Dakar Dakar 2017 Fotos Off-Road Rally

Dakar 2017 com o Sistema de pontuação da Formula 1

Published by:

Fizemos um exercício bem louco sobre como seria o Rally Dakar tivesse a pontuação da Formula 1 de hoje. Se a classificação da Formula 1 valesse para o Dakar desse ano acabaria que Joan Barreda Boat ganharia nas motos ao invés de Sam Sunderland. Sebastien Loeb e Daniel Elena seriam os campeões no lugar de Stephane Peterhansel e Jean Pirrie Cottret e nos UTV os Brasileiros Leandro Torres e Lourival Roldan não teriam a taça na mão por 2 pontos. O título seria dos Russos Maganov Ravil e Kirill Shubin.

Já nos quadriciclos com Sergey Karyakin e nos Caminhões com o trio Eduard Nikolaev, Evgeny Yakovlev e Vladimir Rybakov é que os resultados não iriam se alterar em termos de campeões.

Pontuação da Formula 1 : 1º 25 Pontos, 2º 18 Pontos, 3º 15 pontos, 4º 12 Pontos, 5º 10 Pontos, 6º 8 Pontos, 7º 6 Pontos, 8º 4 Pontos, 9º 2 Pontos, 10º 1 Ponto. Em negrito são os campeões do Dakar de 2017.

Classificação na Categoria Motos:

11 Joan Barreda Boat 141
17 Paulo Gonçalves 119
14 Sam Sunderland 118
16 Matthias Walkner 71
6 Adrien van Bereven 69
3 Pablo Quintanilla 59
8 Gerard Farres Guell 58
9 Ricky Brabec 55
12 Juan Pedrero Garcia 47
31 Pierre Alexander Renet 46
23 Xavier de Soultrait 36
2 Stefan Svitko 36
15 Michael Metge 36
67 Franco Caimi 32
1 Toby Price 26
5 Helder Rodrigues 14
25 Ivan Cervantes Montero 10
79 Todd Smith 10
34 Diego Martin Duplessis 7
26 Adrian Metge 6
32 Juan Carlos Salvatierra 6
87 Cristian España Muñoz 4
45 Ondrej klymciw 2
43 Rodney Faggotter 1
82 Daniel Oliveras Carreras 1

Classificação na Categoria Quadriciclos:

254 Sergey Karyakin 139
251 Ignacio Casale 128
263 Pablo Copetti 98
280 Alex Dutrie 81
257 Nelson Augusto Sanabria Galeano 77
258 Daniel Domaszewski 69
267 Kees Koolen 65
256 Walter Nosiglia 52
279 Simon Vitse 49
261 Santiago Hansen 49
271 Marcelo Medeiros 37
250 Rafal Sonic 36
262 Bruno da Costa 35
270 Gustavo Gallego 26
282 Pablo Gaston Rios 18
265 Lucas Innocente 18
284 Kamil Wisniewski 10
252 Josef Machacek 6
277 Tomas Kubiena 5
272 Daniel Mazzucco 4
278 Alexandre Giroud 4
268 Jan Bastiaan Nijen Twilhaar 2
281 Gaston Gonzalez 1
276 Zdenek Tuma 1

Classificação na Categoria Carros:

309 Sebastien Loeb / Daniel Elena 194
300 Stephane Peterhansel / Jean Paul Cottret 162
307 Cyril Despres / David Castera 107
302 Giniel de Villiers / Dirk von Zitzewitz 91
305 Nani Roma/Alex Haro Bravo 85
303 Mikko Hirvonen / Michel Perin 62
308 Orlando Terranova / Andreas Schulz 53
306 Yazeed Al Rajhl / Timo Gottschalk 47
304 Carlos Sainz / Lucas Cruz 45
301 Nasser Al-Attiyah / Matthieu Baumel 43
320 Conrad Rautenbach / Robert Howie 30
310 Erik Van Loon / Wouter Rosegaar 21
311 Xavier Pons / Ruben Garcia 18
318 Romain Dumas / Alain Guehennec 12
319 Sheikh Khalid Al Qassimi / Pascal Maimon 12
316 Jakub Przygonzki / Tom Colsoul 10
335 Eric Bernard/ Alexandre Vigneau 6
314 Boris Garafulic / Filipe Palmeiro 4
323 Nicolas Fuchs / Fernando Mussano 4
321 Martin Prokop / Lika Minor 3
317 Ronan Chabot / Gilles Pillot 1

Classificação na Categoria UTV:

378 Maganov Ravil / Kirill Shubin 176
351 Leandro Torres / Lourival Roldan 174
342 Mao Ruijin / Sebastien Delaunay 141
374 Li Dongsheng / Quanquan Guan 130
386 Wang Fujiang / Li Wei 126
372 Santiago Navarro / Oriol Vidal 45
365 Joan Font / Gabriel Moiset Ferrer 36
382 Andreu Cachafeiro Vidal / Guifre Pujol Solsona 4

Classificação na Categoria Caminhões:

505 Eduard Nikolaev / Evgeny Yakovlev / Vladimir Rybakov 152
513 Dmitry Sotnikov / Rusian Akhmadeev / Igor Leonov 118
500 Gerard de Rooy / Moises Torrallardona / Darek Rodewald 104
502 Federico Villagra / Adrian Arturo YacopinI / Ricardo Adrian Toriaschi 97
501 Airat Mardeev / Aydar Belyaev / Dmitriy Svistunov 85
511 Siarhei Viazovich / Pavel Haranin / Andrei Zhyhulin 79
506 Martin van der Brink / Daniel Kozlowsky / Marcel Blankestijn 65
507 Ton Van Genugten / Anton Van Limpt / Bernard Der Kinderen 60
508 Martin Kolomy / Rene Kilian / David Kilian 47
509 Pieter Versluis / Artur Klein / Marcel Pronk 47
503 Ales Loprais / Jiri Stross / Jan Tomanek 30
518 Martin Macik / Frantisek Tomasek / Michal Mrkva 28
504 Hans Stacey / Jan van der Vaet / Hugo Kuppen 26
522 Aleksandr Vasilevski / Dzmitry Vikhrenka / Anton Zaparoshchanka 20
515 Anton Shibalov / Robert Amatych / Ivan Romanov 18
510 Pascal de Baar / Martin Roesink / Wouter de Graaff 13
512 Artur Ardavichus / Serge Bruynkers / Michel Huisman 6
525 Wuifert van Ginkel / Bert van Donkelaar / Erik Kofman 6
533 Aliaksei Vishneuski / Maksim Novikau / Aliaksei Neviarovich 4
514 Maurik Van Den Heuvel / Peter Kuijpers / Wilko Van Oort 3
516 Teruhito Sugawara / Hiroyuki Sugiura 2

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar

Dakar Dakar 2017 Fotos Off-Road Rally

Avaliação dos Pilotos – Dakar 2017 – Categoria Caminhões e UTV

Published by:

Eduard Nikolaev (Rússia) / Evgeny Yakovlev (Rússia) / Vladimir Rybakov (Rússia)

Após um 2016 frustante ficando apenas em 7ºlugar Eduard Nikolaev junto de Evgeny Yakovlev e Vladimir Rybakov recuperou o campeonato que se perdeu no ano passado. O Trio russo da Kamaz começou a disputar o campeonato quando ganhou na 3ªEtapa. E depois de um Dakar inteiro disputando com os pilotos da Iveco (Com o Campeão Gerard de Rooy e o trio Argentino) e com Sotnikov/Akhmadeev/ Leonov com a Kamaz pelo campeonato, Nos três últimos estágios é que se definiu o campeonato para o piloto de 32 anos e para seus companheiros com 3 vitórias no que acabou fazendo mais uma vez Nikolaev o campeão de 2017 junto de Yakovlev e Rybakov em um título merecido que fez a Kamaz retornar ao domínio do Dakar.

