em sequência
Combustível / Lubrificante :  Elf
Tanque :  205 Litros
Suspensão :  Poussoirs
Amortecedores :  Koni/Bilstein
Freios :  Discos de Carbono Industrial/Brembo
Comprimento :
Distância entre eixos :  2900 mm
dianteira :  1800 mm
traseira :  1680 mm

Fotos:

View post on imgur.com

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic

Especial Ligier: 19761977197819791980198119821983 –19841985 –1986 – 1987 – 19881989 – 1990 – 1991

Especial: Os anos da Verdinha Leyton House na Formula 1

A Equipe March voltou a Formula 1 em 1987 com a Cor Verde e com o patrocínio da Leyton House, Uma empresa imobiliária Japonesa que financiava a equipe inglesa que voltava depois de um Hiato de 5 temporadas aproveitando o regulamento de motores aonde já se preparava para o fim dos motores Turbo e a volta dos aspirados. Depois de 3 temporadas como patrocinador da March sendo que o ano de 1988 foi o melhor deles o Japonês Akira Akari resolve comprar a equipe e renomear o time como Leyton House.

Temporada de 1990:

Leyton House
CG901
Projetistas: Adrian Newey e Gustav Brunner
Câmbio: March – 6 Marcas
Combustível/Lubrificante: BP
Amortecedores: Koni
Freios: Freios à Disco de Carbono – AP Racing/ Carbono Industrial

Começaram a temporada de 1990 muito mal com Gugelmin em 25º e Capelli em 26º no grid de largada com o piloto Italiano tendo a sorte de estar no Grid já que uma das ligier acabou sendo desclassificado do Grid e com isso Capelli entrou para a corrida em que Capelli acabou não indo muito longe deixando a corrida com problemas elétricos, Gugelmin teve muitos problemas na corrida inteira, Mas cruzou a linha de Chegada em 14ºlugar a 6 Voltas do Vencedor.

Mas se em Phoenix as coisas foram bem ruins em São Paulo piorou para a Leyton House, nenhum dos dois pilotos classificaram para a corrida, Um tremendo fracasso para um time que conseguiu pódio em 1988 e 1989.

Indo para a primeira corrida na Europa em San Marino finalmente um desempenho decente com o Brasileiro Maurício Gugelmin com o 12ºlugar no Grid de largada e Ivan Capelli em 18º bem melhor do que nas primeiras corridas na América, Mas nenhum deles viram a bandeirada Capelli sofreu acidente na primeira volta e Gugelmin teve problemas elétricos na 24ªVolta e abandonou, Em Mônaco A Leyton House só se classificou para a corrida com Capelli que ficou em 23ºlugar que acabou deixando a corrida cedo com problemas de Travões em seu carro, Gugelmin acabou fora da corrida.

Indo para a 2ªParte na América no Canadá nova eliminação de Maurício Gugelmin na classificação para a corrida e mais uma vez o time só correu com 1 carro que foi de Ivan Capelli que largou em 24º para completar a prova em 10ºlugar a 2 voltas do Vencedor da prova, Agora no México a Leyton House vive um dos seus piores pesadelos, Ambos os pilotos não conseguiram largar, Nem Capelli e nem Gugelmin que ficava pela 3ªVez Seguida de fora do Grid de largada conseguiram colocar o carro Verde entre os 26 que largavam para a corrida.

Em 6 Corridas era uma enorme decepção o campeonato do time de Akira Akari com 0 ponto e vendo times como a Footwork já tendo 2 pontos e até a Onxy tirando um 7ºlugar em Mônaco, Era uma temporada péssima até agora, O Conceito do carro de Adrian Newey não estava dando resultados…
…Até agora pois a corrida seguinte seria na França no circuito de Paul Ricard, E dai se explicar uma coisa, O Chassi CG901 é um chassi que fica tão no chão que ele acaba sendo um chassi eficiente apenas em circuitos em que a pista é lisa, Em pistas como a do México em que o Asfalto era totalmente irregular o carro não rende de forma nenhuma.

Franca1990_20

Nos treinos oficiais Ivan Capelli ficou em 7ºlugar e Maurício Gugelmin ficou em 10ºlugar, Ambos largavam nas 10 primeiras posições no Grid de largada:
A Corrida no dia seguinte na corrida ambos os pilotos decidiram não fazer nenhuma troca nos seus pneus, Com isso esperavam pular nas primeiras posições quando os lideres pararem nos boxes.

Logo depois o primeiro terço de corrida tanto Capelli como Gugelmin subiam de posições até que na volta 33, Ivan Capelli passou ao Italiano Riccardo Patrese da Williams para assumir a liderança da corrida e com Gugelmin na segunda posição e mesmo com a Pressão de ninguem mais que Alain Marie Pascal Prost a equipe manteve a dobradinha durante 19 Voltas seguidas até que o Tricampeão do mundo com sua Ferrari Mostrou sua força e passou Gugelmin que 5 voltas depois deixava uma bela corrida que ele vinha fazendo com problemas de Motor.

