Especial Ligier : Temporada de 1989

Após uma horrível temporada em 1988 para a Ligier era agora é juntar todos os cacos e partir para 1989. Uma coisa já ajudava o time de Guy Ligier que foi o fim dos motores na Formula 1 (Que iria durar até o ano de 2014) Com isso em termos de projeto tudo ficava mais nivelado entre as equipes. A Segunda mudança foi a troca de motores, Saíram os Fracos motores Judd e vieram os Simples motores Ford DFR que tinham ido bem com a Benetton em 1988 o que já representava algo de positivo. Mantiveram René Arnoux (Que iria para a sua última temporada na Formula 1) e para substituir o Sueco Stefan Johansson que foi para a Onxy eles pegaram um outro Francês, O piloto Olivier Grouillard de 30 anos de idade.

Em Busca da Glória perdida foi feito o Chassi JS33 que teve como Design dos projetistas Ricardo Divila, Ken Anderson, Andy Willard, Paul Crooks, Michel Beaujon e Claude Gallopin, Um projeto mais convencional do que o chassi anterior que foi um fracasso total.

Chassi: Ligier JS33
Desenhista : Michel Beaujon (Diretor Técnico) e Claude Gallopin (Design)
Chassi : Monocoque de carbono e Kelvar
Transmissão : Ligier / Hewland
Mudanças : 6
Combustível / Lubrificante : Antar (16 GP), Elf (4 GP)
Amortecedores : Koni
Freios : discos de carbono da Brembo / SEP

Agora a Ligier teria de disputar com outros 37 carros de 19 equipes para disputar posições no Grid e marcar pontos algo que não conseguiu na temporada de 1988,.Mesmo com o pífio desempenho de 1988 ambos os pilotos da Ligier estavam classificados para a Classificação de Sexta e de Sábado e não precisariam penar nas pré-qualificações de quinta-feira.

A começar a temporada no Brasil a Ligier não começa bem com Rene Arnoux que não classifica para a  corrida (Eliminado em 28ºlugar na Classificação) Mas o estreante Olivier Grouillard conseguiu passar para o Grid com o 22ºlugar no Treino Oficial, Na Corrida o piloto francês sobreviveu a dura corrida em Jacarepaguá e chegou ao final da corrida em uma decente 9ªposição a 1 Volta do vencedor da corrida o que já poderia ser animador para a Ligier em 1989.

No começo da temporada Europeia em San Marino tivemos uma nova não classificação de Grid de Arnoux e um belíssimo treino de Grouillard levando o seu carro para uma inesperada 10ªposição no Grid de largada o que não acontecia para a Ligier desde de 1986 e poderia ser a corrida dos primeiros pontos do time em 89, Mas durante a paralização da corrida devido ao Terrível acidente de Gerhard Berger no começo da corrida a Ligier trabalhou sobre o carro durante essa paralisação que era proibido e o resultado disso foi uma desclassificação de corrida que poderia marcar o começo da recuperação da equipe azul.

Em Mônaco tivemos uma reação do Veterano René Arnoux que conseguiu se qualificar para o Grid de largada em 21ºlugar e aproveitando a chance de atrapalhar o Prost que ficou uma volta e meia atrás do seu desafeto, No final da corrida o Francês levou sua Ligier para o 12ºlugar a 4 Voltas do Vencedor, Grouillard largou mais na frente na 16ªVolta, Mas sua corrida termina na 4ªVolta com problemas de Câmbio.

De Volta a América para a tríade de corridas no norte do continente Latino-Americano. A Ligier foi em busca de pontos no campeonato algo que não se conseguia desde do GP da Bélgica de 1987…

… Mas no México ainda não foi possível pontuar apesar de mais uma boa corrida de Grouillard que largou em 11º e chegou em 8ºlugar na mesma volta de Tarquini e de Cheever, Já René Arnoux se classificou em 25ª e chegou em 14ºlugar a 3 voltas do vencedor ficando apenas na frente de Johnny Herbert com a Benetton, Ou seja ele tomou um Vareio do jovem Grouillard. Nos Estados Unidos um final de semana para se esquecer, Tanto Grouillard como Arnoux não conseguiam passar para o Grid de largada, Ficaram em 27º e 29ºlugares respectivamente e como só temos 26 no grid nenhum dos Ligier acabou indo para a corrida em Phoenix.

Fechando a trinca de corridas na América em Montreal no Canadá o jovem Olivier Grouillard acabou de Fora do Grid de largada. Renê Arnoux em 22º acabou representando a equipe sob a chuva do GP do Canadá que foi enorme loteria sob chuva o tempo inteiro, Lembrando seus bons tempos na Formula 1 o piloto Francês que tinha 38 anos manteve o carro na pista na zona de pontuação pela maior parte da corrida e foi recompensado com o 5ºlugar após as 69 Voltas de prova levando um carro da Ligier novamente nos pontos.

Isso não acontecia desde de 1987 quando o próprio Arnoux marcou um 6ºlugar no GP da Bélgica, Após essa corrida feliz de Arnoux a Formula 1 voltava para casa no GP da França , em Paul Ricard. Aonde teve um acidente forte com o piloto da March, Maurício Gugelmin e a Vitória tranquila de Alain Prost a Ligier novamente apareceu na zona de pontuação com o Francês Olivier Grouillard que largou do 17ºlugar para conquistar a 6ªposição em uma corrida ele progrediu bastante a partir da metade da corrida e ficando na última parte da prova na 6ªposição, Arnoux até largou bem na 18ªposição e estava perto de Grouillard, Mas teve problemas de Câmbio na 15ºvolta e abandonou a corrida.

Chegando a 8ªEtapa o GP da Inglaterra após 2 resultados seguidos nos pontos a expectativa de Arnoux e Grouillard eram de marcar pontos de novo. Mas Arnoux não se classificou de novo para a prova, Já Grouillard garantiu a presença da Ligier no Grid do GP Inglês com o 24ºlugar no Grid de largada. Na corrida Grouillard fez mais uma corrida impressionante e ficou muito perto de marcar mais um ponto na temporada ficando em 7ºlugar.