Dmitry Sotnikov (Rússia) / Rusian Akhmadeev (Rússia) / Igor Leonov (Rússia)

Sem um grande resultado juntos (Apenas Akhmadeev conseguiu um vice-campeonato com Nikolaev em 2015 e Igor Leonov em 3ºlugar com Karginov no mesmo ano) Vieram para o Dakar sem grandes expectativas e dai no decorrer do Rally o trio mostrava bons resultados chegando a um 2ºlugar no 2ºEstágio e após 4 etapas acabaram por assumir a liderança na Geral.

Essa liderança seria mais uma vez alcançada na 8ªEtapa. Uma etapa antes eles voltaram a liderança dos caminhões. Poderia até ter conseguido o campeonato, Mas Nikolaev acabou com a parada e Sotnikov não conseguiu reverter a parada a favor dele. Um vice-campeonato para um trio que não estava na lista dos candidatos ao título e fazendo a dobradinha da Kamaz em 2017.

Gerard de Rooy (Holanda) / Moises Torrallardona (Espanha) / Darek Rodewald (Polônia)

Em busca de seu terceiro campeonato Gerard de Rooy manteve o trio vencedor de 2016 que é o trio mais miscigenado com um Holandês, Um Espanhol e um Polonês quando geralmente os trios são do mesmo país e nesse caso é uma quebra de tendência. O Trio com a Iveco teve problemas em alguns estágios como o 3º aonde eles ficaram em 17ºLugar perdendo 30 minutos caindo para o 13ºlugar. Em dois dias De Rooy ganhou 2 estágios e acabou voltando a liderança do Dakar.

Pena que para o time comandado pelo Holandês acabou não conseguindo mais vitórias no estágio e aos poucos os Trios da Kamaz começavam a dominar o Dakar e logo os pilotos da Iveco foram perdendo terreno e ficando no 3ºlugar que acabou sendo a posição de De Rooy, Torrallardona e Rodewald até o final do Dakar representando a Iveco no pódio. Depois de 2016 com a taça agora vão ter de recuperar essa taça em 2018.

Federico Villagra (Argentina) / Adrian Arturo Yacopini (Argentina) / Ricardo Adrian Toriaschi (Argentina)

Federico Villagra que levou a Argentina para o pódio inédito nos caminhões. Para esse ano Villagra era o único a tentar melhorar esse retrospecto. Os outros dois pilotos eram os pilotos que estavam nos carros os também Argentinos Adrian Arturo Yacopini como copiloto e o mecânico Ricardo Adrian Toriaschi. O Dakar do novo trio que representava os nossos hermanos foi muito bom com seu caminhão Iveco com a estrutura da equipe de Gerard de Rooy. Com 2 vezes batendo na trave para vencer um estágio e outros duas vezes ficando em 3ºlugar os Argentinos fizeram um bom papel.

Dois estágios fracos sendo um deles em 15ºlugar (Na 5ªEtapa) acabou por comprometer o sonho de um novo pódio que para Villagra, Yacopini e Toriaschi escaparem diante dos dedos dos sul-americanos por causa de menos de 20 minutos sobre o patrão Gerard de Rooy e sua trupe. Mas devemos salientar a importância de temos um trio sul-americano no Dakar fazendo muito bonito o que pode incentivar a mais tiros sul-americanos para as próximas edições no Dakar.

Airat Mardeev (Rússia) / Aydar Belyaev (Rússia) / Dmitriy Svistunov (Rússia)

Os campeões de 2015 o trio da Kamaz Airat Mardeev com seu copiloto Aydar Belyaev e o Mecânico Dmitriy Svistunov tiveram um Dakar para se esquecer. Com problemas nos 3 primeiros dias ele ficaram de fora dos 10 primeiros colocados que o fizeram terminar em 14ºlugar. A Partir dai os pilotos russos da Kamaz recuperaram em alguns estágios com um 2ºlugar (4ºEstágio) e um 3ºlugar (5ºEstágio). Parecia que Mardeev iria conseguir disputar o título.

Mas no 8ºestágio é que matou completamente a possibilidade de título aonde eles perderam um tempão com um desastroso 39ºlugar no dia caindo para o 10ºlugar bem longe do título. Na parte final nas três últimas corridas o trio conquistou top 3 o que acabou fazendo eles terminarem em 5ºlugar a 2 horas e 26 minutos dos vencedores do Dakar. O que é pouco para quem achou que iria disputar o título.

Aleksandr Vasilevski (Bielorússia) / Dzmitry Vikhrenka (Bielorússia) / Anton Zaparoshchanka (Bielorússia)

Um Dakar muito discreto para o trio Bielo-russo que começaram lá atrás desde do começo até o 7ºEstágio de Fora dos 10 primeiros colocados na geral, Na Segunda parte o piloto Aleksandr Vasilevski, seu copiloto Dzmitry Vikhrenka  e o mecânico Anton Zaparoshchanka com o caminhão da MAZ conseguiram melhorar o desempenho e foram subindo rapidamente do 11ºlugar para o 7º em apenas um dia.

Na parte final ganharam mais uma posição e acabaram o Dakar a 8 minutos do trio que foi 5ºlugar no Dakar. Os melhores resultados nos Estágios foram 2 resultados em 6ºlugar. mesma posição da classificação geral que foi o melhor resultado pessoal deles no evento.

UTV

Leandro Torres (Brasil) / Lourival Roldan (Brasil)

Os Brasileiros Leandro Torres e Lourival Roldan em sua primeira oportunidade na nova categoria que surgiu no Dakar eles aproveitaram a possibilidade e usando da regularidade eles assumiram a liderança na geral a partir da 5ªEtapa para não perder mais e se tornarem os primeiros Brasileiros campeões do Dakar. Foram 2 vitórias e 9 resultados entre os 3 primeiros colocados.

Parabéns aos Brasileiros por colocarem seu nome na história do Dakar como os primeiros campeões dos UTV e por colocarem o nome deles na história do Automobilismo off-road Brasileiro.