A Partir da Prost buscou feito um louco Ivan Capelli que só entregou a vitória a Prost por que o Motor Judd poderia estourar se ele continuasse a ter um ritmo forte de corrida, Apesar de não ter conquistado a vitória Capelli deu a Equipe um resultado magnifico para o time de Akira Akari (O que seria o melhor resultado da História da Leyton House) Com Ivan Capelli completando a corrida em 2ºlugar na frente de Ayrton Senna e festejando no Pódio de Paul Ricard que foi o 3º da sua carreira na Formula 1 (Último pódio de Capelli).

Franca1990_17

Com os 6 pontos de Capelli a Leyton House iria aparecer no campeonato na 6ªPosição atrás das 4 grandes (Mclaren, Ferrari, Benetton e Williams) e da Tyrrell que era a melhor das 4 Grandes.

Com o Positivo Resultado a equipe foi embalada para Silverstone para a 8ªEtapa, Gugelmin que pouco tinha feito até a prova da França largou numa ótima 9ºlugar considerando o fraco motor Judd que ele tinha, Capelli já largava mais atrás em 15ºlugar. Capelli fez uma grande corrida e chegou a estar na 3ªposição quando a 17 Voltas do final o piloto Italiano teve problemas na Alimentação de seu carro o que fez ele deixar a corrida, Já Gugelmin nem largou, Teve problemas na bomba de Gasolina de seu carro.

Na Alemanha em mais um circuito de alta Ivan Capelli largou em 10ºlugar e fez uma bela corrida chegando a estar por algumas voltas a estar na 6ªposição, Mas Capelli perdeu essa posição para a Williams de Thierry Boutsen e terminou em 7ºlugar, Já o Brasileiro Maurício Gugelmin largou em 14º abandonou com problemas de Válvula do motor Judd. Partido para o Leste da Europa na Etapa da Hungria cheio de incidentes um grid abaixo do esperado com Capelli em 16º e Gugelmin em 17º, Na corrida Gugelmin levou o carro para a 8ªposição após uma corrida difícil em que o piloto procurou sobreviver na corrida, Capelli fazia o mesmo na frente de Gugelmin até ter problemas de Câmbio a 21 voltas do final da corrida.

Voltando para a parte ocidental da Europa tivemos o Desafiante GP da Bélgica em Spa-Francorchamps aonde o time do carro verdinho acabou se dando bem graças a tática de não fazer paradas nos boxes, O Brasileiro Maurício Gugelmin voltou a marcar pontos ao terminar a corrida em ótima 6ªPosição após largar da 14ªPosição com Ivan Capelli que largou de 12º para chegar na sétima posição.

Após esse bom resultado a equipe Leyton House foi motivada para o GP da Itália em Monza, Apesar do carro tendo um motor de pouca potência como a Judd Gugelmin largou em 10º e Capelli largou em 16º, O brasileiro teve problemas de motor quando estava bem classificado na 25ªVolta e Capelli ficou por algumas voltas em 6ºlugar quando teve problemas de Bomba de Gasolina tendo que deixar a corrida perdendo mais uma possibilidade de marcar pontos na temporada, Em Portugal o time já não arranjou nada demais, Gugelmin mesmo com condições precárias de Saúde (Febre de 39ºGraus) levou seu carro até o 12ºlugar após largar do 14º, Capelli quebrou o motor na 51ªVolta após largar na 12ªPosição.

Em Jerez de la Fronteira a Equipe do Japonês Akira Akari completou sua temporada Europeia Gugelmin teve mais uma boa corrida largando do 12ºlugar e chegando a disputar o 6ºlugar por algumas voltas, Mas não foi capaz de deter o avanço de Suzuki e de Larini e acabou ficando em 8ºlugar pelo menos tendo mais sorte do que Capelli que abandonou a corrida por cãibras a 14 Voltas do final.

Na parte final do campeonato não foi das mais felizes para a Leyton House, na luta pelo 6ºlugar no mundial de construtores, Em Suzuka no Japão ela acabou vendo a Larrousse de Aguri Suzuki em 3ºlugar no Pódio fazendo com que o time francês ultrapassasse a Leyton House que tinha 4 pontos de desvantagem para os carros coloridos, Gugelmin que largou em 12º abandonou com problemas de Motor na 6ªVolta e Capelli com muitos problemas e indo duas vezes para os boxes abandonou com problemas elétricos, Em Adelaide Gugelmin e Capelli abandonaram a corrida após terem problemas de travões do carro e de Acelerador do carro respectivamente.