Começando a Segunda metade da temporada de 1989 na Alemanha não começou muito bem para Grouillard que tinha feito o 11ºtempo na Classificação, Mas seu motor quebrou logo na primeira volta, Arnoux largou bem lá atrás em 23º e Terminou a prova em 11º e último colocado dos que terminaram a prova mostrando toda a sua falta de velocidade e tendo o fim da Linha na Formula 1 como caminho mais próximo para ele.

Na Hungria uma nova eliminação Dupla na classificação para Ambos os pilotos. A Ligier voltaria ao Grid na Bélgica com Arnoux em 17º e Grouillard na última posição do Grid de Largada, Arnoux bateu na 4ªVolta e Grouillard completou a prova numa distante 13ªLugar numa corrida apagada; Na Itália em Monza pista de Altíssima velocidade a Ligier não teria grandes chances de pontuar com um simples motor Ford Cosworth DFR: Grouillard largou em 21º e acabou saindo da corrida na volta 30 e Arnoux largando em 23º conseguiu levar seu carro ao final da corrida na 9ªPosição.

O Final de ano da Ligier não foi nada bom. Em Portugal Grouillard não classifica para o Grid, Arnoux em 23º no Grid de largada fica apenas na 13ªposição apagada nas últimas posições sempre.

Em Jerez de la Fronteira dessa vez foi Arnoux que não classificou entre os 26 primeiros colocados, Grouillard largou em 24ºlugar e abandonou com problemas de motor. Era evidente que a Ligier caiu de nível na parte final da temporada.

No Japão em Suzuka René Arnoux falha para segunda vez seguida na sua missão de se classificar para o Grid de largada, Pelo menos Olivier Grouillard consegue colocar o carrinho Azul entre os 26 primeiros colocados (23ºColocado) Na Corrida o jovem piloto da Ligier fica pelo caminho na volta 34 sempre correndo nas últimas posições na prova.

Chegando ao diluvio na Austrália pelo menos Grouillard e Arnoux classificaram seus carros para o Grid de largada 24º e 26º Respectivamente. A Corrida para Arnoux acabou na volta 5 com problemas de Rotação e Grouillard deixou a prova na 23ªVolta por causa de um acidente quando tinha até alguma chance de sair com algum ponto nessa prova.

Ao Final da temporada de 1989 foi melhor que a de 1988, Nada que pudesse ser tão melhor como foi no ano anterior. Foram apenas 3 pontos no campeonato com uma 14ªposição no Mundial de Construtores sendo que Arnoux marcou 2 pontos e Grouillard marcou apenas 1 ponto. Ao final dessa temporada o veterano René Arnoux abandonou a Formula 1 e Grouillard mesmo com seu grande desempenho na Ligier acaba indo para a Osella. De uma das grandes equipes no começo dos anos 80 até o fundo do pelotão e lutando por alguns pontos no final dos anos 80 a Ligier esperaria uma alvorada dos anos 90 com melhores Resultados.

GPs: 32 (Largou em 21 Corridas)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0
Pontos: 3
Motor: Ford Cosworth DFR V8
potência: 595 cavalos a 10.750 RPM
Pilotos:
Rene Arnoux
Olivier Grouillard
Número de Voltas Percorridas: 829

Fotos:

View post on imgur.com

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Bestlap/Formel1mic

Especial Ligier: 19761977197819791980198119821983 – 19841985 – 1986 – 1987 – 1988

Especial: Coloni – A Marca de um Fracasso

Coloni – A Marca de um Fracasso
Origem da Coloni

Enzo Coloni era um piloto de Formula 3 Italiana por vários anos entre os anos 70 e 80, Enzo Conseguiu um titulo da Categoria em 1982, Coloni era chamado de Lobo pelo meio automobilístico, o Lobo que seria o logotipo da equipe. Em 1982 Coloni encerra sua carreira de piloto e decide gerir sua própria equipe na Formula 3.

Periodo na Formula 3 e 3000

Em 1983 a Coloni entra na Formula 3 Italiana, o Resultados já vieram no segundo ano com o Titulo do Campeonato de 1984. Em 1986 começou a participar do Formula 3000, mas sem muitos resultados. a Partir dai ele vai dar o Passo mais importante dele, a ida para a Formula 1

1987

Em 1987 a FIA anunciou que os motores Turbo seriam banidos da categoria a partir de 1989. Isso fez com que Coloni começasse o seu projeto de entrar na Formula 1. para isso a Coloni Montou o Chassi FC 187 movido pelos motores Ford Cosworth DFZ que tinha 565 Cavalos contra os 870 do Motor Tubro da Honda, com isso na Estréia, no GP da Itália no Treino oficial foram 12 Segundos acima do Tempo do Pole Position que foi o Brasileiro Nelson Piquet, e ficou em 27ºlugar, fora da corrida pois ficou a mais de 1 segundo do 26ºlugar, o Suíço Franco Forini da Osella-Alfa Roméo. A Coloni participou de mais uma corrida nessa temporada, no GP da Espanha em Jerez Larini já teve mais sorte e conseguiu classificação para a corrida: o 26ºlugar na Frente das Duas Osella com o Motor Turbo da Alfa-Roméo. Na Corrida Larini com problemas na suspensão abandonou a corrida na 10ºvolta. Assim terminava a Temporada de 1987 para a Coloni pois o time não iria viajar para as provas finais que seriam no México, Japão e Austrália. A Equipe Italiana a partir dai planejava sua primeira temporada inteira na Maior Categoria do mundo.

1988

Para 1988 a Coloni Faz o Chassi FC 188, Com o mesmo motor Ford-Cosworth DFZ, Larini partiu para a Osella mesmo com o Emprego Garantido na Coloni, a solução foi Contratar o Italiano Gabriele Tarquini para seu Lugar, a expectativa da Equipe era Classificar nas corridas, e se possível tentar marcar algum ponto, Para isso eles teriam de enfrentar a Pré-Classificação para que ele possam passar para o Treino de Classificação. Tarquini e a Coloni começam muito bem largando nas primeiras 5 corridas, Sendo a melhor Classificação para o Grid um 17ºlugar em San Marino, e na Corrida do GP do Canadá Tarquini alcança o melhor Resultado da História da Equipe, um 8ºlugar, na mesma volta de Jonathan Palmer e de Derek Warwick que lutaram pelo 6ºlugar.