Polaris vs Yamaha

Foi um banho da Polaris sobre a Yamaha. Enquanto que todos os carros da fábrica Norte-americana estavam vivos e ficaram vivos até o final do Dakar os UTV Japoneses da Yamaha já estavam todos fora da disputa depois da 5ªEtapa. Ou seja, Nem teve disputa. Na verdade foi um massacre completo. Só espero que tenhamos mais UTV para 2018.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar / velocidades.pt / newsportevents.pt / Caminhoes e Carretas

Dakar Dakar 2017 Fotos Off-Road Rally

Avaliação dos Pilotos – Dakar 2017 – Categoria Carros

Published by:

Stephane Peterhansel (França)/Jean Paul Cottret (França)

Mais uma vez o mito venceu o Dakar. Em 2017 foi um campeonato suado, bem difícil e diante do mito dos Rally do WRC o Francês Sebastien Loeb. Aos 51 anos de idade com um fôlego de um piloto de 20 anos começou os dois primeiros dias com resultados fora da curva com um 12º (Em um estágio curtíssimo) e um 7º na 2ªEtapa, Mas depois disso ele mostrou porque ele é o cara nesse Rally.

Com 3 Vitórias e momentos decisivos fizeram Peterhansel e Jean Paul Cottret consegue o campeonato, Em um duelo particular com o Sebastien Loeb e Daniel Elena. Líder do 5º até o 7º estágio. Perdeu a liderança na 8ªEtapa e recuperou nas 3 últimas especiais e com uma diferença de 5 minutos e 13 segundos sobre o mito do WRC acabou resultado para o 13ºCampeonato da Lenda do Dakar. Vamos aproveitando esses momentos aonde temos uma lenda nas pistas correndo. São Momentos que devemos curtir e se deliciar com o que esse francês faz e esperamos que ele fique mais uns 10 anos disputando o Dakar.

Sebastien Loeb (França)/Daniel Elena (Mônaco)

O Mito do WRC foi sem dúvida o adversário ideal para Peterhansel, Um duro adversário que vendeu bem caro a vitória no Dakar. Junto de seu copiloto o Monegasco Daniel Elena o Francês Sebastien Loeb começou muito bem e liderou no segundo e no terceiro dia, Perdeu a liderança no quarto dia e ficou de fora da liderança por 3 etapas até recuperar a ponta na 8ªEtapa, Mas sempre o Francês estava tendo em sua cola Stephan Peterhansel que recuperou a liderança na reta final do Dakar. Mesmo vencendo as 2 últimas especiais Loeb e Elena não conseguiram impedir o campeonato do Mito, Mas Loeb tem agora um importante resultado incluído em seu currículo já vencedor com o vice-campeonato do Dakar usando todo o potencial do Pegueot 3008 DKR.

Cyril Despres (França)/David Castera (França)

Em seu terceiro ano nos carros Despres que é para mim e outras pessoas odiado pela falta de cooperação em não ter ajudado um piloto em 2012, Acabou por fazer seu melhor Dakar desde da passagem das Motos para os Carros. Junto de David Castela que forma parceria em seu segundo ano seguido e com mais experiência nos carros e a bordo do melhor equipamento da competição fez bons estágios conseguindo vencer sua primeira especial e até mesmo assumir a liderança do evento (tudo isso no 4ºEstágio) . O que foi um espanto já que Despres não esta nem aos pés de Peterhansel, Loeb e Carlos Sainz apesar dos títulos nas motos.

Só que depois com Loeb e Peterhansel mostrando todo o seu potencial acabou o piloto de 42 anos voltando ao seu lugar. Não tinha patamar para ser campeão e acabou levando um calor do Nani Roma e do Alex Haro Bravo até o finalzinho quando com os problemas dos pilotos da Toyota acabaram por garantir eles ao primeiro pódio na carreira em 4 rodas. Se ele vai ser campeão na geral um dia como ele foi nas motos? Eu acho bem difícil ele chegar lá pois não vejo ele no nível de ser um campeão. Nos carros eu acho ele um piloto muito nota 7.

Nani Roma (Espanha)/Alex Haro Bravo (Espanha)

Campeão das Motos em 2004 e 10 anos depois campeão pela Mini em 2014. Dessa vez com o Toyota e pela segunda vez com o Alex Haro Bravo como seu copiloto foi em busca do título. Roma fez um bom Dakar e competitivo e apesar de ficar perto das Pegueot na primeira parte do Dakar, Mas depois acabou sucumbindo ao poderio das Pegueot e também nas 3 últimas especiais perdeu muito tempo e tudo que ele poderia fazer era manter o 4ºlugar. Sendo o melhor piloto da Toyota no Dakar. Em todas as corridas ficou entre os 10 primeiros nos estágios e também ficou entre os 5 primeiros colocados na geral. Nada mal para ele, Mas para um campeão do Dakar tanto nas motos como nos carros dá a sensação para ele de que foi pouco ficar em 4ºna geral. (Sensação que depois ele não vai ter, Pois fez um belo Dakar) Mesmo com os carros da Pegueot sendo mais fortes do que os Toyota.

Giniel de Villiers (África do Sul)/Dirk von Zitzewitz (Alemanha)

Em busca de seu primeiro título no Dakar a Dupla Giniel de Villiers da África do Sul e Dirk von Zitzewitz da Alemanha completaram mais uma vez o evento entre os 5 primeiros colocados, Mas isso não foi o bastante para levar o título para casa. Não que eles tiveram grandes deslizes, Mas também não conseguiram desempenho ou rendimento o bastante para tirar da Pegueot esse campeonato. Ficaram 9 vezes entre os 10 primeiros nas especiais (Sendo duas vezes em terceiro lugar que foi o melhor resultado) e acabou se colocando em todos os dias entre os 10 primeiros na geral.

Ao final do Dakar a dupla ficou em 5ºlugar sendo o 2º de Toyota com apenas 3 minutos de vantagem para Terranova/Schulz segurando pela 7 edição seguida um lugar entre os 5 primeiros colocados.

Orlando Terranova (Argentina)/Andreas Schulz (Alemanha)

O Argentino Orlando Terranova junto do copiloto Bicampeão do Dakar Andreas Schulz representaram a Mini com um bom desempenho que foi na crescente no decorrer do Dakar. Tirando as 2 primeiras etapas  Terranova ficou entre os 10 primeiros no estágio até o final sendo o 3ºlugar no penúltimo dia como o melhor resultado. Durante o Dakar o Argentino Terranova com seu mini estava estável em 7ºlugar até que no final (10ºEstágio) com os problemas de Mikko Hirvonen com o Principal Mini da prova acabou fazendo de Orlando Terranova e de Andreas Schulz em 6ºlugar a 3 minutos do 5ºColocado. Festa para os argentinos que viram seu principal piloto do Dakar nos carros pegar um lugar entre os 10 primeiros colocados.

Jakub Przygonski (Polônia)/Tom Colsoul (Bélgica)

Mesmo com o 7ºlugar na geral o Polonês Jakub Przygonski com seu copiloto Tom Colsoul teve um Dakar que não impressionou nos resultados. Tanto é que ficou várias etapas fora dos 10 primeiros colocados e conseguiu manter posicionamento entre os Top 10 da geral pela regularidade que foi seu ponto forte (Apesar de um 27ºlugar na 10ªEspecial  que foi seu pior resultado). E foi assim até o final chegando em uma posição respeitável com o Mini a 4 horas de Peterhansel e Cottret que foram os campeões do Dakar.