Após um ano de muitos altos e Baixos a Leyton House acabou o campeonato Mundial de Formula 1 em 7ºlugar com 7 pontos, 1 pódio na França com Ivan Capelli e um 6ºlugar na Bélgica com Maurício Gugelmim e com um projetista revelado de vez para o mundo que era o Adrian Newey que logo foi contratado pela Williams para construir o carro para 1991 e começar uma era que o faria ter o título de o Mago na matéria de Chassis.

Gps: 32 (Largou em 26 Gps)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 1
Pontos: 7
Motor: Judd EV 8 Cilindros
Potência: 640 Cavalos a 12.500 RPM
Chassi: CG901
Pilotos:
Mauricio Gugelmin
Ivan Capelli
Número de Voltas Completadas: 1.046
Voltas Lideradas: 45

Fotos

View post on imgur.com

Temporada de 1991 da Leyton House:

Chassi: Leyton House CG911
Projetista: Chris Murphy / Gustav Brunner
Câmbio: transversal – 6 Marcas
Combustível/Lubrificante: BP
Amortecedores: Koni
Freios: Freins à Disco de Carbono – AP Racing/ Carbono Industrial

Após a temporada de Altos e Baixos da Leyton House em 1990 para 91 o time teve que substituir a nada menos que Adrian Newey que foi para a Williams fazer o FW14, O Substituto para essa missão ardua foi o Chris Murphy que junto com Gustav Brunner teve de fazer o CG911 agora com os motores da Ilmor V10 que estreavam na Formula 1 que tinham a potência de 680 Cavalos, Manteve seus pilotos Tanto o Maurício Gugelmin como o Ivan Capelli e com isso esperava que o time terminasse mais corridas, que o Chassi fosse tão bom como 90 e que o resultado das corridas fosse melhor.

Mas na abertura do campeonato em Phoenix não foi nada boa, Capelli conseguiu o 18ºlugar no Grid de largada e deixou a corrida na metade da corrida e Gugelmin ficou no final do Grid na 23ªposição acabou deixando a corrida algumas voltas antes ambos com problemas de câmbio, Indo para Interlagos o belíssimo 8ºlugar no Grid de largada de Maurício Gugelmin deu esperanças de uma grande corrida para o piloto Brasileiro, Mas problemas físicos ocorridos por causa de queimaduras acabaram fazendo o que o Brasileiro não aguentasse a dor. Capelli largou em 15ºlugar e não durou muito na prova Abandonou na 16ªVolta com problemas de Motor.

brasil91_f1_502 (20)

Na abertura da temporada europeia em San Marino numa corrida chuvosa Gugelmin largava em 15º e Capelli em 22º, Na Corrida Capelli chegou a estar em 5ºlugar mas abandonou a prova com problemas de Furo de pneu, Gugelmin ficou lá atrás até o final da corrida quando acabou abandonando com problemas de Motor, Ainda assim ficou classificado em 12ºlugar, Em Mônaco mais uma corrida de problemas, Gugelmin que largou em 15º com problemas de Acerelador na 44ªVolta, Capelli largando de 18º abandonou logo na 13ªVolta com problemas de Carro Travando.

Em Montreal no Canadá a Leyton House acabou tendo mais uma chance de marcar ponto na temporada, Ivan Capelli conseguiu o 13ºlugar no Grid de largada e estava escalando posições de acordo com as quebras dos pilotos das equipes grandes, Quando estava em 4ºlugar na volta 41 o Motor Ilmor deu problema e deixou Capelli na mão, Gugelmin largando em 23ºlugar foi mais longe, Mas muito atrás na prova acabou com problemas de motor também não terminando a corrida, Continuando na América do Norte no desalinhado circuito do México aonde a equipe deu vexame em 1990 dessa vez ambos os pilotos conseguiram classificação, Capelli e Gugelmin largaram na 11ªFila, Mas na corrida ambos abandonaram a corrida com problemas de Motor.

monaco504f1 (16)

De Volta a Europa a partir da França a equipe conseguiu dar uma grande melhorada em retirar as molas do carro que era um dos erros do carro que foi identificado pelo Brasileiro Maurício Gugelmin e sua incrível capacidade de acertar carros e foi recompensado largando muito bem na 9ªposição e na corrida ficou a uma posição da zona de pontuação, Capelli largou mais atrás na 14ªposição e deixou a prova na 8ªVolta com problema de Rotação Mas com o 7ºlugar de Gugelmin foi a primeira vez que um carro da Leyton House recebeu a bandeirada de chegada, Partindo para Silverstone na metade do campeonato a pista foi modificada no que acabou tendo pior para os pilotos da Leyton House que tinha mais chances de marcar pontos com Silverstone de 1990. Gugelmin repetiu o 9ºlugar no Grid de largada e começou largando muito bem ficando por 5 voltas na 6ªposição, Mas Gugelmin teve caibras e foi obrigado a abandonar a corrida na 24ªVolta, Seu companheiro de equipe não foi brilhante na corrida, Capelli largou em 16ºlugar e chegou a andar em 9ºlugar até ter mais uma vez problemas de rotação na 17ªVolta.