Mas a partir dai com a Escassez de Dinheiro a Equipe não consegue ser uma equipe regular em Classificações, tanto é que só conseguiu mais 3 classificações nas corridas, sendo que nessas pistas não eram de Alta Velocidade. Tarquini ainda completou uma corrida em 11ºlugar no GP de Portugal. o Saldo Final da temporada não foi nada bom para a Coloni, com exceção do Canadá o time terminou Zerado na classificação Final do Campeonato. Mas pelo menos de Positivo a Equipe Superou algumas equipes como a Eurobrun, Zakspeed e até mesmo a Ligier na classificação final do campeonato por ter terminado a corrida do Canadá em 8ºlugar. Para 1989 o time esperava uma melhora que talvez colocasse a equipe na luta pelos pontos.

1989

Na Temporada de 1989 os motores Turbo são abolidos da Formula 1, com isso a esperança da Coloni em uma boa temporada aumenta, a Verba da Equipe Cresceu um pouco e com isso deu para alinhar dois carros para o Grid. Os Pilotos Foram escolhidos, o Brasileiro Roberto Pupo Moreno e o Francês Pirrie-Henri Raphanel, o Chassi para as primeiras corridas era o FC 188 com algumas alterações, sendo assim Chamado de FC 188B, começa o Campeonato e a Coloni se mostra muito aquém das outras equipes, e nas duas primeiras corridas a Equipe fica de Fora com os dois carros. Mas em Mônaco Pirrie Henri Raphanel e Moreno conseguem colocar os Coloni entre os 26 que largavam para a Corrida, Raphanel largou em 18º e Moreno em 24º. Mas na Corrida Ambos abandonaram, Raphanel na volta 21 e Moreno na volta 46, ambos com problemas de Transmissão. logo depois dessa corrida a Coloni voltou a Ser a mesma, não classificando para as corridas, até que no GP do Canadá a Coloni Estreia seu novo Chassi, o Coloni C3 já conseguiu com Moreno na 26ºPosição representando um salto de Qualidade na Equipe, na Corrida a Coloni vinha bem até que na Volta 59 de novo a Transmissão acabou traindo Moreno e fazendo o Brasileiro abandonar a corrida. A Coloni também Classificou na Inglaterra, Com Moreno largando na 23ªPosição, mas abandonou de novo com problemas de Transmissão, que alias foi o ponto fraco da Equipe.

Desenvolvimento e Esperança no GP de Portugal, após varias não Qualificações, um bico especial foi montado para a Corrida, esse bico foi feito por Gary Anderson, Roberto Moreno conseguiu a 15ªPosição no Grid, mas no Warm Up, um acidente com Eddie Chevver destrói o carro titular, fazendo com que Moreno Corresse com o Carro Reserva que era muito mais fraco que o carro titular, a Corrida do Brasileiro Durou tão Somente 12 Voltas, o Moto Ford Cosworth explodiu acabando com a Corrida do Brasileiro, Mesmo tendo três pilotos em 1989, Pirrie-Henri Raphanel foi substituído pelo Italiano Enrico Bertaggia, nada ele fez enquanto Moreno conseguia algumas corridas se classificar. o ano terminou com apenas 5 corridas para a Coloni e nenhum Resultado Final Expressivo. Mas para 1990 a Coloni esperava uma coisa melhor, e dai surgiu uma parceria que poderia gerar o Crescimento da Equipe na Formula 1.

1990: A Derrocada da Coloni na Formula 1.

Em 1990 a Coloni finalmente parece encontrar a Estabilidade Financeira na Formula 1, a Gigante companhia Japonesa, a Subaru comprou 51% da Coloni e pagou as dividas da Equipe, A Fábrica japonesa forneceria o motor Boxer de 12 Cilindros para o Time italiano, esses motores seriam preparados pela Motori Moderni que já tinha fornecido motores a Minardi durante 3 anos. a confiança do Time italiano era Grande, pois eles teriam dinheiro para testes finalmente e condições de Desenvolver esse carro, Somente um carro foi feito para a temporada de 1990, o Belga Bertrand Gachot teria a Honra (Seria mesmo Honra?) de Dirigir esse carro. mas quando chegou para o primeiro GP da Temporada a Coloni viu seu entusiasmo virou frustração rapidamente, o motor Boxer Flat 12 da Subaru gerava 500 cavalos apenas, sendo muito lento, e o C3B era um carro pesado, sem airbox, fazendo dele um carro dificílimo de dirigir, nos Estados Unidos o carro teve problemas e nem fez tempo.

No Brasil o Coloni de Bertrand Gachot foi quase 17 segundos da Pole Position de Ayrton Senna e ficou a 13 segundos do último Classificado da Corrida que foi Yannick Dalmas com a Fraquíssima AGS, no decorrer das corridas a Coloni continuava com o desempenho patético. Em San Marino Ganhot já fica a apenas 10 segundos da pole de Senna e quase 5 segundos do 26ºlugar no Grid de largada, Paolo Barilla com a Minardi, Mas em Mônaco a Coloni já leva de novo mais de 15 segundos da pole. e essa seria uma média de quanto seria o massacre do time. Enzo Coloni já via a bobagem que tinha feito em se associar com os Japoneses. as Direção da Equipe que era a Subaru Demitiu Enzo Coloni do cargo de Diretor da equipe, Mas a culpa não era só do diretor da equipe, a Subaru também tinha culpa no Projeto. a última aparição da Subaru na Formula 1 apareceu no GP da Inglaterra com Gachot tomando 12 segundos de Mansell que era o pole position. Depois disso a Coloni desisti da Formula 1 e vende a Equipe de Volta a Enzo Coloni que se via sem motor e sem o Dinheiro da Coloni para projetar o Resto do ano, o Jeito foi redesenhar o Chassi C3 para que ele pudesse receber o Motor Ford-Cosworth DFR que seria o motor para o Restante do ano.

A Diferença de 10 segundos, 15 segundos acima da pole já melhorava para 7 a 9 segundos da pole, e as Classificações para o Grid ficaram mais perto, mas ainda não era o Suficiente para passar para o Grid de largada. o Carro já andava na Frente das Euroburn e da Life que praticamente não existia no Grid e andava perto de AGS, Osella. Mas ainda distante de uma classificação. No Final da Temporada com a Desistência de Onxy e de Eurobrun, a Coloni tinha mais chances de se classificar para a corrida. O Ano terminava para a Coloni de maneira desastrosa demais, com nenhum ponto feito e somente melhor que a Life a Coloni estava sem Credito na Formula 1, mas iria tentar ir para a temporada de 1991.

1991: O Esperado Final

Em 1991 a Coloni estava bem no fundo do Poço endividada com a frustrada parceria com a Subaru, a situação era tão ruim que a Coloni só tinha em sua equipe 6 pessoas, e a solução para tentar ser competitivo foi modificar o Chassi C3C para tentar melhorar (Se isso fosse possível com esse carro) e rebatizaram ele de C4. Uma parte desse projeto foi feito pelos estudantes de Perugia, eles esperavam que Andrea de Cesaris fosse correr na Equipe para trazer os Dólares da Marlboro para que pelo menos diminuísse a Dívida do Time, mas a Jordan acabou contratando De Cesaris (Para a Sorte dele!) e o que restou para a Coloni foi a contratação de Pedro Chaves para correr no Time, ele levou algum dinheiro do Vinho Mateus. Bom, só restava torcer agora para que algo desse certo na temporada, mas desde inicio se via que a Coloni era disparada o Pior time do ano. No GP do Brasil, por Exemplo, Chaves ficou a mais de 7 Segundos acima do tempo do Pole que era o Ayrton Senna. Mas dependendo da Corrida a Diferença entre a Coloni e o pole position chegava a até mais de 10 segundos atrás do Pole. No México a incrível inferioridade da Coloni chegava a ser ridícula, pois a diferença entre Chaves e Patrese era de mais de 20 Segundos, tão ruim quanto aquela parceria com a Subaru. Nas outras pistas o carro continuava sendo 10 segundos mais lento que o Pole, isso durou até o GP de Portugal, quando foi a última corrida de Chaves na Formula 1, a equipe de ausenta do GP da Espanha, e volta para as duas corridas finais, dessa vez com o nipônico Naoki Hattori que andou nesse carro nas corridas finais e a história não foi diferente, em Suzuka Hattori que não tinha experiência nenhuma em carro de Formula 1, conseguiu a proeza de ficar a 26 Segundos da pole position e em Adelaide pra encerrar a História da Coloni com uma Chave de lata Hattori foi 8 Segundos mais lento que Senna que foi o Pole daquela corrida chuvosa demais. 1991 terminavam e a Coloni desistiria da Formula 1 Definitivamente. Com o incrível Cartel de apenas 14 largadas e nenhum ponto marcado, além de varias não classificações para o Grid e dos patéticos desempenhos em varias e Varias situações a Coloni registrou na sua história a Imagem de ser um dos times mais Toscos da História da Formula 1 que mesmo com muito esforço das novas equipes não devera ser repetido.

Fotos:

Currículo da Coloni na Formula 1:

GPs: 82 Corridas (Largou em 14 Corridas)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0
Pontos: 0
Melhor Resultado: Gabriele Tarquini com o 8ºlugar no GP do Canadá de 1988
Pilotos:

Nicola Larini (Itália)
Gabriele Tarquini (Itália)
Pierre-Henri Raphanel (França)
Roberto Pupo Moreno (Brasil)
Enrico Bertaggia (Itália)
Bertrand Gachot (Bélgica)
Pedro Chaves (Portugal)
Naoki Hattori (Japão)

Álbum de Figurinhas da Formula 1 de 1989

Se pensam que a Formula 1 nunca teve seu álbum de figurinhas você esta enganado, pois em 1989 tivemos pela primeira vez um álbum de figurinhas sobre Formula 1, isso na temporada de 1989. Incrível as informações que se tem desse álbum sobre as equipe e os pilotos. não esta tudo certo, mas pelo menos tem muita informação em relação a época que ele foi lançado:

Veja todas as paginas desse álbum:

pagina_1.jpg

pagina_2.jpg

pagina_3.jpg

pagina_4.jpg

pagina_5.jpg

pagina_6.jpg

pagina_7.jpg

pagina_8.jpg

pagina_9.jpg

pagina_10.jpg

pagina_11.jpg

pagina_12.jpg

pagina_13.jpg

pagina_14.jpg

pagina_15.jpg

pagina_16.jpg

pagina_17.jpg

pagina_18.jpg

pagina_19.jpg

pagina_20.jpg

pagina_21.jpg

pagina_22.jpg

pagina_23.jpg

pagina_24.jpg

pagina_25.jpg

pagina_26.jpg

pagina_27.jpg

pagina_28.jpg

pagina_29.jpg

pagina_30.jpg

pagina_31.jpg

pagina_32.jpg

pagina_33.jpg

Patrocínio:
planatina_projeto_gif

Especial: Equipe Rial – Parte 2

1989:

A Rial partia para a segunda temporada, Dessa vez teria um campeonato mais igual por que os motores turbo foram proibidos, todos os times teriam motores aspirados o que iria permitir uma igualdade maior, para começar o projetista Stefan Fober corrigiu o problema noi tanque de combustível e fez um estudo sobre o ARC01 fez modificações com o mesmo carro e renomeou ele de ARC02 com 208 litros de combustível e o Motor Ford Cosworth V8 DFR que gerava para a equipe 600 cavalos de potência. Os pilotos são os Alemães Christian Danner e Wolker Weidler que era vindo da Formula 3000, Os Seja uma dupla alemã numa equipe Alemã.

O novo regulamento a Rial com os 3 pontos feitos por De Cesaris em 88 fazia com que o piloto Christian Danner entrasse direto no Treino de Classificação, Já para o novato Wolker Weidler ele terai que disputar com outros 12 pilotos a Pré-Classificação. A terrível Pré-Classificação que somente 4 pilotos passavam para os treinos oficiais.

Em Jacarepaguá a Rial de Wolker Weidler fracassou na pré-classificação, Já Christian Danner classificou a Rial em 17º no Grid de largada, um bom começo para a Rial em 1989, na corrida Danner terminou a prova, Mas longe de um desempenho aceitável, Ficou em 14ºlugar, tendo problemas com o Câmbio do carro ficando a 5 voltas do vencedor. Em San Marino a Rial fica pela primeira vez de Fora da corrida, Weidler não passa de novo do Pré-qualify e Danner não conseguir lugar entre os 26 que garantem vaga na Formula 1. Esse mesmo quadro iria se repetir em Mônaco com Weidler fora dos treinos de Classificação e Danner não conseguindo se classificar para a corrida.

A Rial só volta a correr no GP do México onde Danner largaria em 23ºlugar e completaria a prova em 12ºlugar, O Carro se mostrava pelo menos um carro confiável se ele não era rápido, Isso beneficiou a Christian Danner no GP dos Estados Unidos que estava em uma nova cidade, Em um novo traçado o Alemão Danner largou em 26º e último lugar do que conseguem classificação para a corrida e mesmo com um Carro lento o piloto Alemão completa a prova em 4ºlugar atras somente de Alain Prost, Ricardo Patrese e de Eddie Cheever e acabou na Frente de Johnny Herbert com Benetton e Thierry Boutsen com a Williams. A Rial teria 3 pontos na temporada após 5 corridas o que daria uma esperança de melhora para a equipe.

Danner consegue pela 3ªvez seguida a classificação para a corrida, largando em 23º Danner acabou a prova sob chuva em 8ºlugar, sendo que foi o último colocado, Se estranham que não estamos falando de Wolker Weidler é que ele foi eliminado em todas as ocasiões na Pré-qualificação. Günther Schmidt nem suspeitava, Mas no Canadá a Rial faria sua última corrida na Formula 1, Mesmo com as falhas na Classificação para correrem na França e na Inglaterra a Rial com os seus pontos ganhos na 1ªmetade da temporada acabou garantindo lugar para os dois pilotos na Classificação. Mas o carro estava num estágio tão ruim que na Alemanha nenhum dos dois pilotos se classificou para o Grid de largada, Weidler foi desclassificado do treino por irregularidades na parte técnica, A partir dessa prova a Rial iria se perder totalmente. Mesmo garantida nas classificações a Rial era um fiasco nos treinos, Na Hungria nova desclassificação e Weidler é mandado embora da equipe.

Na Bélgica a maior prova da falta de evolução da Rial com a Estreia de Pierre-Henri Raphanel que estava lá mais por causa de dinheiro do que de talento a Rial fez com Danner 2:00.247. O 26ºcolocado do Grid de largada que foi Olivier Grouillard com 1:57.027, foram 3 segundos mais lento do que o tempo de classificação, isso com o Danner, já com Raphanel foi 2:02.937, a quase 6 segundos de Grouillard.

Na Itália e em Portugal a Rial fez papelão e não largou com nenhum dos dois carros e sempre com tempos muito lentos mesmo, cerca de 2 segundos mais lento que seus adversários mais diretos para a luta por lugares no grid de largada. Para Danner que talvez fosse a única boa peça desse time a paciência se esgotou e ele saiu da equipe. Gregor Foitek substituiu a Danner, e a estadia dele só durou um final de semana, Em Jerez Foitek bateu forte no treino de classificação e acabou sendo mandado embora da Rial, nem precisa dizer que o time não se classificou nessa corrida. Bertrand Gachot foi o substituto de Foitek nas duas corridas finais, Mas de nada aconteceu, Pierre-Henri Raphanel mostrou que não tinha potencial para correr na Formula 1, Mesmo que ele tenha conseguido largar nem Mônaco com uma Coloni. Foram 4 segundos mais lento que o 26ºlugar no Grid de largada do GP do Japão e foram 2 segundos no GP da Austrália entre Raphanel e Gachot e o último lugar no Grid do GP da Austrália.

Ao final do ano com o 4ºlugar em Phoenix de Christian Danner a Rial completou o ano na 13ªposição com 3 pontos ganhos, Mas por causa da Falta de dinheiro, falta de organização, da Arrogância de seu dono acabam por acabar com que a equipe fechasse as Portas, após 2 temporadas na Formula 1. Que pena, poderia ser um time com mais sucesso se não fosse um time tão desorganizado como foi.

Números da Rial em 1989:

Gps: 32 (Largou em 4 Gps)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0
Pontos: 3
Motor: Ford DFR V8
Pilotos:

Christian Danner
Gregor Foitek
Bertrand Gachot
Pirrie-Henri Raphanel
Volker Weidler

Dados sobre o Carro de 1989:

Dados Técnicos:

País : Alemanha
Patrocínio : Rial Marlboro
Chassi: ARC02
Motor: Cosworth Mader V8 90
Potência: 620
Projetista: Gunther Schmidt
Diretor Técnico: Gunther Schmidt
Projetista: Gustav Brunner/Stefan Fober
Pneus: Goodyear

Motor :Ford Cosworth
Pneu :Goodyear
Chassi : monocoque Fibra de Carbono e Kevlar
Peso : 500 kg
Transmissão : Rial (6 marchas mais marcha Ré)
Combustível / Lubrificante : STP
Tanque : 208 Litros
Suspensão :
Amortecedores :Koni
Freios :
Disco de Carbono – Brembo/SEP
Comprimento :
Distância entre eixos : 2800 mm
dianteira : 1800 mm
traseira : 1600 mm

Fotos:

 

View post on imgur.com

Histórico da Rial

Gps: 48 Gps (Largou em 20 GPs)
Vitórias: 0
Poles: 0
Pódios: 0
Pontos: 6
Pilotos:
Andrea de Cesaris (Itália)
Christian Danner (Alemanha)
Gregor Foitek (Suiça)
Bertrand Gachot (Bélgica)
Pirrie-Henri Raphanel (França)
Volker Weidler (Alemanha)

Referências: Stats F1, A Mil por Hora

Fonte das Fotos: Bestlap, Formel1mic

Texto: Deivison da Conceição da Silva

Reveja a primeira parte desse especial

Patrocínio:
planatina_projeto_gif

Corridas Históricas: GP do Japão de 1989

Xkhczmdg

Grid de largada:

1 Ayrton Senna (McLaren/Honda) 1’38.041
2 Alain Prost (McLaren/Honda) 1’39.771
3 Gerhard Berger (Ferrari) 1’40.187
4 Nigel Mansell (Ferrari) 1’40.406
5 Riccardo Patrese (Williams/Renault) 1’40.936
6 Alessandro Nannini (Benetton/Ford) 1’41.103
7 Thierry Boutsen (Williams/Renault) 1’41.324
8 Philippe Alliot (Lola/Lamborghini) 1’41.336
9 Stefano Modena (Brabham/Judd) 1’41.458
10 Nicola Larini (Osella/Ford) 1’41.519
11 Nelson Piquet (Lotus/Judd) 1’41.802
12 Satoru Nakajima (Lotus/Judd) 1’41.988
13 Martin Brundle (Brabham/Judd) 1’42.182
14 Luis Perez-Sala (Minardi/Ford) 1’42.283
15 Alex Caffi (Dallara/Ford) 1’42.488
16 Andrea de Cesaris (Dallara/Ford) 1’42.581
17 Ivan Capelli (March/Judd) 1’42.672
18 Jean Alesi (Tyrrell/Ford) 1’42.709
19 Paolo Barilla (Minardi/Ford) 1’42.780
20 Mauricio Gugelmin (March/Judd) 1’42.880
21 Bernd Schneider (Zakspeed/Yamaha) 1’42.892
22 Emanuele Pirro (Benetton/Ford) 1’43.063
23 Olivier Grouillard (Ligier/Ford) 1’43.379
24 Eddie Cheever (Arrows/Ford) 1’43.511
25 Derek Warwick (Arrows/Ford) 1’43.599
26 Jonathan Palmer (Tyrrell/Ford) 1’43.757

Não Largaram:

René Arnoux (Ligier/Ford) 1’44.030
Michele Alboreto (Lola/Lamborghini) 1’44.063
Pierre-Henri Raphanel (Rial/Ford) 1’47.160
Bertrand Gachot (Rial/Ford) 1’47.295
Piercarlo Ghinzani (Osella/Ford) 1’44.313
Roberto Moreno (Coloni/Ford) 1’44.498
Stefan Johansson (Onyx/Ford) 1’44.582
Aguri Suzuki (Zakspeed/Yamaha) 1’44.780
Oscar Larrauri (Euro Brun/Judd) 1’45.446
J J Lehto (Onyx/Ford) 1’45.787
Gabriele Tarquini (AGS/Ford) 1’46.705
Yannick Dalmas (AGS/Ford) 1’48.306
Enrico Bertaggia (Coloni/Ford)

Em Decisão absurda Senna é Desclassificado, Prost é o Campeão de 1989 e Nannini conquista sua 1ªvitória na Formula 1

Suzuka, Japão. Mais uma vez a decisão do campeonato iria para lá e mais uma vez entre Senna e Prost dessa vez com a vantagem para Alain Prost que tinha 76 pontos, Mas já estava limitado pelos descartes e Ayrton Senna com 60 pontos que só poderia ser o campeão se conseguisse vencer as 2 últimas etapas do ano.

O Script do filme estava armado. Com os melhores carros a Mclaren dominou os treinos com Senna largando na pole position e Prost em 2º depois vindo as Ferrari de Berger e Mansell que tomaram 2 segundos das Mclaren na Classificação.

Bgcgg5lx

As Atenções estavam voltadas aos dois pilotos da Mclaren que acabaram por se desentender durante a temporada de 1989. Tanto que Alain Prost iria deixar a Mclaren e correr na Ferrari para 1990. Ambos estavam concentrados para largarem bem, mas na largada Prost pulou mais rápido que Senna e assumiu a ponta da corrida enquanto Senna se manteve na frente de Berger e assumia o 2ºlugar. Quem largou bem foi Alessandro Nannini que pulou de 6º para a 4º já quem perdeu posições foi Mansell que caiu de 4º para 6ºlugar. A Corrida acabou para as duas Minardi na primeira volta Paolo Barilla nem largou e Luis Perez-Sala se acidentou e abandonou a corrida.

Prost logo de inicio impõe ritmo fortíssimo tentando fazer Senna cair em sua armadilha, Senna já ciente disso não adotou essa estratégia de perseguir Prost no começo da corrida.

A Classificação após a primeira volta era: Prost (1:49.369), Senna (a 1.401), Berger (a 2.793), Nannini (a 3.834), Patrese (a 4.917) e Mansell (a 5.393). Na Segunda volta Bernd Schneider com a Zakspeed-Yamaha acabou fora da corrida com problemas de Câmbio (Seria a última vez que a Zakspeed participaria de um Grande Prêmio).

Prost estava impondo um ritmo de corrida fortíssimo fora da principal característica do Francês que era o rei da estratégia. O piloto que mais poupa o carro, Já Senna Andava no ritmo normal. Mansell passou Patrese antes de acabar a 2ªvolta da corrida e assumia o 5ºlugar e agora Mansell partiria pra cima de Nannini na briga pelo 4ºlugar.

Genhcyhu

Prost continuava seu ritmo fortíssimo, Mas Senna não se preocupava em ter o mesmo ritmo de Prost no começo da corrida, procurando poupar o seu carro e atacar na hora certa. Classificação após 5 voltas: Prost (8:55.296), Senna (a 3.815), Berger (a 6.219), Nannini (a 9.635), Mansell (a 12.831) e Patrese (16.242).

Senna já abria 2 segundos na frente de Berger sem ter problemas de se poupar no começo ao contraio de Prost que continuava seu ritmo forte. Lá atrás Nakajima tentava recuperar terreno após ter tido uma largada ruim. Prost fazia a melhor volta da corrida na volta 7 com 1:45.827 – Média de 199.310 km/h (123.845 Mph) Prost tinha 4.5 segundo na frente de Senna, Mas já começava a sentir o maior desgaste de pneus e logo Senna começaria a andar melhor do que Prost.

Na Volta 9 a Classificação era : Prost, Senna, Berger, Nannini, Mansell, Patrese, Boutsen, Alliot, Modena e Piquet.

Na Volta 9 Senna é finalmente mais rápido que Alain Prost. Era a partir daí que Senna começava a sua luta pela vitória. Alesi e Pirro acabaram por se enroscar no grampo e Nakajima ganhou as posições dos dois.

Na Volta 11 Prost e Senna fizeram 1:45.7 mas foi Prost que fez a volta mais rápida com 1:45.722 – Média: 199.508 km/h (123.968 Mph) a Vantagem de Prost era de 5 segundos sobre Senna, Berger estava longe já de Senna. Na volta 12 Senna fazia a melhor volta da corrida 1:45.359 passando dos 200 km de média horária (200.195 km/h).

Senna tentava se aproximar de Prost mas só conseguia tirar 1 décimo por volta. Mas Prost na volta 14 respondia fazendo a melhor volta da corrida 1:45.200 – Média de 200.498 Km/h (124.583 Mph) com isso a diferença deles era de 5 segundos, Berger estava a 12 segundos de Senna e consequentemente a 17 de Prost depois vinha Nannini e Mansell brigando pelo 4ºlugar. Na Volta 15 Senna deu o troco pra cima de Prost. 1:44.960 (200.956 km/h).

Logo Começaria a rodada de paradas para os boxes, Alliot passou reto depois da Degner. Senna na volta 17 tirava 6 décimos de Prost fazendo a diferença cair para 3.8 segundos. Na Volta 18 Mansell fazia sua troca de pneus.

Depois de 17 voltas completadas a classificação era: Prost (30:03.892), Senna (a 3.878), Berger (a 20.332), Nannini (a 24.766), Mansell (a 27.428) e Patrese (a 37.099)

As Mclaren começariam a ter tráfego de retardatários e Prost na volta 18 foi 7 décimos mais rápido do que Senna fazendo a vantagem voltar a casa dos 4 segundos. Prost começava a pegar os retardatários e eram logo três: Alesi, Chevver e Grouillard, E Prost acabou se complicou na ultrapassagem e com isso Senna diminuiu a diferença de 4.6 para 3.1 ao termino da volta 19. Senna também não deu sorte para passar os retardatários. Com isso na volta 20 Senna estava 4.3 segundos atrás de Prost. Na 20ªVolta Alessandro Nannini faz sua parada nos boxes.

Na volta 21 Alain Prost iria para os boxes para fazer a sua primeira troca, Um pit muito rápido que durou 7 segundos e 86 Centésimos. Senna assumia a liderança que era até esperado sendo que Senna não gastou tanto os pneus do que Prost que continuava a passar os retardatários como as duas Dallaras de Caffi e De Cesaris.

Boutsen e Alliot na volta 23 pararam para tocar os seus pneus, ao Final da volta 23 Senna foi para os boxes trocar seus pneus a Mclaren não trabalhou tão bem assim, o tempo foi 9.89 segundos perderam 2 segundos e 3 centésimos. A Classificação da corrida era após 24 voltas: Prost (42:47.274), Senna (4.673) , Berger (24.705), Nannini (28.542) , Mansell (29.617) e Patrese (32.490) . Piquet era o 7ºlugar e ainda não fez a sua primeira parada nos boxes.

Lzi8jvdq

Jonathan Palmer com a Tyrrell e Nicola Larini com a Osella abandonaram a corrida com 20 e 21 voltas respectivamente. (Palmer por problemas na Bomba de combustível e Larini com problemas nos freios)

Senna começava a se aproximar de Prost, sentindo que a hora de atacar Prost era agora. Patrese Trocou os pneus e com isso Nelson Piquet estava em 6ºlugar. Já estávamos na metade da corrida. A volta 25 de Ayrton Senna era a melhor volta da corrida com 1:43.904(202.998 km/h) chegando a 126 mph.

Prost e Senna negociam ultrapassagens sobre os retardatários. Senna fazia a volta mais rápida de novo com 1:43.496 (203.799 km/h) e Diminuía a distância para 3 segundos atrás de Alain Prost e acabou se livrando mais rápido de Warwick e Gugelmin que estavam tomando uma volta de Prost e Senna. Era a primeira vez que Senna começava a se aproximar de vez de Prost para a batalha.

Já Brundle não facilitou para nenhum dos dois (nem Prost, nem Senna tiveram facilidades para passar o Inglês) Na volta 29 Senna virava 2 décimos mais rápido que Prost e continuava a cair a diferença de Prost para Senna. Capelli com a sua March acabou sendo o 6ºpiloto a deixar a corrida com problemas de Suspensão. Na 30 voltas Modena foi o retardatário para ser passado, Ddessa vez nenhum dos dois teve problema e Senna virava 7 décimos mais rápido que Prost e a diferença caia para 2 segundos. Alesi era o retardatário na volta 31, Dessa vez Alesi atrapalha Senna, Mas assim mesmo Senna foi mais rápido que Prost e a diferença dele estava em 1.7 segundos.

Qxolcnaf

Motor de Grouillard na volta 31 pediu Água (quebrou) e abandonou a corrida. Piquet finalmente faz sua troca de pneus, foi o último dos pilotos a parar nos boxes para uma primeira troca. Classificação após 31 voltas: Prost (55:00.179), Senna (a 1.758), Berger (a 28.641), Nannini (a 36.006), Mansell (a 41.877) e Patrese (a 1:07.293).

Prost na volta 32 Consegue ser mais rápido nos centésimos do que Senna. Na Volta 33 Senna comete um erro e acabou e perdeu meio segundo e com isso a vantagem subiu para 2.2 segundos. Nelson Piquet na volta 34 começava a ser alvo de Prost e Senna para ser ultrapassado para levar uma volta dos dois pilotos da Mclaren.

Piquet abriu para Prost passar, Mas Senna teve dificuldade e com isso perdeu tempo e a diferença voltou a estar a casa dos 3 segundos a favor de Prost. Berger com problemas de câmbio abandonou a corrida e com isso Nannini assumiu o 3ºlugar da corrida com Mansell em 4º e Patrese e Boutsen em 5º e 6ºlugar. E Pirro e De Cesaris acabaram se chocando no hairpin e tudo foi culpa do Pirro que se chocou com De Cesaris que defendia sua posição de forma correta.

Senna tentava buscar de novo Prost e precisava ser rápido, O tempo estava acabando ou melhor as voltas estavam acabando (faltavam 16 voltas para o final), para Senna era agora ou nunca, para Prost era só se manter na frente que o Título era dele. Classificação após 36 Voltas: Prost (1:03.40.057), Senna (a 3.337), Nannini (a 46.947), Mansell (a 51.025), Patrese (a 1:17.159) e Boutsen (a 1:23.574).

Na Volta 37 Senna faz a volta mais rápida com 1:43.300 – Média de 204.185 km/h (126.875 Mph), Alliot quebra o motor Lamborghini na volta 36 e deixa a corrida após boa corrida. Jean Alesi também deixa a corrida com problemas de Câmbio. E a briga entre Prost e Senna. Nannini em Terceiro lugar estava a mais de 30 segundos atrás de Senna, mas com o Terceiro lugar administrável. 1:43.025 Senna faz a melhor volta da corrida na volta 38 e baixa a diferença para 2 segundos.

Na Volta 39 Senna baixa a diferença para 1.7 segundos. Enquanto isso Mansell fuma na Pista e com isso Mansell deveria abandonar a corrida, Mas o leão continuava na corrida achando que ainda dava para prosseguir.

No final da volta 40 Prost perde muito tempo atrás da Arrows e acaba Senna se aproximando definitivamente pra cima de Alain Prost e ambos iriam travar a batalha final em Suzuka. O Francês para matar o campeonato a favor dele enquanto Senna tenta levar o título para Adelaide. Nakajima na volta 39 deixou a corrida. (Seu motor Judd não aguentou o tranco da corrida) Mansell depois de muitas voltas fumando acabou parando com problemas com Problemas de Motor o V12 da Ferrari também não aguentou até o final, nisso Nannini se firmava em 3ºlugar que era o máximo que ele poderia conseguir com Prost e Senna na pista.

Yl8gi3mr

Senna buscava a Ultrapassagem, Mas Prost acabava Saindo mais forte na aceleração do que Senna. Nisso dava pra ver que Na reta não iria acontecer a ultrapassagem e que teria que ser numa curva e foi justamente na volta 45 em que Senna subindo a grande reta foi com ação em cima de Prost e quando Senna buscou a ultrapassagem pra cima de Prost na chicane o francês Alain Marie Pascal Prost Teve seu momento mais negro da sua carreira na Formula 1. O francês jogou o carro pra cima de Ayrton Senna, os dois batem, e ficam parados.

Z6ysjybe

Com isso o título era de Prost que estava satisfeito e deixava o carro por aí abandonando a corrida. Já Senna queria voltar e pediu para ser empurrado, com a ajuda necessária dos fiscais de pista acabou voltando ele foi conduzido para fora da Chicane e voltou a corrida com a Asa dianteira quebrada.

5pjuvhhf

Senna ele precisava ir aos boxes para trocar a Asa, mas sem ir rápido Senna acaba quebrando o bico e na Curva Degner passa reto. consegue voltar a pista e vai para os boxes. Nannini que tinha um terceiro lugar garantido e satisfeito por subir ao pódio acabou vendo a chance de vencer pela primeira vez na Formula 1. Nannini Passa depois de Senna ter de ir aos boxes tocar o bico dianteiro. Senna volta longe de Nannini e com 5 voltas para o final.

Nannini tinha uma boa distância sobre Senna e parecia que mesmo com Prost fora o Título ficaria com o Francês, Mas o problema de Prost e de Nannini era que tinha ainda Ayrton Senna na corrida.

Senna foi nas ultimas 5 voltas alucinado em cima de Nannini e mesmo com a suspensão danificada Senna tirava diferença sobre Nannini, na volta 49 a diferença era de 4.6 segundos e na volta 50 Senna se aproximava do jovem Italiano de uma forma impressionante, enquanto isso os comissários e os fiscais e homens da FIA estavam na Torre para avaliar se tinha ou não punição para Senna.

A 3 Voltas para o final da corrida Nannini na frente com Senna na sua cola, Nannini lutava pela primeira vitória na carreira e Senna lutava para vencer a corrida e levar o título para a Austrália. E a menos de 2 voltas para o final Senna passa Nannini na chicane, dessa vez sem incidente restando 2 voltas para o final Senna tinha passado Nannini de forma dramática e emocionante. E Nessas horas é que só mesmo Senna para conseguir isso.

Fplxcoit

Na pista Senna completou as duas últimas voltas na liderança e acabou cruzando na frente, numa das corridas mais emocionantes da história da Formula 1, Senna fez uma das maiores corridas em que um piloto poderia fazer na história de 39 anos de Formula 1 (67 nos dias de Hoje).

Com isso Senna levava a Disputa do título para a Austrália, Mas minutos depois os comissários de prova desclassificam Senna e deram a vitória a Alessandro Nannini. Com isso Prost conquistava o Tricampeonato. Balestre depois de um tempo ele confessava que acabou mandando punir Senna para dar o título para Prost.

Senna e a Mclaren criticaram de forma muito forte a Balestre. Com isso Balestre chegou a dar uma punição de 6 meses sem correr e de 100 mil dólares. E ainda ameaçou Tirar a Mclaren da Formula e de cassar a Superlicença de Senna caso Ron Dennis e Senna não se retratassem das palavras que eles falaram ao presidente da FISA (FIA).

O Caso é que Prost em seu momento mais sujo de sua carreira fantástica chegava ao seu tricampeonato e levava o número 1 para a Ferrari. Mas essa manobra teria uma consequência no ano seguinte. Senna não esqueceria jamais essa derrota política e iria querer a vingança. Nannini comemorava a sua primeira vitória da Carreira (Que acabaria sendo a única da carreira) Junto de Patrese e de Boutsen. Piquet que fez grande corrida com a Carroça da lotus-Judd em 4º, Brundle em 5º e Warwick em 6º Completaram a zona de pontuação.

Resultado final do GP do Japão de 1989

Fotos:

Vídeo da corrida: Motor Sports

Fonte das Fotos: Bestlap, Formel1mic

Texto: Deivison da Conceição da Silva