Romain Dumas (França)/Alain Guehennec (França)

O Francês Dumas em seu terceiro Dakar teve o seu melhor desempenho, Aos 38 anos Dumas Junto do experiente copiloto Alain Guehennec de 62 anos e com um Pegueot de equipe privada (Da própria equipe que leva as iniciais de seu nome) fazendo um Rally sem impressionar muito, Mas teve eficiência. Dumas e Guehennec teve um belo momento com o 5ºlugar no 5ºestágio. No outro lado da moeda acabou fazendo um dos grandes micos do Dakar apostando em uma manobra que tinha tudo para dar errado e acabou dando errado comprometendo a etapa deles.

Mas tudo acabou certo para os franceses que levaram o primeiro carro privado da Pegueot ao final em 8ºlugar que acabou sendo o melhor resultado dos seus três Dakar que fez até hoje.

Conrad Rautenbach (Zimbábue)/Robert Howie (África do Sul)

O piloto de Zimbabué Conrad Rautenbach de 32 anos em sua estria no Dakar com um Toyota e tendo um experiente Copiloto o Sul-africano Robert Howie que ficou em 5ºlugar em 2016 sendo copiloto de outro piloto. A Dupla africana não teve muitos resultados significativos. Principalmente das primeiras etapas do Dakar.

Depois no 5ºEstágio com o 6ºlugar é que Rautenbach evoluiu e passou para os top 15 do geral e a partir dai foram mais 4 resultados entre os 10 primeiros colocados com destaque para o 5ºlugar na última etapa e com esse update acabou fazendo o Zimbábueano e o Sul-africano a chegar entre os 10 primeiros colocados. Para um primeiro Dakar de Conrad Rautenbach ele mandou bem.

Mohammed Abu-Issa (Qatar)/Xavier Panseri (França)

Após 3 anos de Quadriciclos o Qatari Mohammed Abu-Issa foi para os carros e com um Mini junto de Xavier Panseri que terminou o Dakar de 2015em 3ºlugar nos carros fez um Dakar decente e usou da regularidade para levar seu carro ao final do Dakar ao chegar ao termino do evento (Com um 12ºlugar em duas especiais como melhores resultados) Chegando em 10ºlugar por ser um piloto que não cometeu erros e foi regular. No que é muito bom para um estreante que ainda por cima é bem jovem. Abu Issa tem 26 anos podendo evoluir muito ainda na sua carreira.

Martin Prokop (República Tcheca)/Ilka Minor (Áustria)

Sem muita experiência e com um carro que não é um Pegueot, nem a Mini e Toyota. (Com uma Ford) O Martin Prokop em sua segunda participação e o copiloto o Estreante Ilka Minor fizeram um Dakar muito bom. Mesmo tendo um carro longe de ser competitivo que é o F150 Evo.

O Segredo disso foi a regularidade que tiveram em todas as etapas mantendo eles entre os 14º ao 16ºlugar na primeira parte. Na segunda parte com as quebras e os abandonos a dupla subiu e o seu ponto alto foram em 2 especiais que eles ficaram entre os 10 primeiros colocados em Etapa (9ºLugar na 10ªEspecial e 10ª na especial seguinte) Ao final do Dakar foram os melhor pilotos fora do Trio de Ferro formado pela Pegueot, Toyota e Mini chegando a 5 minutos de Abu-Issa e Panseri que tinham um carro de com mais condições do que o Ford do checo e do Austríaco.

Nicolas Fuchs (Peru)/Fernando Mussano (Argentina)

O Peruano Nicolas Fuchs e o Copiloto Argentino Fernando Mussano formaram a dupla Rookie do Dakar nos carros. Com um HRX da Ford  eles fizeram um Dakar muito legal. Crescendo de posição em cada etapa aonde eles viam favoritos caírem ou ficarem para trás. Na parte final se destacaram na 10ªEspecial aonde eles conseguiram um belíssimo 8ºlugar. Ao final do Dakar ficaram em 12ºlugar na frente de Hirvonen e de Perin por menos de 2 minutos o que deve ser uma Gloria para pilotos como eles que não pretendiam muita coisa para um Dakar de Estreia.

Mikko Hirvonen (Finlândia)/Michel Perin (França)

Após um Dakar muito bom em 2016 o Finlandês Mikko Hirvonen junto do experiente copiloto Michel Perin chegavam como os principais pilotos da Mini nesse Dakar. Em desempenho os pilotos não deixaram a desejar em nada, Tanto é que que ambos conseguiram até em certo momento colocar um Mini na disputa pela vitória na geral, Mas sem a força dos outros anos dessa vez ficou bem difícil para Hirvonen levar o carro para uma eventual disputa. Tanto é que que não conseguiram vencer uma especial em 2017.

Mas o que acabou comprometendo de vez o Dakar da Dupla Hirvonen/Perin foi quando no 10ºEstágio acabaram perdendo mais de 4 horas devido a uma manobra mal sucedida que deixou o carro deles em posição que não permitiu mais a eles saírem pelos próprios métodos. Com isso o 5ºlugar na Geral que estava praticamente certo acabou indo pelo Ralo jogando eles para o 15ºlugar. No final ainda conseguiram recuperar duas posições, mas o prejuízo já estava feito e o 13ºlugar na Geral acabou sendo um balde de água fria para o 15 vezes vencedor de corridas no WRC e o experiente navegador campeão do Dakar de 2014 com o Nani Roma.

Nasser Al-Attiyah (Qatar) / Matthieu Baumel (França)

Os Campeões de 2015 acabaram tendo um Dakar pra lá de problemático. Apesar da vitória na 1ªEspecial ele acabou com problemas. Um incêndio que poderia colocar tudo a perder e que acabou não tendo consequências para a prova seguinte aonde ele ficou em 2ºlugar. Mas os problemas apareceram na 3ªEspecial quando ele perdeu muito tempo ficando em 31ºlugar no Estágio e esses problemas acabaram por culminar no abandono do Dakar. Uma pena para o piloto e para a Toyota. Pois teria a possibilidade sim de vencer o evento mesmo com o Favoritismo da Pegueot.

Carlos Sainz (Espanha) / Lucas Cruz (Espanha)

O Velho Espanhol Carlos Sainz que foi campeão em 2010 do Dakar vinha como um dos favoritos ao campeonato junto de seu navegador Lucas Cruz. Ainda com a dor de no ano passado estarem com a possibilidade de título que escapou das mãos deles Sainz e Cruz foram com tudo e fizeram os 3 primeiros estágios de forma muito competitiva com um 4º, um 3º e um 2ºlugar o que colocavam eles na vice-liderança da Geral.

Mas de uma hora para outra tudo pode mudar e na 4ªEtapa de forma bem cruel para Sainz e Lucas Cruz que acabaram capotando várias e várias vezes, Um acidente que tirou o seu Pegueot 3008 DKR da prova que poderia levar os Espanhóis ao segundo campeonato do Dakar nos carros.

Eric Bernard (França) / Alexandre Vigneau (França)

O Piloto que já foi da Formula 1 aos 49 anos Eric Bernard que partiu para o seu 11ºDakar junto do jovem copiloto Alexandre Vigneau (Ambos Franceses) se aventuraram no Dakar com o Buggy BV2-1 que é praticamente um protótipo de carro. Mas conseguiram ter destaque principalmente no 5ºEstagio quando eles ficaram em um respeitoso 7ºlugar. E apesar de não ter um equipamento considerado de ponta eles vinham perto dos 10 primeiros colocados na geral.

Mas acabaram sofrendo um acidente no 8ºestágio acabou comprometendo a prova dos franceses. Bernard e Vigneau acabaram caindo 8 posições e não conseguiram recuperar o prejuízo a ponto de conseguirem se colocar pelo menos entre os 15 primeiros colocados. O 17ºlugar foi o melhor resultado de ambos o Dakar. Problemas o tiraram até da possibilidade de ficarem entre os 10 primeiros na geral.

Xavier Pons (Espanha) / Ruben Garcia (Argentina)

Muito frustante quando você tem um carro como é o Ford, Consegue um 2ºlugar no primeiro estágio e no dia seguinte tudo acaba para você no Dakar. Foi isso que aconteceu com Xavier Pons e Ruben Garcia que não tiveram mais o que mostrar com um abandono prematuro no segundo dia de competições.

Sylvio Barros (Brasil) / Rafael Capoani (Itália)

O único brasileiro na categoria carros junto do copiloto Rafael Capoani da Itália andando com um Mini fizeram um Dakar correto e chegaram a figurar em posições razoáveis a geral (Chegando ao 11ºlugar na geral após o 4ºdia de competições). Mas meio que eles perderam um pouco de desempenho em algumas etapas o que fez eles caírem na classificação geral. Mas completaram o evento entre os 20 primeiros colocados o que pode se dizer que foi algo bastante respeitável para quem se inscreveu de última hora já que na primeira lista que vi no começo de Fevereiro eles não constavam na lista de participantes.

Philippe Croizon (França) / Cedric Duple (França)

Para os pilotos vencer o desafio do terminarem o Dakar é muito difícil. Agora pense em alguém que não tem as pernas e os braços e é tetra amputado que poderia achar esse feito impossível. Para o Francês Philippe Croizon essa palavra não esta no dicionário. Só isso justifica o que ele fez, Conseguiu transformar um BMW em um carro adaptado para que ele pudesse dirigir esse carro que era guiado com um jostick hidráulico com o braço direito. Acelera, freia, vai para trás e vira com movimentos laterais. No outro Braço ele trocava as marchas.

Desde de quanto ele perdeu os 4 membros quando sofreu um acidente até de certo modo banal (Levou um choque quando reparava a antena da sua casa) Com isso tiveram que amputar todos os 4 membros. Mas dai ele teve forças para encontrar no esporte um motivo muito forte para viver. Atravessou o Canal da Mancha e os todos os estreitos dos 5 continentes.

Nesse Dakar Croizon ao lado de Cedric Duple conseguiu seu objetivo com sucesso que foi terminar o Dakar (Fechou o Dakar em 49ºlugar a 52 horas dos campeões). Num mundo aonde agente ver pessoas se alto limitando e o ódio crescendo em todos os lugares o que esse francês acabou fazendo acaba por colocar todos nós para refletir no o que estamos fazendo aqui. Para mim um dos grandes vencedores desse Dakar em 2017 e um vencedor na Vida.

Ariel Jaton (Argentina) / German Rolon (Argentina)

Através de um carro ecológico que não usa combustível e sim bateria para correr os Argentinos Ariel Jaton e German Rolon apesar de todos os problemas da nova tecnologia conseguiram levar o EcoPowered Acciona até o final com desempenhos bem longe dos favoritos. Chegaram um dia nao competirem, Mas conseguiram voltar a prova e terminarem a competição chegando em 60ºlugar (último dos que terminaram o Dakar) a mais de 83 horas dos campeões Peterhansel e Cottret e a mais de 4 horas de Graziano Scandola e Giammarco Fossa que foram os penúltimos do Dakar de 2017. O melhor resultado deles em estágio foi um 51ºlugar no segundo dia.

O que ainda podemos dizer é que esse carro sofre de problemas de infância do seu projeto e que pode sim um carro 100% elétrico ser o futuro do automobilismo, Mas por agora sofre por revés de desempenho e de problemas. Mesmo assim essa foi a primeira vez que o carro terminou um Dakar e isso deve sim ser comemorado.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar / Le Journal Dessables / estaticos.efe.com / motor.es / El Comercio (Peru) / Multi Desportos

 

Dakar Dakar 2017 Fotos Off-Road Rally

Avaliação dos Pilotos – Dakar 2017 – Categoria Quadriciclos

Published by:

Sergey Karyakin

O piloto russo de 25 anos que foi muito bem no Dakar de 2016 conseguiu furar o duelo entre o Chileno e o Polonês e além disso não teve os Irmãos Patronelli para incomodar dessa vez. Foi o melhor piloto nos quadriciclos com 3 vitórias em especiais e conseguiu ter o controle da situação quando tinha Casale, Dutrie e Vitse na cola dele disputando o campeonato. E no final bastou para o piloto esperar seus adversários ficarem pelo caminho ou perderem muito tempo e só se preocupou a acelerar o seu quadriciclo da Yamaha (que dominou o Dakar) e partiu para a vitória com mais de 1 hora para o Ignario Casale que foi o que de certo modo resistiu até o final. Foi o mais jovem piloto a ser campeão do Dakar em 2017 juntando todas as categorias. Parabéns para o Russo pelo Título do Dakar de 2017.

Ignacio Casale

Sem os irmãos Patronelli para o Chileno que venceu em 2014 se esperava que ele rivalizasse com o Rakal Sonic para disputar o título dos quadriciclos. Casale fez seu papel e brigou pelo título o tempo inteiro praticamente, Mas acabou sendo surpreendido por um Russo. Principalmente nos últimos estágios.

Casale ficou entre os 4 primeiros desde da 2ªEtapa e acabou disputando o título no final de igual para igual com Sergey Karyakin. Mas um desastroso 11ºEstágio aonde ele perdeu mais de 50 minutos para o piloto Russo acabou fazendo com que o Chileno se contentasse com o Vice-campeonato a 1 hora e 14 minutos do Karyakin. Foram 2 vitórias em estágios nesse Dakar de 2017.

Pablo Copetti

O Argentino de 41 anos Pablo Copetti no ano passado conheci ele mais pela propaganda de um óleo lubrificante. Nesse ano acabou sendo conhecido pelo seu desempenho, Com uma vitória na segunda etapa e apesar de 2 etapas fracas fora dos 10 primeiros colocados o piloto hermano soube se recuperar na geral com bons desempenhos. Sempre sendo entre os 10 primeiros nas especiais e foi subindo na classificação geral. Do 7ºlugar no 5ºEstágio até no final quando conseguiu o 3ºlugar na Geral, Subindo ao Pódio para a alegria dos Argentinos que tem em Copetti como o 3ºmelhor piloto dessa edição do Dakar.

Rakal Sonic

Foi uma decepção para Sonic, Campeão em 2015 o Polonês de 50 anos não chegou nem perto de disputar o campeonato. Desde do começo do Dakar tendo desempenhos abaixo da média ficando de fora não só dos 10 primeiros, Mas também dos 20 primeiros colocados. Uma vergonha para um candidato ao título. No final com as quebras e com as falhas de outros pilotos ele ainda conseguiu nos últimos estágios um 2ºlugar e um 5ºlugar, Mas no geral foi uma decepção. Somente os abandonos e problemas de outros pilotos justificam o 4ºlugar na geral já que em termos de desempenho não fez por merecer nem ficar entre os 10 primeiros. Muito fraco mesmo o Polonês Sonic.

Axel Dutrie

O Estreante Francês foi muito bem no Dakar, Conseguiu se aproveitar dos erros de outros pilotos e outros chegando a ficar em 2ºlugar na geral e chegou a sonhar com o campeonato, Mas no final acabou tendo 2 estágios ruins o que o jogou para fora do pódio. Terminou em 5ºlugar a 5 horas e 45 minutos de Karyakin e a 1 hora e 25 minutos de Pablo Copetti que ficou no pódio.

Bruno da Costa

Vindo das Motos o Francês Bruno da Costa estreou nos quadriciclos com um desempenho de regular para bom. Com um começo tímido e uma segunda parte melhor (Ficando os últimos 5 estágios entre os 10 primeiros colocados). Muito contando com as quebras de outros pilotos que ficaram para trás. Bruno ficou quase todo o tempo no 10º ou 11ºlugar até que na 10ªEspecial o Francês Subiu para o 7ºlugar e até o final acabou subindo mais uma posição ficando em 6ºlugar na Geral. Seu melhor resultado no Dakar. Fez muito bem em trocar as 2 Rodas pelas 4 Rodas.

Camelia Liparoti

A representante feminina nos quadriciclos fez um Dakar discreto, Mas conseguiu chegar ao final ficando em 13ºlugar a 12 horas do campeão.

Diego Licio

Essa imagem responde a pergunta: Porque o cara vai disputar o Dakar se não vai ganhar, Se não tem a melhor chance de vencer? Eu posso responder que ele sendo o melhor Uruguaio do Dakar ao chegar em 15ºlugar na geral e ao final do Dakar após uma dura batalha levando 2 crianças (Possivelmente seus filhos) e a maior forma de que não é obrigatório levar a taça para ser um vencedor do Dakar.

Nelson Augusto Sanabria Galeano

A Esperança do Paraguai no Dakar teve um belo desempenho. Começou bem nos 2 primeiros estágios e depois acabou tendo alguns problemáticos estágios acabaram por afastar da disputa das primeiras posições. Apesar dos problemas Sanabria conseguiu se manter entre os 10 primeiros colocados até o final ficando em 8ºlugar com 2 resultados no Top 3 e ficando a 6 horas e 11 minutos do campeão e apenas a 26 minutos de Axel Dutrie que ficou em 5ºlugar. Foi o seu 3ºresultado entre os 10 primeiros colocados. (Sendo o 4ºlugar em 2015 o melhor resultado)

Simon Vitse

Está ai mais um candidato a títulos no futuro no Dakar. Simon Vitse que estreou com brilhantismo no Dakar conseguindo de começo resultados modestos, Mas em poucos dias o piloto de 26 anos acabou  assumindo a liderança do Dakar pela sua regularidade. Era Candidato ao título até abandonar o Dakar. Uma pena, Seria uma pedra no sapato nos seus adversários até o final nos quadriciclos que teve uma legião de franceses fazendo um belíssimo trabalho nesse ano.

Marcelo Medeiros

O Brasileiro que tinha feito um bonito trabalho no Dakar de 2016 até sofrer um acidente e abandonar a corrida tinha tudo para fazer um Dakar de 2017 impressionante. Na primeira Etapa o Brasileiro chamou a atenção com a vitória na especial de 39 km e parecia que ele viria para o campeonato.E Continuou muito bem no 2ºEstágio. Mas no 3ºEstágio Medeiros acabou abandonando o Dakar mais uma vez por causa de uma queda, Deixou a impressão de que poderia disputar o campeonato, De repente em 2018 ele possa começar um pouco mais devagar e que seja consistente para quem sabe disputar o campeonato.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar / zimbio.com

 

Dakar Dakar 2017 Fotos Off-Road Opinião Rally

Avaliação dos Pilotos – Dakar 2017 – Categoria Motos

Published by:

San Sunderland

Eu seu terceiro Dakar e sem ter completado um única vez a competição o Inglês de 27 anos não era um dos favoritos ao campeonato. Apesar de ser um piloto rápido (Ganhou uma especial em 2014) não era uma das principais apostas da KTM para 2017. Mas como muita gente diz é na hora do jogo é que se decide e que Sunderland foi constante e se aproveitando dos erros dos seus adversários e também erro da Honda que tirou sérias ameaças ao título levou sua moto de número 14 a um título. Que pode-se dizer inesperado pela seu histórico em Dakar ser desastroso, Mas pela velocidade não foi uma completa surpresa. Ganhou 1 especial (5ªEtapa) e ficou nos top 10 em 8 etapas e entre os 5 primeiros em 6 etapas. Não foi o mais rápido do Dakar, Mas o título foi merecido e manteve a Hegemonia da KTM nas motos.

Matthias Walkner

Um título de uma Moto Austríaca como a KTM com um piloto Austríaco como Matthias Walkner acabou não acontecendo por alguns detalhes que acabaram resultando em 32 minutos, Obteve a mesma 1 vitória (Conquistada na 4ªEtapa) que o Sam Sunderland? Sim, Mas acabou não tendo a mesma consistência que o piloto Inglês, Acabou tendo alguns estágios fracos como o 20ºlugar na 5ªEtapa. Ou seja, Acabou até tendo um trabalho para conseguir o vice-campeonato que ficou com ele por apenas 3 minutos e 40 segundos de uma moto privada da KTM com o Gerard Farres Guell. Apesar disso o Dakar do piloto de 29 anos foi satisfatório. Um vice-campeonato pra marcar sua história.

Gerard Farres Guell

Quando o Dakar começou o Espanhol Farres Guell era apenas mais um piloto de equipe privada que teve um 8ºlugar em 2016 e um 7º em 2012 (Que foi o seu melhor resultado) Aos 37 anos o piloto da Himoinsa Dakar Team teve um Dakar acima das expectativas ficando em 8 estágios entre os 10 primeiros e em todos os dias do evento entre os 10 primeiros da Geral e desde do 4ºdia Ele subiu para os 5 primeiros colocados aonde ele não saiu mais, Ajudado pela punição que deram a Honda e se aproveitando dos erros de pilotos e de quebras dos equipamentos. Acabou o que parecia impossível no começo do Dakar se tornando uma realidade que se confirmou ao final da última etapa quando Farres Guell supera Adrien van Bereven e leva o 3ºlugar na geral. De longe o melhor Dakar da sua história.

Adrien Van Bereven

O melhor não Yamaha do Dakar, Piloto Francês Adrien van Bereven após um belo Dakar em 2016 não decepcionou. Colocou no Bolso o Português Helder Rodrigues e andou forte o Dakar inteiro. Não foi o bastante para conseguir superar o time da KTM e também não estava no nível da Yamaha e estava do mesmo nível de Husqvarna, Mas teve um desempenho constante com 6 resultados entre os 10 primeiros colocados e uma vitória para fechar o Dakar em 4ºlugar a apenas 48 segundos o separaram do Pódio. O Francês de 26 anos (Fez aniversário durante o Dakar) é sem dúvida o líder da Yamaha para os próximos anos com o que ele mostrou no Dakar de 2016 e 2017.

Joan Barreda Boat

Após alguns Dakar que ele mostrou velocidade, Mas nunca aliou consistência o Bastante para vencer. Mas em 2017 o piloto de 33 anos finalmente conseguiu unir esses dois quesitos para fazer um Dakar espetacular. Com 4 vitórias em Especiais e tendo um desempenho sensacional liderando o time da Honda ele poderia ter comemorado o título do Dakar.

Isso se não fosse a Honda que reabasteceu sua moto em local proibido o que lhe deu 1 hora de acréscimo no seu tempo. Isso fez toda a diferença e acabou lhe tirando a vitória no Dakar (A não ser que a apelação que a Honda der certo na justiça) Sem a punição Barreda Boat comemoraria o campeonato na Geral com 16 minutos e 52 segundos de Folga para Sunderland e a mais de 9 minutos sobre Paulo Gonçalves que seria o vice-campeão do Dakar.  No Rally ele fez a parte dele. Foram os dirigentes  que jogaram o trabalho de Barreda Boat no chão ainda que esse 5ºlugar acaba sendo seu melhor resultado no Dakar.

Paulo Gonçalves

O Português de 37 anos correndo com a moto da Honda fez um Dakar muito bom. Infelizmente atrapalhado com a punição de 1 hora jogou toda a sua constância no Lixo. Tirando o 44ºlugar (quando ele recebeu a 1 hora de punição pelo reabastecimento em local proibido) ele completou todas as  especiais nos 10 primeiros lugares sendo que 4 deles Paulo ficou em 2ºlugar. O que poderia ser pela segunda vez na sua carreira o 2ºlugar no Dakar sem o erro da Honda acabou sendo um frustrante 6ºlugar e a sensação de que poderia ter conseguido acabar com a hegemonia da KTM no Dakar.

Pierre Alexandre Renet

O Campeão Mundial de enduro que abandonou o Dakar de 2016 acabou fazendo um bom Dakar, Inferior ao seu companheiro de equipe o Chileno Pablo Quintanilla, Mas fez um trabalho muito bom a ponto de colocar uma 2ªHusqvarna entre os Top 10 da Geral desde da 4ªEtapa. Alguns estágios ruins do Francês o afastaram de uma posição melhor. No final do Dakar 2017 ficou em 7ºlugar a 57 minutos do Campeão e terminou como o primeiro piloto da Husqvarna na Classificação geral.

Franco Caimi

O Estreante Argentino e quase certamente substituto de Kevin Benavides o piloto de 26 anos não fez feio no Dakar e mostrou serviço. Principalmente na segunda metade quando seus resultados e seu rendimento cresceram (3ºlugar no 11ºEstágio)  Mesmo com a punição de 1 hora no tempo final de prova Caimi conseguiu ficar entre os 10 primeiros colocados (Sem querer comparação entre ele e o Benavides. Por Favor) O Argentino foi o novato do ano ficando em 8ºlugar na classificação Geral.

Helder Rodrigues

5ºlugar em 2016 o Dakar 2017 de Helder Rodrigues que me perdoe o piloto da Yamaha eu considero muito decepcionante. Pelo seu desempenho em Dakar aonde ele obteve em sua história 8 vitórias em especiais nesse ele não chegou nem perto de ganhar uma. E não chegou perto do desempenho de seu companheiro de equipe o Francês Adrien van Bereven e do piloto Francês Xavier de Soultrait que não era piloto oficial da Yamaha. Ficou feio para o Português que conseguiu um 5ºlugar apenas como melhor resultado de uma etapa. E miraculosamente acabou conseguindo sabe-se lá como chegar ao final entre os Top 10. Por mim ele não merecia chegar nesse patamar, Não fez por merecer.

Joaquim Rodrigues

Quando se viu ele no Dakar pouco se esperava desse piloto estreante e ainda mais pela moto que ele tinha que era a Hero Speedbrain que não estava entre as marcas mais famosas. Mesmo assim o Joaquim que tem 35 anos fez um trabalho consistente e mesmo sem chegar ao final de especiais entre os 10 primeiros com sua consistência levou a sua moto para uma grata 10ªposição no final do Dakar. (ficando por 2 estágios em 11ºlugar como melhores resultados no Dakar 2017)

Juan Carlos Salvatierra

O melhor Boliviano do Dakar, com sua KTM o piloto em seu 7º Dakar mostrou uma boa pilotagem e crescendo ao  decorrer das corridas tendo como um 9ªlugar na 5ªEtapa e um 8ªlugar na última etapa o lugar entre os top 10 escapou diante de seus dedos por apenas por causa de 3 minutos e 16 segundos. O 11ºlugar é o melhor resultado de Salvatierra no Dakar.

Ondrej Klymciw

O Checo de 31 anos de idade com sua Husqvarna de sua própria equipe que é privada pouco se esperava para a disputa. Ondrej Klymciw teve um desempenho discreto o Dakar inteiro, Mas foi eficiente o bastante para subir na classificação e ficar a maior parte do tempo entre os 20 primeiros colocados. Na 10ªEtapa ele chamou a atenção e chegou a sonhar com a Vitória na especial. Acabou ficando em 9ºlugar que foi seu único resultado dos Top 10. Ao final do Dakar um inesperado 12ºlugar a menos de 5 minutos dos 10 primeiros colocados.

Juan Pedrero Garcia

A Experiência de Pedrero Garcia sem dúvida valeu para a Sherco TVS que acabou fazendo um belo Dakar aonde por desempenho ele poderia ter ido até mesmo para disputar fácil um lugar entre os Top 10. Venceu a primeira etapa e acabou obtendo bons resultados em mais 2 etapas (4º no 5ºEstágio e 5º no 8ºstágio) Mas acabou tendo um estágio desastroso (4ºestágio) o que fez ele dispencar para o 30ºlugar na geral. Depois disso o Espanhol de 38 anos acabou fazendo uma boa recuperação aonde ele conseguiu ganhar 17 posição chegando em 13ºlugar. Nada mal para quem teve problemas, Mas para quem ganhou um estágio e tinha uma boa moto na mão acabou sendo decepcionante.

Michael Metge

O Francês entre os pilotos oficiais da Honda acabou sendo o mais fraco de todos, Além disso também foi punido pelo reabastecimento proibido que a equipe optou em fazer e isso matou toda e qualquer possibilidade do piloto de 37 anos de superar seu melhor resultado  no Dakar (13º em 2014) Ficou apenas 5 vezes entre os 10 primeiros colocados nas especiais desse ano. Um desempenho abaixo do esperado que resultou em um burocrático 14ºlugar.

Diego Martin Duplessis

O Argentino que correu por uma equipe privada com uma KTM em seu segundo Dakar mostrou serviço e mostrando bom trabalho mesmo com um equipamento limitado tecnicamente chegando a ficar entre os 10 primeiros na geral. Na parte final acabou caindo pela reação de pilotos com equipamentos mais fortes e por alguns problemas no seu equipamento o que fizeram Duplessis cair fora dos Top 10, Mas conseguiu um respeitável 15ºlugar na Geral

Laia Sanz

Não foi o melhor Dakar de Laia Sanz, Mas acabou sendo um Dakar decente da Espanhola. Sanz estava o tempo todo de fora dos 20 primeiros na geral. Até que nos 3 dias finais ela deu um pulo de 24º para o 18º lugar e acabou fazendo seu melhor resultado na 12ªEtapa aonde ela ficou em 11ºlugar e terminou em 16ºlugar bem perto de Duplessis. Mas o resultado dela é importante para a entrada de novas mulheres na competição, Mostra que podemos ter uma piloto de alto nível em um Rally tão importante como o Dakar. É mais um tabu idiota (Lugar de mulher é em qualquer lugar e não só pilotando fogão) que o esporte a motor ajuda  a quebrar.

Outros pilotos

Toby Price

Chegou a vencer uma especial e se encaminhava para disputar o título de novo, Mas acabou sendo vitima do Dakar abandonando na 4ªEtapa com uma fratura no Fêmur após uma queda.

Adrien Metge

Não começou o Dakar feliz tendo 2 desastrosos resultados, Acabou conseguindo se recuperar posições. Obtendo boas etapas, Mas no final todos os problemas acabaram pesando no resultado final do piloto da Sherco TVS, Um 22ºlugar quando poderia disputar posições mais a frente.

Antônio Gimeno García

Acabou fazendo um Dakar sem muito brilho, Dos 3 integrantes da equipe Himoinsa ele acabou sendo o que não brilhou ficando apenas em 23ºlugar na classificação Geral do Dakar.

Pablo Quintanilla

O piloto Chileno vinha fazendo um Dakar tão legal, Tão bom que estava disputando o título com Sam Sunderland. chegou a liderar na Geral e correspondia ao favoritismo. Até que na 10ªEtapa aonde ele sofreu uma queda que provocou traumatismo Craniano o que fez o piloto da Husqvarna abandonar o Dakar de 2017 depois de um brilhante 3ºlugar em 2016.

Fabricio Fuentes

Não foi o melhor dos Bolivianos, Mas teve seu melhor desempenho no Dakar com o 35ºlugar na Geral com uma das Várias KTM que disputaram o Maior Rally do Mundo em 2017.

Ivan Cervantes Montero

O Espanhol Ivan Cervantes teve alguns bons dias no Dakar com um 9ºlugar na 1ªEtapa e um 6ªlugar na 10ªEtapa. Acabou tendo em alguns estágios problemas que o jogaram lá atrás. Vinha para obter um resultado Razoável até que ele abandonou no seu segundo Dakar que ele disputa (Primeiro foi ano passando aonde ele ficou em 16ºlugar)

Ricky Brabec

O Norte-Americano que teve uma belíssima participação no Dakar de 2016 ficando em 9ºlugar parecia que iria ter uma boa participação em 2017, Mas teve problemas nesse ano e apesar de vencer a 7ªEtapa acabou também comprometido com a punição de 1 hora de acréscimo de tempo aos pilotos oficiais da Honda. Brabec Abandonou depois da 9ªEtapa quando estava perto dos 10 primeiros colocados.

Stefan Svitko

Se teve uma grande decepção nesse ano no Dakar acabou sendo o piloto Eslováquio de 34 anos e vice-campeão de 2016. Stefan Svitko não teve em quase nenhum momento na disputa pelos primeiros lugares (Apenas nos 3 primeiros dias ele conseguiu ficar entre os candidatos a vitória) e além disso no final acabou obtendo uma punição grande o que derrubou do 10ºlugar para o 25ºlugar que Posição que ele terminou o Dakar. Seu melhor momento foi o 2ºlugar na 10ªEtapa. Ou Seja, Um ano para esquecer para Svitko.

Xavier de Soultrait

A Surpresa do Dakar, O Francês que tinha uma Yamaha privada da equipe Viltais Racing Team Hfp fez um Dakar belíssimo com vários resultados muito bons como o 3ºlugar na segundo Etapa e o 2ºlugar na 4ªEtapa. Além de ter ganhado o 1ºestágio até descobrir que foi punido em 1 minuto e com isso perdeu essa vitória no estágio.

Até o 10ºdia as coisas se encaminhavam bem para o francês de 28 anos, Colocando tempo no Helder Rodrigues que era o piloto oficial da Yamaha. Mas o 11ºEstágio foi um desastre para o piloto Francês que perdeu só ai 21 horas o que derrubou para o lastimável 87ºlugar.

Pilotos Brasileiros

Gregorio Caselani

Dos três estreantes Brasileiros foi o que teve mais dificuldade no Dakar. Em nenhum momento Gregório conseguiu se destacar sobre os outros pilotos brasileiros. Acabava quase sempre atrás de Fliter e de Ricardo Martins que também eram estreantes no Dakar. Gregorio conseguiu chegar até a 7ªEtapa quando ele abandonou o evento por causa de uma inflamação nas costas.

Ricardo Martins

Dos Brasileiros foi o melhor que se apresentou, Ricardo Martins de 36 anos com sua Yamaha mostrou mais velocidade e obteve os melhores resultados com destaque para o 32ºlugar no 5ºEstágio. Mesmo com essa velocidade o Catarinense Ricardo Martins não viu a bandeirada de chegada. Abandonou a 2 dias do final por causa de desidratação.

Richard Fliter

O piloto de 30 anos foi o único Brasileiro a terminar o Dakar, não teve a velocidade de Ricardo Martins, Mas acabou sobrevivendo ao Dakar. Sem resultados impressionantes (Seu melhor resultado em especial foi o 54ºlugar na 5ªEtapa) , Mas resistiu até o final levando a sua Honda para uma quase insignificante 59ªPosição. Mas foi importante para o estreante que se vier para o Dakar em 2018 que venha com mais estrutura e que possa ter resultados melhores assim como seus companheiros Ricardo Martins e Gregorio Caselani.

Texto: Deivison da Conceição da Silva
Fotos: Dakar / Moto Channel Brasil / Motonline / silnicnimotorky.cz / Global Notícias / Espn Brasil / Moto Journal