Começando a segunda metade de temporada no GP Alemão em Hockenheim foi um final de semana não foi dos melhores, Capelli largou em 12º e estava entre os 10 primeiros até deixar a corrida com problemas elétricos e o Brasileiro Gugelmin largando do 16ºlugar deixou a corrida com problemas de Câmbio. Na Hungria finalmente a Leyton House conseguiria sucesso, Ivan Capelli que largou em 9ºlugar fez uma corrida primorosa na maior parte do tempo nas 6 primeiras posições até o final das 77 Voltas daquela corrida vencida por Ayrton Senna. O piloto Italiano marcaria o primeiro ponto da equipe na temporada (Seria o último ponto da história da Leyton House) Gugelmin teve uma corrida bem difícil, Largando do 13ºlugar acabou ficando muito para trás com problemas, Mas se recuperou e acabou a prova em 11ºlugar.

Já mais tranquilos e confiantes a equipe de Akira Akari para a Bélgica, Mas problemas de Motor acabaram com a corrida de Ambos: Gugelmin que largou em 15º abandonou na 2ªvolta e Capelli que largou em 12º abandonou na 14ªvolta, Depois desse balde de água fria eles iriam para mais um circuito rápido que era o de Monza na Itália, Mas a corrida foi relativamente boa, Capelli largando do 12ºlugar chegou em 8ºlugar após uma boa corrida, Gugelmin com muitos problemas largou em 18º e chegou ao final em 15ºlugar.

Belgica1991 (3)

Em Portugal a equipe teve um bom final de semana, Mas não conseguiu ganhar pontuação, Capelli largou do 9ºlugar e estava fazendo uma belíssima corrida estava na 5ªposição até ter danos no bico do seu carro e com isso acabou comprometendo as chances de marcar pontos, Gugelmin que largou em 7ºlugar acabou deixando os pontos escaparem fazendo uma largada fraca e só conseguindo ficar em 7ºlugar, Apesar da Frustração do GP de Portugal a equipe vai para o Circuito de Catalunha para o GP da Espanha mantendo a boa fase dos treinos, Capelli largou em 8º e estava perto dos pontos mais acabou rodando e deixando a corrida na segunda volta, Gugelmin largando do 13ºlugar ficou perto dos pontos de novo ficando em 7ºlugar.

Nesse final de temporada estourou o escândalo de que o dono da equipe Akira Akari que envolveu o Fuji Bank no que acabou preso com o esquema de lavagem de dinheiro usando a equipe como fachada. Ivan Capelli acabou saindo do cockpit de número 16 e entrou em seu lugar o jovem estreante austríaco Karl Wendlinger para as corridas do Japão e Austrália.

515_91_japan21

O time estava em crise financeira, no Japão a prova foi terrível, Gugelmin largou em 18º, Mas se aproveitou das quebras para ficar num honroso 8ºlugar, Wendlinger acabou envolvido em um acidente e deixou a corrida na 2ªVolta, No Japão a corrida durou pouco apenas 14 Voltas, Gugelmin sofreu um acidente na 14ªVolta e acabou a corrida apenas em 13ºlugar após largar em 14ºlugar, Wendlinger largou em 26º e levou o Leyton House para o 20ºlugar.

Karl Wendlinger
Karl Wendlinger

No final desse campeonato foi que a Leyton House marcou apenas um único ponto que aconteceu no GP da Hungria com Ivan Capelli, 32 corridas e simplesmente várias e várias quebras de equipamento principalmente na primeira parte de campeonato, após esse campeonato a Leyton House foi vendida para um grupo que tinha um consorcio com John Byfield, Tony Birchfield, Gustav Brunner e Henny Vollenberg e voltou a ser March na temporada de 1992.

Números da Leyton House em 1991

Gps: 32
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0
Pontos: 1
Motor: Ilmor LH10 V10
Potência: 680 Cavalos a 13.000 RPM
Chassi: CG911
Pilotos:

Mauricio Gugelmin
Ivan Capelli
Karl Wendlinger
Número de Voltas Completadas: 1.088 Fotos:

View post on imgur.com

Histórico da Leyton House

GPs: 64 (Largaram em 58 Corridas)
Vitórias: 0
Pole: 0
Pódios: 1
Pontos: 8
Pilotos:

Ivan Capelli (Itália)
Maurício Gugelmin (Brasil)
Karl Wendlinger (Áustria)

Voltas na liderança: 45
Voltas percorridas: 2.133
Melhor Grid de Largada: 7ºlugar Capelli (França/1990) e Gugelmin (Portugal/1991)
Melhor resultado em Corrida: 2ºlugar Capelli (França/1990)

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic